BRASÍLIA-SALVADOR-NATAL DE CARRO

*******************************************************************************************************************************

Prezado Abreu,
Obrigado pela boa vontade e pelo serviço de sobrevivência nas nossas estradas dado pelo seu blog. Fui repórter-pesquisador do Guia 4 Rodas nos anos 70, sei o trabalho que dá atualizar as informações – o que dignifica ainda mais o seu blog.
Vou fazer Brasília-Trancoso (BA) e encontrei aqui informação essencial para eu planejar a viagem. Muito obrigado.

Comentário postado em 19/08/2017 as 13:41 por Alceu Simões Nader

*******************************************************************************************************************************

 

Resumo atualizado para as viagens de férias escolares de julho de 2017:

 As condições gerais das estradas da rota Brasília-Salvador permanecem inalteradas, bem como as questões de estrutura de apoio em postos de combustíveis, lanchonetes, restaurantes, pernoite, estado do asfalto e segurança. Viemos de Salvador na semana passada e retornaremos no dia 07 de julho. 

(Edimar Rodrigues de Abreu – 23.06.2017)

 

                                                                                                                            (Reedição em 31.12.2013)

(O espaço para comentários a esta matéria encontra-se ao final dela, após o último dos comentários).

 

Decidimos revisitar uma parte do litoral brasileiro que adoramos e por onde havíamos andado em 2006: O trecho Salvador-Natal.

Nossas impressões sobre o trecho Brasília-Salvador, que percorremos pelo menos duas vezes por ano, encontram-se detalhadas no post Rodovias Brasileiras: Brasília-Salvador, neste mesmo blog (www.expressaodaliberdade.com.br).  Ali, além de várias informações decorrentes de experiências hauridas em mais de 20 idas e vindas nos últimos 02 anos à capital baiana, existe também o formidável acervo vivências, avaliações e orientações dos internautas que transitam por esse site.

Em síntese, depois de anos e anos tentando achar o melhor caminho para Salvador, descobrimos que a alternativa correta é, indiscutivelmente, a velha rota Brasília-Barreiras-Feira de Santana-Salvador, inviabilizada desde 1989 pelo abandono dessas estradas pelo governo.

Repaginada, reconstruída em alguns pontos, restaurada por algumas cirurgias plásticas, remoçada à custa de botox em outras áreas, foi devolvida para nós, usuários, há 8  anos. Pelo jeito, o Dnit andou fazendo um excelente trabalho naquela rota (com todas as acusações de roubalheira, ficamos imaginando o que seria de nossa malha viária sem corrupção em níveis tão gigantescos).

Orientações gerais para o trecho Brasília-Salvador:

a) a rota adequada é BR020 (duplicada até Formosa-GO), BR242 e BR324;

b) abastecer e fazer alongamento a cada 200-250 km;

c) não viajar à noite;

d) dividir a viagem em duas etapas, com pernoite em Luís Eduardo Magalhães, Barreiras, Ibotirama, Seabra ou Lençóis;

e) evitar refeições em restaurantes ao longo da estrada;

f) manter a bordo garrafinha de álcool, papel higiênico, óculos escuros, dropes da marca HALLS, de embalagem preta e a lista de guinchos disponíveis ao longo da rota;

g) em Itaberaba, em vez de seguir para Argoim pela BR242 e pegar a BR116 (Rio-Bahia), com suas centenas de milhões de carretas e caminhões, pegar no trevo a estrada para Ipirá (76 km) e de lá para Feira de Santana (86 km): o percurso é 22 km maior, mas a estrada é excelente e você é praticamente o dono da estrada, uma vez que o tráfego é mínimo e constituído basicamente de carros de passeio;

h) ATENÇÃO, ATENÇÃO E ATENÇÃO no trecho entre Lençóis e Itaberaba: embora as equipes do Dnit estejam trabalhando no local, os buracos insistem em aparecer na estrada nos 100 km antes de Itaberaba (ou a partir dos 50 km depois de Lençóis). No momento, o trecho foi reconstruído e está trafegável. Eis uma amostra recente dele:

 

Bem, estamos nas imediações de Salvador. Se a idéia é ir para a capital baiana, o negócio é seguir em frente na BR324, acompanhar a sinalização e cair nos braços Caetano, Gil, Bethânia, Gal, Caymmi, Jorge Amado e Yvete.

Se o plano é ir para Aracaju, duas opções.

Pela BR101 (caminhões e carretas): 20 km após Feira de Santana, apanhar a alça da direita embaixo do viaduto e pronto: você já está na 101 e na direção de Aracaju.

Pela Linha Verde (rota turística, sem trânsito pesado, mas pedagiada – 2 x R$ 4,60): seguir direto pela BR324 até Simões Filho. Aí, é prestar atenção: há um posto da Polícia Rodoviária Federal do lado esquerdo da rodovia (lado direito de quem vem de Salvador). Acompanhe a sinalização indicadora de “AEROPORTO”. Cerca de um km depois desse posto da PRF e depois de passar por um viaduto inacabado, pegar a alça pela direita, subir no viaduto. Pronto: você já está direcionado para o Aeroporto, Lauro de Freitas e Linha Verde.

No nosso caso, o projeto era ir a Maceió e de lá para Natal. A partir de Natal,  descer, devagar, pelo via litorânea, parando em cidades pequenas.

E foi isso. Linha Verde maravilhosa, que se junta à BR101, em Estância, nas proximidades de Aracaju. Daí, direto para Maceió. Estrada muito boa, com muitas obras de duplicação que não chegam a perturbar o ritmo da viagem. A travessia do rio São Francisco, em Propriá, merece uma paradinha para umas fotos sensacionais.

Entramos em Alagoas, a “Terra dos Marechais”. Obras de duplicação e restauração em todo o trajeto, mas também sem comprometer o ritmo da viagem. A respeito dessas obras, tanto em Sergipe, como em Alagoas, Paraíba, Pernambuco e Rio Grande do Norte, há uma característica que nos chamou a atenção.

Nós – eu e minha navegadora, Ivanizes, casados há 39 anos – acabamos de completar 1.536..000 (um milhão e quinhentos e trinta e seis mil) quilômetros rodados em estradas brasileiras em 39 anos de viagens. Nesse número – a soma das quilometragens de todos os nossos carros – estão incluídos os trajetos urbanos do dia a dia. Mas dá uma idéia razoável do quanto já rodamos a passeio pelo Brasil.

Pois bem: em 1982, numa viagem de Brasília a Punta del Este, no Uruguai, com uma Belina II ano 1980, percorremos, no retorno para o Brasil, de Montevidéu a Bagé (RS) um trecho em que estava sendo construída uma rodovia entre as cidades de Melo e Treinta e Tres. E ficamos boquiabertos porque a estrada era de concreto! Sim: uma camada de cerca de 10 cm de concreto armado, que serviria de base para o asfalto, este apenas uma camada de pintura destinada a propiciar elasticidade, impermeabilização e aderência.

Naquele momento, o presidente do Brasil era Figueiredo e o do Uruguai era Aparício Mendez. E nós nos perguntávamos: -“Por que o Uruguai pode fazer isso e nós não?”.

E agora, 35 anos depois, eu e minha navegadora paramos perplexos e boquiabertos para fotografar detalhe dessa obra, que está sendo construída pelo Exército Brasileiro na BR101 naquelas latitudes do Brasil. Como diria o Marcelo Tas, no CQC, olha isso aí:

Base de concreto na BR101 entre PE e RN

Pois é, rodovias de concreto no Nordeste – quem diria! É coisa para durar 50 anos ou mais. Mas, enfim, chegamos a Maceió, hotel Brisa Tower, frente ao mar. Restaurante razoável, parque aquático minúsculo.

Saída de Maceió. Pegamos a litorânea, com o intuito de, após São Luís do Quitunde, pegar a BR101 via FLEIXEIRAS. Preste atenção nesse nome, pois essa estrada é MICO, MICO, MICO, MICÃO, MACACO GIGANTE, KING KONG!

A perna de São Luis do Quitunde para a BR101, uma estrada estadual, simplesmente NÃO EXISTE. A estrada já existiu, claro. Hoje, embora alguns troncos de coqueiros atravessados sugiram uma espécie de bloqueio, a tendência é ir em frente. E naufragar num mar de crateras que, três quilômetros após, se transformam numa enorme barreira de terra, como se vinte caminhões caçambas ali houvessem descarregado toneladas de terra, com o objetivo de bloquear  a estrada.

Retornar e manter a rota litorânea. Viagem tranquila, visual caribenho, o mar ao alcance da mão. Brasilzão!

Voltar à BR101 e à realidade: a litorânea converge para a BR101 em Ipojuca, nas imediações de Recife. E aí são necessárias doses industriais de paciência. O anel rodoviário, que recolhe o tráfego de caminhões do porto de Suape e do polo industrial de Jaboatão dos Guararapes, é um caldeirão que ferve mas não cozinha. Enfim, não anda.

Foram necessários 85 minutos (1h25min) para nos livrarmos daquele inferno. E curtindo uma pista de primeiro mundo (em obras), passamos por João Pessoa e Natal, descendo direto para a Praia da Pipa. E a praia da Pipa é o bicho!!!

 

 

PIPA-PORTO DE GALINHAS-MARAGOGI-BARRA DE SÃO MIGUEL-ARACAJU-CÂNION DO XINGÓ –  o retorno

 

Passamos quatro dias em Pipa. Na primeira vez que estivemos lá, ficamos na Pousada Bicho Preguiça, que é uma graça de pousada.  Inserida no resíduo de Mata Atlântica, é comum ver os macacos descerem das árvores e compartilharem as frutas do café da manhã com a gente.

O problema é que nossa família tem três paixões sérias: praia, sol e cerveja. Como aquela pousada fica na área das falésias, para se chegar à praia, é necessário descer a falésia – um paredão vertical de mais ou menos 20 metros de altura – através de uma espécie de trilha em ziguezague, com alguns degraus escavados na terra.

Para baixo, todo santo ajuda. Mas, no final da tarde, assados de sol e cheios de cerveja,  a gente olha  a escalada que nos espera e pensa seriamente em dormir na praia mesmo!

Por essas e outras, desta vez optamos por uma pousada no centro da cidade, perto da ferveção (a rua principal de Pipa, à noite, é indescritível)  e com acesso suave à praia.

Escolhemos a Pousada Solar da Pipa. Não se engane com a fachada estreita e simples: aquilo é apenas um portal para um surpreendente espaço que comporta cerca de 80 amplos apartamentos, um belo parque de piscinas e conjuntos de lazer para crianças.

Aliás, essa é uma característica de Pipa:  a rua principal (Avenida dos Golfinhos) é uma sucessão de estabelecimentos voltados para a gastronomia, mas com fachadas tão minúsculas, que parecem ícones do Windows – e são! No momento em que você “clica” em um desses ícones, ou seja, entra numa daquelas portas, abre-se uma janela (window) para espaços inimaginados!

Porém, como dissemos antes, é difícil descrever – melhor ir lá!

Finalmente, um alerta: use sandálias nas praias do centro de Pipa. Tivemos duas baixas (Ivanizes, minha esposa, e Joanna, minha nora), vitimadas pelo bicho geográfico. Bicho geográfico merece um capítulo à parte.

Pé na estrada: 349 km e quatro horas depois, após passarmos tranquilos pela região metropolitana de Recife,  deixamos a BR101 em Ipojuca(PE) e tomamos as rodovias estaduais, em bom estado, que nos levaram ao Village Porto de Galinhas, uma delícia de hotel à beira da praia do Cupe, a 3 km do centro da cidade. Esses três quilômetros, aliás, são ocupados por hotéis e pousadas, de variados níveis de luxo e preços. O hotel Village Porto de Galinhas tem um amplo e bem estruturado parque aquático, o que nos permitiu curtir sol e praia, sem precisarmos entrar no mar.

O mar, naquela área, é REALMENTE PERIGOSO. Fazendo nossa caminhada matinal de seis km – ida e vinda até o centro da cidade -, percebemos a insistente presença de avisos, particularmente na frente dos hotéis, sobre o risco da força do arrasto do mar naquele trecho.

E há procedência nessa preocupação: duas semanas depois de sairmos de lá, já em Brasília, a imprensa noticia a morte de um casal de Taguatinga, no Distrito Federal, que passava lua-de-mel num dos hotéis daqueles 3 km a que nos referimos acima.

Os quatro dias destinados a Porto de Galinhas passam em alta velocidade. É hora de arrumar as malas e descobrirmos os mistérios de Maragogi. Diversos amigos têm dito maravilhas sobre essa cidadezinha à beira mar, a cerca de 100 km ao norte de Maceió.

Em duas tentativas anteriores, de passagem pela cidade, havíamos entrado e dado uma volta, indo até a praia. E nas duas vezes, o resultado não foi bom. Não havíamos conseguido ver a cara de Maragogi que nossos amigos tanto elogiam. Agora, porém, não estaríamos de passagem: reservamos dois dias para descobrir seus encantos.

Isso já nos havia acontecido antes com duas cidades: Salvador e Praia do Forte. A primeira passagem por Salvador, em 1978, foi tão horrível, que cancelamos a estada prevista de 3 dias e atravessamos a cidade em busca de Aracaju. Persuadidos por um colega de trabalho que insistia que tinha havido uma série de coincidências negativas, decidimos tentar novamente em 1982.

Até hoje não sabemos se eu e Ivanizes éramos outras pessoas ou se Salvador era outra cidade. O fato é que bateu uma paixão de 10.000 volts, definitiva, a ponto de adquirirmos um flat na Barra!

Quanto à Praia do Forte, foram quatro ou cinco tentativas frustradas. Mas os motivos eram diferentes. Saíamos de Salvador e seguíamos para lá pela beira-mar. Como a praia da cidade é muito simples, não enxergávamos a cidade e passávamos direto. E os amigos insistindo: -“Vocês não foram à Praia do Forte!”.

Por fim, estando minha esposa com meus filhos e amigos e namoradas destes em férias em Salvador, decidiram tentar mais uma vez descobrir o mistério da Praia do Forte. Só que foram pela Linha Verde, recém-inaugurada. Bingo! Puro charme, simpatia a granel, pousadas fofas, gastronomia top, gente bonita. Enfim, Praia do Forte tem cara de férias e verão. Imperdível.

Então, nada mais justo que darmos nova chance a nós mesmos de descobrirmos Maragogi. Desembarcamos na Pousada Praia Azul cheios de expectativas, às 16h00. A pousada é linda, tem um bom restaurante e um parque aquático legal, que termina na praia. Fizemos um reconhecimento do terreno pelas redondezas, bebemos cervejas em botecos de praia, comemos guaiamum. Vamos poupá-los dos detalhes: em 40 minutos, às 16h40min, uma sensação de desconforto que aparentemente era individual, mostrou-se coletiva. E a decisão unânime: vamos perder as duas diárias que pagamos adiantado, mas vamos para Maceió. São 16h e estamos a 120 km da capital. Dito e feito!

Entramos em Maceió ao fim do crepúsculo, arranhando nossa rígida norma de não viajar à noite. Conseguimos vagas para dois dias no hotel Maceió Atlantic Suítes – MA-RA-VI-LHO-SO! Praia, parque aquático e sol irrepreensíveis. E ainda conseguimos comer caranguejo uçá no Peixarão.

Cumpridos os dois dias em Maceió (originalmente destinados a Maragogi), partimos para enfrentar a longa jornada de 35 km de Maceió a Barra de São Miguel, pela via litorânea. Viagem embevecedora, para ser degustada a 50/60 km por hora. E parando para bater fotos. Nem pensar em entrar para conhecer a praia do Francês, que fica no meio do caminho: você corre o risco de ficar lá para sempre.

O mar é verde-esmeralda, o astral é altíssimo, tudo é lindo. E além do mais, é Brasil. As pessoas falam português. Isso não tem preço, como diria uma empresa de cartões de crédito.

Desembarcamos nossas tropas no Village Barra de São Miguel. A música de fundo poderia ser “1492 A conquista do paraíso”.  E foram só quatro dias nesse lugar fantástico! Em outra oportunidade (2006), ficáramos no Hotel Marupiara e  havíamos ido para a Praia do Gunga de carro. Agora, decidimos outro caminho: sair de lancha das proximidades do hotel, percorrer as piscinas, os arrecifes, o bar molhado no meio do mar e, finalmente,  Gunga. Sem comparação com a viagem de carro: viramos crianças de novo!

Aí, alguns detalhes de Barra de São Miguel e do Gunga, onde, aliás, vimos um negócio que nunca havíamos visto: um bote inflável voador!

 

Bote voador na Praia do Gunga

E um acarajé que não tem vatapá nem caruru!

`Cabou! Tentamos negociar o prolongamento da estada. Negativo. O hotel está lotado até o Apocalipse – e há uma família aguardando que nós desocupemos o apartamento para terem sua oportunidade de curtirem o encantamento que aqui experienciamos.

Agora, começamos efetivamente a voltar para casa. Quer dizer, voltar para nossa base em Salvador. Estamos a 600 km da capital baiana. Vamos dar um subtotal na viagem, dividindo essa distância em duas etapas, com uma parada de dois dias em Aracaju.

Tínhamos a possibilidade de pegar a BR101 ao sair de Barra de São Miguel. Preferimos continuar na rodovia litorânea, apreciando o deslocamento rodoviário com a vista do mar. A litorânea é estadual, mas está em excelentes condições nesse trecho. E a nossa disposição era de viajar devagar – 50/60 km/h – e aproveitar o visual e o astral da região.

Na divisa AL-SE, nova decisão: ou subir para pegar a BR101 em Propriá (por onde tínhamos passado na ida) ou, conhecer Piaçabuçu (a foz do Velho Chico) e, em seguida,   atravessá-lo de balsa  em Penedo e continuar mais um pouquinho pela litorânea.

O bom senso recomendaria pegar a BR101 em Propriá. Mas o visgo da litorânea nos levou à segunda opção. Atravessamos aquele trecho maravilhoso de rodovia cujo acostamento  é a praia, vislumbramos o Rio São Francisco lançando-se na imensidão do mar em Piaçabuçu  e fomos tomar um café no porto de Penedo(AL), enquanto aguardávamos a balsa, que faz a travessia a cada meia hora, ao custo de R$ 17,00.

Pronto, estamos em Neópolis (SE), na outra margem do Velho Chico. E aí não tem jeito – é abandonar o litoral e, passando por Japoatã, pegar a BR101 no trevo de Muribeca (cidade natal de Amaro, o mudo motorista do jipe no fantástico, único, ímpar e inigualável “O SARGENTO GETÚLIO”,  de João Ubaldo Ribeiro).

A partir do trevo de Muribeca,  andamos cerca de 30 km pela BR101 e, em Japaratuba, voltamos para a litorânea, entrando em Aracaju pelo norte, através de uma magnífica ponte que não conhecíamos.

Chegamos ao Hotel Mercure, na praia de Atalaia (antigo Hotel Beira Mar, onde já havíamos ficado em outra oportunidade). O hotel é sensacional, mas nossa primeira decisão foi sair correndo para a Passarela do Caranguejo, A PÉ! Isso porque a orla de Aracaju é coisa mais fofa que existe em termos de estrutura litorânea urbana e vale que percorramos cada metro dela, até chegar ao apogeu: a Passarela do Caranguejo – uma concentração de milhões de botecos maravilhosos em um km de orla e todos com caranguejo uçá no cardápio.

No dia seguinte, entre outros programas, almoçar no Miguel: os garçons mais alegres e simpáticos que já vimos, e o menu… Bem, o menu é melhor você ir lá e conferir. Carne de sol de filé já é famosa, mas a lasanha deles é capaz de surpreender muito italiano de São Paulo.

Mas o projeto de viagem passou por outras discussões: a Rede Globo estava gravando a novela “Cordel Encantado” no sertão de Sergipe. Nas proximidades do local onde morreram Lampião e Maria Bonita. No cânion do Xingó, onde o lago da represa da hidrelétrica chega a atingir profundidades de 150 metros de água verde, água do Velho Chico. E no saguão do Hotel Mercure, uma agência de turismo (Nozestur) deu todas as dicas.

Pé na estrada, de novo. Rumo: Xingó, a 203 km de distância de Aracaju. Estrada estadual bem cuidada, passando por Itabaiana, Ribeirópolis, Monte Alegre, Poço Redondo e, enfim, Canindé de São Francisco.

Uma curiosidade nesse trecho: sabe aquelas cruzes que as pessoas colocam nas estradas, nos locais onde acidentes causaram morte de entes queridos? Pois é: nesse percurso não há cruzes, mas dezenas, talvez centenas de miniaturas de igrejas, nos locais das tragédias, numa manifestação cultural e religiosa tipicamente local e absolutamente inédita para nós, a despeito de nossos anos de estrada!

Chegamos. Xingó Parque Hotel. Para descrever o que vimos ali – como diria o velho e bom Luis Vaz de Camões -, “aqui falta saber, engenho e arte”.

Para encurtar, choramos diversas vezes de pura emoção: no hall do hotel, ao ver o vale a jusante da barragem; no museu arqueológico, que guarda os utensílios domésticos de brasileiros que ali moraram há 9.000 anos, encontrados quando da construção da represa. E nos arrepiamos e choramos quando o barco catamarã  nos levou a… Não dá: de fato, aqui falta saber, engenho e arte.

Você precisa ir lá para entender o que estamos dizendo.

Não deu tempo de ir à gruta de Angicos, onde Lampião caiu na emboscada da Volante. Faremos isso em nosso próximo retorno a Xingó. E será muito rápido, pode anotar!

Atualizando este texto em janeiro de 2017, registramos a trágica ocorrência no cãnion de Xingó da morte do ator da Rede Globo Domingos Montaigner, que ali se despedia, num banho de rio, em companhia da atriz Tânia Alves, das filmagens da novela “Velho Chico”. 

Retornamos via Lagarto, Salgado e Estância. A partir daí, via Linha Verde até Salvador. Sem reparos em relação às estradas, exceto uma recomendação: abasteça em Estância, porque, dali pra frente há cerca de 120 km, na Linha Verde, sem posto de gasolina algum (de bandeiras confiáveis).

Salvador. Nosso flat.  Caminhadas matinais pela orla até o Porto da Barra, codorninhas assadas no B Boteco do Farol, caranguejos (uçás) e lambretas no Caranguejo do Porto (em frente ao Cristo), abarás e acarajés da Tânia, no Farol da Barra e, finalmente, grand finale: almoço tardio ao por-de-sol no Yacht Club da Bahia, ao som da batuta gastronômica do chef Fernando.

Foi isso que se deu e passou nesse nosso rever e descobrir pedacinhos do Brasil que os brasileiros precisam conhecer.

(Edimar Abreu – 16.08.2011)

 

 

OBSERVAÇÕES ATUALIZADAS:

Chegamos ao nosso sítio sem problemas. Tomamos o café da manhã em Barreiras às 07h00 e às 13h00 já estávamos abrindo a porteira da roça. Aí, ocorreu-nos de avisar aos nossos “sputniks” (companheiros de viagem, em russo) que a curva assassina no km 602 da BR 242 – exatamente no momento em que você deixa a chapada e inicia a descida para o vale do Rio São Francisco em Ibotirama – deixou de ser assassina e quase deixa de ser curva. Foi feito ali um primoroso trabalho de engenharia, com alargamento da via, abertura do ângulo (acho que era menos de noventa graus) e nivelamento do piso (que era um horror de ondulações longitudinais). Ponto para o Dnit.

Mas, como diz a lei de Murphy, “atrás de um grande problema, há sempre um pequeno lutando para crescer”. Agora nossa atenção se voltou para curva à esquerda, no km 144 da BR 020, no estado de Goiás, para quem volta de Salvador para Brasília, entre Rosário e  Alvorada do Norte. Olho vivo ali! Talvez não seja tão assassina, mas dá um bom susto nos desatentos.

(Edimar Rodrigues de Abreu – 12.11.2011)

Observações atualizadas – 03.04.2013

Estamos em Salvador desde 15 de dezembro: é nosso recorde de permanência na capital baiana. Ontem, pela terceira vez neste mês, jantamos com um casal de amigos que moram em Aracaju e que vêm de carro para o fim de semana na boa terra. 

E, na conversa sobre estradas, uma informação interessante: a ponte da Linha Verde para Aracaju foi inaugurada. Isso significa que não há mais necessidade de se deixar a Linha Verde e pegar a BR 101 em Estância: agora o negócio é seguir em frente e chegar a Aracaju pela ponte em Mosqueiro. 

Bom proveito a todos!

Edimar Rodrigues de Abreu – 03.04.2013

OBSERVAÇÕES ATUALIZADAS – 17.06.2015

Dia 08 de maio de 2015, meu filho mais novo, Dênis, completou 32 anos e resolveu realizar um velho sonho: fazer um percurso que já havíamos feito de carro algumas vezes. Só que agora só ele e a esposa, Luana, DE MOTOCICLETA. Eles viajaram durante quase 30 dias. Usaram o mesmo trajeto descrito aqui nesse post (Brasília-Salvador-Natal). Foram com calma, devagar. Dorrmiram em Barreiras, Lençóis e no flat da família, em Salvador. Dois dias depois partiram com a intenção de pernoitar em Aracaju, mas a ruptura de uma importante adutora que leva água para aquela capital deixou a população numa situação crítica, o que os levou a Maceió. A seguir, foram 4 dias em Porto de Galinhas e 4 dias em Natal. Voltaram pelo mesmo trajeto. Durante toda a viagem, o Whatsapp reproduzia o refrão diariamente -“É a melhor viagem de nossas vidas”. Chegaram sãos e salvos, felizes  sem maiores críticas às estradas, exceto ao trevo de Recife. Em nossa última viagem juntos, havíamos perdido 01h30min ali. Agora eles perderam 2 horas. E estavam de moto. Resumo da ópera: felicidade escancarada, reclamações do trevo de Recife, lamentações pelo acidente que provocou a falta dágua em Aracaju e críticas ao penhasco que os hóspedes têm de descer e subir entre o hotel e a praia (não nos peçam o nome do hotel). Ou seja, do ponto de vista do que nos interessa (estado das Rodovias Brasileiras), tudo foi bem.

Edimar Rodrigues de Abreu – 17.06.2015

 

 

 

 

 

 

 

118 comentários em “BRASÍLIA-SALVADOR-NATAL DE CARRO

    • Olá, Davi. Bem-vindo ao blog. A rota Picos-Caicó deveria ser um traçado relativamente simples e direto, no qual você pegaria a BR 316 em Picos e seguiria até Salgueiro, onde apanharia a BR 116. Após 150 km, viraria à direita em direção a Cajazeiras, seguindo direto para Caicó. O problema é que essa rota atravessa uma região perigosa (com grande presença de traficantes de drogas, frequentes tiroteios, assassinatos e assaltos), conhecida como “Polígono da Maconha”. Com a atual situação da Polícia Rodoviária Federal, cujo orçamento foi profundamente cortado pelo Governo Federal, os deslocamentos dos policiais da PRF, para patrulhamento da área, foi praticamente suspenso. E a bandidagem tomou conta. Então, nossa recomendação é no sentido de que você gaste um pouco mais de tempo, viaje alguns quilômetros a mais, mas chegue em paz a Caicó. Para isso, você deverá sair de Picos pela BR 020 e seguir até Tauá e Boa Viagem, de onde você descerá pela CE 060 para Iguatu e Icó, onde você descerá pela BR 116 até o entroncamento com BR 230, que levará você diretamente a Caicó. Ao sair de Picos e chegar a Tauá, tome informações sobre o estado da estrada que corta caminho para Mombaça. Se ela estiver em bom estado, você não precisa subir até Boa Viagem: atravesse para Mombaça e desça pela CE 060 como orientamos. Você economizará cerca de 200 km. Se restarem dúvidas, retorne: será um prazer ajudá-lo a planejar sua viagem.
      Um grande abraço.
      Abreu

      • Obrigado pelas informações preciosas. Ainda sobre a como chegar em Caíco-RN… Caso eu estivesse em Gilbués-PI com destino a Caíco-RN teria outra rota melhor que ir por Picos-PI?

        • Olá, Davi. A rota que havíamos passado para você não é a mais curta, mas é a mais segura, independentemente de você sair de Picos ou de Gilbués. Apenas você acrescentará os 733 km de Gilbués a Picos. O restante é igual. Qualquer “invenção de moda” ali naquele trecho significa riscos de asfalto em péssimas condições ou de tiroteios e assaltos. Deus ilumine você na hora de tomar a decisão. Mas acho que, se Deus fosse o motorista, ele seguiria nossa orientação.
          Um abração.
          Abreu

  1. Muito boas suas dicas, em Janeiro estarei saindo com a família de Brasília com destino a Maceió. Penso em parar em Feira de Santana BA, para dormir e descansar.
    Primeira pergunta
    Acha viável fazer esse primeiro percusso de uma só vez?
    Em seguida pretendo parar em Aracaju SE,
    Segunda Pergunta
    É melhor entrar no inicio da SE100 ou ir pela Br 101 ate Aracaju?
    Terceira Pergunta
    Qual o melhor ponto para entrar na SE100 e aproveitar mais as paisagens?
    Quarta Pergunta
    Vi que oque liga a SE100 a AL 101 é o ferry boat, aconselha esse percusso?
    Grato pela atenção.

    • Olá, Adriano. Bem-vindo ao blog. Vamos para a primeira pergunta: é viável fazer o percurso Brasília-Feira de Santana de uma só vez? A resposta é não. Quem viaja com a família deve limitar sua jornada (a distância que você viaja a cada dia) a 1.000 km, no máximo 1.100. De Brasília a Feira são 1.327 km, o que tornaria a viagem demasiadamente cansativa para a família, perigosa (você teria de viajar à noite, em rodovias sem iluminação e com sinalização precária, com eventuais buracos esparsos) e se estiver chovendo a coisa se complica mais ainda. De Brasília a Maceió são 1.895 km, o que proporciona uma viagem tranquila em dois dias. De Brasília a Aracaju são 1.620 km. Então, você tem uma série de alternativas para distribuir sua viagem, uma vez que você quer parar em Aracaju. Nossa sugestão é que no primeiro dia você pernoite em Lençóis, onde você chegará por volta das 17 horas. E, no dia seguinte, após rodar cerca de 600 km, você estará em Aracaju no princípio da tarde. Saindo de Aracaju no terceiro dia após o café da manhã, você chegará a Maceió por volta das 10 horas da manhã. Segunda pergunta: pegar a SE 100 ou a BR 101? Até uns três anos atrás, essa pergunta não existia: o único caminho era pegar a BR 101 em Estância. Hoje,para quem gosta de viajar de férias acompanhando o mar, a pergunta sobre pegar a BR 101 é que não existe mais. Eu não tenho dúvidas: entre enfrentar os caminhões e o trânsito na entrada de Aracaju, sempre escolho a SE 100. É um colírio para os olhos. O melhor ponto para pegá-la é cerca de um quilômetro antes de Estância, onde você deixa a Linha Verde e pega o trevo que leva à SE 100. Terceira pergunta: você aconselha pegar o ferry-boat? O que sempre utilizei ali naquela travessia foi balsa, e não ferry. Talvez tenham colocado o ferry recentemente. De qualquer modo, a travessia de balsa é sobre a foz do Rio Francisco. Acho que todo brasileiro, para entender a tragédia ambiental que está acontecendo no Brasil, tem que fazer aquela travessia. É de cortar o coração: a profundidade do Velho Chico é ridícula. Às vezes, a balsa arrasta a lama do fundo do rio e a água é salobra, porque o mar está avançando sobre o rio fragilizado pela devastação em suas margens. Sou mineiro, Adriano, de Januária, na margem esquerda do Rio São Francisco. Já viajei de Januária a Remanso (submersa na atual represa de Sobradinho) no vapor Benjamim Guimarães. Hoje essa viagem seria impossível, por causa do nível das águas do rio, o que se torna dramático lá na foz, em Piaçabuçu. E como bom barranqueiro, cada vez que faço aquela travessia, vêm-me um nó na garganta e lágrimas aos olhos. Por isso, repito: faça aquela travessia e você e sua família entenderão um pouco mais do futuro e do passado do Brasil. Você chegou até nós através do post “Brasília-Salvador-Natal de carro”, publicado em nosso site http://www.expressaodaliberdade.com.br, na aba “Rodovias Brasileiras”, onde também se encontram outros posts que podem interessar a você. Particularmente, não deixe de ler o “Manual de sobrevivência em viagens de férias nas rodovias brasileiras”: lá há uma série de pequenas informações que podem ser muito úteis para quem viaja com família. É isso. Se restarem dúvidas, retorne: será um prazer ajudá-lo a ir e voltar em segurança.
      Um grande abraço.
      Abreu

      • Olá Sr. Abreu
        Muito grato pelas informações, estava aqui mais umas vez lendo e revendo as dicas para poder coloca-las em prática e me veio mais umas duvidas.
        1ª Barreiras ou Correntina?
        Se Correntina vi que para chegar em Lençois preciso em Santa Maria da Vitória pegar a BA 172 que liga até a Br 242 seria isso mesmo ou seguir com destino a Barreiras e pegar uma estrada mais reta e enfrentar transito de caminhões é oque me falaram
        2ª Saindo da BR101 para pegar a SE100 a via que liga é a SE368?

        • Olá, Adriano. Bem-vindo de volta. Como você vai para Maceió, sem dúvida sua rota é por Barreiras. Só indicamos a rota por Correntina para quem vai para o sul da Bahia (Ilhéus, Porto Seguro, etc). Aliás, uma vez na rota por Barreiras, evite atravessar por QUALQUER das transversais entre a BR 242 e a BR 349: nenhuma delas recebe a nossa recomendação para uso. O trânsito de caminhões pela BR 242 (Barreiras) é semelhante ao da BR 349 (Correntina), exceto na época do preparo do solo (transporte de fertilizantes, sementes e corretivos do solo nos meses de julho e agosto) ou na época da colheita de soja e milho (meses de abril e maio), uma vez que Barreiras e Luís Eduardo Magalhães estão no centro de um grande celeiro de grãos. E mesmo nessas épocas, não é nenhum bicho-de-sete-cabeças: uma pitadinha de paciência e a viagem se desenvolve normalmente, até porque em ambos os casos a estrada é plana, o traçado é reto e os caminhões têm pressa. Finalmente, não vale a pena deixar a BR 101 para pegar a SE 100. Se você pretende curtir as belezas daquele litoral, o melhor é pegar a Estrada do Coco e, depois, a Linha Verde, que levará você à divisa BA/SE e à SE 100, onde, logo após a cidade de Indiaroba, você tem acesso à ponte Gilberto Amado, que atravessa o rio Piauí (essa pontà eliminou a travessia por balsa), e termina na ponte Joel Silveira, que depositará você na orla da cidade de Aracaju. Para pegar a Estrada do Coco (Aeroporto de Salvador), não pegue a BR 101 20 km após Feira de Santana: prossiga na BR 324 e, após o posto da Polícia Federal em Simões Filho, pegue a alça à direita e suba no viaduto: você estará então apontado para o Aeroporto, em cujo balão você apanhará a Estrada do Coco e, posteriormente, a Linha Verde. Se precisar, retorne. Será um prazer esclarecer suas dúvidas.
          Um abração.
          Abreu

  2. Transcrevemos abaixo comentário de Alceu Simões Nader, postado em 19.08.2017, no post “Manual de sobrevivência em viagens de férias nas estradas brasileiras” e respectiva resposta:
    Enviado em 19/08/2017 as 13:41
    Prezado Abreu,
    Obrigado pela boa vontade e pelo serviço de sobrevivência nas nossas estradas dado pelo seu blog. Fui repórter-pesquisador do Guia 4 Rodas nos anos 70, sei o trabalho que dá atualizar as informações – o que dignifica ainda mais o seu blog.
    Vou fazer Brasília-Trancoso (BA) e encontrei aqui informação essencial para eu planejar a viagem. Muito obrigado.

    Em resposta a Alceu Simões Nader.
    Olá, Alceu. Bem-vindo ao blog. Este seu comentário encheu a gente de orgulho. E como orgulho é pecado, estamos pecando adoidado por aqui. É que receber uma mensagem desse teor de um profissional que ajudava a tocar o Guia 4 Rodas nos anos 70 é um estímulo monumental para esse trabalho de formiguinha que fazemos por aqui. O nosso primeiro Guia 4 Rodas foi-nos dado em 1978 por um amigo da Ivanizes, minha navegadora há 42 anos. Só que a edição era de 1975. E com ele fizemos a viagem de nossas vidas: Brasília-Guarapari-Eunápólis-Salvador-Aracaju-Maceió-Recife-Natal-Gruta de Ubajara(CE)-Fortaleza- Parque Nacional de Sete Cidades(PI)-São Luís(MA)-Belém(PA)-Belém/Brasília-Anápolis-Brasília. E tudo isso em 30 dias de férias. As estradas eram boas e vocês, repórteres-pesquisadores, eram extremamente confiáveis. Seguíamos religiosamente o roteiro de hoteis e restaurantes com o adesivo “Quatro Rodas esteve aqui”. Todas os comentários que aqui se publicam, independentemente do destino da viagem ou da natureza do post original (o blog tem outras seções que não Rodovias Brasileiras), sempre têm uma carga de estímulo para nós, seja porque as pessoas estão inseguras em relação à viagem, seja porque estão agradecidas por irem e voltarem em segurança. Mas uma mensagem como a sua, que parte de uma autoridade no assunto e que ajudou um guia que era uma luz nessa área, quando não existiam internet nem GPS, é particularmente gratificante. Você fez o comentário em nosso post “Manual de sobrevivência em viagens de férias nas rodovias brasileiras”. Por certo deve ter visto os demais posts de nossa aba “Rodovias Brasileiras”, do site wwww.expressaodaliberdade.com.br, que abriga o blog. Dessa forma, gostaríamos ter a sua autorização para reproduzirmos o seu comentário em todos os posts da aba (Brasília-Porto Seguro de carro, Brasília-Ilhéus de carro, Brasília-Salvador-Natal de carro, Brasília-Buenos Aires de Carro e tantos outros que lá estão publicados). Isso porque alguns princípios nossos – segurança, segurança, segurança, ainda que por rotas mais longas e sem viagens noturnas – não são bem compreendidos por alguns de nossos visitantes. Acontece que a maioria de nosso público básico é composta de gente simples, marinheiros de primeira viagem, que partem com a família inteira, em veículos modestos. E é para essas pessoas que nós nos desdobramos para orientar, com responsabilidade, particularmente em relação aos cuidados com os idosos, com as crianças e atenção para com os buracos, os animais na pista, as estradas ermas, principalmente de terra, sem policiamento da PRF, os restaurantes de beira de estrada e os postos de combustíveis de marcas genéricas. Sua presença aqui e nos demais posts seria um importante reforço nessas nossas recomendações, o que muito nos honraria e ajudaria. Mais uma vez, obrigado, Alceu, e esperamos que você nos autorize a reproduzi-lo nos outros posts como solicitado. Faça uma boa viagem para Trancoso e aguardamos notícias suas.
    Um grande e fraternal abraço.
    Abreu
    O Alceu autorizou por e-mail, em 20.08.2017:
    “ Pode reproduzir sem problemas”.
    Abs

  3. Boa tarde Abreu,
    Estou programando ir a Caruaru e Campina Grande, saindo de Brasilia de carro(Corolla) em junho/17 para as festas de são joão.
    vc tem um roteiro para ajudar??
    Nosso principal receio alem dos habituais – condições da estrada, assaltos, etc – são as chuvas.
    Gostaria de fazer pela litorânea, que conforme já li nos seus comentários, é seu roteiro preferido.
    Temos 15 dias para ir e voltar.

    obrigada

    • Olá, Ana. Bem-vinda ao blog. O roteiro básico é aquele do post pelo qual você entrou aqui, ou seja, “Brasília-Salvador-Natal de carro”. Tudo dependerá, claro, da forma como você organizar sua viagem. Nosso roteiro básico coloca você em Recife e em João Pessoa. De ambas as cidades, a distância para Caruaru ou Campína Grande, por estrada duplicada, é da ordem de 130 km. Não sei quantos dias duram as festas juninas nas duas cidades, mas, sem correr riscos de viajar à noite e pernoitando em Maceió, na manhã do terceiro dia de viagem partindo de Brasília você poderá estar em Recife (258 km de Maceió) ou João Pessoa-375 km. (Neste momento, tive de fazer uma pausa e ir para a janela para ver passar o trio elétrico do Carlinhos Brown arrastando cem mil pessoas no Calçadão da Barra neste sábado de Carnaval aqui em Salvador). Retomando a conversa: a partir de qualquer das duas cidades você poderá iniciar seu roteiro junino. As quatro cidades(Recife-Caruaru-Campina Grande-João Pessoa) formam um quadrilátero, composto pela BR 101 até João Pessoa, BR 230 até Campina Grande, BR 104, até Caruaru e BR 232 até Recife. A única de pista simples é a BR 104 (Caruaru-Campo Grande). E todas estão em boas condições de conservação e segurança. Se sobrarem dúvidas, retorne. Será um prazer ajudá-la.
      Um grande abraço.
      abreu

  4. Boa noite,

    Parabéns pelo Blog! Eu e meu marido conhecemos o blog esse ano, quando decidimos começar a nos aventurar pelas estradas do Brasil com nosso pequeno de 3 anos. Para começar, iremos fazer a viagem Brasília- Ilhéus – Salvador- Aracaju- Brasília.

    Após as leituras do blog, gostaríamos de confirmar de confirmar as estradas mais indicadas:

    Brasília – Ilhéus : Brasília-Rosário-Trevo da BR 349-Correntina-Santa Maria da Vitória-Bom Jesus da Lapa-Caetité-Brumado-Vitória da Conquista-Itambé-Ipatinga-Itororó-Floresta Azul-Itabuna-Ilhéus

    Ilhéus – Salvador: você indicaria ir ela BA 001 passando por Itaparica e depois seguir de Balsa para Salvador?

    Salvador – Aracaju: Pretendemos ir pela Linha Verde, porém a dúvida é se vamos por Estância ( BR 101 ou seguimos pela via estadual SE-100.

    Agradeço pelas dicas já prestadas e aguardo novas dicas…

    Grande abraço, Feliz 2017!

    • Olá, Danúbia. Bem-vinda ao blog. Sim, a rota para Ilhéus está correta, tal como a recomendamos em nosso outro post “Brasília-Ilhéus de Carro”, que você, pelo jeito, já deve ter lido. Quanto a escolher BA 001 ou BR 101, para mim como comparar as cidades do Rio de Janeiro com São Paulo: são destinadas a coisas diferentes. A BA 001 é o Rio, com seu ritmo, sua beleza, sua alegria própria. A BR 101 é São Paulo: é para quem tem pressa de chegar, de ganhar dinheiro ou de arranjar um amor. Eu adoro a BA 001, quase toda à beira-mar, atravessando cidadezinhas calmas, paisagens inimagináveis. Passar por Valença e saber que Morro de São Paulo (aquela filial do Paraíso) está logo ali, bem ao lado de Guaibim, outra maravilha baiana. E tem Barra Grande, e tem Camamu. Em Nazaré das Farinhas (um fantástico prato local: pitu no Bode. Bode é o dono do restaurante que faz o melhor pitu do mundo), você pode decidir se pega a BR 101 ou se pega a balsa (lá se chama “ferry-boat). O ferry é outra viagem encantadora, de meia hora, atravessando a Bahia de Todos os Santos e pegando poses notáveis da capital baiana. Caso você esteja no início ou fim do final de semana, ou no comecinho ou finzinho do dia, melhor pegar a BR 101, porque há uma espécie de rush na fila das balsas nesses momentos. Fora disso, vá de ferry. Desça no terminal de Água de Meninos e, meia hora depois você já estará pegando a Linha Verde para Aracaju. Quanto a Estância, nem se preocupe: ninguém, vindo de Salvador, de férias ou mesmo a negócios está passando por lá mais. A jogada é pegar a variante litorânea um pouco depois do trevo e sair direto em Aracaju, na praia de Mosqueiro. Como vocês podem estar com um futuro presidente da República a bordo, não deixe de ler o nosso post “Manual de sobrevivência em viagens de férias nas rodovias brasileiras”, aqui mesmo no blog.
      Façam uma viagem maravilhosa, tranquila e segura.
      Um grande abraço.
      Abreu

  5. Olá! Gostaria de saber se alguém foi recentemente para Porto de Galinhas. Pretendo fazer viagem de 10 dias, partindo de Planaltina/DF à Porto de Galinhas. Nunca viajei por aquelas bandas… o máximo de carro que viajei foi até Prado na Bahia, indo por Montes Claros.

    Agradeço!

    • Olá, Thaise. Bem-vinda ao blog. Este post por onde você chegou aqui – “Brasília-Salvador-Natal de carro” -, postado em nosso site http://www.expressaodaliberdade.com.br, está atualíssimo. As estradas estão em bom estado e o congestionamento no trevo de Recife continua firme e forte. A única mudança importante foi na aproximação de Aracaju, para quem vai pelo litoral (Linha Verde). Onde anteriormente tínhamos de abandonar a Linha Verde e pegar a BR 101 em Estância,com destino a Aracaju, com seu tráfego pesado, agora, é só seguir em frente pela Linha Verde e pegar a ponte para a praia de Mosqueiro, na frente de Aracaju e daí continuar em frente para Maceió. Tudo está explicadinho no post e as informações lá publicadas continuam válidas para o trecho Brasília-Porto de Galinhas. Qualquer dúvida, retorne. Será um prazer ajudá-la.
      Um grande abraço.
      Abreu

  6. Olá Abreu? Olha eu aqui de volta!!!! Acabei de retornar das minhas férias em Natal e que férias maravilhosa, pena que acabou, mas sempre fica um gostinho de quero mais. Graças a Deus a viagem foi excelente, seguir seus preciosos conselhos e deu tudo certo. Respondendo atrasado a Rosario Ferreira a estrada de Brasília para Natal está ótima, salvo alguns trechos de asfalto descascando mas nada que uma boa atenção ao volante não resolva. Em relação a hospedagem, na ida me hospedei no hotel Portal do Sol em Itaberaba e na volta fiquei na Casa Bella também em Itaberaba, das duas a melhor que achei foi a Casa Bella.
    Enfim, viajar de carro para Natal foi uma experiência maravilhosa e não me arrependo, mesmo todo cansaço e apreensão na estrada, valeu muito a pena pois me deu mais vontade de conhecer o Brasil de carro e essa será minha meta para 2016. Um grande abraço e Feliz 2016 a todos os viajantes.

    • Olá, Kelma. Você não imagina como fico feliz de saber que você, o maridão e as duas filhas foram, vivenciaram essa maravilhosa parte do Brasil e estão de volta sem problemas. Para nós, é um referendo, uma confirmação de que estamos fazendo o trabalho certo. Um dia, eu ainda vou colocar aqui no blog porque começamos a fazer isso.Tem a ver com estatísticas. É muito cedo, mas já nos dá um orgulho danado poder dizer -“Olá, Kelma. Bem-vinda de volta!”.
      Um grande abraço e até a próxima viagem de carro – que é a única forma séria de se conhecer o Brasil.
      Abreu

  7. Oi Kelma, vi as suas perguntas e fiquei muito feliz, pois vou fazer esse mesmo percurso sugerido pelo Abreu. Saio de Brasília 16/12, se puder me fale como está a BR 101 e os hotéis onde se hospedou.
    No aguardo e desde já obrigada!

    Rosário.

    Ps. Seu Abreu parabéns pelo Blog, simplesmente maravilhoso! Espero me tornar uma sputinick! 😜😜😜

    • Olá, Rosário. Bem-vinda ao blog e obrigado por suas palavras carinhosas e estimulantes. Quanto a vir a ser uma sputnik, você recebe o certificado no momento em que entra aqui. Portanto, você já é uma de nós. Seja muito bem-vinda mesmo!
      Um abraço grande.
      Abreu

  8. Alguém tem informações de como estão as estradas entre montes claros MG e seabra? Saio de SP agora no fim do ano

    • Olá, Duílio. Bem-vindo de volta. Em janeiro de 2014 você passou por aqui, complementando suas informações para a viagem a Brotas de Macaúbas. E no seu retorno, brindou-nos com um magnífico relato de sua experiência, que transcrevo abaixo:
      Enviado em 17/03/2014 as 13:07
      Senhores boa tarde, só para dar uma atualizada aqui, fui de Osasco-SP para Brotas de Macaúbas-BA, indo também até as cidades de Seabra e Palmeiras agora no feriado do carnaval (entre 28/02 e 09/03/14).
      A Ida foi via rodovia Anhanguera, que está um tapete, BR-050 tem um trecho ruim e em obras entre Uberlândia e Catalão, passando por Formosa onde a BR-020 está um tapete, seguindo por Luís Eduardo Magalhães onde se deve ter muito cuidado nas lombadas, pois é muito fácil deixar uma parte do motor nas lombadas por ali devido às deformações causadas pelo peso dos caminhões. Já na BR-242 após Barreiras existem alguns buracos até Ibotirama, onde dá pra se desviar e onde se deve tomar cuidado também com as lombadas ou quebra molas. Entre Ibotirama e o posto Luizão (entroncamento com a BA-156) existem alguns buracos onde dá pra se desviar também. Seguindo pela BA-156 até Brotas de Macaúbas a estrada está muito boa (apesar da qualidade duvidosa do asfalto colocado).
      O trecho entre a BA-156, Seabra e Palmeiras está razoável, dá para trafegar tranquilamente.
      O retorno foi realizado “via Montes Claros” como conhecemos aqui em São Paulo. O trecho entre Ibotirama e Bom Jesus está como sempre… com muitos buracos, mas com muitos deles tampados com terra (Não sei se por moradores ou pelas prefeituras locais), é preciso cuidado neste trecho. Agora vem o trecho que me surpreendeu pela qualidade… precisaria de um adjetivo pior do que horrível para poder descrever o trecho entre Riacho de Santana e Caetité… (ouvi falar até que os ladrões cavam buracos na pista pra pegar os caminhoneiros), havia buracos onde cabiam o meu carro dentro (um Vectra 2007) e desenvolver uma velocidade superior a 50km/h é suicídio. A BR-030 entre Caetité e Guanambi está boa. A BR-122 no sul da Bahia está trafegável. Dentro do estado de Minas, muitos buracos entre a divisa MG-BA e Janaúba… buracos até pequenos, mas profundos (daqueles em que se cortam os pneus), onde peguei um, mas não aconteceu nada aos meus pneus (graças a Deus). A partir de Montes Claros , as BR-135 e 040 estão boas, e a BR-381(via privatizada) a partir de Belo Horizonte está ok também…Vale ressaltar que neste trecho de 1750Km aproximadamente, quase não vi policiamento e o único policial que vi em Montes Claros, estava bem ocupado com o celular dele e se eu fosse um contrabandista, teria vindo tranquilamente por este caminho, então cuidado pessoal, porque se precisarem de ajuda, podem apostar que vai demorar.
      Um detalhe que sempre encanta quando saio de Formosa e vou para Barreiras (como aconteceu nesta viagem), é o “balé” que acontece na pista com ultrapassagens nas retas… é muito bonito de se ver… rsrsrs
      Abraço a todos e espero que tenha ajudado

      Claro que ajudou muita gente, inclusive você, porque se fosse outra pessoa que nos fizesse a pergunta que você está fazendo, nós talvez disséssemos -“Veja o relato do Duílio de 2014″. A verdade é que não temos como recomendar essa viagem senão pela rota Brasília-Barreiras-Ibotirama, NA IDA E NA VOLTA. Aquele “miolo” que você descreveu como indescritível, envolvendo a BR 122 até Montes Claros, conseguiu piorar mais ainda. Tenho uma sobrinha que é dentista em Guanambi. Meu irmão, que mora em Montes Claros, sofre para visitá-la com uma 4×4. Acidentes e criminalidade estão presentes em níveis mais do que o razoável. E a prisão dos donos das empreiteiras que faziam a manutenção daqueles trechos completa o quadro. Assim, somos obrigados a recomendar que você vá pelo Triângulo Mineiro, Brasília, Barreiras e Ibotirama. As estradas do Triângulo estão boas e a entrada de Brasília, onde a BR 050 se funde com a BR 040 (Cristalina), está com a duplicação quase pronta, inclusive com pedágios já instalados. O restante do trajeto está bom ou razoável. Não invente de descer de Ibotirama para Bom Jesus da Lapa, nem de Seabra para Brumado: está tudo destruído. Volte exatamente por onde foi, ou seja, Ibotirama, Barreiras, Brasília, Triângulo e São Paulo, OK?
      Um grande abraço e não deixe de fazer novo relato para nós.
      Abreu

  9. Olá Abreu, tudo bem ? Já estou fazendo a viagem…rs ! Saí de Brasília na quarta feira cedo, após uns 300 km de viagem peguei uma manifestação na estrada com queima de pneus, tudo parado. Eram trabalhadores que protestavam por estarem 6 meses sem receber salários de uma Usina de cana. Perdi algum tempo ali, mas consegui usar um desvio de terra e cortei a manifestação. Continuei seguindo viagem e a estrada está boa. Após Luis Eduardo Magalhães o fluxo de caminhões aumentou um pouco, mas nada de anormal. Em Barreiras acabei cruzando por dentro da cidade mesmo (li agora acima sobre o anel viário para cortar e realmente não o vi). Após Barreiras segui rumo a Lençóis para pernoite. Lençóis é uma cidade muito simpática (Chapada Diamantina), vale a pena conhecer mesmo. A rua das pedras a noite é muito bacana e vale muito a visita. Peguei uma pousada logo na entrada da cidade (Pousada do parque) e o preço foi bom também, 90 reais o casal (após negociação). Hoje (03/12/2015) saímos de Lençóis umas 8 da manhà, continuei seguindo o roteiro. Até agora pouquíssimos buracos, poucos mesmo, e alguns trechos irregulares de asfalto. Após ITABERABA segui reto e a estrada termina praticamente na BR 116 (acho que é isso). Ali o fluxo de caminhões foi grande e continuei em direção a Lauro de Freitas para pegar a Linha Verde (passa na frente do Aeroporto – Estrada do Côco). Pouco antes de Simão Filho, paroximadamente no KM 600, paramos num posto Ipiranga a direita, lá almoçamos num restaurante pequeno de fachada amarela (Casa do Engenho), comida caseira ótima e barata. (18 reais o casal). Segui para a linha verde e parei rapidamente em Guarajuba e Praia do Forte (muito bonita mesmo, na volta ficaremos lá). Continuei até Estância e por ali me confundi um pouco, pois antes da cidade há uma outra estrada indicando sentido Aracaju, mas acabei seguindo até Estância e após 10 km entrei a direita numa pequena estrada (Praia do ??? – Esqueci o nome) que me levou até a praia dos mosqueiros, pegando a ponte que chega em Aracaju. Essa estrada no início está bem irregular o asfalto. (Utilizei GPS do Celular…rs). Chegando em Aracaju a idéia era seguir rumo Maceió, mas como perdemos tempo no caminho já havia escurecido e, até como você mesmo sugere, decidimos não viajar a noite. Nesse momento estamos em Maceió num hotel e amanhã seguiremos direto para Natal que é o nosso destino final. Depois iremos descer conhecendo as praias. Bom, por enquanto espero ter ajudado assim como você me ajudou bastante. Suas dicas valeram MUITO a pena !!! Grande Abraço.

    • *** Nesse momento estamos em Aracaju num hotel e amanhã seguiremos direto para Natal que é o nosso destino final.

      OBS: corrigindo o final da postagem que escrevi acima. Estamos em Aracaju e não em Maceió, pois decidimos não viajar a noite.

    • Olá Eduardo, olhando seu comentário posso ter uma base pra seguir minha viagem pra Natal TB, saindo de Brasília. Uma pergunta: na entrada de Feira de Santana, VC pegou a direita seguindo pra Salvador? Pegou a Br 101 e a mesma está boa?? Outra coisa, VC saiu que horas de Brasília pra consegui dormir em Lençóis? No mais te desejo ótima viagem!!!

      • Oi Kelma, as dicas do Abreu estão ótimas. Segui o que ele recomendou. Após o posto da PRF de Simões Filho entrei a direita seguindo as placas do Aeroporto Luis Eduardo Magalhães, que fica em Lauro de Freitas. Coloquei no Google maps do celular e segui. Peguei a Linha verde e a estrada é muito boa. Já perto de Estância me confundi um pouco em um trevo que tem uma placa indicando Aracaju, mas segui reto em Direção a Estância e depois peguei outro caminho para praia dos mosqueiros. Acredito que voc^irá pegar a BR 101 direto. Fui pegar a BR 101 em Aracaju. A partir desse trecho achei a BR101 bem pesada, muitos caminhões, asfalto irregular em inúmeros trechos e ainda tem obras que param um lado da estrada (uma pista por vez). Precisa de muita paciência nessa estrada. O trecho de Pernambuco está bem ruim. Na verdade a estrada só foi melhorar um pouco antes de João Pessoa, quando vira pista dupla e vai até Natal assim. Estrada ótima desse ponto em diante. Quanto a pergunta sobre Feira de Santana eu peguei a direita sim e passei por dentro da cidade. O horário ideal para sair de Brasília e dormir em Lençois, sem viajar a noite, é 7:00h.

        • OBS: 7:00 é para já estar na estrada passando Sobradinho… rs. Aproveitando mais uma vez para agradecer o Abreu por todas as dicas !

          • Oi Abreu, Eduardo e Kelma
            No dia 15/12 é minha vez vou sair de Goiânia, dormir em Lençóis, passar dois dias em Aracajú e ir a Porto de Galinhas e Recife. depois de Aracajú a opção é essa BR101 complicada que você falou , Eduardo, ou tem outra opção?
            Eduardo você pegou muita chuva?

  10. Obrigada mais uma vez Sr Abreu. Outra coisa que observei em um dos comentários acima é que chegando em Barreiras preferir ir pelo Anel Viário ao invés de ir pelo centro da cidade correto? Mas indo por esse Anel Viário é mais longe?? É bem sinalizado?? Pois não pretendemos ir pelo centro, haja vista que será num sábado e o comércio pode estar lotado não é mesmo???

    • Olá, Kelma. O Anel Viário é mais ou menos a mesma distância, pouquinho mais. O problema é o trânsito no interior da cidade de Barreiras. Não é raro a gente perder meia-hora ali. Eu já tive o desprazer de levar 48 minutos para atravessar a cidade. O Anel não é muito bem sinalizado não: é preciso ficar bastante atento ao se aproximar da cidade, depois de passar pelo posto da Polícia Rodoviária Federal. Aos sábados costuma haver uma feira nas margens da rodovia, dentro da cidade. Um grupo de pessoas já atravessou na minha frente na rodovia, correndo atrás de um ladrão!
      Um abraço.
      Abreu

  11. Boa Tarde, Sr Abreu? Minha viagem saindo de Brasília rumo a Natal se aproxima ( faltam 12 dias rsrsrs!) a ansiedade é claro toma conta, mas é bom pois no meu caso que sou co-piloto faz com que haja planejamento e mais planejamento. Já fiz a rota recomendada aqui nesse maravilhoso site, bem como uma pesquisa dos hotéis das cidades que eventualmente eu venha parar para dormir. Minha volta novamente nesse MA-RA-VI-LHO-SO site é para esclarecer uma dúvida: depois de Itaberaba sigo rumo a Ipirá ou Argoim? De antemão agradeço!!!! Abraços!

    • Olá, Kelma. A rota por Argoim está boa e a BR 116 está duplicada até Feira. Entretanto, o grande tráfego de caminhões naquela rodovia e a tranquilidade da rota por Ipirá nos leva a recomendar esta última. Você vai ver que a estrada para Ipirá não tem buracos, a sinalização é boa e dificilmente a gente consegue cruzar com mais de 3 ou quatro veículos naquele trecho, o que adianta bastante a viagem. Assim, no trevo de Itaberaba, em vez de seguir em frente para Argoim, vire a esquerda e pegue a BA 233 para Ipirá, OK?
      Um abração.
      Abreu

  12. Oi Abreu, tudo bem ? Li o post da colega, você detalhou pra ela o caminho alternativo para quem está com mais pressa. Eu gostaria de ir pela Linha Verde e se você pude me ajudar com os detalhes vide sua experiência fico muito grato. Outra dúvida que me surgiu é sobre o combustível, pois a Amarok só aceita Diesel S10, será que terei dificuldade com abastecimento ?

    • Olá, Eduardo. Realmente ter tempo para ir pela Linha Verde é um privilégio. O roteiro está neste post mesmo (RODOVIAS BRASILEIRAS:Brasília-Salvador-Natal). Apenas nós orientamos, para quem quer Linha Verde, mas não deseja enfrentar o trânsito de Salvador, pegar a alça da direita 1 km depois do Posto da PRF em Simões Filho e ir direto para o trevo do Aeroporto Luís Eduardo Magalhães. O Aeroporto já fica em Lauro de Freitas, na Estrada do Coco, que, posteriormente, vai virar a Linha Verde. As possibilidades a explorar e as hipóteses de pernoite são múltiplas e sensacionais, a começar por Guarajuba, Itacimirim e Praia do Forte (Nota 10!) e Costa do Sauípe. Quanto ao diesel, acho que não haverá problemas, porque registramos muitos caminhões novos, principalmente os Iveco, que também só rodam com diesel de baixo teor de enxofre. O trecho até Salvador é bem servido de postos BR, com disponibilidade de S10 e a partir da capital baiana cuide de abastecer nas capitais (Salvador, Aracaju, Maceió, Recife, João Pessoa e Natal), porque as distâncias entre elas serão perfeitamente cobertas pela autonomia da Amarok. Mas não se esqueça: havendo S10, complete o tanque: seguro morreu de velho!.
      Um abração.
      Abreu

      • Mais uma vez muito obrigado pela ajuda ! Estou ansioso para conhecer todos esses lugares e ter a liberdade de rodar livremente !

  13. Ola Abreu, obrigado pela resposta ! Eu quero sair de Brasília dia 01/12 e seguir para Natal, depois de lá vir descendo o litoral conhecendo as praias que derem pra conhecer. Terei que estar de volta no dia 20 então preciso planejar bem a viagem. Achei melhor ir direto a Natal e depois vir descendo. O que você acha ? Qual o melhor caminho a se fazer ? Não tenho pressa de chegar. É fácil encontrar lugares para hospedagem com bons valores ? Estarei indo em uma Amarok. Obrigado mais uma vez pela ajuda.

    • Olá, Eduardo. Você viu as perguntas da Kelma Calvet? Ela postou o comentário no dia 10.11, às 17h37 e nós respondemos no mesmo dia. Tudo aqui no post RODOVIAS BRASILEIRAS:Brasília-Salvador-Natal. É o mesmo trajeto que você quer fazer, só que você tem 20 dias e ela só tem 15. Você sairá no dia 01.12 e ela no dia 12.12. Quando há escassez de tempo, temos orientado os sputniks a irem direto ao ponto (Natal) e administrar a volta segundo suas disponibilidades. No texto-base desse post, curtimos a ida e a volta, porque tínhamos todo o tempo do mundo – nós aposentados e meu filho e minha nora em férias e saindo de Salvador! Já no caso seu e da Kelma, não dá para fazer como nós. Mas a nossa recomendação persiste: direto a Natal e depois avaliar como e o que curtir na volta, a começar por Pipa, lá pertinho e imperdível. Os pernoites que sugerimos a ela foram Lençóis e Maceió. Nessas duas cidades há condições de hospedagem para todos os gostos e bolsos. Quanto à volta, quando você estiver em Natal, retorne aqui ao blog. Ai teremos uma ideia do seu tempo disponível e poderemos ajudá-lo melhor, OK?
      Um grande abraço.
      Abreu

  14. Obrigada Abreu por tão rápida resposta! Vou fazer de tudo para tirar essa ideia do maridão,rsrs. Com certeza seguiremos seu roteiro, mas quando o sr diz seguir pela BR101 devo ir por Alagoinhas, Estância, Propriá e continuar até Natal?

    P.S: tenho um tio e primo que trabalham( trabalhou) no Banco do Brasil: Francisco( tio Chico) e Leonardo. Se for um desses, fico feliz!!!!

    Abraços!

    • Exato, Kelma. Pegando a BR 101 depois de Feira de Santana, vocês deverão deixá-la apenas depois de Parnamirim, lá na Via Costeira. Quanto ao Calvet do FUNCI, acho que era o Leonardo: no BB normalmente a gente se chama pelo sobrenome. Eu era o chefe da unidade.
      Um abração.
      Abreu

  15. Olá Abreu! Como muitos aqui comentaram: que achado maravilhoso é esse blog!!!! Sou de Brasilia e irei para Natal em Dezembro com o maridão e minhas 2 filhas, sairemos no dia 12/12( infelizmente num sábado, mas é o dia que temos pois serão só 15 dias de ferias!) Pois bem, sou co-piloto e como toda co-piloto devemos está atenta a todas as cidades por onde iremos passar e anotar tudo para que no dia da viagem saia como o planejado. Depois de lê e relê, anotar, acompanhar com o google maps seu post Brasilia-Salvador-Natal( esse é também meu itinerário) eis algumas dúvidas:
    * a intenção do meu maravilhoso piloto era chegar em Natal no dia 13/12 ( parando para dormir em Seabra ou Lençois), sendo que sairemos de Brasilia dia 12/12, impossivel né?
    * outra coisa, num post anterior o sr comenta que tem como chegar em Aracaju por Mosqueiro e no google maps não achei essa cidade, minha intenção era seguir pela Linha Verde( BA099, me corrija se eu estiver errada), depois vou para Estância(BR 101) ou continuo na BA099 ? Pelo que vi acho que devo seguir a BR101 até Natal, mas se tiver outro caminho por favor me orientar;
    * desculpe a sinceridade, mas estou louca pelo google maps dar varias opções BR110, BR101, BR423 e BR101 e por não conhecer as estradas acabar indo por um trajeto curto e não chegar com segurança, dessa forma peço gentilmente que me oriente ao melhor percurso. Obrigada

    • Olá, Kelma. Bem-vinda ao blog. Em primeiríssimo lugar, eu lhe passo a sublime missão de convencer o maridão a tirar da cabeça ideia de sair dia 12 e chegar dia 13. E eu estou falando isso do alto dos meus recém-completados 1.600.000 km rodados em estradas brasileiras SEM UM ACIDENTE. Vocês poderão planejar o primeiro pernoite em Lençóis, saindo de Brasília ao nascer do sol (nada de sair no escuro – o mês é de chuvas e escuro com chuva em Brasília é mico: você já chegarão em Formosa exaustos!). Ao entrar no estado da Bahia, vocês ganharão uma hora adicional, porque lá não há horário de verão. Assim, não precisam madrugar demais. Façam o segundo pernoite em Maceió e chegarão no dia seguinte a Natal por volta do meio-dia, ainda a tempo de uma cervejinha na Ponta Negra. Quanto ao percurso, há uma particularidade: quando a família está com tempo, com vontade de passear, ver coisas lindas e novas enquanto viaja para Natal, costumamos recomendar a Linha Verde e, em Estância, continuar pela BA 099, pela beira-mar, até entrar em Aracaju pela praia de Mosqueiro, uma vez que a ponte ficou pronta há pouco tempo. (Mosqueiro é uma praia). Mas vocês estão com pouco tempo, a ponto do piloto querer fazer a viagem em dois dias. Nesses casos, Kelma, nossa orientação é outra. Sigam nosso roteiro-padrão para Salvador (Brasília-Rosário-Luís Eduardo Magalhães-Barreiras-Ibotirama-Seabra-Lençóis-Itaberaba-IPIRÁ-BR 116-Feira de Santana-BR 324 para Salvador). Na BR 324, 21 km após Feira de Santana, há um viaduto. Nele passa a BR 101. Peguem a alça à direita, subam no viaduto, peguem a BR 101 e sigam nela até Natal, pernoitando, como já disse, em Maceió. A estrada está boa, o trânsito – por ser um domingo – vai estar tranquilo, exceto o trevo de Recife, em Jaboatão dos Guararapes, que é sempre um horror. Não deixem de dar uma olhadinha em nosso post “RODOVIAS BRASILEIRAS: Manual de sobrevivência em viagens de férias nas rodovias brasileiras”, publicado, como o post que você leu (“RODOVIAS BRASILEIRAS: Brasília-Salvador-Natal”), em nosso site http://www.expressaodaliberdade.com.br. É isso. Se houver dúvidas, retorne. Teremos o maior prazer em ajudá-los a ir e voltar com o máximo de segurança, OK?
      Um forte abraço.
      Abreu
      P.S.: eu tinha um amigo no Banco do Brasil com esse sobrenome – Calvet. Trabalhava no Departamento de Controle do Pessoal-FUNCI.

  16. Ola, muito bom o relato ! Achei o site pesquisando pela internet, pois pretendo viajar agora em dezembro de carro para o nordeste. Vou sair de Brasília, nunca fiz esse caminho e toda a ajuda é bem vinda. Vou ler depois de novo com calma e quem quiser oferecer algumas dicas será bem vindo…rs ! obrigado

    • Olá, Eduardo. Bem-vindo ao blog. Aguardamos o seu retorno após a “leitura calma” que você vai fazer. Lembre-se que o post pelo qual você chegou aqui foi o “Brasília-Salvador-Natal”, que está publicado em nosso site http://www.expressaodaliberdade.com.br, onde há diversos outros sobre rodovias na região, com um monte informações, principalmente nos comentários.
      Um grande abraço.
      Abreu

  17. Olá Abreu, cheguei ao blog pelo google “situação da estrada correntina bom jesus da lapa”. Que maravilha sua disposição em ajudar. Parabéns. Também sou de Brasília e estou viajando com minha esposa agora em novembro/2015 rumo ao nordeste. Pretendíamos passar por Correntina e Bom Jesus da Lapa antes de chegarmos a Lençóis, mas em razão da situação da estrada acabamos desistindo e seguindo direto pra Lençóis. Vamos ficar alguns dias na Chapada e depois seguir rumo à Linha Verde, aproveitando cada pedacinho do litoral. Um grande abraço! Francisco (44) e Eliana (41), Honda Civic 13/14.

    • Olá, Francisco. Obrigado por suas carinhosas palavras, que representam uma força para nós nesta luta. Corretíssima a decisão de evitar Correntina e Bom Jesus da Lapa. Em Barreiras, passe pelo anel viário e não pelo centro da cidade: está muito demorado passar por dentro. E não se esqueça de redobrar a atenção entre Lençóis e Itaberaba: há registros de muitos buracos no trecho (como sempre) e o seu Civic vai ficar muito sentido se você machucar suas rodas.
      Boa viagem para você e Eliana e não se esqueçam de dar notícias.
      Um grande abraço.
      Abreu

  18. olá Abreu meu muito obrigado pelas digas que vi no seu blog,fiz uma viagem para Aracaju recetemente saí de Águas Claras dormi em Barreiras na casa de parentes onde costumo passar uma vez por ano e no dia seguinte Ibotirama/Seabra e pernoitei em itaberaba pois não estava com muita pressa pois tinha calculada distancia,agora vem o melhor no trevo de Itaberaba segui a sua dica fui por Ipirá uma rota bem tranguila depois cheguei em F. de Santana onde peguei um engarrafamento tinha um acidente depois de 12 KM subi o viaduto a direita fui pela Br 101 Alagoinhas/Estancia finalmente Aracaju ao meio dia dentro do horário previsto e sem problemas, obrigado por essas informações tão importante para todos os viajantes, abraços e até próxima.

    • Olá, Paulo. Bem-vindo ao blog. Obrigado por suas palavras: elas são muito importantes para nós, que fazemos esse trabalho exclusivamente com o intuito de diminuir os riscos e desconfortos dos que por aqui passam. E essas palavras nos dão um enorme estímulo para continuarmos fazendo este nosso ofício. Mas o melhor de tudo é o seguinte: meu filho mais novo, Dênis, saiu daí de Águas Claras no dia 08.5.2015 e voltou anteontem. Foi a Salvador, Aracaju, Maceió, Porto de Galinhas, Pipa e Natal, com a esposa. DE MOTOCICLETA. E nós estamos preparando o relato da viagem deles, para publicarmos aqui no blog. E você, por coincidência, já adiantou grande parte da história. Que bom que a gente está sintonizado. Mais uma vez, obrigado pela força de suas palavras.
      Um grande abraço.
      Abreu

  19. Ola sr. Abreu meu nome é Paulo e estou pensando e ir de Santa Maria DF ate Maceio e vou ser sincero sou motorista da Viplan, tenho 30 anos mas nunca viajei pra lugar nenhum o máximo foi ate Formosa kkkk, e ficaria muito grato se o Sr pudesse compartilhar um pouco da sua experiencia comigo pois nao sei nem pra que lado devo sair de casa kkkk, e se o Sr puder me responder por email eu agradeço muito e eu tambem gostaria de saber se aqueles guias de viajem da revista 4 rodas servem pra ter uma ideia ou se eu compro um GPS ???

    • Olá, Paulo. Adoramos seu comentário. Amanhã vou responder a você por e-mail. Compre o guia Quatro Rodas 50 anos – está nas bancas. O GPS funciona maravilhosamente…em certas condições. Com o Guia 4 Rodas e este blog você estará bem.
      Um abração.
      Abreu

    • Olá, Paulo. Como prometido, cá estamos para tentar ajuda-lo a chegar a Maceió e voltar sem problemas. Para isso, a primeira providência é você dar um pulo no nosso blog, e ler o Manual de Sobrevivência em viagens a passeio pelas rodovias brasileiras, que publicamos no seguinte endereço: http://www.expressaodaliberdade.com.br/?p=568.
      A rota da sua viagem será a seguinte: de Santa Maria você pegará a EPIA na direção de Formosa. Lembre-se de que até a Água Mineral você pegará congestionamento, mas depois melhora, porque você estará no contrafluxo (as pessoas que vêm trabalhar de Formosa, Planaltina, Brasilinha e Sobradinho estarão vindo para o Plano e você estará indo).
      A BR 020 começa na altura do Posto Colorado e você vai rodar 590 km nela até Barreiras, onde você pegará a BR 242 até Itaberaba, onde mudará para a BA 299 até Ipirá, pegando a BA 052 (Estrada do Feijão) até Feira de Santana, alcançando a BR 324 que vai até Salvador. Nessa BR 324 você tem duas saídas para Maceió: pela BR 101 ou pela Linha Verde.
      Nas três primeiras horas dessa viagem, dificilmente a gente consegue fazer uma média boa, por causa do tráfego. Coloque aí uma média de 70 km por hora. O ritmo só se desenvolve mesmo a partir de Alvorada do Norte. Ali, com pouco tráfego, dá para andar bastante sem maiores riscos.
      A estrada em todo esse primeiro trecho (BR 020) está boa, não encontramos nenhum buraco em nossa vinda no domingo passado.
      Como você deve saber, Paulo, nós aqui do blog recomendamos fortemente às pessoas que nos visitam a não viajarem à noite. Não existem – exceto algumas em São Paulo – estradas brasileiras que permitam que nós submetamos nossa família e nossos sonhos ao risco de viajar à noite. O buraco traiçoeiro, o cavalo atravessando a pista, o caminhoneiro que dorme na direção, tudo fica muito mais perigoso quando estamos viajando à noite, em estradas modestas, de pistas simples. E há pousadas relativamente baratas (em torno de R$ 20,00 até R$ 50,00 para casal com café da manhã ao longo de toda a rota. É só procurar e negociar). Então, Paulo, definitivamente, não se arrisque: parta ao nascer do sol – não antes – de Santa Maria e ao pôr-do-sol encoste seu carro, acerte a dormida, vá tomar sua cervejinha ou seu refrigerante e dormir. No dia seguinte, descansado, acabe de chegar a Maceió.
      Para isso, tente fazer 1.000 km no primeiro dia, dormindo em Seabra ou Lençóis. Isso lhe permitirá dormir no segundo dia em Maceió. Lembramos que, ao chegar à Bahia, em Rosário, a 300 km de Brasília, você ganha uma hora, porque na Bahia não há horário de Verão. Assim, quando você achar que são 18h00, ainda são 17h00 e você ainda tem uma hora de sol para viajar.
      Voltamos a insistir: não viaje à noite, porque o risco não compensa!
      Ficamos por aqui. Se você tiver dúvidas, retorne. Teremos o maior prazer em acompanhar você nesse passeio. Não se esqueça de dizer para nós quando será a viagem, qual o carro que você usará e quantas pessoas estão indo, inclusive se há crianças.
      Um grande abraço.
      Abreu

      • Ola novamente Sr Abreu , olha vou sair daqui la pelo dia 10 de abril e vamos eu minha esposa , meu irmão , minha cunhada e minha bb de 8 meses e estamos indo em uma parati 1,6 ap mi 97/97 e ela faz uns 12,5 a 13 kms por litro dentro da cidade e isso andando rápido e puxando um reboque e oque o sr me diz sobre abastecimento nas estradas?

        • E obrigada por ser tão atencioso , pode ter certeza que vou sempre estar passando por aqui e quando eu chegar passo por aqui pra compartilhar as informações com o sr e as outras pessoas.

  20. Olá! Abreu.. Sou de Salvador e pretendo seguir viagem para Brasília, sozinha sem ninguém para revesar… Então, preciso do roteiro e quero saber também pousadas para paradas,qtos pedágios existem e posto policial federal para qualquer dúvida. Desde já agradeço.

    • Olá, Naildes. Bem-vinda ao blog. Como temos insistido aqui no blog, a viagem deverá ser dividida em duas etapas. Você poderá pernoitar em diversas cidades (Seabra, Ibotirama, Barreiras, Luís Eduardo Magalhães). Tudo depende do local de onde você vai partir aí em Salvador, do modelo do seu carro e de sua experiência como motorista de rodovia. Os pedágios são poucos e baratos (apenas dois, se você sair pela Fonte Nova acompanhando a linha do metrô). Todas as cidades citadas têm posto da Polícia Rodoviária Federal, exceto Ibotirama cujo posto se encontra momentaneamente desativado. Observe os comentários que outras pessoas estão postando aqui (especialmente o do Igor, de hoje, e o do Otávio, de ontem). Eles trazem informações atualíssimas sobre o trecho. Na próxima sexta, dia 9, eu é que estarei na estrada e farei uma publicação específica no corpo do blog. Se você quiser, retorne para nos fornecer o modelo do carro, a data da partida e o local de onde você sairá de Salvador: assim teremos condição de ajudá-la de forma mais detalhada.
      P.S.: melhor não informar a data da partida. Apenas informe se você irá viajar antes ou depois de mim (dia 9.1.2015). Isso porque você já disse que vai viajar sozinha e é melhor que apenas você saiba a data exata, está bem? Seguro morreu de velho e desconfiado vive até hoje!
      Um grande abraço.
      Abreu

    • Olá, Kelton. Bem-vindo ao blog. Gostei de sua idéia de mandar para nós a sua rota no Google Maps. Ainda não tinha pintado isso por aqui e gostamos muito. Duas observações: há alguns anos descobrimos uma rota de Itaberaba para Feira que evita a Matadeira (Rio-Bahia, ou BR 116). No trevo de Itaberaba, vire à esquerda e vá para Ipirá e de lá para Feira de Santana. Você vai se surpreender pelo baixíssimo tráfego e pela qualidade da estrada. A outra observação tem a ver com sua pergunta. Se você já está na BR 101, que o levará direto a Aracaju, por que pegar a BA 400 e chegar à Linha Verde? Se é porque você quer curtir a beira-mar, por que pegar a BR 101? Será que você que é viajar pelo Litoral de Sergipe? Então, vá até Esplanada e então desça para a Linha Verde no Conde. Lembre-se que agora a Linha Verde já nos conduz até Aracaju pelo Litoral, chegando à capital por Mosqueiro, sem a necessidade de retornarmos à BR 101 em Estância, como fazíamos até o ano passado. Não vale a pena arriscar-se na BA 400 naquele trecho de Cardeal da Silva. Se você tiver que visitar alguém em Baixio ou Itariri, desça de Entre Rios direto para Subaúma, onde a estrada está boa.
      Qualquer dúvida, retorne que teremos o maior prazer em trocar ideias.
      Faça uma boa viagem e não se esqueça de não viajar à noite (72% das mortes ocorrem nesse horário) e pernoite entre Ibotirama e Itaberaba.
      Um grande abraço.
      Abreu

  21. Amigo, não entendi essa dica!!
    Pode me explicar:
    g) não viajar nos trinta dias anteriores ao seu aniversário. Se for necessário, atenção redobrada;
    Não entendi!!!

    • Olá, Ícaro. Essa é para os místicos, para os estatísticos e para os velhos lobos de estradas: cerca de 70% das mortes trágicas (aí incluídos os acidentes em estradas) ocorrem 30 dias antes ou 30 dias depois do aniversário da vítima. Científico? Não. Analise seus amigos e parentes mortos nessas circunstâncias e tire suas conclusões. Nós aqui do blog, particularmente, temos dúvidas. E como raposas velhas do asfalto turístico, obedecemos rigorosamente àquela placa “NA DÚVIDA, NÃO ULTRAPASSE”. E haja atenção e cuidado entre fevereiro e abril, no meu caso.
      No creo en brujas, mas que las hay, hay.
      Grande abraço e feliz aniversário, Ícaro!
      Abreu

  22. Grande Abreu,
    Tudo bem?
    Ferias chegandoooooo!
    Adoro ler e reler as histórias da sua família!
    Dezembro chegando e esse ano vamos de Brasília para Natal na nossa viatura domiciliar. Estamos traçando a rota, paradas e tal.
    Em 2011 fomos de Brasília para Sauípe e seu blog foi nosso guia. Parecia até que vocês estavam junto conosco.
    Estaremos mais uma vez juntos nessa!
    Abç

  23. Oi Abreu,
    Mês que vem estaremos viajando de férias para Itacaré. Qual melhor caminho? Acha que devemos considerar irmos por Minas (Montes Claros – Vitória da Conquista?)

  24. Olá Abreu,
    Novamente retorno ao seu site para pedir ajuda com relação aos trajetos de nossa futura viagem…ano passado fizemos uma bela viagem orientada por você e somos muito agradecidos por tamanha preocupação e carinho conosco e com todos os Sputnik’s.
    Nossa programação de viagem será da seguinte forma:
    1 dia : BSB – Lençois (pernoite)
    2 dia : Lençois – Estância (Sergipe)
    3 dia : Estância – Maceió
    Tenho algumas dúvidas :
    De Lençois até Estância qual seria o melhor percurso?
    De Estância para Maceió no ano passado fomos por Penedo, pegamos a Balsa e de lá fomos por umas cidades de Coruripe e Feliz Deserto, que de Feliz não tinha nada,rsrs, pois a estrada era tão esburacada que perdemos um pneu nesse local…por onde você nos indicaria de ir nesse ponto?
    Eu conseguiria acessar a Linha Verde a partir de Sergipe? Se sim, por onde poderíamos chegar até ela?
    Muitíssimo obrigada Abreu.
    Fica com Deus!!!

  25. Ola, o sr que ja viajou muito, poderia me informar se de salvador ate recife é perigoso viajar de moto? planejo fazer esta viajem em janeiro. desde já agradeço.

  26. Olá Abreu, primeiramente quero agradecer pela sua disposição em manter esse blog. Tenho vindo aqui quase diariamente, sonhando com uma viagem BrasiliaXNatalXFortaleza. Ainda estou na fase de convencimento dos meus 3 rapazes. Eu sou da estrada, amo viajar de carro, amo os momentos de alegria durante a viagem e tudo de bom que nos proporciona em familia , mas marido é caseiro por demais e acaba por “contaminar” os filhos. Moramos em Brasilia há 10 anos e somente depois de 5 longos anos, viajamos de carro para ver a familia no RJ e onde temos casa . Desde então, a viagem se repete a cada ano, e eu já conheço a BR 040 como a palma da minha mão. Agora tenho sonhado em conhecer o nordeste, onde moram parte da familia do meu marido , e este teu Blog está me ajudando a derrubar o argumento ” a estrada é perigosa” ou ” pra que ir de carro se podemos ir de avião? “. E eu penso e respondo … “pra que ter medo se que aqui temos um carro bom pra viajar, 2 motoristas experientes e nenhuma criança e ainda conseguimos conciliar férias…” e aproveito pra mostrar seu blog com todas as dicas. Tomara eu consiga realizar esse sonho de passar férias rodando pelo nordeste. … por enquanto fico aqui, me deliciando com os relatos dos sputniks.

    • Olá, Vânia. Bem-vinda ao blog. E muito obrigado por suas palavras a respeito do nosso trabalho e dos seus sonhos. Como você deve ter visto, a nossa paixão é viagem rodoviária. Já fiz mais de 3.000.000 (três milhões) de milhas em viagens aéreas e talvez umas 1.000 milhas de viagens fluviais. Mas nada substitui o prazer do pé no chão, do contato com a paisagem, com as pessoas, com as comidas e com a alma do nosso país. Interrompi as viagens rodoviárias em 1.989, por absoluta falta de condições de trafegar por nossas estradas naquela época, quando cheguei a substituir 04 rodas (rodas, não apenas pneus) numa viagem entre Brasília e Salvador, naquele ano. Foi decorrência de uma decisão do governo Sarney, sugerida por seu então Ministro da Fazenda, Mailson da Nóbrega (hoje colunista da Veja) e o Ministro do Planejamento, João Batista de Abreu. Chamou-se “Operação Desmonte”, ou seja, o governo não investiria mais nada em manutenção de rodovias. E essa situação durou quase 20 anos. Nem Sarney, nem Collor, nem Itamar, nem Fernando Henrique alteraram aquela decisão. Fernando Henrique ainda avançou, através das privatizações, melhorando as condições das rodovias do sul, que já eram boas. E o restante continuou em processo de deterioração, até o momento em que eu descobri que havia uma mudança importante. Foi no ano de 2009, quando criei esse blog, para avisar aos demais apaixonados como eu por viagens rodoviárias, que, como diria Milton Nascimento “uma notícia está chegando lá do interior, que é muito mais, é muito mais que qualquer zona sul”, ou seja, havia surgido uma esperança no ar. Aliás, não: havia uma esperança na terra, no asfalto.E de lá para cá – já se vão cinco anos -, só tenho confirmado aquela sensação inicial: YES, nós temos estradas! Ainda não são uma Brastemp, mas já podemos levar nossos cônjuges e nossos filhos para apalpar o Brasil, sentir sua pulsação, sua temperatura e sua pressão.
      Por tudo isso, Vânia, tenho estimulado nossos sputniks a botar o pé na estrada. Claro que temos de tomar alguns cuidados. Por exemplo, se você for fazer um cruzeiro marítimo, eu lhe diria: “Vânia, evite o navio Costa Concordia e seu comandante Schetini”. Se você for de avião, eu lhe diria: “Vânia, evite voar pela Avianca, principalmente se aeronave for o E-28, que é o antigo Fokker-100 maquiado e que já matou tanta gente”. Se você for para o Nordeste de carro, eu lhe diria: “Vânia, siga rigorosamente as orientações deste blog (não viajar à noite, nada de bebidas, cuidados com a manutenção do automóvel, não deixe o tanque ir abaixo do meio, etc, etc, etc)”. Ah sim, se você estiver a pé, eu lhe diria: “Vânia, cuidado ao atravessar a rua, olhe o sinal, olhe o motoqueiro, passe pela passarela, etc, etc, etc.”.
      A vida, Vânia, são brevíssimos instantes. É sábio aproveitar da melhor maneira possível cada um deles. E percorrer o Brasil com seu marido e seus filhos de automóvel, dividindo experiências divertidas, vivências surpreendentes, “micos”, decepções e alegrias novas, vai marcar positivamente cada um de vocês para o resto de suas vidas.
      Pé na estrada, garota! Eu te acompanharei pelo controle remoto!
      Um grande abraço para a família toda.
      Abreu

      • Abreu, agradeço pela resposta. Eu ainda não estou na estrada rumo ao nordeste, mas já estou sim, seguindo rigorosamente as dicas do seu Blog . Já decidi que faremos a viagem em 3 etapas e já fiz uma lista de possíveis hotéis para o 1° pernoite ( possivelmente em Ibotirama ou Seabra) . Estou olhando opções de onde pernoitar na 2° noite , pois de lá pretendemos seguir para Natal e depois de alguns dias, iremos pra Fortaleza. Já calculei ( claro que é só uma previsão) os gastos com combustivel para nosso Cruze 1.8, também gastos com alimentação e outros. Isso tudo, ainda sem convencer meus 3 rapazes. Estamos na fase do “vamos ver”… mas já está melhor que o “não !” (risos). Não estou mais sozinha nessa empreitada de convencer minha familia, pois nossos melhores amigos também estarão em Natal, no mesmo período que nós. Pura coincidência , ou obra do destino. Eu amo a estrada…trabalho o ano inteiro sonhando com as férias curtindo a familia dentro de um carro… mas cansei do Rio, e das mesmas praias da Região dos Lagos. E já avisei ao marido, que quando aposentarmos vamos morar num carro e passar férias na nossa casa, lá na roça da saída sul. Ele só ri e diz : ” vamos ver “… mas depois de 25 anos de casados eu já aprendi que o “vamos ver”, é quase “sim !”.

  27. Olá. Gostaria de dar minha contribuição sobre o trecho Brasília guaibim bahia que realizei em 14 janeiro de 2014. De Brasília até 60 km antes de correntina bahia o trecho está bom. Antes de correntia cerca de 60 km eh bom ficar atento que há buracos, alguns deles tapados com terra pela prefeitura local. De correntina até igaporao trecho está bom. Dei igapora até caetite eh o grande problema, pois está bastante esburacado, em que pese a prefeitura tente tampá-los com terra. De caetite até brumado muito boa a estrada. De brumado até tanhacu esta ruim com muitos buracos o trecho eh de cerca de uns 30 km. De lá até o guaibim, passando por jaguaquara, lage, eh só alegria. Boa viagem a todos. Optei por este trecho por odeio trânsito com caminhões. Catei alguns buracos mas o carro voltou inteiro e sem problemas aparentes.
    Abraços!
    Parabéns pelo blog.

  28. Olá. Gostaria de dar minha contribuição sobre o trecho Brasília guaibim bahia que realizei em 14 janeiro de 2014. De Brasília até 60 km antes de correntina bahia o trecho está bom. Antes de correntia cerca de 60 km eh bom ficar atento que há buracos, alguns deles tapados com terra pela prefeitura local. De correntina até igaporao trecho está bom. Dei igapora até caetite eh o grande problema, pois está bastante esburacado, em que pese a prefeitura tente tampá-los com terra. De caetite até brumado muito boa a estrada. De brumado até tanhacu esta ruim com muitos buracos o trecho eh de cerca de uns 30 km. De lá até o guaibim, passando por jaguaquara, lage, eh só alegria. Boa viagem a todos. Optei por este trecho por odeio trânsito com caminhões. Catei alguns buracos mas o carro voltou inteiro e sem problemas aparentes.
    Abraços!

  29. Olá Abreu,

    Mais uma vez utilizo os valiosos serviços de informações prestados neste espaço para saber qual o melhor caminho de Salvador até Natal? Pois o caminho até Salvador fizemos com segurança em dezembro de 2013 seguindo as suas orientações. Existe alguma novidade para este ano neste percurso? Nos sentimos tão tranquilos com essa viagem que sempre realizamos de avião por medo da estrada. Mas agora planejamos subir até Natal.

    Iremos eu e meu marido com dois bebês, de 1 ano e 6 meses e outro de 3 anos, dia 08/01 saindo de Taguatinga – DF, rumo as praias potiguar. Se mais uma vez puder nos ajudar ficaremos muito gratos.

    Admiro muito o seu trabalho e fico viajando junto com você na riqueza de detalhes que você coloca ao descrever suas viagens. Quando for grande pretendo fazer uma viagem de carro até os nosso vizinhos sul-americanos da Argentina e do Uruguai assim como vocês fizeram. Achei maravilhoso este post. Bom mas este é um projeto mais para frente….risos. Agora estamos precisando mesmo da sua ajuda para sair de Taguatinga – DF e chegar com segurança em Natal – RN.

    Aproveito para desejar um 2014 repleto de saúde, prosperidade, amor e muito sucesso para você e toda a sua família!

    Abraços Daniela e Eduardo.

    • Caros Daniela e Eduardo,
      obrigado por suas palavras carinhosas: elas são um importante estímulo para nós!. Quanto à rota Salvador-Natal, vocês já viram nosso post, neste blog sobre aquele trecho? Vocês acessam diretamente o texto “RODOVIAS BRASILEIRAS: Brasília-Salvador-Natal” na está disponível no endereço . As condições ali descritas continuam atuais, segundo alguns amigos de Salvador que têm feito recentemente esse percurso.
      Se vocês já haviam lido o post, retornem que nós complementaremos com o que temos de mais atual.
      Um forte abraço, feliz ano novo e obrigado mais uma vez.
      Abreu

    • Daniela e Eduardo,
      com essas correrias de fim de ano, somente agora percebi que vocês haviam comentado o post “Brasília-SAlvador-Natal” e não o “Brasília-Salvador”. Assim sendo, permanecem válidas as informações ali contidas, bem como o acréscimo da chegada a Aracaju via Mosqueiro.
      Desculpem o mau jeito!
      Abreu

  30. Olá Abreu, agradeço a iniciativa do blog, que é de enorme utilidade para todos. Não sei se teremos a sua resposta em tempo, mas de qualquer maneira, gostaria se possível da sua ajuda no seguinte: Estarei pegando a estrada nessa sexta 27/12 de Brasília para a Praia do Forte, e como nunca fiz esse roteiro de carro, gostaria do trajeto passo-a-passo (com as BRs, trevos, desvios, etc.) e de indicação de um bom hotel em Lençois para o pernoite. Obrigado, Abraços. Fabio Franco

    • Olá, Fábio. Bem-vindo ao blog. Dada a urgência, uma vez que você viaja amanhã, transcrevo abaixo nossa resposta ao Daniel, que irá para a Praia do Flamengo:

      “Enviado em 25/12/2013 as 16:51 | Em resposta a daniel.
      Olá, Daniel. A rota para Salvador está descrita com detalhes no post, principalmente nas “Observações Atualizadas”. No seu caso, é sair de Taguatinga pela Estrutural, pegar o viaduto Airton Senna após a Cidade do Automóvel e descer na EPIA. Pronto: a EPIA é o início da BR 020 e da sua viagem. O km 1 da BR 020 fica em frente ao Colorado. Dali até Luís Eduardo Magalhães, onde a BR 020 termina, são 500 km. Você vai pegar lá a BR 242, passando por Barreiras e Ibotirama, até Itaberaba, onde tomará a esquerda (BA093) até Ipirá, à direita pela BA 052 até a BR 116. Na BR 116, após 5 km, você chegará a Feira e à BR 324, que te levará a Salvador.
      Se você for para Salvador, é só seguir sempre pela BR 324 que, ao final de 110 km, você estará na capital. Se você for direto para a Praia do Flamengo e quiser evitar o trânsito de Salvador, veja o roteiro que publicamos no post “Rodovias Brasileiras:Brasília-Salvador-Natal” (www.expressaodaliberdade.com.br/?p=44). Ali nós orientamos a seguir pela BR 324 até as imediações de Simões Filho, onde fica o posto da Polícia Rodoviária Federal. Dois quilômetros após o posto e depois de passar por um viaduto inacabado e abandonado, apanhe o viaduto à sua direita. Estando em cima do viaduto, você estará na estrada que vai levar você ao balão do Aeroporto. No balão, em vez de ir para o Aeroporto, é só seguir a sinalização para ir para a Orla e Itapuã. Chegando à beira-mar (você estará em Itapuã), tome a esquerda pela orla. Dali a aproximadamente 10 km você estará na praia do Flamengo e na barraca do Louro.
      Se tiver alguma dúvida, retorne.
      Tenha um Feliz Natal e faça uma boa viagem.
      Abreu”

      Como você pode ver, Fábio, o roteiro não apresenta dificuldades. No seu caso, a diferença é que, ao chegar ao balão do Aeroporto, orientamos o Daniel a ir para a beira-mar, em Itapuã. Você, no mesmo balão, deverá tomar a via que leva ao Aeroporto, sem entrar nele. Isso significa que você deverá passar em frente ao Aeroporto e seguir para Lauro de Freitas, pela Estrada do Coco(ao sair do balão, você já estará na Estrada do Coco). Seguindo direto por essa estrada, não tem erro: 60 km depois você estará na entrada (do lado esquerdo da via) da Praia do Forte. A pista em grande parte é duplicada e pedagiada.
      Quanto a hoteis em Lençois, sempre fico no Canto das Águas. Mas há outros, como o Portal de Lençois, com a mesma qualidade, ou outros mais modestos e mais econômicos.
      Espero que você receba esta resposta a tempo.
      Um grande abraço e voa viagem!
      Abreu

      • Oi Abreu, show! Perfeito e simples de compreender… vou tentar imprimir e levar este post. Abraços e Feliz Ano novo!!!

  31. Caro Abreu, foi com imensa satisfação que “descobri” hoje (e não consigo entender como não encontrei antes) o seu Blog, que é simplesmente maravilhoso. Parabéns! Estou me preparando para fazer a jornada Brasília-Recife nos próximos dias. Embora já tenha feito esse percurso antes, já faz cinco anos que não viajo de carro por mais de 300km. Esse ano, resolvemos voltar à estrada eu, minha esposa e nossos três rapazes para visitar a nossa terra natal, agora por terra. O percurso via Barreiras-Ibotirama-Feira, continua em boas condições?
    Abraços,

    Nilson

    • Nilson, sei que você já passou antes aqui pelo blog, mas não tenho certeza se já respondi a esse comentário seu de 07.12.2013. Pode refrescar minha memória?
      Abreu

      • Abreu, Vc Certamente Me Confundiu Com ALguM Xará. Esse Meu Comentário Foi O PrimeirO Que Fiz Neste Blog

    • Olá, Nilson. Bem-vindo ao blog e desculpe a mancada de achar que você já havia passado por aqui. O problema é o seguinte: quando entra o comentário, nós temos de moderar, isto é, analisar e decidir se aquele comentário não ofende alguém, não agride uma legislação, não viola um costume, etc. Normalmente, eu modero e imediatamente respondo.
      No seu caso, eu moderei, ou seja, admiti que seu comentário fosse publicado e demorei a responder. Como estou numa idade em que, para entrar uma informação no meu cérebro outra informação tem de sair, foi fácil achar que você já tinha passado por aqui. Desculpe, mais uma vez.
      Quanto à sua pergunta, a resposta é SIM! Vá em frente, com os cuidados necessários, que essas estradas te levarão ao seu Recife e te trarão de volta para nós.
      Um grande abraço.
      Abreu

  32. Lindas palavras e parabéns pelo trabalho! Desejo um dia seguir esses passos de um casal que viaja junto!! Adorei ler e sou muito grata por ter encontrado tantas dicas preciosas!!! De novo, obrigada!
    Planejamos, eu marido, filhos (bebes- 2 e 3 anos-Uns anjos..) e dois enteados adolescentes fazer esse trecho. Fiquei encantada com as paisagens que descreveu em Xingó e penso em parar para conhecer. Dá pra ver em quanto tempo? Nosso plano inicial era dividir o trecho brasilia – natal em 2, parando em Feira mas pelo que foi dito melhor para antes em Lençóis, correto?
    Hoje os relatos saõ de viagens de casal… Vcs certamente com uma “quilometragem” tão alta , viajaram com filhos pequenos, certo?!!
    Como foi?! Abraços!!
    Aguardo dicas, Grata

    • Olá, Janaína. Bem-vinda ao Blog. Como vocês viram no post e já compreenderam, não é recomendável fazer o trecho em 2 dias. Então, façam o que estão pretendendo: pernoitem em Lençóis, com direito a uma volta na pracinha no princípio da noite, muita gente bonita, barezinhos, restaurantes e lojas. No dia seguinte, é possível já dormir em Xingó, fazer o maravilhoso passeio no cânion e visitar o museu arqueológico (fantástico e emocionante) e se mandar para Aracaju. Se tiverem tempo, visitem Angicos, onde morreu Lampião(fica no caminho).
      Para as crianças e adolescentes, não se esqueçam de frutas, água, refrigerantes, biscoitos, gibis e video-games. CDs de histórias e músicas infantis ajudam os bebês a se distraírem. E não se esqueçam do Dramin B (meio comprimido para cada um, se costumam ficar nauseados). Aos meus, cujos enjoos já conhecíamos, dávamos o Dramin meia hora antes da partida de Brasília. Eles dormem durante uma hora, uma hora e meia e seguem tranquilos o resto do dia, sem vômitos.
      Compre na farmácia ou improvise protetores de vaso sanitário: às vezes, na hora inadiável da necessidades dos pequenos, a gente tem de enfrentar umas barras pesadas em termo de banheiros nesse percurso.
      Quanto ao mais, é reabastecer a cada 200/250 km e colocar todos a esticar as pernas e ir ao banheiro nessas paradas.
      Uma boa viagem e um grande abraço.
      Abreu

  33. Salve salve camarada Abreu,

    2 anos depois estou de volta ao blog, atualizadíssimo e revolucionário como sempre, aquilo que eu considero a verdadeira função social da internet, enfim não pouparei elogios e você deve ter uma bela coleção deles, então… após todo esse tempo resolvi planejar uma viagem de carro com a família, ocorre que após meu compadre/cunhado mudar-se de São Paulo para Natal já fui visitá-lo 2 vezes, apesar de dizerem que cunhado não é parente o dito cujo carcará sanguinolento acabou virando meu compadre, como as duas viagens foram de avião, depois de lá estar ou ficava dependendo dos horários e veículo dele e da comadre ou então tinha que ficar pechinchando veículos de aluguel com todas aquelas exigências ridículas, por isso resolvi retomar nossa tradição familiar (já desbravamos as estradas brasileiras de norte a sul na década de 80) e vou botar uma EcoSport 2.0 automática na estrada e curtir mais essa aventura dentro de 1 mês, pois bem: saindo de Goiânia vejo que as condições da estrada até Feira de Santana continuam semelhantes há 2 anos atrás, a dúvida agora é a conclusão da BR-101 após Palmares-PE, você ou algum sputnik têm essa noticia? tenho pesquisado e infelizmente encontrei noticias de trechos incompletos nas regiões metropolitanas além do alto risco de assaltos no trecho Sergipe/Alagoas devido ao ritmo lento das obras, vou confirmar isso ainda com a PRF e o DNIT, por isso planejei a viagem inicialmente da seguinte forma: no primeiro dia saída após o almoço vamos até Alvorada do Norte-GO, no segundo dia até Alagoinhas-BA e o restante pegando o trecho mais critico durante a manhã e chegada no fim do dia a Natal, embora há 2 anos atrás fomos até Maceió fizemos a maior parte desse trecho pelas estradinhas litorâneas de SE/AL mas o pouco da 101 que pegamos já deu uma idéia da canseira que vai ser novamente, enfim prazer em teclar contigo mais uma vez, apesar de aparecer por aqui só em tempos de férias tenho tido a honra de poder relatar nossa experiência para que muitos outros venham pelo mesmo caminho, permita fazer o comentário em dois locais diferentes pois vejo que o post “Brasilia-Salvador” é mais movimentado que o outro, aquele abraço e até mais, saudações…

    Robert Plant

    p.s. a pergunta central é a seguinte: quais as condições do trecho Feira de Santana – Natal pela BR-101?, quem tiver condições de nos informar agradecemos muitíssimo quaisquer relatos, obrigado mais uma vez…

    • Olá Robert,
      Fizemos esse trecho há pouco tempo, no nosso caso fomos parando em Sergipe, Maceió, João Pessoa e depois fomos a Natal.
      Acima coloquei um relato com mais detalhes sobre a estrada e nossa viagem, de qualquer forma desde já aviso que o trecho passando por Penedo, Feliz Deserto e Coruripe, está em PÉSSIMO estado, muitos buracos na estrada, então nesse trecho eu recomendo ir pela BR 101. O restante do trajeto nós fomos fazendo pelas estradas mais próximas ao litoral mesmo, a maioria é bom estado.
      Acredito que o Abreu possa te orientar melhor quanto as suas dúvidas.
      Espero ter ajudado.
      Grande abraço.
      Candy

      • Obrigado pelo relato Candy, mas especificamente, a partir de PE, algum trecho da BR-101 que ainda não está duplicado? Há 2 anos atrás fiz o trecho Salvador-Maceió pelas estradinhas do litoral, recomendo, dessa vez vou até Natal exclusivamente pela 101, algum trecho muito castigado? essa situação em Recife tive notícias, você lembra como estavam as obras em SE/AL? mais uma vez obrigado pelas informações…

  34. Caro Abreu,
    Permita-me assim chamá-lo.
    Depois de suas detalhadas justificativas, confesso que razão lhe assiste. De fato, quem não dispõe de um carro possante, novo etc. e transporta família, o melhor mesmo é seguir via Barreiras. Falaram a experiência e o bom senso. Eu continuarei a seguir via Santa Maria-Javi( BA-172 ), cuja velocidade média pode oscilar em 100km/h.
    Por ali já viajei duas vezes por ano, sem alteração nas condições da estrada. No mesmo sentido o excelente trecho Itaberaba-Ipirá-Feira de Santana. No trecho entre entrocamento da BR-020-Correntina a velocidade média pode oscilar entre 110km.
    À evidência, estás autorizado a publicar tudo o que eu escrever.
    Reitero a gentileza de me informar se as condições da BR-101, em Alagoas(em duplicação ), “compensam” seguir direto por Propriá-São Miguel dos Campos-Praia do Francês, ao invés de desviar à direita( PRF ) com destino a Penedo. Já estou “enjoado” de seguir pela AL-101, aliás com vários buracos e diversos quebra-molas, o que, no geral, quiçá acaba sendo mais penoso do que ir via Propriá. Isso sem falar na perda de tempo na travessia do Rio São Francisco(30 minutos se pegar a primeira balsa ou 1 hora em caso contrário ).
    Obrigado.
    Geraldo.

  35. Oi, Abreu.
    Antes de mais nada, parabéns pelo excelente blog. Descobri-o na internet.
    Uma coisa me chamou a atenção. Tua tenaz preferência pelo percurso Brasília-Barreira-Salvador.
    Tenho apartamento em Maceió e já fui mais de 10 vezes de carro pra lá, saindo de Goiânia.
    Meu roteiro preferido( e dele já estou enjoado ) é via Correntina-S. Maria de Vitória-JAVI( BA-172 )-Ibotirama e etc. À exceção de trecho Correntina-Santa Maria da Vitória( regular ), os demais oscilam entre bom e excelente. Não sei por que descer até Vitória da Conquista e subir pra Salvador.
    E por ele voltarei no final do ano.

    • Olá, Geraldo. Bem-vindo ao blog e obrigado por suas palavras: são um estímulo para nós. Quanto à rota por Barreiras, existem algumas razões que nos levam a recomendá-la aqui no blog.
      Primeiro, os nossos companheiros de viagem (sputniks, como os chamamos), que nos honram com suas visitas a este blog, nem sempre são veteranos de viagens rodoviárias pelo Brasil. Em sua grande maioria têm pouca experiência e alguns até confessam que é a primeira vez que vão dirigir o próprio carro numa viagem rodoviária.
      Segundo, usualmente o sputnik leva sua esposa ou seu marido e mais duas ou três crianças pequenas e, adicionalmente, até um ou dois avós, sem falar nos animaizinhos de estimação.
      Terceiro, os veículos utilizados não são carrões robustos, potentes, velozes e confortáveis. Grande parte é constituída de carros simples, de baixa potência e alta economia.
      Todos esses detalhes colocam em nossos ombros uma responsabilidade muito grande. Em caso de um problema de saúde das crianças ou da vovó, de uma pane mecânica ou de um acidente, é necessário colocá-los próximos de um atendimento minimamente satisfatório. O roteiro proposto tem uma cidade de porte médio a cada 200 km em média e nós disponibilizamos no post telefones de guinchos passíveis de serem acionados ao longo de todo o trecho.
      Também nos preocupamos muito com a qualidade dos postos de gasolina, restaurantes e banheiros a serem eventualmente utilizados no caminho.
      Outro item que somos obrigados a avaliar quando fazemos nossa recomendação é a segurança. A exposição dessas famílias a riscos de violência seria um erro do qual nós não nos perdoaríamos nunca. Claro que pode ocorrer, mas nós temos o dever de reduzir ao mínimo essa possibilidade. Para se ter uma ideia, Geraldo, neste exato momento, as estatísticas do blog estão indicando a média mensal de 1115 visitantes, sendo 538 só no post “Rodovias Brasileiras: Brasília-Salvador”, que é aqui onde estamos!
      Por último, entre todas as nossas razões, vêm a qualidade e o estado de conservação da estrada. Sob esse aspecto, existe uma relevante complexidade, porque:
      a) nós fazemos esse percurso em média 4 vezes por ano. Buscamos informações adicionais dos próprios sputniks (como estamos agora recebendo de você esses dados preciosos) e de amigos radioamadores (sou o PT2ERA) daquelas regiões. É muito pouco;
      b) algumas estradas brasileiras têm a capacidade de se deteriorarem violentamente em 48 ou 72 horas (vide o trecho de 100 km antes de Itaberaba, que desde 1984 é sempre uma caixinha de surpresas, bem como o trecho Bom Jesus da Lapa-Ibotirama, em que, a partir de Paratinga, é pura roleta russa – ou bom demais ou destruído). Acho que há algo de errado, um excesso de flexibilidade no solo sobre o qual se construiu a estrada naqueles trechos.
      Em decorrência de tudo isso é que apontamos a rota por Barreiras como a mais adequada para o público que nos visita. Claro, existem ainda duas razões adicionais, a nosso ver muito importantes:
      a) as distâncias pelo percurso que você faz, do trevo da BR 020 até Javi é de 391 km. A distância por Barreiras, do mesmo trevo da BR 020 até Javi, é de 404 km, ou seja há um ganho de apenas 13 km;
      b) pela via que você utiliza, de Santa Maria da Vitória até Javi temos um longo trecho de estrada estadual (BA 172), enquanto por Barreiras estamos o tempo todo sob a responsabilidade da Polícia Rodoviária Federal e do DNIT, uma vez que todas as rodovias são federais (BR 020, BR 242 e BR 324). E entre a Dilma e o Jaques Wagner, eu prefiro a primeira neste quesito. A propósito, o telefone de emergência da Polícia Rodoviária Federal em território nacional é o 191.
      Bem, Geraldo, espero ter respondido à sua pergunta, mas, se houver dúvida retorne. A propósito, acho que vou transcrever esta resposta no corpo do post, porque sua indagação me forçou a levantar uma série de pontos que podem ser interessantes para nossos sputniks que não têm tempo de ler os comentários. Agradeço a você por isso também. Se você me autorizar, poderei publicar também seu comentário, ao invés de somente a resposta.
      Ah, quando nós indicamos Vitória da Conquista geralmente é para quem vai para Ilhéus, Itabuna, etc., e que gosta de adrenalina.
      Um grande abraço.
      Abreu

  36. Sr. Abreu. Apenas gostaria de parabenizar o senhor pela bela atitude em ajudar a todos que amam viajar por esse país tão maravilhoso. Por fazer algo que nos dias atuais tornou-se muito raro, o ato de se preocupar de forma salutar com nossos semelhantes. Que Deus ilumine sempre o senhor e sua família, nas viagens e na rotina diária de afazeres.
    Eu irei em outubro, com minha esposa e minhas cunhadas,fazer a maior viagem da minha vida e, espero que esta seja a nossa mais bela aventura juntos. Iremos fazer o trajeto: Brasília – Maceió – Jampa (essa é especial para nós) pela 7º vez..rs e para parar um pouco Natal junto de familiares de minha esposa que amamos e que também amam viajar e viver o que existe de melhor na vida. 30 dias maravilhosos de férias, que sem sua ajuda nesse site, seria cercada de inseguranças. Desculpe o texto longo, deixo aqui meu muito obrigado pelas dicas e logo deixaremos aqui nosso relato dessa grande viagem! Abraço!

    • Olá, Beto. Bem-vindo ao blog. Velho, às vezes nós nos perguntamos por aqui: “-Por que a gente faz isso?”. E quando chega um comentário como o seu, tudo passa a fazer sentido: é pelo Beto e a família dele e centenas de Betos e suas famílias! Só que a maioria não retorna, não diz se estamos certos ou errados, se gostaram ou não. Então, Beto, uma mensagem como a de vocês é extremamente preciosa para nós. Significa que estamos no rumo certo e fazendo a coisa certa.
      Obrigado, Beto, de verdade!
      Como diria o Caetano, em uma de suas novíssimas músicas – UM ABRAÇAÇO!

      • Abreu, meu muito obrigada também!
        Estou “invadindo” esse comentário pois fiquei extremamente emocionada com suas belas palavras ao meu amado Beto (sou esposa dele), não sei se você irá se recordar, mas meses atrás quando estávamos planejando essa viagem eu solicitei sua ajuda e dicas, e tão semelhante você me orientou carinhosamente assim como fez com o Beto.
        Atitudes como a sua são raras hoje em dia, infelizmente, vemos que o mundo está tão difícil, tão cruel, que ficamos desesperançosos e desmotivados, mas quando encontramos pessoas como você começamos a acreditar novamente que o mundo ainda pode ser melhor.
        Meus sinceros agradecimentos!!!
        Para aproveitar a ocasião queria solucionar mais umas dúvidas…rs
        – Ví em um comentário seu que você tem uma lista de guinchos, onde você disponibiliza essa lista?
        – Com relação a abastecimento segue a mesma dica de abastecer somente em postos conhecidos ou não há problema com isso nessa estrada? O preço da gasolina na estrada é mais caro que aqui em Brasília?
        – Sempre falam para evitar comer na estrada, em restaurantes, procede essa informação???
        Mais uma vez nosso muito obrigada, que Deus ilumine sua caminhada e de todos de bom coração.
        Até mais.

        • Olá, Candy: bem-vinda de volta. Achei um barato essa lógica de candyebeto e betoecandy em seus endereços de e-mail.A gente percebe o amor de vocês, como diria Roberto, “a centenas de milhas” de distância. Muito obrigado por suas palavras de carinho. VAmos às suas perguntas:
          a) a lista de guinchos está aqui no blog “expressaodaliberdade.com.br”, no post “Rodovias Brasileiras: Brasília-Salvador” e na atualização “Observações atualizadas: 18.06.2011″.
          b) continuamos firmes na indicação: marcas conhecidas, principalmente postos BR (a Petrobras Distribuidora fiscaliza muito seus revendedores). Mas há também a Ipiranga e a Shell, onde nunca tive problemas. Mas preste antenção: há bandeiras aí das quais nunca ouvimos falar. Então, o melhor é acompanhar a dica da raposa velha aqui: deixar o o combustível baixar até, no máximo, meio tanque e reabastecer até a boca. O preço é uma curva senoide: começa alto, como Brasília, depois fica escandaloso, no norte de Goiás e oeste baiano, depois fica mais barato, na reta final para o litoral baiano. Na média, é o preço que a gente paga em Brasília (gasolina 3,00 etanol 2,20);
          c) com raríssimas exceções (Rosário e Posto Santa Helena em Itaberaba), os restaurantes de beira de estrada são uma roleta russa. Melhor não inventar.
          Um abraçaço para vocês dois.
          Abreu

          • Querido Abreu,

            Venho trazer notícias sobre nossa viagem, antes de qualquer coisa saiba que as dicas e sugestões adquiridas em seu site foram de suma importância, nosso muito obrigado!!!
            Passamos 35 dias viajando, fomos de Brasília a Natal, seguimos seu conselho e fomos por Barreiras, uma boa dica que um amigo nos deu foi de encher o tanque em Vila Boa que fica a 159 km de Brasília, lá a gasolina é bem mais barata, abastecemos a R$2,59.
            Bem, algumas observações sobre as estradas em si…
            IDA (sentido Brasília – Natal) :
            * Trecho entre LEM e Barreiras relativamente perigoso (em nossa opinião), trânsito intenso de caminhões, deformidades na pista, curvas perigosas.
            * Em Ibotirama após 2 km do posto Rodoviário alguns buracos.
            * Chapada Diamantina, após a entrada do Parque um buraco enorme.
            No mais tudo ótimo.
            Abreu, vou fazer um relato do que aconteceu conosco com o intuito de alertar…
            Chegamos em Seabra por volta de 16:00 hs, vimos que distancia de lá até Itaberaba é 182 km, achamos que pelo horário e distancia daria para chegar antes de escurecer… aconteceu que pegamos o trecho da Chapada Diamantina, com trânsito pesado de carretas, eram muitas mesmo e a ultrapassagem era impossível, nesse trecho há muitas subidas e nossa velocidade ficou muito baixa, resultado, acabamos pegando um trecho no escuro, acho que uns 40 minutos de percurso, até chegar em Itaberaba, foi perigoso, não indico para ninguém, mas serviu como aprendizado, para nós e qualquer viajante inexperiente, não confiar somente na quilometragem, sempre ter algum tempo de segurança para diversos fatores que podem acontecer na estrada, seja um pneu furado, um pare – siga, muitas carretas, etc. Viajar a noite é cilada!
            No outro dia saímos de Itaberaba e resolvemos conhecer um lugar em Sergipe, Praia do Saco, achamos uma graça, ótimo para descansar, resolvemos ficar lá um dia, de Sergipe fomos para Maceió, um grande alerta, em Penedo- AL, trecho entre Feliz Deserto e Coruripe a estrada está PÉSSIMA, nunca ví tanto buraco na minha vida..rs. Perdemos um pneu nesse local, melhor ir pela BR 101 mesmo.
            De Maceió para João Pessoa viagem super tranquila, único ponto negativo é o transito intenso em Recife, que já é bem conhecido por todos.
            De João Pessoa a Natal pista duplicada, um tapete, melhor trecho da viagem.

            VOLTA ( Sentido Natal – Brasília)

            Saindo de Maceió na BR 101 muitos desvios, trecho em obras, desníveis, redobrar o cuidado nesse local.
            Entre Itaberaba e Lençois, e entre , Beira Rio e Ibotirama, trecho com Pare – Siga, estavam fazendo reparos na pista.
            Muitos buracos, nos dois sentidos, há 42 km de Ibotirama.
            Restante do trecho sem observações importantes.

            Sabe Abreu, agora concordo com você, viajar de carro realmente é um estilo de vida! Foi maravilhoso, único, especial e divertidíssimo. Tudo que presenciamos, todo conhecimento adquirido, a oportunidade de aprofundarmos nossa visão sobre muita coisa simples e que é importantíssimo em nossa vida, o contato com a natureza, todo esse conjunto é muito enriquecedor, será eterno em nossa memória e em nosso coração.
            Mais uma vez, nosso muito obrigada por toda atenção, carinho e informação prestada, pois você querido Abreu, foi um dos colaboradores da nossa belíssima e inesquecível primeira viagem de carro, de muitas que ainda virão.
            Muita paz a todos vocês!
            Candy e Beto ;)

  37. Olá, acabo de comprar um carro em Brasilia e estou indo busca essa semana. Moro em Natal e vi que você fez uma bela viagem até minha cidade. Gostaria de saber se você acha que existe muito risco em eu ir só, pegar estrada de BSB para Natal sozinho. quanto em media Você acha que eu iria gastar vindo direto? melhor colocar o carro numa trasportadora? abraço

    • Olá, Daniel. Desculpe o atraso: uma viagem a trabalho a Santa Catarina me deixou meio fora do blog. Será que ainda posso te ajudar? Você já veio buscar o carro?
      Abreu

  38. Abreu,

    Maravilhoso o seu blog. É emocionante ler seus minuciosos relatos de viagens, em especial esta para Natal, onde pude imaginar cada cena descrita com riqueza de detalhes, principalmente quando é citado o litoral das Alagoas. Foi como se eu estivesse vendo um vídeo da última viagem que à Maceió e suas praias, do Francês, do Gunga, Tabuba, Gauxuma e outras tantas em outubro de 2012, só que sem a mesma emoção de viajar com o próprio carro, curtindo cada detalhe a cada quilômetro percorrido, sem pressa… só curtindo com a família, assunto que pretendo resolver em 2014 voltando àquelas terras, dessa vez, com meu carro, encorajado (isso mesmo, encorajado) pelas suas dicas e seguindo-as ao pé da letra.
    Vejo nos seus relatos de viagens, dos quais li boa parte, o espírito daquilo que deve ser uma viagem de férias: que é propiciar aos que estão no carro conosco uma viagem descontraída, divertida, e segura acima de tudo, a começar pela sua preocupação de que façamos um excelente deslocamento – principalmente no que diz respeito a sua recomendação de não viajar à noite nessas nossas estradas brasileiras, e sem pressa!, sua logística de abastecimento, com recomendações de abastecer pelo menos a cada 200/250 km, locais onde pernoitar, e o mais importante em uma viagem de férias, diversão aliada a segurança. Quem dera em nossas rodovias houvesse mais pessoas com sua mesma preocupação em viajar para se divertir, sem se esquecer da segurança, própria e dos demais “estradeiros”.
    Coitadas da companhias aéreas brasileiras se esse seu blog fosse um site comercial, com maior visibilidade… rsrsrs

    Parabéns,
    Do seu mais “novo” SPUTNIK.

    Vander Lopes

    • Olá, Vander. Bom, vou ser direto: discuti com minha navegadora, diante do seu texto. A conclusão foi unânime (dois votos a favor): não íamos beber nada hoje, mas, depois desse feedback, desse gigantesco cafuné que você fez em nosso blog, vamos sair imediatamente e meter o pé na jaca, na Cabana da Cely, com lambretas, caranguejos e carne-de-sol (chique!) para comemorar. Afinal, Vander, mensagens como a sua são a nossa melhor remuneração. E, em nossa primeira cerveja (Devassa), o primeiro brinde será para você: Saúde e vida eterna para o Vander!
      Forte e fraternal abraço. Fomos…
      Abreu e Ivanizes

  39. Nossa, estou ENCANTADA, com a precisão das informações aqui postados por vc Abreu. Nunca viajei assim de carro e estou querendo ir a Natal em julho , nas férias. Moro em Brasília.
    Vc acha que p iniciantes, é perigoso? Ahhhhhhhhhhh, e vi um post de não viajar nos 30 dias antes do aniversário, já me preocupei pois é o niver de meu esposo. Se puder dar mais dicas eu agradecerei d+!!!!! Parabéns!!!

    • Cara Márcia, bem vinda ao blog e obrigado por suas carinhosas palavras. No que respeita à viagem para Natal, pode arrumar as malas, revisar o carro e começar a ser feliz. Viajar de carro pelo Brasil é uma filosofia, um estado de espírito. Há pessoas que detestam, irritam-se e se preparam mal para cada viagem. E há o outro grupo, que adora, curte e se prepara detalhadamente para ela.
      Tudo então é uma questão de prazer e de preparo. E quem está preparado, tem muito mais chances de evitar os perigos, contornar irresponsabilidades, fugir das inconsequências, ultrapassar a falta de atenção. Em síntese, tem muito mais chance de driblar todos aqueles fatores que controem o que a gente no dia a dia chama de “ACIDENTE”.
      Não existem acidentes, Márcia: eles são CONSTRUÍDOS por nós, com muito carinho e dedicação. Como um artista plástico, um escultor, nós vamos juntando alguns defeitos mecânicos do carro, colocamos umas pinceladas de viajar à noite com chuva, acrescentamos uns amortecedores vencidos somados aos pneus carecas e descalibrados e, num toque de maestria, concluimos nosso obra prima tomando umas cervejinhas antes de dirigir, naturalmente sem o cinto de segurança.
      E isso vale também para a questão do período pré e pós aniversário. Não é que não se deva viajar. Nós falamos isso para chamar a atenção das pessoas ( e funciona – elas viajam mais atentas do que nunca): se as tragédias acontecem mais nesse período, nossa atenção apenas deve aumentar proporcionalmente.
      Enfim, cuidado, atenção, prudência. Principalmente, aprender com a experiência dos outros.
      Preparem-se, cuidem-se e bola pra frente!
      Um forte abraço.
      Abreu

  40. Caro abreu,

    muito obrigado por relatar e disponibilizar essas informações. Estou saindo de Brasília rumo a Recife na próxima semana e esse post me ajudou bastante a me preparar.

    Um abraço,
    Thiago

    • Olá, Thiago. Todas as nossas orientações para a rota Brasília-Recife continuam válidas. Uma excelente viagem e reapareça para dar um relato atualizado da estrada, OK.
      Abração.
      Abreu

    • Oi, Marcela, desculpe-me. Deixe-me explicar. Esse blog trata de um monte de coisas. Entre elas, trata de “Rodovias Brasileiras”. Entre as “Rodovias Brasileiras”, temos posts sobre rodovias do sul, do sudeste, do nordeste e por aí vai. Quem nos achou através do blog, digitando http://www.expressaodaliberdade.com.br, enxerga todos os posts, e especialmente o de todas as estradas que percorremos. Quem vem pelo Google – ou qualquer outro buscador – chega apenas do post que digitou no buscador.
      Então, é o seguinte: seu comentário está no post http://www.expressaodaliberdade.com.br, RODOVIAS BRASILEIRAS,” Brasília-Salvador-Natal” e o Felipe, que está indo para Valença e mereceu uma longa carta de minha parte, está nos comentários de RODOVIAS BRASILEIRAS, “Brasília-Salvador”.
      Isso significa que o velhinho aqui errou miseravelmente, achando que vocês estivessem no mesmo barco, ou seja, no mesmo post. Mas você pode consertar isso para mim. Basta ir ao blog http://www.expressaodaliberdade.com.br e rodar os posts até chegar ao RODOVIAS BRASILEIRAS, Brasília-Salvador e olhar os comentários (são centenas). Veja os mais recentes, ou seja, os últimos. Os do Felipe, a quem me refiro na resposta a você, são do dia 19.12.2-011, bem no finzinho da lista de comentários.
      Tudo o que você me perguntou está lá. Para evitar trabalho, posso adiantar para você: a rota que recomendamos é por Barreiras-Lençóis-Ipirá-Feira de Santana. Mas é bom você ler nossos argumentos. Nós temos um monte de razões para fazer essa recomendação. E a principal delas é a de que nossos companheiros de viagem (“sputniks”, em russo) aqui do blog vão e voltem felizes e inteiros!
      Qualquer dificuldade, retorne. No dia de hoje, estamos com 826 pessoas visitando esses dois posts (“Brasília-Salvador” e “Brasília-Salvador-Natal”). Mas cada um desses sputniks é especial para nós, porque, no momento em que clicam no nosso blog, a gente se sente um pouco responsável por cada um de vocês.
      Forte abraço e não se perca de nós.
      Abreu

  41. Boa noite, adorei o blog, todos deviam participar e ajudar.
    Assim que voltar da viagem darei noticias por aqui.

    Iremos de carro para Guaibim e estou completamente perdida, não sei qual estrada devo tomar, cada um me indica uma, estou muito na dúvida, algúem sabe me dizer a situação das rodovias até la?
    As condições mudam muito, já fui por Correntina e gostei, não tinha buraco, mas isso tem 1 ano, alguem sabe me dizer??

    • Alô, Marcelinha. Bem vinda ao blog. Uai, menina, você está no mesmo barco do Felipe, que está indo para Valença. Dá uma olhada no comentário dele e em nossa resposta. E retorne: é sempre um prazer conversar com gente que se move por esse Brasilzão!
      Abração.
      Abreu

  42. Caro Abreu,

    Depois de tanto pesquisar descobri o seu blog e fiquei maravilhado com as minucias dos relatos sobre essa rodovia… parabéns pelo trabalho.

    Agora, estou saindo dia 29.12 de Cuiabá/MT com direção à Aracaju… pretendo passar 20 dias entre Salvador e Aracaju (estrada do Coco… peço sugestões de locais pra visitar e informações sobre o trajeto…

    Ah.. vou de Frontier 4×2, e com minha mulher e duas crianças (7 e 13)…

    Grato.

    Jean Barros

  43. Cara, eu vou fazer brasília-natal, pelo litoral, em dezembro. Vou de moto (125cc), mas seu relato e suas dicas vão me ajudar MUITO, obrigado. MUito obrigado, Kainã.

    • Olá, Kainã, bem vindo ao blog. Brasília-Natal de moto é sonho de muito marmanjo. Quando nós voltamos dessa viagem, já aqui em Rosário, na divisa de Goiás com a Bahia, encontramos com um grupo de motociclistas – eram uns seis – que estavam voltando para Brasília de….Natal! Conversamos muito, falamos deste blog e eles nos passaram algumas dicas. Vamos postar algumas informações sobre essa forma de viajar. Vai depender muito dos meus filhos e noras – motociclistas apaixonados.
      Forte abraço.
      Abreu

  44. Lendo tudo isso me bateu uma vontade GIGANTEEE de ir de Brasília pra Natal de carro em dezembro!

    • Alô, Andreia,
      aproveite o Natal e dê para você mesma esse presente. Aquela maravilhosa parcela do Brasil está lá, esperando por você. E conte integralmente conosco para levá-la e trazê-la por controle remoto.
      Forte Abraço.
      Abreu

        • Olá, Andréia. Bem-vinda de volta. Hoje mesmo eu conversava com uns amigos, lembrando que as férias nos oferecem três prazeres: o planejamento, a viagem propriamente dita e as fotos para ver após o retorno. Antigamente essa terceira parte era mais interessante, porque só após a volta é que a gente mandava revelar. Hoje já durante a viagem a gente não só as vê como envia para os amigos, para enchê-los de inveja. De qualquer modo, você está na fase do planejamento, que é fantástica.
          Curta sua felicidade ao planejar e conte conosco!
          Um grande abraço.
          Abreu

  45. Boa tarde amigo Abreu! Sempre com suas valiosas dicas pra nos ajudar. Depois do relato da sua viagem fiquei até com vontade de mudar o roteiro da nossa viagem de janeiro/12. Um grande abraço e continue sempre essa pessoa de alma indiscritivelmente boa e sempre jovem.

    • Obrigado pela força. Vocês devem saber o valor que tem para nós uma mensagem como esta, que é, afinal, o grande retorno com que a gente conta! E olhem que nossas estatísticas, fornecidas software do blog, informam que, no período dos últimos trinta dias, de cada 128 pessoas que nos visitam em busca de informações, apenas UMA deixa um comentário.
      Retornem a qualquer hora para falar desse roteiro de janeiro/12. Um forte abraço.
      Abreu

  46. Olá “Meu Amigo Abreu”, respondido a pergunta, vamos em frente, rs rs.
    O mundo infelizmente está carente de pessoas como nós, assim, coisas como se preocupar com os outros, viajar com a família, ter amigos, etc, passou a ser uma coisa meio “Esquisita” e eu, “Esquisito” como sou, cresço quando encontro outros “Esquisitos” assim como você, rs rs, tenho 34 anos, más nossos pensamentos tem a mesma idade…
    Forte abraço do Amigo Edílio Andrade, “O Esquisito”

  47. Olá saudações Abreu,
    rapaz isso é digno de um livro, rs rs, ao ler seu relato de alguns trechos, especialmente quando você fala da Linha Verde, travessia de balsa em Penedo, eu viajei no tempo, em 2009, inclusive com seu precioso auxílio, realizei um sonho, Brasilia a Recife pelo litoral, Salvador, Aracaju, Maceió e finalmente Recife, tínhamos como destino o Sertão do Pajeú, só quem ja rodou por aquelas bandas para saber o quanto nosso brasilzão é bonito…

    Se eu nunca mais na vida viajasse de carro, as boas lembranças que trago daquela viagem seriam suficientes para manter o virus sputnik bem vivo na veia, rs rs…

    Abraços do amigo Edílio Andrade..

    • Edílio, você é o cara, como diria o Obama. Sempre que eu preciso de uma força, você aparece! Você é o meu SAMU(192) e é muito legal saber que há alguém, do outro lado do muro, remando no mesmo sentido: ajudar pessoas, evitar tragédias. Muito obrigado, Edílio. Úm filósofo disse que ninguém faz amigos depois dos 40 anos: faz aliados. Eu estou com 59. Posso chamá-lo de meu amigo?
      Forte abraço.
      Abreu

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>