SÍTIOS E SOLUÇÕES : Poço artesiano de água suja

                                                                                                                                                           11.07.2009

A SOLUÇÃO QUE VIROU PROBLEMA

(O espaço para comentários a esta matéria encontra-se ao final dela, após o último dos comentários).

Quando compramos, em l981, um sítio de 6 ha há 50 km de Brasília, decidimos que, quando nos aposentássemos daí a 25 anos, e fôssemos morar lá durante parte do ano, teríamos de ter um poço artesiano. O nosso lindo riachinho, de águas cristalinas durante quase todo o ano, torna-se um turbilhão de águas revoltas e sujas durante o período das chuvas.

Em novembro de 2007, já aposentados, conseguimos afinal realizar o sonho: depois de anos de economia e de horas de tensão (“com 30 metros dá água”; “não deu, mas, com 40, dá”; “dos 70 não passa”; “110, com certeza”; “não deu com 130, mas vamos cavar mais 10, está pertinho”) aconteceu a explosão de água aos 142 metros ( e a R$ 90,00 o metro), com a vazão de 21.000 litros por hora.

Depois da comemoração, os planos para buscar o dinheiro para os 50 metros não previstos. Mas tinha valido a pena: era o sonho de 26 anos que jorrava e molhava o chão do cerrado.

Depois de um mês de água abundante e límpida, começaram os problemas. Grandes tufos de água barrenta, intervalos de um ou dois dias, inutilizavam todo o conteúdo da caixa de 12.000 litros, que precisava ser esvaziada, lavada e reenchida. E isso por tantas vezes que, ao final de quatro meses, a caixa perdeu seu revestimento interno e enferrujou.

A empresa responsável tentou todas as técnicas possíveis, desde um filtro absolutamente inútil na saída da caixa, aumento da profundidade da bomba e até injeção de ar comprimido por 48 horas. Normalizada a situação, após 30 dias o problema estava de volta. A empresa restaurou a caixa e deu o diagnóstico final: o poço havia atravessada uma caverna subterrânea, onde o pó acumulado por milhões de anos estava sendo agitado e subia poço acima.

As soluções propostas – filmagem detalhada dos 150 metros de profundidade ou seu revestimento integral – custariam cada uma mais que o custo original do poço. E cá ficamos nós, submersos na frustração, voltando a utilizar a água do riacho e de uma pequena nascente de escassa vazão.

Fomos para a luta. Reviramos a internet de cabeça para baixo, consultamos diversas empresas do ramo, lemos tudo o que nos caía nas mãos sobre o assunto, conversamos com companhias de águas e esgotos de diversas cidades. Nada. Não existia solução.

Partimos para a realidade prática: a água de consumo da casa-sede (cerca de 500 litros por dia) teria de passar por um filtro doméstico com essa capacidade, colocado na saída da caixa. Para o restante, água suja. Aí começaram as elucubrações e as descobertas.

Primeira: descobrimos que a vazão da bomba (7.000 litros por hora) que estouraria qualquer filtro com capacidade menor (razão pela qual iríamos colocar o filtro doméstico na SAÍDA DA CAIXA e não do poço), na verdade era a vazão máxima, a vinte metros de profundidade. A profundidades maiores, a vazão diminui e pode chegar ao mínimo de 600 litros por hora.

Segunda: procurando um filtro doméstico para nossas necessidades (1.000 litros dia), descobrimos que os filtros disponíveis no mercado vão de 500 a 15.000 litros.

Surgiu uma esperança: se descêssemos a bomba a uma profundidade que reduzisse a vazão para 600 litros por hora, portanto produzindo 14.400 por dia, poderíamos colocar um filtro de 15.000 litros entre o poço e a caixa, que passaria a ter seus 12.000 litros sempre cheios de água filtrada!

Durou pouco a alegria: o filtro de 15.000 litros custava quase o custo original do poço. Voltamos à estaca zero!

Terceira: o desespero nos levou a reler toda a bibliografia sobre os filtros domésticos e veio à luz uma informação simples, mas vital – havíamos cometido um engano: a vazão dos filtros domésticos (de 500 a 15.000 litros) não é por DIA, mas por HORA!

Quarta: nas letrinhas miúdas das “bulas” desses filtros, descobrimos que a vazão anunciada é nominal, e pode variar para mais ou para menos, a depender de alguns fatores, como a altura da coluna de água. Um aparelho acoplado ao filtro (manômetro) mostra a pressão exercida pela vazão, que não pode passar de 4.

Enfim, fizemos as contas e concluímos que, se descêssemos a bomba até a vazão de 600 litros e a fôssemos subindo gradualmente, aumentando a vazão e observando o manômetro, poderíamos chegar à máxima vazão do poço suportada pelo filtro sem atingir a marca de 4 de pressão.

Decidimos pelo filtro de 2.000 litros por hora (R$ 3.200,00). A empresa ( MUNDO DOS FILTROS – Brasília, loja da SCS 102) dividiu em 10 vezes sem juros no cartão e, gentilmente, sugeriu que, caso a experiência não desse certo, nós poderíamos devolvê-lo, desde que intacto.

Começamos a experiência e ao final de 5 horas chegamos ao seguinte resultado: bomba a 84 metros de profundidade, vazão de 4.500 litros por hora, e o filtro recebendo esta vazão com o manômetro indicando 1, na escala máxima de 4, ou seja, com 75% de folga!

Assim, passamos a ter à nossa disposição 108.000 litros de água FILTRADA por dia, dos quais usamos no máximo 4.000, sem mais custos, exceto a troca anual da areia e do carvão do filtro, que deve ficar por volta de R$ 300,00!

Festejamos feito doidos. Olhamos o calendário: era dia 18 de novembro de 2008, exatamente um ano após a abertura do poço. E agora estamos a oito meses da instalação do filtro – sem qualquer problema ou alteração do desempenho original.

(Edimar Rodrigues de Abreu – 10.07.2009)

ALEGRIA DE POBRE…

 

Quando publicamos o post acima, já estávamos com um problema que nossos olhos não queriam ver. A alegria de vermos o filtro produzindo quase 4000 litros por hora de água cristalina impediu-nos de reconhecer que, apesar de muito reduzidas, as manchas amarelas nas roupas e as marcas marrons nos vasos sanitários continuavam.

Mas o problema foi aumentando e, afinal, decidimos enfrentá-lo. Revisamos o processo de filtragem. Tudo certo, água límpida. Analisada a água da caixa-taça, verificamos que dos 12000 litros ali armazenados estavam com forte cor amarelada.

Tivemos de admitir que alguma quantidade de água suja estava passando para a caixa. Mas como? E quando?

O enchimento da caixa é controlado pela eletrobóia, uma bóia que, se a caixa atingir o nível, digamos, 4.000 litros abaixo da borda, um dispositivo mecânico dentro da bóia liga um relé, que por sua vez aciona a bomba do poço, iniciando o reenchimento da caixa. Atingido o nível adequado, ou seja, a caixa cheia, o mesmo dispositivo da bóia, desliga a bomba e encerra o fluxo de água.

Suspeitamos de que, como esse processo é automático e entra em funcionamento diversas vezes por semana, em algum momento, estando o filtro saturado, com sua eficiência reduzida, uma golfada mais pesada de água suja poderia passar.

Decidimos neutralizar a eletrobóia, substituindo-a por um disjuntor, passando a operar o sistema manualmente para observar cada passo do processo.

O primeiro passo foi fazer a limpeza do filtro mais frequentemente. Estabelecemos que, durante algum tempo, faríamos a limpeza todos os dias, assegurando assim a máxima eficiência da filtragem. Essa limpeza é feita por retrolavagem: manipulando alguns registros, você faz a água entrar pela saída e sair pela entrada do filtro. Essa manobra expulsa e descarta toda a sujeira retida pelo filtro. Feita a retrolavagem, retornamos os registros para a posição normal, mas invés de mandar a água diretamente para a caixa, utilizamos uma torneira colocada entre o filtro e a caixa, para analisar a água que será enviada para a caixa. Essa operação, chamada de drenagem, normalmente apresenta um primeiro jato de agua suja, decorrente do próprio processo da retrolavagem. A ideia é que, só depois de água retomar sua aparência límpida e cristalina, fecha-se essa torneira intermediária, permitindo-se a subida da água para a caixa.

Esvaziamos e lavamos a caixa e iniciamos o processo de controle, para descobrir como e onde a água suja estava subindo para a o reservatório.

No segundo dia da experiência, fizemos uma descoberta acidental. Confirmando pela torneira intermediária que a água estava limpa, fechamos a mesma, permitindo que a água subisse para a caixa. O filtro tem um manômetro, aparelho que mede a pressão exercida pela bomba sobre o filtro. Recomenda-se que tal pressão não ultrapasse o valor de quatro da escala que vai de 1 a 10.

Como o filtro e a torneira intermediária estão localizados no pé da caixa, é preciso muito menos força (pressão) feita pela bomba do que a pressão necessária para encher a caixa, cuja borda superior fica 7 metros mais alta.

Quando a água começou a cair dentro do reservatório, verifiquei que a pressão havia passado de 0,5 para 1.2. Num gesto automático, abri o registro da torneira intermediária e a água que jorrou era da cor de chocolate, que dentro de alguns instantes, voltou a ficar límpida.

Estávamos chegando perto. Estava claro que, sob uma pressão mais alta, o filtro deveria expulsar a sujeira que a drenagem, sob pressão baixa, não conseguira retirar totalmente. E essa sujeira subia para a caixa, diluindo e amarelando toda a água armazenada.

Inserimos um registro logo após a torneira intermediária. Refizemos todo o processo – retrolavagem, drenagem e exame da água da torneira intermediária. Límpida e clara. Fechamos a torneira intermediária E O REGISTRO INSTALADO DEPOIS DELA.

Sem saída para a água, a pressão subindo. Deixei atingir o limite máximo (4) e abri a torneira intermediária: BARRO PURO!

Depois de cerca de 15 segundos, a água ficou limpa de novo. Repeti a manobra: barro puro, outra vez, aparentemente em menor quantidade do que na primeira. Repeti a operação 11 vezes. E só na décima-primeira a água saiu limpa, cristalina desde o primeiro jato.

Esvaziamos e lavamos a caixa, voltando a enchê-la somente quando as manobras em torno da pressão oferecessem água limpa. Festejamos o diagnóstico, lamentamos que não poderíamos mais funcionar com o enchimento automático pela bóia. Teríamos de continuar com as retrolavagens a intervalos mais curtos e a drenagem só vai liberar água para a caixa depois que as sucessivas elevações de pressão eliminarem totalmente a sujeira ainda retida no filtro e garantirem a subida de água cristalina e límpida para a caixa.

Trabalhoso? Claro. Mas tínhamos diagnosticado o problema e achado a solução. Meno male!

Três dias seguindo a nova rotina, felicidade, euforia…E roupas manchadas de amarelo e os rastros marrons nos vasos sanitários. Incrível! As coisas melhoraram um pouco, mas o problema continuava lá. Cheguei à conclusão que nosso poço estava endemoniado. Não havia outra explicação possível.

Desânimo, fracasso, vontade de morrer matado. Era março de 2011. Estávamos completando três anos e meio de poço, 42 meses de água suja. Mas é preciso continuar a luta.

Recomeçar. Pela saída do poço: que tipo de água está saindo dali para o filtro? Pusemos uma torneira de controle na boca do poço. Ligada a bomba, água límpa, cristalina, límpida e após um minuto uma golfada monumental de barro quase puro.

A golfada dura aproximadamente uns 20 segundos e aos poucos a água volta a ser limpa. É de enlouquecer!

Então, é incluir na rotina a “limpeza do poço”, ou seja, ligada a bomba, abrir a torneira da boca do poço e descartar a água suja até o jato ficar limpo. Daí, fechar a torneira, permitindo que a água vá para o filtro. Fazer a retrolavagem do filtro, até a água sair limpa, fazer a drenagem, elevando a pressão até o nível máximo permitido e até que a água saia cristalina. Aí, sim, deixar a água subir para caixa, que foi esvaziada e lavada.

Tudo certo, caixa cheia de água límpida e cristalina. E as roupas manchadas de amarelo e os vasos manchados de marrom? Continuaram!

A vontade é pedir ao pessoal da Al Qaeda que venha aqui e exploda tudo!

Decidimos tentar mais uma vez. Repetir todo o processo, encher a caixa de água límpida e cristalina. Retirar amostras de água da caixa a cada 3 horas. Nada de entrar água nova. Primeira amostra, limpa, segunda amostra limpa, terceira amostra limpa, quarta amostra, AMARELA!

Repetimos a experiência. Não havíamos notado, mas a água vai ficando gradualmente amarela até atingir o apogeu da amarelidão na décima-segunda hora.

E agora, José?

Fazer conta, raciocinar e….Claro: é a caixa-taça! É feita de ferro e deve estar enferrujando a água depois que a recebe.

Prova dos nove: retirar uma amostra da caixa recém-enchida com água limpa, colocar em um recipiente plástico aberto e aguardar 12 horas. E constatar que a água no recipiente plástico ficou…AMARELA!

Então, não é a caixa. É A PRÓPRIA ÁGUA!

Laboratório de análises físicas e químicas imediatamente. BINGO! O teor de Ferro é nove vezes maior do que o permitido pelo Ministério da Saúde.

Fazer conta, raciocinar, rezar e concluir: enquanto a água está no poço e nos tubos, ela está límpida e cristalina. Quando chega à caixa e entra em contato com o Oxigênio do ar, o Ferro entra em reação química com esse Oxigênio e se transforma no Óxido de Ferro, popularmente conhecido como Ferrugem, que tinge nossas roupas de amarelo e nossos vasos de marrom.

Tem solução? Sim. As companhias de abastecimento de água das cidades, quando tropeçam com esse problema, costumam usar um produto no tratamento da água, que impede a reação química Ferro x Oxigênio.

Encontrei uma empresa que fabrica esse produto – chamado Phoslan. A empresa chama-se System Mud e é de Belo Horizonte. Uma outra empresa, de Santa Catarina, produz uma bombinha dosadora elétrica, que cuida de misturar o produto na água na dose exata. A empresa chama-se Sidersul.

Já adquirimos o produto e a bomba dosadora. Vamos instalá-la nesta semana. E voltaremos ao blog para informar os resultados.

(Edimar Rodrigues de Abreu – 12-09-2011)

 

EM PRINCÍPIO E EM TESE, APARENTEMENTE UMA SOLUÇÃO

Claro, nesse campo minado dos poços artesianos de água suja já comemoramos tantas vezes e nos decepcionamos depois, que agora temos o maior cuidado antes de soltar os fogos de artifício. 

Mas tudo indica que chegamos a uma solução. De fato, instalada a bomba dosadora da Sidersul, de Santa Catarina e administrado o  produto (quelante)  Phoslan, da Systemmud, de Minas Gerais, e acompanhada a experiência durante os últimos quatro meses (em que ficamos sem acesso ao blog por obra de hackers), os resultados são os seguintes:

a) acabaram os jorros de água suja aos 0 segundos e aos 30 segundos de abertura da torneira, quando do acionamento da bomba;

b) a amostra de água cristalina colocada à parte já não fica mais amarela após 12 horas, nem após 24, 48 ou 96;

c) as roupas brancas já não ficam manchadas de amarelo, o que nos permite usar a água do poço na máquina de lavar, o que antes era impossível (utilizávamos a pouca água de uma nascente exclusivamente para isso);

… E O MELHOR:

d) a análise de laboratório apontou em 0,2 ppm o TEOR DE FERRO na água disponibilizada na caixa e nas torneiras da casa, valor 10 vezes menos do que nos exames anteriores e rigorosamente dentro das especificações máximas exigidas pela Organização Mundial da Saúde e pelo Ministério da Saúde brasileiro. 

Ao retornarmos para a roça depois de uma ausência de aproximadamente 30 dias, pareceu-nos haver em um dos vasos sanitários uma possível e quase invisível marca de água  suja. Ficamos em dúvida se ela existia mesmo (o vaso é bege) e se era nova ou sobra dos velhos tempos. Passaremos a monitorar mais de perto para termos uma conclusão segura.  

Enfim, estamos cautelosamente felizes. Vamos continuar observando e atentos a novas tecnologias. Quaisquer novidades, contaremos para vocês. 

Um cristalino abraço.

                               UMA BOA NOTÍCIA?

    Depois de sucessivos apagões e surtos de reentrada, cá estamos com duas bombas dosadoras queimadas e uma nova bomba já encomendada, uma vez que a concessionária de energia elétrica tem um prazer sádico de me torturar primeiro, antes de pagar o prejuízo. 

   Só que o fabricante pediu um prazo para entregar a nova dosadora, que ainda não chegou. Enquanto isso, a água voltou a ficar cor de chocolate, manchando as roupas brancas, etc, etc, etc.

   Na linha do desespero, antes de praticar o harakiri,  tomamos uma decisão altamente tosca! E agora, enquanto aguardamos a nova bomba (ou a velha consertada) temos água cristalina em nossa caixa-taça de 12.000 litros e em cada torneira da casa.

   Vocês, nossos companheiros de infortúnio na via sacra dos poços artesianos de água suja, podem imaginar qual foi a decisão? Para quem acertar, o blog oferece um brinde: um litro de nossa água limpinha e uma resposta por e-mail, fora do blog!

   E fico me perguntando: por que não pensei nisso antes?

                             Edimar Rodrigues de Abreu – 23.07.2013 

 

POÇO ARTESIANO DE ÁGUA SUJA:  Conclusão da experiência

Quem acompanha nossa via sacra aqui pelo blog, conhece direitinho as dificuldades por que passamos desde que a água jorrou do nosso poço, em 2007. Era para ser um momento de felicidade, de libertação  e de realização.

Em poucos dias, contudo, nós nos vimos diante de uma realidade incontestável:  o poço produzia 21.000 litros por hora de água…SUJA!  E a enrolação da companhia que perfurou o poço e de todos os técnicos de dezenas de empresas que consultamos para resolver o problema era a mesma:

– É assim mesmo. Depois de algum tempo, vai limpar.

– Nossa responsabilidade é perfurar o poço. Se sair água, ou petróleo ou não sair nada não nos diz respeito.

– O poço pode estar atravessando uma área lama em suspenso. Podemos filmá-lo e localizar essa área. Aí, revestiremos o poço naquele trecho com aço carbono. Vai ficar jóia. Vai custar 24 bilhões de EUROS!

– Podemos tentar nova perfuração em outro local dentro da mesma propriedade. Mas não garantimos se o resultado não vai ser o mesmo.

E foi assim, nessa orfandade técnica, que descobrimos  que estávamos sós, absolutamente sós, com um problema que só ocorreria uma vez em um trilhão de poços artesianos que fossem perfurados.

Então, decidimos nós mesmos tentar resolver o problema. A saga dessa família em torno desse objetivo está nos posts que antecedem a este. Foram seis anos de tentativas e erros, até chegarmos à solução aparentemente final e definitiva, ou seja:

a)      descobrimos que a sujeira (lama) poderia ser filtrada antes de ser mandada para a o reservatório água absolutamente cristalina;

b)      descobrimos que o reservatório cheio de água cristalina, passadas 24 horas, fica cheia de uma substância que nada se assemelhava a água: um líquido marrom, denso, com uma nata oleosa e com cheiro forte;

c)       descobrimos que estávamos lidando com um altíssimo teor de Ferro na água, que, ao entrar em contato com o ar dentro do reservatório, reagia e se transformava em óxido de ferro (ferrugem);

d)      descobrimos que havia um produto químico que era capaz de encapsular as moléculas de ferro antes de elas entrarem em contato com o ar, impedindo a oxidação;

e)      descobrimos que essas moléculas poderiam ser retidas pelo filtro;

f)       descobrimos, portanto,  que o produto deveria ser aplicado ANTES da filtragem;

g)      descobrimos que a aplicação do produto dependia de uma bomba dosadora, bastante eficiente, com um preço um tanto salgado, mas que é extremamente sensível a variações de voltagem. Como queda e pico de voltagem na área rural são parte de nossa rotina, em 04 (quatro) anos perdi 5 (cinco) bombas, porque não há assistência técnica para as bombas usadas por pessoas físicas;

h)      descobrimos que estávamos diante de mais um desanimador problema, para o qual não contávamos com ninguém… exceto com a multidão de sofredores como nós, que descobriram o blog e passaram a participar ativamente das discussões feitas aqui;

i)        nós, que nos julgávamos sós, de repente nos vimos cercados de amigos que sofriam da mesma desventura. No dia de hoje, 30 de outubro de 2014,  o post “Poço Artesiano de Água Suja” se “orgulha” de contar  com 331  companheiros de infortúnio que nos visitam em busca de solução para seus problemas iguais ou parecidos;

j)        a força que esse grupo de brasileiros, oprimidos pelo mesmo problema, nos deu também nos levou a tentar buscar uma solução que barateasse os custos da solução que havíamos montado. E aí começaram nossas experiências, em agosto de 2013.

Examinamos todos os componentes que integravam a solução que havíamos encontrado e não víamos muito o que reduzir em termos de custos. Mas as contínuas substituições da bomba dosadora, que atualmente deve estar custando uns R$ 800,00 com o frete e os impostos, começaram a nos agoniar. E nos debruçamos sobre ela, a bomba.

Discutimos muito, com os vendedores, com engenheiros e, em determinado momento, chegamos a conversar diretamente com o dono da empresa, uma pessoa extremamente cortês, simpática e conhecedora do problema, que nos orientou em algumas situações críticas de regulagem da dosagem.

Uma delas, nem os engenheiros da empresa conseguiram responder, mas o dono respondeu: para regular a dosagem da bomba, usávamos um recipiente com água, simulando o produto e na outra ponta observávamos a vazão. A bomba dosadora injeta no cano de água que vem do poço e que vai para o filtro, uma determinada quantidade do produto, que depende da quantidade de água   que passa pelo tubo. Se ela demorar, grande quantidade de água não será tratada; se ela for muito rápida, o gasto do produto é muito maior do que o necessário e água que chega às torneiras, saturada do produto, acaba por “endurecer” o cabelo da gente, em razão do que as mulheres da casa, de vez em quando,  convocam passeatas de protestos contra nós.

Ocorre que regulávamos a bomba “laboratorialmente” e ficava tudo certo. Quando a instalávamos na situação de trabalho junto ao poço, as passeatas femininas imediatamente eram convocadas. Claro que havia excesso do produto.

Depois de discutir com vendedores, técnicos e engenheiros da empresa, o dono é que nos deu a explicação: “Na experiência que o senhor faz, o senhor não leva em conta a pressão da água dentro do cano. Assim, quando a bomba dosadora tenta injetar na água a quantidade pré-estipulada, essa mesma água força a entrada para dentro da bomba dosadora, que não consegue entregar a quantidade necessária do produto”. Brilhante. Alteramos o sistema e conseguimos a dosagem na precisão exata, tanto do ponto de vista químico, quando do ponto de vista da grana.

Mas a “queima” sucessiva das bombas (vejam que a culpa não é da bomba, mas da distribuidora local: levam em média 90 dias para dar o veredicto de que a falta de energia, bem como seu retorno num pico de voltagem, NÃO FOI RESPONSÁVEL PELA QUEIMA DA BOMBA!)  não nos deixava em paz.

Resolvemos então fazer um exercício matemático. Calculamos quanto do produto a bomba jogava no tubo a cada minuto. Calculamos quanta água passava no tubo a cada minuto. Calculamos quanta água consumíamos por dia. Calculamos quanto do produto estava presente nesse volume de água.

Calculamos quanta água ficava no “reservatório” composto pelo próprio poço (150 m de profundidade x  tubo de 6 polegadas”).  Chegamos (via o cálculo da área  do círculo do tubo) a um valor, ao qual acrescentamos uma estimativa do quanto do “rio subterrâneo” estava nas imediações da extremidade mais profunda do poço.

Isso nos levou à conclusão de que, se jogássemos o produto, em certa quantidade, uma vez por mês, diretamente na boca do poço, poderíamos obter um resultado adequado, que se refletiria nos laudos de análise da água.

Foram muitas tentativas. E muitas passeatas de protestos:

– A água está amarela e manchando as roupas!

– O cabelo da gente está duro!

– A pele da gente está cinzenta!

Isso durante 13 meses.

– Muda a quantidade!

– Vamos colocar a cada 15 dias, em vez de mensalmente!

– Reduzir a quantidade do produto para X! Porque os cabelos estão duros!

-Vamos aumentar a quantidade, porque a água está amarelando as panelas e as roupas!

– Aumenta a quantidade e reduz a freqüência, porque os cabelos estão duros e água está amarela!

Enfim, foram 13 meses de uma luta desgastante, frustrante, excitante, e, finalmente, triunfante.

Com exatamente 50 ml de produto colocados a cada sexta-feira, os padrões se equilibraram, os cabelos não sofreram mais e a água permaneceu cristalina.

Era a hora de repetir de novo a análise da água. BATATA: teor de ferro quase 1/10 do máximo exigido pelo Ministério da Saúde e pela OMS, zero de coliformes fecais, zero de coliformes totais, manganês, turbidez. Enfim, a conclusão do laudo: ÁGUA POTÁVEL!!!

Resumo da ópera: a boa notícia – comunicamos a nossos parceiros de infortúnio que conseguimos  chegar a um modelo que nos permite dispensar a bomba dosadora. A partir de agora, limitamo-nos a jogar 50 ml do produto pela boca do poço a cada semana, e temos água potável em nossas torneiras. Isso vem acontecendo desde maio/2014. Estamos em novembro, praticamente.

A má notícia: a solução é customizada, e não prêt-à-porter. Isso significa que nós encontramos a solução para NOSSO POÇO.  E indicamos o caminho para todos vocês que nos acompanham. Mas a solução proposta não é como uma lata de conserva da qual você puxa um anel e se serve. Cada um de vocês vai ter de fazer seus testes, seus cálculos e chegar à quantidade adequada que não amarele a água nem endureça o cabelo.

É só uma questão de paciência. Ou de dinheiro. Se você tiver dinheiro e não tiver paciência, está resolvido: compre a bomba dosadora. Se você tiver paciência e não tiver dinheiro, ponha as mãos na massa e descubra a quantidade de que você precisa.

Mas se você não tiver dinheiro e nem paciência, nós aqui do blog não temos dica para dar para você, o que muito nos constrange.

Para os guerreiros que irão à luta, nossas cicatrizes, fruto das experiências fracassadas e vitoriosas, são as seguintes: comece analisando o seu consumo diário e pense na possibilidade de colocar no poço, para 1000 litros diários que você consumir, 1 mg do produto. E acompanhe os efeitos através do amarelo da água (se for pouco) ou da dureza dos cabelos das mulheres (se for muito). E acompanhe com análise da água. Vale a pena, de verdade!

Edimar de Abreu – 30.10.2014

UMA IMPORTANTE AJUDA EXTERNA

Depois de todos esses anos, nos quais todos nós nos fechamos neste nosso círculo de ajuda mútua (o DPAASA, isto é, Donos de Poços Artesianos de Água Suja Anônimos), eis que alguém com CNPJ (System Mud) decidiu mitigar um pouco nosso sofrimento e passou a fabricar o produto (Phoslan) em embalagens de 5 litros. Esta era uma queixa velha: a primeira encomenda que fiz em 2009, veio numa embalagem de 30 litros, que até hoje ainda estou usando (resta ainda cerca de meio litro). Isso seis anos depois de comprado o produto! Então, fica registrado aqui meu agradecimento à System Mud por sua atenção aos nossos apelos – ainda que com anos de atraso. O preço, é claro, ficou menos intragável: cerca de R$ 180,00 mais o frete. Hoje está registrada a presença média de 3.554 sofredores neste blog. Talvez isso tenha feito a diferença. Mas não nos iludamos: nossas soluções virão de nós mesmos e de nossas discussões. Foi assim que achamos o próprio produto Phoslan e foi assim que descobrimos que poderíamos eliminar a bomba dosadora. Somos uma espécie de artistas, tentando tornar a vida mais interessante com criatividade e bom humor. E – como diriam João Bosco e Aldir Blanc, na inesquecível interpretação de Elis, “o show de todo artista tem que continuar”.

Edimar Rodrigues de Abreu – 24.9.2015

 

 

 

    

 

 

721 comentários em “SÍTIOS E SOLUÇÕES : Poço artesiano de água suja

  1. Bom dia Abreu,
    Tenho um poço semi-artesiano de 121 metros, sendo 12 com perfuração em terra com revestimento de tubos de PVC com 6¨ e o restante em rocha. A água sempre saiu limpa, mas de uns meses para cá passou a sair suja. A análise indicou que há ferro e nitratos muito acima do que um poço semi-artesiano poderia apresentar, e uma companhia
    que comercializa filtros nem quis me fazer um orçamento, dizendo que isso é “problema de infiltração”. Mas não
    há construções há minha volta, nem poços antigos, nem fossas. E a companhia que perfurou o poço não me retorna.
    Será que vou precisar refazer a tubulação acima da rocha?!?

    • Olá, Mario. Bem-vindo ao blog e ao mundo dos DPAAS – Donos de Poços Artesianos de Água Suja! Essa é a nossa característica básica: alegria de furar o poço, a festa da água limpa, a surpresa da água suja, a ausência de soluções e o desaparecimento das empresas perfuradoras. Você está rigorosamente dentro do padrão da DPAAS. Puxe o banco aí, compadre, e vamos prosear. E nada de meter a mão no bolso para jogar dinheiro fora. Como já está muito tarde, amanhã eu retorno para discutir o seu caso. Força aí.
      Um grande abraço.
      Abreu

    • Olá, Mario. Bem-vindo ao blog. Eu duvido muito que a infiltração esteja ocorrendo nos 12 metros de revestimento. Essa é uma operação muito simples (apenas 2 tubos de 6 metros cada), em que dificilmente ocorreria um erro nos encaixes, tanto de um tubo no outro, quanto último tubo na rocha. Mas não podemos descartar a possibilidade de a empresa responsável ter usado tubo de PVC de baixa qualidade e um deles eventualmente tenha rachado. Mesmo assim, a correção, com substituição do material seria relativamente simples. Prefiro pensar em outras hipóteses. Você sabe a que profundidade se encontra a bomba? Tem o nível dinâmico e estático do poço? A água passou a sair suja na época da seca ou durante as chuvas? Há quanto tempo o poço funciona? Você já passou um ano inteiro com água limpa e só neste ano apareceu a água suja? Não compre filtros, nem nada antes de entendermos o que está ocorrendo, OK, Mário? Isso pode evitar que você jogue rios de dinheiro fora. Ferro e nitratos em alto teor são normalmente a grande parte da explicações dos poços de água suja cujos donos frequentam este blog. Assim, já temos experiência acumulada de pesquisas e soluções, entre as quais pode estar a do seu caso. Aguardamos o seu retorno com as respostas que estamos solicitando, está bem?
      Um grande abraço.
      Abreu

      • Oi Abreu
        Obrigado pelo retorno.
        Fiz alguns orçamentos para limpeza do poço e alguns são absurdos, tirando o preço da bomba dá para furar outro poço. Uma das empresas queria fazer uma “filmagem” do poço todo por R$ 4356,00…argumentei que dificilmente a parte da rocha estaria com problema, se fosse para filmar bastaria apenas a parte com tubulação, mas não teve negócio, só “filmam” um “mínimo” de 100 metros e não se responsabilizam por nada, se quebrarem a bomba durante a retirada o problema é meu. Agora a dúvida é se é preciso limpar com HEXA-T ou com um tal de RUST, e só o produto querem cobrar R$ 1400,00
        De qualquer forma muito obrigado pelo retorno, seu argumento que o problema não deve ser na tubulação bate com a opinião de algumas empresas, logo vou abrir mão da tal “filmagem” e tentar fazer só a limpeza.
        Abraço e muito obrigado!

        • Desculpe não sei a que profundidade está a bomba e não conheço o nível dinâmico/estático do poço.. A água saiu limpa durante três anos e depois da seca
          do ano passado é que começou a sair suja.
          Grato
          Mario

          • Olá, Mario. Essas histórias de limpar o poço com produto e fazer filmagens, tudo a 10 milhões de euros o metro, já estão devidamente comentadas aqui neste post “Poço artesiano de água suja”, localizado em nosso site http://www.expressaodaliberdade.com.br. Foi por conta disso que decidimos abrir esse espaço para discussão e descoberta das soluções que as empresas especializadas não têm para nos fornecer. Eu diria para você não fazer limpeza, não. Os produtos de limpeza normalmente são destinados a contaminação biológica – coliformes fecais ou totais, matéria orgânica em decomposição, proliferação bacteriana em função de proximidade de focos de degradação biológica. E quem disse que o seu poço está contaminado biologicamente?Você mesmo disse que está longe dessas fontes, como fossas negras, etc. Essa história de “atire primeiro e pergunte depois” é muito boa para o velho oeste. Aqui no nosso calvário, o correto é perguntar primeiro e atirar depois, ou seja, analisar a água e só depois gastar dinheiro para corrigir o problema. Você já fez a análise da água, que demonstra a presença excessiva de ferro. Agora é hora de atirar. Para onde? Contra o quê? Se o poço funcionou durante 3 anos com água limpa e agora resolveu fornecer água suja, uma razão deve haver.E, a nosso ver, a única “novidade” foi a seca. É difícil a estação da seca influenciar um poço artesiano dessa profundidade: são fontes diferentes de água. Mas temos de nos ater a isso, Mário: a única incógnita que variou no período foi a precipitação pluviométrica. Um poço tem dois níveis de água: um, quando ele está em repouso, outro, quando a bomba está funcionando e retirando água. Claro que o nível do poço em repouso é maior do que quando a bomba está retirando água dele. Em repouso, é o chamado “nível estático”. Com a bomba funcionando, o poço se esvazia e atinge o “nível dinâmico”. A bomba, claro, deve ficar abaixo do nível dinâmico – senão trabalhará em seco e queimará. Na medida em que a bomba, localizada abaixo do nível dinâmico, teve reduzida a lâmina dágua entre o nível dinâmico e o nível estático, ela foi forçada buscar mais água ABAIXO dela do que acima. Isso significa que a bomba foi obrigada a “raspar o fundo do tacho”. E o que existia lá no fundo do tacho, Mário? Pó, argila, pulverizada, depósito de anos de detritos minerais que a decantação levou para o fundo do poço, onde deveriam ficar quietos e adormecidos. Esses depósitos, uma vez revolucionados por ação da bomba, se assanharam e se misturaram com TODA a água do poço, alterando a aparência da água e os resultados da análise. Talvez possamos a começar por aí. Se há um depósito suficientemente grande de pó, com alto teor de ferro, no fundo do poço e que, sob certas condições, esse depósito seja diluído em toda a água do poço, a injeção de ar comprimido com o simultâneo funcionamento da bomba poderia ser uma solução para retirá-lo do fundo e descartá-lo. Simples? Não. Por que há uma pergunta que não fica quieta: de onde veio esse depósito de pó riquíssimo em ferro? Vou ouvi-lo um pouco. Você é o dono do poço. Você está aí, olhando para o poço e para sua água com a perplexidade que é própria de todos nós. Você é o protagonista. Nós somos figurantes. Aguardamos o seu retorno para continuarmos a prosa.
            Um abração.
            Abreu
            P.S.: Nós vamos resolver isso!

  2. Boa noite, primeiramente parabéns pelo blog, tem sido bastante esclarecedor. Venho solicitar ajuda, tenho um poço semi artesiano, com 23 metros de profundidade. Ocorre que a água sai límpida, porém, com um cheiro leve de barro. O que tem me deixado preocupada, é que a água fica límpida no reservatório porém ao ferver ela amarela. Teriam alguma informação do que pode estar acontecendo? Desde já muito obrigada!

    • Olá, Ingrid. Bem-vinda ao blog. Já temos alguns anos aqui na janela desse blog sobre “Poço artesiano de água suja”, mas nunca vimos nada parecido com o seu caso. Não temos a mínima ideia do que pode fazer uma água límpida ficar amarela depois de fervida. Mas não se preocupe: estamos indo em busca da solução e voltaremos aqui, amanhã ou depois de amanhã, com orientações para você. Enquanto isso, aguenta firme!
      Um grande abraço.
      Abreu

  3. Esse problema é mais comum do que se imagina. A água quando fica amrelada o ferro é de origem orgânica e quando fica avermelhada é de origem mineral. Quando se deparar com tal problema, a primeira coisa é fazer a análise da água, até por que a dosagem do ortopolifosfato depende da consentração de ferro na água. Prabéns pela iniciativa.
    Flávio

    • Olá, Flávio. Bem-vindo ao blog. Pelo jeito, você é versado no assunto e conhece o problema. A informação de que a cor amarela ou vermelha da água informa se a origem do ferro é biológica ou mineral é nova para nós e passa a integrar o nosso “fundo de conhecimentos comunitário”.E você também dá um reforço importante em nossa ladainha de fazer-se a análise de água antes de meter a mão no bolso para gastar dinheiro às cegas. Muito obrigado e volte sempre que quiser distribuir entre nós um pouco dos seus conhecimentos!
      Um grande abraço.
      Abreu

  4. Parabéns Sr Edimar, pela luta em buscar a solução para o seu problema, luta essa que nos mostra o quanto precisamos nos dedicar, dia após dia, ate obtermos os resultados desejados.

    • Olá, Gustavo. Bem-vindo ao blog e obrigado por suas palavras de estímulo. Quando publicamos este post “Poço Artesiano de Água Suja”, em julho de 2009, imaginávamos que fossem aparecer empresas capacitadas, que nos oferecessem soluções para nossos problemas de água suja, a preço módico. Com o tempo, descobrimos que essas empresas não existem, ou então seus preços não são módicos. E que fomos abandonados pelo mercado de furadores de poços, restando apenas nós mesmos para nos ajudarmos mutuamente a resolver os problemas. Por aqui passam, em média, mensalmente, 250 diferentes donos de poços de água suja em todo o Brasil, sendo que aproximadamente 12 deles apresentam o seu problema, solicitam ajuda, oferecem sua colaboração ou, como você, apenas entram para registrar que viram esse blog e para nos dar essa força que você nos deu. Já temos muitas conquistas, já fizemos muitos avanços, como a eliminação da bomba dosadora e a redução das embalagens do produto Phoslan junto à indústria. Mas tem hora que a gente acha que tudo isso é um dedal de água num incêndio florestal. Até que aparece aqui gente como você, que nos diz que vale a pena. E nós voltamos a acreditar na luta. Obrigado, Gustavo!
      Um grande abraço.
      Abreu

  5. Sr Abreu, conhece esse produto?
    http://mariorebola.com/home/wp-content/uploads/2011/09/AquaAmbiente-Tratamento-de-%C3%81gua-Pot%C3%A1vel.pdf
    5. PREVENÇÃO DE ÁGUAS CASTANHAS
    As águas castanhas (que contenham Fe2O3 acima de 0,3 ppm de Fe) podem ser tornadas transparentes através da adição dos produtos AQUAPHOS. Este efeito é muito importante e, no caso a água bruta possuir um teor de ferro elevado, os produtos AQUAPHOS eliminam a cor existente através da adsorção das pequenas partículas de óxidos/hidróxidos de ferro, prevenindo a sua consequente coloração castanha da água.

    • Olá, Hilda. Não se preocupe e pode trazer para o blog o resultado do exame de sua água, porque outras pessoas vão analisar esses resultados e ajudar você a resolver o problema. A dosagem de ferro que você nos informou está dentro dos limites legais. A não ser que haja erro no exame, teremos de buscar a solução do problema no teor de manganês ou na eventual contaminação biológica da água. Quanto produto AQUAPHOS, lemos o artigo que você nos remeteu. Em primeiro lugar, o artigo parece uma peça de promoção do produto, editada pelo fabricante, redigido em português de Portugal e voltado para outro mercado que não o brasileiro. Tanto que não conseguimos localizar um único fornecedor do produto no Brasil. Em segundo lugar, trata-se de um texto editado em 2004 e se destina prioritariamente a impedir a formação de incrustações de ferro em tubos metálicos, solução que há muitos anos foi substituída no Brasil pelos tubos de PVC. E no próprio item 4.6 na página 25, o artigo recomenda para os casos de excesso de ferro a utilização de um filtro de resina iônica, e não o próprio produto AQUAPHOS. Assim, parece-nos que o produto anunciado tem aplicação diferente daquela do produto que temos usado em nossas experiências (Phoslan) e que tem dado excelentes resultados no tratamento de água com excessivo teor de ferro. Assim, Hilda, até que tomemos conhecimento de algum produto mais novo e mais eficiente, continuaremos usando e recomendando o uso do Phoslan, lembrando que não temos qualquer relação comercial com o fabricante ou seus revendedores, nem temos qualquer ganho financeiro pela indicação do produto Phoslan para os casos alto teor de ferro em água de poços artesianos – o que, aliás, não é o seu caso, uma vez que a presença do ferro em sua água está em níveis permitidos pela legislação. É isso, Hilda. Retorne com os dados da análise para quebrarmos a cabeça juntos, tá? E outra coisa: se você encontrar um técnico que resolva seu problema por um preço módico, passa o telefone dele para nossos amigos sofredores aqui do blog: encontrar um profissional desse tipo é exatamente o sonho de todos nós.
      Um grande abraço.
      Abreu

  6. Prezado sr Abreu.
    Poderia me enviar um e-mail para eu lhe passar as especificações do poço e o resultado da análise da água e para que possa me ajudar a verificar onde está o problema com a minha água? Agradeço.

  7. Ufa…! Cheguei ao final dos comments… Sr Abreu, vocês não têm uma página no facebook? Como entrar no blog?
    Fiquei admirada com sua história e com o relato do seu padecimento! Também estou com esse problema, mas apenas por três meses, roupa e vasos amarelos, cabelos duros, etc
    Minha análise preliminar deu 0,3 mg/l de ferro total.
    Vou ler com mais calma e pedir ajuda a algum técnico mais experiente para me orientar seguindo os seus ensinamentos. Muito agradecida! Fortaleza/CE

    • Olá, Hilda. Bem-vinda ao blog. Que graça esse seu comentário. Fez um bem enorme para nós. Afinal, alguém chegar aqui e afirmar que conseguiu ler todos os comentários é algo absolutamente inédito. E, para nós, ali nos comentários está a efetiva troca de informações, de vivências e angústias. De qualquer modo, no seu caso, já está claro que o vilão não é o ferro: sua análise indicou normalidade no teor daquele mineral. Então, o problema é outro e vamos estar aqui à sua disposição para discutir e ajudar você. Quanto à página no Facebook, não temos. Por aqui temos a convicção de que Facebook é para quem está na ativa, trabalhando, 244 horas por semana, o ano todo, com um gerente em cima, controlando cada minuto de sua vida. Como sou aposentado, o Facebook seria um veneno na minha vida, uma fixação, um vício, uma droga. Não é atraso tecnológico, não: é simplesmente uma prudência que só os cabelos brancos trazem. Quanto à forma de de entrar no blog, é simples: http://www.expressaodaliberdade.com.br. Está tudo lá.
      Um grande abraço.
      Abreu

  8. prezado, tenho uma cacimba em meu quintal, e a mesma estava isolada ou seja lacrada a mais de 10 anos, so que agora com esta falta de agua resolvi destampar pra ver como estava a água, e a mesma tem uns 10 a 12 mts. de agua, e muita cristalina mas tem um cheiro e gosto de ferro,
    Ti pergunto o que posso fazer, para tratar a agua, mi mandarão colocar agua sanitária, posso usar e quanto de produto para esta quantidade de agua a cacimba med. 1,50 de diâmetro
    grato

    fico no aguardo
    Edson Brito
    Fortaleza Ceara

    • Olá, Edson. Bem-vindo ao blog. Em nossas experiências, verificamos que, se a água tem excesso de ferro, quando adicionamos água sanitária, ela se torna totalmente amarela em cerca de 12 horas. Por isso, achamos que essa solução não é a melhor. Por outro lado, o cheiro e gosto de ferro podem não ser exatamente cheiro e gosto de ferro. Afinal, uma cacimba lacrada há mais de 10 anos, com sua água em contato com a terra e sem a luz do sol, é um ambiente propício a uma série de reações químicas, decomposição de matéria orgânica e combinações de minerais, que certamente geram gases e líquidos de cheiro forte. O ideal seria esvaziar toda essa água velha e descartá-la e limpar, na medida do possível o fundo e as paredes da cacimba. São cerca de 20 mil litros de água a serem retirados. Aí, devemos perguntar: mas se retirarmos a água toda, em quanto tempo a cacimba a recomporia? Se ela for esperar a volta das chuvas, não é uma boa solução. Como saber? Marque a altura da água e retire 1000 litros de água da cacimba (aproximadamente 50 cm).E observe quanto tempo leva o reenchimento até a marca que você fez. Se a reposição ocorrer em um tempo razoável, valerá esvaziar, limpar e reencher. Se o reenchimento não acontecer ou acontecer em um tempo muito longo, teremos de buscar outra solução para o seu caso. Teremos de tratar e filtrar essa água que está na cacimba. O que pode significar uma desagradável despesa. Vou parar por aqui e aguardar notícias suas, OK, Edson?
      Um grande abraço.
      Abreu

  9. Boa noite Abreu! Parabéns pelo conteúdo do seu site, muito informativo.

    Meu poço dá água cristalina, porém fica turva após a cloração.
    Após a adição de Phoslan, é necessário fazer a filtragem ou posso simplesmente clorar a água?
    Caso seja imprescindível a filtração, sabes dizer se é possível de ser feita com aqueles filtros de alta vazão (tipo “big blue” de 20 polegadas)? Com elemento filtrante de quantas micras?

    Parabenizo novamente a sua iniciativa e desde já agradeço a atenção.

    Grande abraço.
    João Marques

    • Olá, João Marques. Bem-vindo ao blog. De nossas experiências, descobrimos que, clorar água com excesso de ferro, turva a água. Você diz que sua água é cristalina e fica turva após a cloração. Se a água é límpida, por que você aplica o cloro? É água para piscina? O cloro é usado para neutralizar contaminação biológica? Se a sua água é cristalina e fica turva com a adição de cloro, significa que ela não é tão cristalina assim. Pode ter excesso de ferro, que o cloro revela. Por outro lado, se a água é límpida e pura, por que clorar? Você tem certeza de que ela tem contaminação biológica? Três caminhos:
      a) se a análise apontar excesso de ferro, não adicione cloro;
      b) se a análise não apontar contaminação biológica por coliformes, por quê clorar?
      c) se a análise apontar excesso de ferro e contaminação biológica, a solução é outra.
      O que se resume, João Marques, é que você precisa da análise de sua água. Análise química, física e biológica, cujo preço não pode passar de R$ 300,00. Se passar, venha aqui e nós acharemos uma solução.
      Um forte abraço.
      Estamos juntos.
      Abreu

    • Obrigado, Renato. Suas palavras são um estímulo para nós continuarmos a fazer nosso trabalho. Muito obrigado!
      Um grande abraço.
      Abreu

    • Olá, Edvaldo. Bem-vindo ao blog. O que nós podemos dizer para você é que todo problema com poços tem solução. Só precisamos saber qual é o poço e qual é o problema. Você adianta que o poço tem 40 metros de profundidade. Precisamos saber se é artesiano ou poço comum, se é revestido ou não, se você usa bomba e qual a largura da boca do poço. Essas informações nos permitirão estudar junto com você uma solução mais adequada para o caso. Aguardamos então o seu retorno com essas informações, OK?
      Um grande abraço.
      Abreu

  10. Bom dia. Meus amigos vocês realmente são lutadores e merecem todos os méritos devido as lutas travadas para obterem água de boa qualidade, parabéns.
    Encontrei o blog e as batalhas do Abreu pesquisando por inúmeros sites, pois tinha a intenção de abrir um poço (e o fiz), aqui em minha cidade a água aflora muito próximo da superfície, mandei cavar e chegamos a água com cerca de 8 metros (cavando de forma manual) e ai prosseguimos, fomos até os 13,5m de profundidade total e tudo tinha muita dificuldade para descer, pois tínhamos passado por uma fina camada de argila branca (massapê ou tabatinga, depende da região a nomenclatura) e essa começou a segurar o tubo, bom já estávamos com +/- 6 metros de água então decidimos parar, após dois dias quando da instalação de uma bomba submersa de 1/2 cavalo fizemos a medição e estava com 6,5m de água em um tubo de 150 milímetros de diâmetro, instalamos a bomba e a água jorrou ainda bastante amarelada, deixamos por duas horas e ela foi limpando porém ainda não tinha ficado cristalina, medimos a vazão e chegamos a um volume de aproximadamente 3000 litros por hora.
    Após alguns dias deixando a bomba ligada por 2 a 3 horas a água foi clareando e hoje ela ainda apresenta uma leve cor esbranquiçada, mas quase cristalina, então mandei fazer a análise microbiológica primeiro (R$ 90,00), pois a mineralógica custa R$ 365,00, então se não apresentar coliformes eu mando fazer a mineralógica. Assim que obtiver o resultado informo vocês aqui.
    Quais as sugestões para filtro direto na saída do poço com essa vazão para que eu possa está utilizando essa água (após a análise, claro).
    Vocês já pensaram em fazer um grupo no WhatsApp?

    • Olá, Cleber. Bem-vindo ao blog. Você já sabe “pra onde a banda toca”, ou seja, as análises são um santo remédio para evitar jogar-se dinheiro fora. Quanto ao filtro, se você consome 72.000 litros diários de água, você vai usar um filtro de 3.000 litros por hora, que é a vazão do poço. Mas se o seu consumo for bem menor do que isso (como eu suponho), você pode reduzir a vazão da bomba e comprar um filtro menor e muito mais barato. Há diversas formas de se fazer isso e podemos ajudá-lo a fazer as escolhas.
      Um grande abraço.
      Abreu

      • Bom dia, ficou pronta a analise da água do meu posso:
        Teste / parâmetro / resultado
        Condutividade / < 500 / 552,1*
        Dureza Total / < 250 / 105,5
        Dureza de cálcio / < 150 / 64,99
        Nitrogênio amoniacal / Ausente / Ausente
        Alcalinidade residual / 20 + ou – 70 / 34,8
        Nitrato / < 10,0 / 2,17
        Nitrito / < 1,0 / 0,00
        CO2 Livre / Maximo 30mg / 88,5*
        Alcalinidade total / < 50 / 6,25
        Ferro / < 0,2 / 0,00
        Manganês / 6,0 + ou – 1,5 / 5,15
        Turbidez / < 0,1 / 0,59 (porém hoje já está mais límpida)

        O grande porém, no exame microbiológico apresentou 3 Unidades Formadores de colonia por 100 mL de água (de coliformes Totais)
        Não apresentou crescimento de escherichia coli.

        • Olá, Cleber. Bem-vindo de volta. Cara, aqui nesse vale de lágrimas de donos de poços artesianos de água suja, você é um privilegiado! Não tem ferro em sua água, manganês está dentro dos limites, nada de contaminação biológica por coliformes fecais. Isso significa, Cleber, que o seu problema é exclusivamente barro, argila, areia, misturados à água. Esse pessoal pode se reduzir com o tempo. Mas um bom filtro entre a bomba e a caixa vai tornar a água transparente, incolor e inodora, ou seja, potável. Solução simples, relativamente barata e talvez até transitória: se um dia a água se limpar, o filtro pode ser dispensado, vendido ou utilizado em outra aplicação. Uma pergunta: você quer trocar o seu poço pelo meu?
          Parabéns e um grande abraço.
          Abreu

          • Bom dia,
            Meu amigo esse bate-papo aqui é muito bom, infelizmente não teremos como fazer a transposição das águas, mas fico aqui rezado para que todos possam sanar os seus problemas e alcançar a vitória com uma água de boa qualidade. Aqui em nossa cidade temos esse privilégio de obter água de boa.
            Um grande abraço.

    • Olá, Eduardo. Bem-vindo ao blog. Não, a parte final do poço deve ser sem revestimento, para permitir a reposição da água retirada. Nos casos em que essa parte final está em solo sedimentar, mole e lamacento, há outras soluções (revestimento com tubo janelado, perfurado ou rendado, bem como a colocação de brita, seixos rolados ou areia grossa com carvão ativado). Mas esse não parece ser o seu caso. Então, é deixar sem revestimento mesmo.
      Um grande abraço.
      Abreu

  11. Bom dia para todos !
    Moro perto de uma lagoa e do mar. Tenho um poço artesiano e a água é salobra , contem ferro e manganês. Na hora que eu começo a bombear a água do poço ela é meio cinza com forte cheiro de água salobra, após uns 40 segundos ela fica clarinha e o cheiro vai desaparecendo. Bom , está água tem metais e material em suspensão . O PH, a cloração , dureza e alcalinidade da água ainda não foram verificados. Eu tenho uma piscina de 20m3 e a minha central de tratamento é ela, só depois eu alimento as cisternas e as caixas de água. Depois de encher a piscina com a água do poço eu coloco o produto para neutralizar os metais na proporção recomendada pelo fabricante e faço a água recircular durante 2 horas. Seis horas após, eu verifico o PH e corrijo usando barrilha na quantidade recomendada para alcançar o ph entre 7.2 e 7.6 e faço a água recircular por 2 horas. A alcalinidade e dureza deixo para depois. Após a correção do PH, eu dou um choque de cloro com 15g / 1m3 de água e recirculo a água por 2 horas para acabar de oxidar os metais e começar o tratamento. A água após 6 horas vai ficar levemente marron ou levemente preta dependendo da quantidade de metal ainda presente na água. Ai é a hora de de clarear e decantar todo o material que ainda está em suspensão. Com o sulfato de alumínio e conforme a quantidade indicada pelo fabricante eu faço a água recircular por 2 horas e descançar por 12 horas, logo após eu aspiro a piscina drenando todo o material decantado. Nessa bricadeira eu perco uns dois mil litros de água. A aparência da água é outra, são 18m3 de água clara e sem cheiro, mas com sal, em torno de 3400 ppm. Aí eu faço a correção do PH e alcalinidade se for o caso, dureza cálcica quase nunca. Não dá para beber. Se lavar a roupa, ela vai ficar endurecida, o cabelo também e as panelas ficam esbranquiçadas por causa de sal. Diminui muito esse problema da salinidade, utilizando uma célula cloradora, ela produz o cloro a partir do sal ( durabilidade aproximada da célula, dependendo do uso , da salinidade da água e da isenção de metais é de 8000 horas ) no meu caso foi de 3 anos e seis meses. O clorador mantém a água clorada dependendo da quantidade de sal e de horas que a célula está ligada. Atingido os níveis recomendados de PH, cloro, alcalinidade e dureza eu utilizo essa água para tudo em minha casa , menos beber . Abraços .

    • Olá, Wleber. Bem-vindo ao blog. PELA MADRUGADA!!! E nossa comunidade DPAAS (Donos de Poços Artesianos de Água Suja) achando que tinha problemas! Acho que todos nós deveríamos fazer um exame de consciência, arrependimento e propósito de nunca mais nos queixarmos dos nossos poços. Como diria o Obama, Wleber, você é o cara! Que lição de vida, que obstinação. Para você, o nosso respeito e nossa admiração!
      Um fraternal abraço.
      Abreu

  12. Bom dia!
    Cara vc realmente está de parabéns!!! Achei maravilhosa sua iniciativa e que Deus te abençoe sempre.
    Gostaria de uma breve ajuda. Eu tenho uma cisterna de aproximadamente 4,5 m de profundidade. E a água tem um cheiro de brejo e também tem muita ferrugem. Portanto eu preciso melhorar a qualidade dessa água pra uso doméstico como: banho, lavagem de roupa, pratos, etc. quero Não para consumo.
    Como eu tenho 3 reservatórios, pretendotransferir a água da cisterna para cada reservatório e tratar exatamente em cada um. Minha pergunta é: qual a quantidade de produtos por metro cúbico e quais seriam os produtos que eu devo jogar nestes reservatórios?
    Espero ansiosamente por sua resposta.
    Grato

  13. Boa noite,Fiz um poço neste mes com 70 m pf,com espessura de 10 cm revestido ate 12 m com cano de 200 mm,pois o pessoal que fez o serviço informou nao ser preciso revesti-lo ate o final embora tenha recomendado que fosse feito com cano de 100 mas afirmaram que não era necessario. Gostaria de saber se ha o risco grande em vista de nao ser revestido.Ja esta com 15 dias mesmo depois de um compressor ter feito a limpeza e eu continuar a bomba ligada 6h por dia anda vem um pó branco na água que se acumula no fundo da caixa e deixa a água trazida pelo motor esbranquiçada. A BOMBA esta a 54 m que é o nivel dinamico sendo o nivel estatico 16 m posso baixar a BOMBA no maximo em quantos m ? o que fazer para retirar esse pó que ainda vem com a água ? A BOMBA tem uma vazao de 4000 l/h e o poço sua vazao de 600 l/h sendo controlado por um registro.Gostaria De Sua Ajuda.

    • Olá, Jair. Bem-vindo ao blog e ao “Clube dos Donos de Poços Artesianos de Água Suja”. Primeiro, calma! Você está apenas iniciando o seu procedimento de descida para o pouso neste vale de lágrimas. Um pouco de paciência e talvez a coisa se resolva por si só e sua água se torne límpida, insípida,incolor e inodora, como deve ser. Para a eventualidade de isso não acontecer, vamos afinar as violas: a boca do poço é de 10 cm ou de 200 mm?; como é essa história de o poço poder ser revestido com tubo de 100 mm ou de 200? Normalmente, o tubo do revestimento é do mesmo diâmetro do poço: ou 100 mm ou 200 mm. Dificilmente se reveste um poço dessa profundidade integralmente. Atravessada a camada do solo que contém o lenço freático, a próxima etapa é encontrar a rocha-mãe. O revestimento é para prevenir a contaminação que vem do lençol freático (esgotos, fossas, matéria orgânica em decomposição). Uma vez penetrando o poço na rocha, isso é desnecessário, porque a própria rocha é uma garantia contra essa contaminação. O meu poço, por exemplo, tem 150 metros de profundidade, mas o revestimento só vai até 32 metros, porque a rocha se inicia a 30 metros de profundidade. Quanto a mexer na profundidade da bomba, o ideal sempre é subir e não descê-la. Quanto mais próxima a bomba estiver do fundo do poço, mais chance ela tem de “levantar a poeira” do fundo e sujar a água. Mas como ela está no nível dinâmico (54 m de profundidade), se nós a elevarmos ela poderá funcionar sem água e queimar. Então, vamos organizar a briga: não faça movimentos súbitos em direção ao seu próprio bolso. Aguarde um pouco mais, uma semana ou duas com a bomba funcionando normalmente e quem sabe a água se limpa sozinha. Enquanto isso, mande fazer a análise física, química e biológica da sua água. Se a água limpar, você saberá que é potável ou não. Se não limpar, já estaremos com o mapa da navegação na mão, para encaminhar a solução, OK? Mas volte aqui tantas vezes quantas quiser para trocarmos ideias. O controle da vazão da bomba através de um registro é uma solução, mas talvez não seja a mais inteligente. Podemos conversar sobre isso também.
      Um grande abraço.
      Abreu

      • Olá amigo Abreu !Quero primeiro agradecer por ter me respondido.Meu poço tem um diamametro de 10 cm e uma BOMBA submerssa revestido ate 12 m com 3 tubos de mesma espessura,tubos de 200 mm. Pelo que entendi o objetivo do revestimento é para evitar possivel cotaminação achava que era por causa de possivel queda nas paredes do poço tambem sendo assim preciso revestilo mais 20 m pelo menos ja que voce falou que a parti dos 30 m é rocha.Gostaria de saber se o revestimento deixa a água mais limpa,ja que meu ploblema ainda perssiste com a cor branca,apesar de depois de algumas horas na caixa todo o por branco fica no fundo da caixa e a água fica limpa,ja deixei as duas primeiras semanas a a BOMBA ligada durante todo dia,bem como logo apos terminado o poço o compressor de limpeza foi usado para limpar.somente nessa semana pecebi que a água sai limpa ate 8 min apos a BOMBA ligada em sua vazao maxima depois novamente sai suja.Gostaria de saber se terei mais resultado deixando a BOMBA ligada logo após ela atingir o nivel dinamico de 54 m e em que fucionará com registro controlado de acordo com a vazao do poço que é 600 l/h momento em que o tempo todo sai água suja.Será que essa sujeira saíra completamente ? ou precisarei de compressor ? Moro em uma regiao de chapada do Ceará (Serra Da Ibiapaba)os poços daqui sempre dao água Boa

    • Eduardo, agora vamos a algumas perguntas adicionais:
      a) O poço é revestido?
      b) Qual o revestimento (PVC, aço-carbono)?
      c) Se for revestido, é totalmente revestido (25 metros) ou só parcialmente?
      Essas perguntas, Eduardo, podem nos levar a alguns caminhos. Como lhe disse antes, a proximidade excessiva da bomba com o fundo do poço pode estar produzindo o revolucionamento dos sedimentos depositados ali e sujando a água nos primeiros momentos. Mas isso só faz sentido se o poço não for revestido em seus metros finais. E nesse caso, uma solução seria mandar revestir esses metros finais com tubos de PVC ou aço-carbono microperfurados. Poderia ser uma solução relativamente barata e não precisaríamos mexer na profundidade da bomba. Agora, se o poço for integralmente revestido, temos de usar outro caminho. Como estamos num processo passo-a-passo, vou aguardar seu retorno para continuarmos, OK?
      Abração.
      Abreu

        • Olá, Eduardo. Mais um caminho descartado. O que é bom, pois evita perda de tempo e dinheiro. Nossas alternativas atualmente são: a) suspender a bomba; b) filtrar a água; c) tratar com Phoslan e filtrar em seguida. Por ordem de menor custo, temos de trabalhar com a primeira hipótese: suspender a bomba. Para isso precisaremos de dois dados críticos: a profundidade atual da bomba e o nível estático e dinâmico da água. Parece complicado, não? Mas não é tanto. Primeiro, pode ser que você se lembre da informação sobre a profundidade da bomba. Se não se lembrar, há dois modos de medir. O primeiro e mais exato é destampar o poço, retirar a bomba e medir o tamanho do tubo entre a bomba e a boca. Parece complicado, mas não é. Para você ter uma ideia, já troquei minha bomba duas vezes, queimada por pulso de tensão excessivo provocado pela concessionária de energia elétrica. Eu, meu caseiro e o caseiro do vivinho retiramos a tubulação e substituímos a bomba. Com um detalhe: em vez dos seus 25 metros, o meu poço tem 150 metros e a bomba estava a 80 metros de profundidade, ou seja, tivemos de retirar 80 metros de tubos, enquanto você talvez deva ter de retirar algo entre 15 e 20 e poucos metros. A outra forma é, num método mais tosco e menos preciso é fazer descer, com uma cordinha, um peso de 5 cm de largura pelo poço até encontrar a bomba (um peso de 5 cm não vai passar pela bomba, porque 5 cm é a metade da largura do poço. E, quando o cordel em que o peso estiver amarrado amolecer, porque encontrou a bomba, marcar a ponta do cordel que está na boca do poço. Veja que esta medição é mais ou menos precisa na medida que você observar atentamente a tensão do cordel e o exato momento em que ele relaxar. Como lhe disse, podem ser trabalhosas, mas são alternativas factíveis e podem evitar gastar muita grana no futuro. Diga se entendeu, se há alguma dúvida. Quando do seu retorno, eu vou explicar como mediremos o nível estático e dinâmico da água. A forma é muito parecido com a do peso amarrado no fio, só que, em vez do peso, será uma bóia. Mas isso a gente fala na sua volta.
          Um abração.
          Abreu

          • Bom dia Abreu.
            Demorei a respondê-lo pois só este final de semana fui ao sítio, para coletar os dados que você solicitou, e que informo-lhe abaixo:

            Profundidade do poço : 24 metros
            Profundidade da bomba : 18,5 metros
            Nível estático: a água está a 2,6 metros da boca do poço
            Nível dinâmico: a água está a 9,5 metros da boca do poço
            Pelo que entendi o poço tem 21,5 metros de água, quando está estático, e 14,5 metros de água quando está dinâmico, é isto mesmo?
            Diante dos dados acima, posso suspender a bomba até quantos metros?
            Desde de já agradeço e um grande abraço.
            Eduardo

          • Olá, Eduardo. O ideal seria fazermos o teste gradualmente, subindo de metro em metro. Mas aí você teria de cortar o tubo e, em caso de necessidade de retornar à situação anterior, já teríamos um pequeno prejuízo. Assim, vamos retirar um tubo de seis metros e a bomba, então, ficará a 12,5 metros de profundidade, ou seja, três metros abaixo do nível dinâmico. Se a água se normalizar – incolor, insípida e inodora – neste teste, teremos de fazer outros testes a profundidades maiores, ou seja, 13, 14, 15 ou 16 metros. Mas aí valerá a pena cortar o cano, porque a solução vai ser barata. Se a água continuar suja, teremos de recolocar o tubo retirado, repor a bomba na profundidade original e partir para outra solução: a filtragem da água. E aí vai ser preciso começar a fazer investimentos. Então, mãos à obra e que Nossa Senhora dos Poços de Água Suja nos ajude!
            Um abração.
            Abreu

  14. Boa noite Abreu.

    No dia 15/12/15 relatei para você o meu problema com o poço artesiano, ocasião em que orientou-me a realizar a análise da água. Segue abaixo o resultado:
    Amônia – 0,37 Cloretos – menor que 4
    cor aparente – 431,5 Dureza total – 26,0
    Ferro total – 0,51 Nitrato – 0,66
    Manganês – menor que 0,05 ph – 6,0
    Sulfato – 8,77 sólidos totais dissolvidos – menor que 26,7
    Turbidez – 87,0 surfactantes aniônicos – menor que 0,3
    Bactérias heterotróficas – 345 coliformes totais – menor que 1,8 (ausentes)
    Escherichia coli – menor que 1,8 (ausentes)

    Diante dos resultados, solicito novamente a gentiliza de orientar-me sobre a qualidade da minha água, e caso necessário qual seria o próximo passo. Cumpre salientar que a argila que relatei sair na água, já diminuiu bastante.
    Desde já agradeço. Um abraço.

    • Olá, Eduardo. Bem-vindo de volta. Como falamos em dezembro, a sujeira da água de poços artesianos normalmente é atribuída a excesso de ferro ou manganês. Mas nos casos como o seu, de poços rasos, ligados ao lençol freático, o problema poderia ser outro, ou seja, contaminação biológica. O resultado do exame mostra que há um pequeno excesso de ferro, que entretanto, não justicaria a meu ver a sujidade da água. Os demais parâmetros físicos e químicos estão dentro da normalidade. Já os parâmetros biológicos indicam forte contaminação da água por matéria orgânica em decomposição, com a presença significativa de bactérias do grupo coliformes totais. Isso significa que o seu poço está contaminado e a sua água não é potável. Nesses casos, o Ministério da Saúde determina o imediato bloqueio do poço. Isso é o que diz a legislação. Na prática, as pessoas procuram outras soluções para defender o investimento feito e também para assegurar o que pode ser sua única fonte de água. A rigor, caberiam duas tentativa.Em ambas as hipóteses, haverá necessidade de novas análises da água. A primeira seria a filtragem da água. Embora não elimine totalmente a contaminação, a filtragem poderá reduzir muito a presença das bactérias pela retenção da matéria orgânica e trazer a contaminação para os padrões minimamente aceitáveis pelo Ministério da Saúde. Assim, recolha diretamente do poço uma amostra de água, em torno de 2 litros e faça-a passar por um filtro comum, como os filtros de vela de argila. Claro que o filtro deverá ser previamente esvaziado de qualquer quantidade anterior de água. Essa água filtrada, embora cristalina, tem que ser analisada, porque é indispensável conhecer o nível de contaminação depois da filtragem. Se o resultado for satisfatório, basta adquirir e montar um filtro central, suficiente para dar conta do seu consumo e partir para o abraço. Caso o nível de contaminação continue acima dos padrões exigidos, vamos para segunda alternativa, que é o tratamento da água com cloro. Aqui a situação é semelhante: recolher uma amostra diretamente do poço e aplicar a dose recomendada pelo fabricante para aquela quantidade de água, encaminhando, após 24 horas, a mostra para nova análise biológica. A contaminação deve desaparecer, apresentando o resultado “INEXISTENTE” para o item Coliformes Totais (Bactérias Heterotróficas). As complicações que podem ocorrer: a) apesar da inexistência de coliformes fecais indicada pelo resultado da análise, a aparência da água continuar turva; e b) ao receber o cloro, a amostra se tornar amarela nas próximas 24 horas. No primeiro caso, ou seja, água descontaminada que continua suja, a filtragem será necessária em conjunto com a cloração. No segundo caso, água descontaminada, mas tornada amarela, significará que o teor de ferro, embora relativamente baixo (mas fora dos padrões exigidos pelo Ministério da Saúde) pode ter reagido quimicamente com o cloro e produzido a a coloração amarela. Se ocorrer isso – esperamos que não -, retorne aqui que formularemos para você a solução, que é um pouco mais complexa, mas é possível de ser feita.
      Um grande abraço e conte conosco.
      Abreu

      • Bom dia Abreu,

        Diante dos seus comentários liguei para o laboratório que efetuou a análise da água, para outros esclarecimentos, e constatei que cometi um erro de digitação, pois fui esclarecido que os resultados para coliformes totais e escherichia coli foi AUSENTE,e as bactérias heterotróficas abaixo do limite 500 UFC/ml, parâmetro estabelecido pela portaria 2914.Segundo o laboratório apenas o ferro, cor aparente e turbidez não se encontram dentro dos limites da referida portaria.
        No aguardo do seu comentário, desde já agradeço.
        Um abraço.
        Eduardo

        • Olá, Eduardo. Que coisa boa! Um grande problema a menos (e um dos mais chatos para resolver). Afastada a hipótese de contaminação biológica, a única coisa – segundo o resultado da análise – que pode explicar má aparência da água seria o excesso de ferro. Para esse problema, você tem orientação detalhada aqui mesmo no blog. A fórmula geral que descrevemos é a aplicação de quelante (Phoslan) e posterior filtragem da água. Como não é uma solução baratinha, vamos voltar a uma outra hipótese que levantamos aqui, quando você nos procurou pela primeira vez, em 16.12.2015. Trata-se da probabilidade de haver depósito de pó de argila no fundo do poço, que a bomba, no início do funcionamento revoluciona, sujando a água. Para explorarmos essa hipótese, precisamos de algumas informações suas. Você disse que se trata de um poço semi-artesiano de 25 metros de profundidade. No documento que a empresa perfuradora entrega ao proprietário, há alguns dados importantes. Vamos precisar de alguns desses dados, a saber: profundidade do poço (25 metros), vazão, nível dinâmico e nível estático, diâmetro da boca e profundidade da bomba. Se você não recebeu esse documento ou não o guardou, vamos precisar de fazer algumas medições. Isso tudo para evitar que você tenha de meter a mão no bolso antes da hora.
          Aguardo seu retorno.
          Abreu

          • Boa noite Abreu. Infelizmente não tenho nenhum desses dados, e não sei como obtê-los, diante do que solicito novamente a sua gentileza de orientar-me no sentido de como colher os referidos dados. Desde já agradeço.Um abraço. Eduardo

          • Olá, Eduardo. Já que você perdeu ou não recebeu o “papelim do poço” , vamos tentar reconstruir essas informações. A primeira é facílima: pegue uma fita métrica e meça a boca do poço. Quanto às demais medidas, vou explicar. Acho que o fundo do seu poço tem uma cobertura de argila, que a água dissolve e, quando a bomba agita a água, essa argila dissolvida se mistura com a água puxada pela bomba e chega à torneira, suja. Ora, o que nós precisaríamos fazer? Achar uma profundidade onde colocar a bomba, onde ela não perturbe o fundo do poço. E aí entram os níveis estáticos e dinâmicos. O nível estático é a profundidade onde está a água quando a bomba está desligada e o poço em repouso. O nível dinâmico é aquele a que a água desce, quando a bomba está funcionando. Uma bomba não pode funcionar acima do nível dinâmico, porque funcionará “a seco” e vai queimar. Para evitar isso, os técnicos procuram instalá-la o mais profundamente possível, ou seja, muito perto do fundo do poço. Como acho que uma das soluções para o caso seria afastar a bomba do fundo do poço, precisaria saber até que ponto poderíamos elevá-la, SEM QUE ELA ULTRAPASSE O NÍVEL DINÂMICO e passe a funcionar sem água, queimando. Então, vamos devagar: volte aqui com a medida do diâmetro da boca do poço, porque tudo vai depender dessa medida: se o diâmetro for de 20 ou 25 cm, é uma briga, se for de 1 metro ou 1 metro e meio, é outra briga. Mas não desanime, Eduardo. Vamos resolver isso, OK? Então, providencie para nós a medida do diâmetro do poço, depois a gente dá os próximos passos. Ao mesmo tempo, observe a água: afinal, você disse que a sujeira está diminuindo. Quem sabe ela não acaba sozinha? E, como não há contaminação, quem sabe o o problema não se resolve sozinho?
            Aguardamos você.
            Um abração.
            Abreu

    • Olá, Alexandra. Bem-vinda ao blog. Como você pode ver pelos publicados e pelos comentários, existem milhares de pessoas na mesma situação sua. Ou seja, com poço artesiano que produz água suja. As soluções são diversas, mas temos oferecido aqui a solução padrão, que parte da ideia de que a água está com excesso de ferro. É o uso de produto quelante, que isola as moléculas de ferro antes de elas entrarem em contato com o oxigênio. Não é uma solução cara, mas também não é barata. Mas para aplicá-la é preciso sabermos se é realmente um caso de excesso de ferro. Você tem condição fazer o exame da água para descobrir isso?
      Um abraço.
      Abreu

  15. Belíssimo artigo,

    Já estava tbm aqui na loucura de por filtros e tals. Já vou procurar fazer uma analise da água.

    • Olá, Andre. Bem-vindo ao blog. Parabéns pela decisão: é a forma mais segura de chegar à solução correta.
      Um grande abraço.
      Abreu

  16. Olá Abreu! Muito obrigada! Fizemos uma cerquinha de arame ao redor do nosso poço porque temos algumas cabecinhas de gado e o profissional também pediu para retirarmos os postes de eucalipto que seguravam o arame, ele disse que não podemos ter nada próximo ao poço que facilite o acúmulo de água, mesmo que esta água seja da chuva. Os postes já foram retirados e foi tudo preenchido com brita. Foram dicas muito valiosas. Torço para que todas as pessoas com problemas com água suja, etc consigam solucioná-los.
    Um grande abraço e vamos torcer para a água continuar limpa!
    Karla

  17. Bom dia Abreu, até que enfim, as notícias de hoje são melhores. Pois bem, a pessoa que olhou a bomba e que também trabalha com poços artesianos esteve no nosso terreno no domingo, dia 01.05.16. Ele disse que o problema não é falta d’água, que o poço estava com aproximadamente 5 metros de água. O compressor ficou ligado durante 6 horas, a água suja foi retirada, inclusive minha mãe que acompanhou o trabalho me disse que as vezes saíam umas bolas de barro. Após a limpeza com o compressor movido a energia 110v, a água saiu limpa! Ele nos sugeriu trocar o cabo da bomba, se o problema não fosse resolvido era para chamar a Cemig porque a energia poderia estar fraca. Outra coisa interessante, que eu não sabia e que talvez muitos não saibam, é que fizemos um quadrado de concreto ao redor do poço, um quadrado bem pequeno, ele nos pediu para retirar o concreto, disse que não pode concretar ao redor do poço e nos pediu para preencher o espaço com brita. O predreiro retirou o concreto na segunda e ficou surpreso ao ver o buraco que tinha, a pessoa que esteve lá fazendo a limpeza do poço disse que isto inclusive poderia estar provocando a sujeira da água, o pedreiro ficou impressionado porque teve que jogar vários carrinhos de brita lá, então fica a dica, nada de concretar ao redor do poço. Na segunda a bomba ficou ligada por algumas horas e trabalhou normalmente. Estou muito satisfeita com o resultado, paguei R$500,00 de mão de obra e o traslado dele até lá que não ficou tão caro porque minha irmã se encarregou de leva-lo (ida e volta). Caso ele me passe mais alguma dica irei relatar aqui, talvez seja útil para alguém. Algumas pessoas me pediram R$2.000,00 pela limpeza, o que pediu R$1.000,00 esteve lá com um compressor 220v e não resolveu absolutamente nada, pelo contrário, só falou asneiras, pelo menos encontrei uma pessoa honesta e estou muito satisfeita.
    Muito obrigada pelas dicas! Um grande abraço.
    Karla

    • Olá, Karla, que coisa boa! Cada vez que alguém consegue resolver seu problema, nós vibramos aqui. E ainda pegamos carona nessa informação do profissional sobre a concretagem do terreno em torno da boca do poço! Essa é absolutamente nova para nós e parece fazer sentido, sim. A impermeabilização do solo nas proximidades de nascentes e rios costuma trazer efeitos nefastos. Veja-se o que aconteceu com a cidade de São Paulo com os vales dos rios Tamanduateí, Pinheiros e Tietê, impermeabilizados nos anos 70 e provocando problemas terríveis para a cidade hoje. Vamos colocar essa informação no corpo do blog, Karla, para que as pessoas tenham acesso à informação sem precisarem de entrar nos comentários.
      Um grande abraço e parabéns pela água limpa.
      Abreu

  18. Bom dia Abreu, estou muito ansiosa para saber realmente qual e o problema e desejo que nao seja falta d’agua porque se for estou perdida. O terreno e plano e fica em Minas Gerais entre as cidades de Papagaios e Pompeu. Desde que furamos nunca tivemos problemas. Hoje a tarde ira uma pessoa la analisar para mim o que esta acontecendo, acredito que na segunda ja estarei informada. Pedi inclusive para fazer a limpeza caso seja necessario. Infelizmente, neste momento nao tenho condicoes financeiras de perfurar um poco artesiano. Te dou noticias na segunda.
    Muito obrigada
    Karla

  19. Bom dia Abreu, aqui é a Karla que escreveu para vocês no dia 29.03.16. Infelizmente, nada de novo até agora. Fizemos o teste do filtro de café, a água passou rápido pelos 2 filtros, deixou uma areinha no filtro e a que foi para o copo ficou limpíssima, pousou apenas uma sujeirinha no fundo do copo.
    Levamos a bomba para uma pessoa experiente testar e segundo ele a bomba não tem problemas.
    Colocamos a bomba novamente no poço mas ela não funcionou. Minha mãe chamou um eletricista, ele checou tudo, a bomba funcionou e jogou água por 10 minutos mas depois parou, ele disse que não se trata de problema elétrico.
    Ontem um amigo meu que entende um pouco de cada coisa esteve lá no sítio e nos disse que o poço não tem água, que a bomba funciona enquanto tem água e depois para e que o poço está demorando para “gerar” mais água.
    Eu já estou apavorada, sem saber do que se trata, cada hora um fato novo. Antes era a água suja, depois a água limpou, porém, a bomba não mandava mais água. Este poço tem 2 anos e 8 meses, nunca faltou água, nem sequer na seca, será que realmente a água acabou? O que você me sugere? Esta mesma pessoa que analisou a bomba disse que cobra R$500,00 para dar uma limpeza no poço, agora se estiver mesmo sem água eu não sei se a limpeza resolveria o problema.
    Fico aguardando a sua sugestão.
    Muito obrigada.
    Karla

    • Olá, Karla. Bem-vinda de volta. Quando eu analiso casos como o seu, sempre me vem a ideia de que há privilegiados que conseguem água em poços artesianos…a 30 metros de profundidade! E eu tive de perfurar 150 metros para obter água…suja! Mas somos apenas espécie do mesmo gênero, Karla, galhos da mesma árvore. Estou passando a ter sérias dúvidas sobre o seu poço, em função da pequena profundidade. Qual é a sua região? Planalto, planície, montanha,litoral, sertão? Dependendo da região, o seu poço pode estar muito raso e ter secado, sim! Se for isso, não te resta nada mais de que perfurar mais. Fico aguardando suas respostas às minhas perguntas.
      Um abração.
      Abreu

  20. Boa noite Abreu e obrigado por responder. Temos sim condições de fazer uma análise, moramos em Alcobaça no Sul da Bahia, morava antes aí em Brasília. Moramos uns 300 metros da praia num condomínio. Temos um vizinho que tem um poço de 22 metros com o mesmo problema(ele usa cal para clarear a água), fiz com cal e deu certo, porém os cabelos e roupas igual pau rsrsr, por isso resolvemos não aprofundar o poço mais(mas se for o caso vamos aprofundar), não é perto de mangue , o terreno é arenoso, quando tiramos a água ela sai cristalina e depois vai escurecendo formando um óleo na superfície. Estamos com outras ideias de fazermos o tratamento em uma caixa antes de mandar para a principal, mas vamos tentar mais sem ter que fazer esse processo todo. Abraços Bruno.

    • OK, Bruno e Heloísa. Pela descrição, parece realmente ser excesso de ferro. Mas pode ter um pouco de manganês também. Façam a análise física, química e biológica da água. O preço deve ficar entre R$ 200,00 e R$ 300,00. Se for mais do que isso (já descobrimos aí no litoral laboratórios que cobram até R$ 2.400,00), voltem aqui que resolveremos de outra forma.E não mexam no poço antes do laudo, OK?
      Um abração.
      Abreu

  21. Boa noite Abreu. Meu marido Bruno e eu lemos todo o conteudo do blog e comentarios e achamos fantastica sua disposição em compartilhar sua experiencia!! Foi muito legal achar este blog pois as dicas sao valiosas! Analisamos, compramos o PHOSLAN, lavamos a caixa e iniciamos o tratamento hoje com 200 ml para o choque inicial. Nosso poço tem 6 metros, estamos na praia e a agua brota da areia. Temos medo de que o produto se disperse pelo terreno, ja que em todo lugar que furamos 3 metros brota agua rsrs mas iremos compartilhando as experiencias e recebendo mais sugestoes. Obrigada mesmo e parabens pela paciencia!

    • Olá, Heloísa. Bem-vinda ao blog. Que bom que nosso blog foi uma solução para vocês. Quanto à preocupação com poluição, não se preocupe: o produto está classificado na categoria de “alimentos”, por conseguinte, não poluente e biodegradável. Afinal, é a água que a gente bebe, não é?
      Um grande abraço.
      Abreu

      • Boa tarde Abreu, sou o Bruno marido da Heloisa. Lemos todo o conteúdo da sua saga( dá até um filme rsrs). Enfim, compramos o phoslan e estamos claro tendo um pouco de dificuldade em acertamos(natural), meu poço aqui tem 6 metros e fiz o cáculo de vazão d’água de 1.200 litros hora. Não tenho filtro, coloquei direto no poço,1º 40 ml, depois 80 ml, e por último( ontem) 120 ml.
        Permaneceu a mesma coloração. Existe um tempo para clarear a água? Será a areia? Se puder dar uma luz , vou ficar tentando aqui aumentado a dosagem( mas não sei se essa seria a solução), abraços.

        • Olá, Bruno. Bem-vindo ao blog. Um dos maiores problemas que temos aqui é a pressa das pessoas em comprar filtros, bombas dosadoras e o próprio produto, antes de sabermos com o que estamos lidando. Não sei qual a região em que vocês se encontram. Mas a sujeira da água pode ter muitas outras explicações que não sejam o excesso de ferro. Contaminação biológica, argila em suspensão, matéria orgânica em decomposição. E cada uma delas exige uma solução adequada. Pela profundidade do poço de vocês, podemos estar lidando com matéria orgânica misturada com argila em suspensão. Em tais casos, o filtro e um tratamento à base de cloro poderia resolver. O efeito do produto na água com excesso de ferro é imediato, mas partículas encapsuladas do metal têm de ser retiradas da água através de um filtro. Como a coloração não mudou, há duas opções: ou o filtro está fazendo falta, ou o problema não é excesso de ferro. Só a análise da água pode nos orientar. Vocês não têm condições de realizar a análise? Em que região do Brasil vocês estão? Os vizinhos têm o mesmo problema? É praia mesmo ou área de mangue ou várzea? Como vocês vêem, há algumas informações faltando que nos permitiriam ajudar melhor vocês. Vamos aguardar sua resposta para sugerirmos um plano de ataque ao problema. De pronto, no entanto, parem de aumentar a dosagem do produto. Não é por aí, está bem? Ficamos na espera.
          Um grande abraço.
          Abreu

  22. Bom dia Abreu, muitíssimo obrigada pela atenção. Ontem mesmo solicitei que fizessem o teste da água com o filtro de café, vamos ver o resultado. Irei adiar a manutenção por enquanto e talvez nem seja necessária, torço por isto. Irei verificar onde posso fazer a análise da água e irei providenciar também a manutenção da bomba porque um amigo que esteve no sítio me disse que a bomba está com problema em uma das fases de rotação.
    Assim que eu tiver feito a análise da água e da bomba, eu entro em contato.
    Muito obrigada.
    Karla

  23. Bom dia Abreu, parabéns pelo blog, é muito bom saber que ainda existem pessoas que se interessam em ajudar as outras.
    Estou com um problema que pelo que li no seu blog parece bastante comum.
    Furamos um poço semi artesiano há 2,5 anos, o poço tem se não me engano 26 ou 27 metros de profundidade. Inicialmente o poço demorou para limpar a água, saía uma água meio barrenta mas depois de uns dias a água limpou e não tivemos mais problemas. Infelizmente, depois de furado ouvi comentários de que a pessoa que efetuou o serviço é desonesta. Na época paguei R$6.000,00 pelo poço e o rapaz me informou que a manutenção era a cada 2 anos e custava R$500,00.
    Pois bem, agora depois de 2,5 anos a água do poço começou a sair barrenta, lavei um piso cerâmico com ela e tive que usar outra água para enxaguá-lo, parecia um barro amarelo, ao secar ficou um pó amarelado na cerâmica.
    Liguei para a empresa onde a pessoa que furou o poço trabalhava e só me encheram a cabeça falando que a pessoa é desonesta, que furou vários poços usando o nome da empresa mas que não trabalhava lá mais. Enfim, solicitei que fossem dar manutenção no poço e me informaram o valor de R$1.000,00. Ao chegarem lá, é um sítio que fica em Minas Gerais, me estressaram mais ainda, porque o compressor que levaram não funcionava com a energia de 110v que possuímos na zona rural, retiraram a bomba, testaram-a em uma caixa d’água, funcionou normalmente mas ao colocarem-a no poço ela não funcionou, falaram que a bomba não era própria para poços, enfim, foram embora sem realizar o serviço porque o compressor que levaram não funcionou e me falaram que perdi o poço, que eu teria que furar outro. Liguei para o fabricante da bomba que é Schneider e me informaram que a bomba é sim própria para poços subterraneos.
    Entrei em contato com uma empresa de BH para me informar melhor. Me falaram que a manutenção constitui em jogar produtos desincrustantes e desinfetantes no poço, deixar os produtos agirem e aspirar com um compressor a diesel que funciona através do caminhão, ou seja, não irão utilizar a minha bomba. A manuntenção vai durar 2 dias e me passaram o valor de R$2.000,00. Pedi garantia do serviço mas me disseram que não tem porque não foram eles quem furaram o poço. Uma outra empresa pediu para eu levar a bomba para análise do material que está dentro dela, que o poço pode estar esbarrancando e que ser for isto não tem solução. Já o rapaz da primeira empresa me sugeriu não deixar a bomba fora d’água porque as partículas podem secar e a bomba pode não mais girar.
    Irei fazer o teste da água com o filtro de café sugerido no seu blog mas fica aqui a minha pergunta, o que fazer? Em quem confiar? Será mesmo que está tudo perdido? Tenho receio de gastar todo este dinheiro com a manutenção e não ter resultado. Este problema iniciou após as chuvas. O poço nunca secou, tenho uma cisterna revestida com manilha na propriedade e nunca tive problemas, nunca secou e a água nunca sujou.
    Fico aguardando a sua sugestão antes de contratar uma empresa para manutenção. Acho também que vou fazer análise da água conforme sugerido no blog. A bomba voltou a funcionar, está dentro do poço mas a água infelizmente, não limpou e isto já fazem alguns dias.
    Muito obrigada.
    Karla

    • Olá, Karla. Bem-vinda ao blog e ao vale de lágrimas dos poços artesianos de água suja. Essa sua situação acumula todas circunstâncias, desrespeitos, desleixo, incompetência, petulância e soberba da maioria das empresas do ramo e justifica toda a nossa luta e nossa revolta com essa situação, compartilhadas com tantas centenas de pessoas aqui no blog. Antes de qualquer coisa, nossa orientação é no sentido de que você faça a análise da água, porque é a única forma de conhecermos a verdadeira natureza do problema. E quem sabe qual é o problema já tem metade da solução. Temos batido sistematicamente aqui na tecla: não gaste seu rico dinheirinho antes de fazer a análise da água. Agora, Karla, independentemente das ações a seu cargo, vamos analisar essas propostas de “manutenção”. Que história é essa, Karla? Um poço artesiano correto funciona anos e anos, com manutenção apenas e eventualmente da bomba. Para se ter uma ideia, visitei uma vez uma fazenda, onde a bomba iria ser retirada do poço. Quanto o cabo que prende a bomba começou a sair, estava tão rígido quanto o cano. E assim continuou até o final. Disse-me o proprietário: -“Esse cabo e essa bomba estão aí há 25 anos!”. Então, esse negócio de manutenção a cada 2 anos ou a cada 6 meses, com esse custo altíssimo, é altamente discutível. Meu próprio poço, perfurado em 2007, ou seja, a 09 anos, com todos os seus problemas que tentamos resolver, nunca recebeu visita do pessoal para “manutenção”. Isso fica para a bomba e a caixa d´água. O resto é com a gente mesmo. Ficamos então no aguardo de suas notícias, Karla, particularmente no que respeita à análise química, física e biológica da água: estamos do seu lado.
      Um grande abraço.
      Abreu
      Abreu

  24. Prezados visitantes deste maravilhoso Blog.

    Desculpe a todos, pois fique re relatar os resultados obtidos com meus testes e por esquecimento e por ter solucionado meu problema acabei afastando do blog, que por sinal muito bem administrado pelo nosso caro Abreu.
    Voltando ao assunto do ortopolifosfato, não tenho usado mais, pois o meu uso e para consumo usual da residência e uma vez que esta água que vai pra caixa não passa por nenhum processo de oxidação química (cloro), acaba por não apresentar maiores problemas de coloração,
    Como disse anteriormente, não efetuei nenhuma analise físico-química da água, mas por experiencia tenho notado um certo volume de ferro e dureza total, pois tenho que limpar meu chuveiro constantemente. vejo que pelo teor de ferro o ortopolifosfato não resolveu meu problema, mas ajudou bastante para evitar incrustações (alto teor de cálcio).
    Quanto ao problema da piscina de fibra, continuo com o problema quando oxido a água (adicionando cloro), mesmo que na dosagem recomendada para piscina (3ppm). Como sei que esta água vai amarelar e teoricamente manchar a piscina, então faço uma cloração de choque, adicionando um volume maior de cloro(10 gramas por metro cubico de água), para que desta forma ocorra uma oxidação total, adiciono também um auxiliar de filtração (GENFLOC), deixo decantar de um dia para outro e faço a aspiração da parte decantada, eliminando desta forma uma boa parte do problema. Ainda assim a água permanece com um tom amarelado, então começo a filtrar (filtro comum de areia), após umas 3 horas de filtração já esta praticamente cristalina.
    Como a fibra acaba ficando um pouco amarelada, aí sim, entro com o Ácido Ascórbico(Vitamina C), que dependendo da tonalidade desta, adiciono o volume de 4 (quatro) gramas por metro cubico. Parece milagre foi embora todo a coloração, inclusive as que estavam incrustadas na fibra.
    Evidentemente que cada caso e especifico, mas com testes em menor escala dar para cada um determinar o volume necessário, tipo encha uma garrafa pet adicione o cloro para oxidar depois adicione uma pitada de acido ascórbico para ver o resultado.
    Não sou químico nem algo do gênero, porem tenho certeza de que o ferro não é eliminado e sim tornando-o na forma insolúvel (fe2).
    Se fosse possível, adicionaria um vídeo da reação.
    Espero ter ajudado, pricipalmente aos que sofrem com o mesmo problema em piscinas.
    Abraços a todos.
    Tenham todos uma Feliz Pascoa!!!!, que Cristo renasça em seus corações.

    • Olá, Gilberto. Bem-vindo de volta e obrigado por completar o relato de sua experiência, que para nós abre um cenário totalmente novo na gama de problemas que por aqui aparecem. Há uma enorme sofisticação em relação às questões que vínhamos discutindo neste blog, mas está indiscutivelmente ligado ao tema “Poço Artesiano de Água Suja”. Já houve discussões por aqui sobre esse tema específico. O Kiko Fialho, por exemplo, postou em maio de 2015:
      kiko fialho
      Enviado em 17/05/2015 as 23:51
      olá abreu o phoslan é um produto a base de ortopolifosfato e sei que aqui no sul a quimisa vende a embalagem menor a 450 reais que é de 30 kg mas se vc descobrir quem vende o produto base que é o ortopolifosfato acho que o preço cai bastante abços”.
      Ou seja, o ortopolifosfato já havia dado as caras por aqui. Por outro lado, acredito em sua tese, ou seja, de que o produto insolubiliza o ferro. Mas, isso não seria suficiente: mesmo o ferro insolúvel entraria em reação química com o oxigênio e produziria a oxidação (ferrrugem) que amarela a água. Assim, acho que o Phoslan tem algum pulo do gato além do ortopolifosfato, que, além de insolubilizar, quela o metal e bloqueia a oxidação.
      Mais uma vez, obrigado retornar e dividir conosco sua experiência.
      Um grande abraço.
      Abreu
      Abreu

  25. Bom dia Abreu, parabéns pelo blog. Resido em Recife e fiz o depósito de pagamento do phoslan no dia 10/03/2016 e até agora o pedido não foi despachado. Rafael disse que ia contactar com uma empresa para entrega e a mesma ia enviar o boleto para o pagamento. Essa demora, é normal?????
    Um abraço!
    Everaldo Alves

    • Olá, Everaldo. Bem-vindo ao blog. É normal, sim, Everaldo. A escolha das transportadoras e as providências para remessa costumam demorar um pouco. Mas deixe que exagerem, oK. Se se agoniar, volte aqui e vamos ver o que está acontecendo.
      Um abraço.
      Abreu

  26. Dúvida. Não preciso de bomba porque meu poço jorra (o cano tem 40cm acima do chão), você tem ideia de como coloco o produto? Te pergunto porque quero que a água chegue no reservatório pronta pra uso.

    • Paula, essa para nós é absolutamente nova. O seu poço jorra. Você é uma privilegiada. Não precisa de bomba para trazer a água à superfície. Mas esse jorro leva a água até à caixa? E a quantos metros de altura está a caixa?
      Abreu

      • Oi… acredito que o poço jorre porque estou na beira do mar (literalmente… o poço fica a 40m do mar). Vamos lá: a primeira caixa de 3.000 L fica no chão (1,5m de altura), depois vai pra caixa principal por bomba (8m de altura), tenho esta caixa do chão como reservatório… Quando furei o poço, fiz o teste pra ver se chegava lá (com mangueira mesmo) e enche… então decidi encanar. O que eu gostaria mesmo é de tratar a água diretamente no poço, pra já chegar limpa no reservatório. Aha que existe esta possibilidade? Grata

  27. Obrigada por vocês existirem…. tenho um poço há 4 meses e só consegui fazer a análise da água há 8 dias… e deu excesso de ferro… li o texto todo e me vi na situação em vários momentos e vou começar a fazer os testes com o produto. Parabéns e grata novamente

    • Olá, Paula. Bem-vinda ao blog. Você poderia ficar na moita, resolver seu problema e silenciar. Mas resolveu vir aqui para expor sua vivência nessa questão e até admitir seus equívocos, como demorar a fazer a análise da água. Você não imagina o efeito que isso causa em dezenas de pessoas que passam pelo blog, não fazem comentários e apenas observam de longe, às vezes achando que estamos falando bobagem por aqui. Obrigado de verdade, Paula. Você não apenas nos ajudou, mas também a muitas pessoas que estavam hesitando em fazer a coisa certa.
      Um forte abraço.
      Abreu

  28. Amigos,

    Preciso da ajuda dos senhores!!!

    Me mudei agora para uma casa com agua de poço (15 metros com bomba simples externa), a potabilidade da água diz que ele é ótima, porém sempre sai do poço com um cheiro de ovo podre, ainda mais quando chove, minha esposa está quase separando de mim, já tentei cloro de piscina, dura somente dois dias, já tentei pedra de enxofre na caixa d’agua, a unica coisa que ainda não fiz foi comprar o produto que você diz e aplicar no poço, minha dúvida é se esse produto irá eliminar esse cheiro, pois no que pesquisei a origem do cheiro seria o sulfeto de hidrogênio. Consegue me ajudar nesse caso?

  29. Olá expressaodaliberdade

    Fabricamos e comercializamos toda a linha de Equipamentos Magneticos
    Para Separação Ferrosa, Fixação ou Movimentação
    Prestamos manutenção em equipamentos de qualquer fabricante
    Locamos equipamentos magnéticos
    Efetuamos medições e emitimos Laudos de Certificação Magnética
    Desenvolvemos projetos e equipamentos sob medida
    Comercializamos imãs em geral

    Consulte nosso site
    http://www.ekkoll.com.br

    11 4765-6662
    Um grande abraço
    Marisa Garcia

    • Olá, Marisa. Bem-vindos ao blog. Como você deve ter percebido, temos pleno interesse na presença aqui de empresas que tenham conexão com esse problema coletivo, que intitulamos “Poço Artesiano de Água Suja”. A abertura desse espaço em nosso blog deveu-se exatamente ao silêncio dos CNPJ em relação ao assunto. Nossa única alternativa foi colocar os CPF para falarem. Mas a capacidade de uma pessoa jurídica do ramo participar das discussões e oferecer soluções é infinitamente maior. Por isso, nossas boas-vindas.
      Um grande abraço.
      Abreu

  30. Bom dia companheiro! Meu poço artesiano tem 22 mt de profundidade, tenho uma bomba caneta potente, coloquei um filtro com vazão de 4000l/h, e mesmo assim a agua sai suja, bastante limpa e a pouca que sai suja atrapalha tudo, tenho vizinhos que tem poço e a agua deles sai limpa, não entendo, se for ferro e grande quantidade teria que ter no poço deles também não, tem alguma dica, grato.

    • Olá, Evandro. Bem-vindo ao blog. O seu poço tem 22 metros, mas onde está a bomba? Se ela estiver perto demais do fundo, cada vez que ela funcionar vai revolucionar a água e levantar a lama do fundo e essa lama vai sujar a água limpa que está na caixa. Você diz que o filtro tem uma vazão de 4.000 litros por hora, mas não diz qual a vazão da bomba nem do poço. Acho dificílimo que um poço de 22 metros entregue 4.000 litros por hora, ou 96.000 litros por dia. Então, Evandro, vamos ter de começar do começo. Quando a gente liga a bomba,a água dos primeiros 5 segundos é suja. Depois, fica limpa, durante aproximadamente 40 segundos, depois suja de novo. Tudo está descrito no post. Se o seu caso for esse, a solução é controlar a subida da água e só liberar para caixa depois que esses dois momentos de “água suja” forem descartados. Independentemente de tudo isso, vem a questão principal: você fez a análise da água? Dê notícias.
      Um grande abraço.
      Abreu

  31. Bom dia Abreu !

    Amigo voce conseguiu examinar a análise da minha água ?
    Obrigado

    • Olá, Claus. Estávamos estudando esse seu caso. Nada faz sentido. O alto nível de coliformes totais não nos incomoda, porque são fruto da decomposição orgânica de vegetais, o que é absolutamente normal. Não há contaminação, por exemplo, por coliformes fecais. A turbidez excessiva, que reprova o poço, é apenas a constatação laboratorial daquilo que você vê a olho nu, ou seja, a água está turva, barrenta. Então, Claus, voltamos a bater na mesma tecla: pare de jogar dinheiro fora, suspenda a aplicação do produto Phoslan, deixe o poço retomar sua configuração original, o que pode levar entre uma e três semanas. Depois disso, refaça a análise da água. Vamos recomeçar. Do zero. Do jeito que está, só resultará irritação, perplexidade, depressão e gastos. Pode ser assim?
      Um abração.
      Abreu

      • Sem problemas meu amigo ! voce quem manda rs
        vou fazer o que me recomendou
        mais uma vez muito obrigado

  32. Olá bom dia, estou com problema no meu poço, a mais de doi meses furei um poço de 18 mts em minha residência, mas no momento de colocar a brita o proficional não conseguiu colocar a brita, e a minha agua não limpa, sai barrenta demais, o que devo fazer para essa agua limpar?

    • Olá, Sérgio. Bem-vindo ao blog. Não consigo entender por que ele não conseguiu colocar a brita. A rigor, a brita poderia ser colocada a qualquer momento, bastando retirar a bomba. O papel da brita não é exatamente filtrar a água, mas impedir que, ao funcionar, a bomba revolucione a lona do fundo do poço. De qualquer modo, ressalvada a hipótese de eu estar enganado quanto ao tipo de poço, a solução será drenar sistematicamente a água do poço junto com o barro, até que o “estoque” de lama no fundo seja eliminado. Dê notícias.
      Um grande abraço.
      Abreu

  33. Bom dia e parabens pelo BLOG,
    é dificil achar informações na internet ,
    tinha um poço de 43 mts semi arteziano, mas usava uma bomba vibratoria fraca 380 watts da anauger
    certo dia a mesma paraou de funcionar e tentei tirala , mas não consegui ,ela ficou la em baixo
    provavelmente vitima de um soterramento , pois medi o poço e agora ele tem 37 mts ,
    conversei com os vendedore e os mesmos me alertaram que se colocasse outra bomba vibratoria perderia o poço
    poi o mesmo poderia soterrar de novo, então sem muitas opçoes e nada entre uma bomba giratoria e a outra vibratoria,entao resolvi investir e comprei uma bomba de 1,5 clv de 5100 litros por hora ,mas a agua esta muito bem
    com areia, e amarelada , a minha pergunta é , o poçeiro deixou a bomba a 50 cm do soterramento,e estou diminuindo a vazão por registro ate achar a melhor combinação agua limpa e produção do poço,
    posso levantar mais um metro esta bomba e regular para entrar pouca agua na caixa ,para evitar que a mesma
    saia com areia , ou por ter colocado a bomba esta semana a areia vai se assentar , e não terei masi problemas
    estou na região de Bauru são paulo.
    comprei, esta chacara faz 6 meses , com a bomba anterior a agua saia cristalina , pois a vazao era bem meno,
    antigamente a caixa de 1000 litros demorava 3 horas para encher , agora a mesma enche em 20 minutos,
    mesmo regulando o registro,
    não sei se fui bem claro, antecipo meus agradecimentos antecipados ,

    parabens , pelo BLOG, o trabalho de voces e maravilhoso, abraço.

    • Olá, Aldemir. Bem-vindo ao blog. Pelo menos uma coisa você pode festejar: sua água propriamente dita não parece ter problemas, que é o grande mal que assola este blog – água suja. Possivelmente, a esta altura, o seu problema já deve ter-se resolvido, porque você fez tudo certo. O que é importante é fazer os diversos testes para definir a vazão, até achar a combinação adequada, como você próprio disse. Só me ocorrem duas observações. A primeira, é de que as bombas do tipo que você comprou, embora especifiquem uma vazão nominal (5.100 litros por hora, no seu caso), têm na verdade uma curva de vazões, que depende da diferença de altura entre a posição da bomba e a altura da caixa. Essa curva especifica uma vazão mínima (normalmente 300 litros por hora) e uma máxima (provavelmente de 6.000 litros por hora, no seu caso). Essas informações estão no manual da bomba. Não se deve ultrapassar nem o limite mínimo nem o máximo, para a bomba trabalhar confortavelmente. Assim, se você precisar de suspender a bomba mais um metro ou dois, você estará diminuindo a diferença de altura para a bomba e aumentando a vazão (quanto mais próxima da bomba a caixa, menos força a bomba faz e maior a vazão). Nesse caso, não se esqueça de compensar o aumento da vazão com o registro, OK? A segunda observação é que você já está com a vazão muito baixa, cerca de 330 litros por hora. É preciso ver se essa vazão está dentro da curva de desempenho constante do manual de sua bomba. Se estiver abaixo da mínima…é melhor você retornar aqui para trocarmos ideias sobre como resolver isso. Mas acho que vai dar tudo certo e você já deve ter voltado a ter água limpa.
      Um grande abraço.
      Abreu

  34. Boa noite Abreu !!!

    Venho mais uma vez pedir ajuda , por que estou ficando louco com essa agua amarela que não me dá tregua,
    Comprei o Pholsan ,e como e comprei um filtro pela internet da Pentair para poços artesianos de alta vazão ( acima de 3000 litros por hora), R$ 880,00 com frete ,apliquei o produto 50 ml e a agua ficou cristalina , dei pulos de alegria , levei a a amostra para o laboratorio (R$ 270,00 quinze dias para sair o resultado ) ainda não saiu, instalei o filtro , esvaziei a caixa taça de 15000 lavei por dentro (trabalho para maluco !!!) e agua cristalina , apesar do gosto de lodo por……apenas 24 horas , depois amarela de nv , pensei .Estou colocando pouco produto coloquei mais 50 ml e …agua cristalina e 24 horas depois amarela, aumentei mais 20ml do produto e como o ferro tinha manchado toda minha piscina de fibra , comprei um kit de pintura e pintei toda a piscina ( outro serviço para maluco sob o sol do verão Goiano) mais R$ 400,00 ficou linda , não deixei nem a agua passar pela caixa tirei do filtro direto para piscina , nas primeiras horas queria tirar fotos e mandar pros meus filhos de tão linda que estava , caiu a noite e na manhã seguinte os produtos que coloqueipara decantar a água fizeram efeito e a agua que estava cristalina ficou vermela !!! isso mesmo vermelha , e a agua continua ficando amarela , será que meu filtro não presta ? será que estou colocando a dosagem certa de Pholsan? ou será que apesar de ler todos os comentarios e sua saga para conseguir agua inodora e incolor , tomei tanta agua com ferro que enferrujou meus neuronios e estou fazendo tudo errado e só jogando tempo e dinheiro fora!!! companheiro me dê uma LUZ. Obrigado

    • fiquei uns 30 dias jogando, a cada semana, 50ml direto na boca do poço. nao resolveu. um belo dia joguei de uma so vez 200 ml e nas semanas seguintes passei a jogar so 50ml. E nao eh que ja tem quase um mes que a agua sai cristalina. Acredita que devido as cavernas subterraneas existentes não é possivel calcular a dose certa do produto. Todavia iniciar o tratamento com uma dose um pouco a mais faz diminuir a chateação que esse tipo de agua nos faz passar. Sobre o carvao ativado comprei o litro a R$ 10,00 pela internet (mercado livre). Não é o mais indicado porque a granulometria nao passa de 4mm, e o ideal seria uma mistura de 3 a 8mm. Mas ta filtrando legal. Faço a mistura do phoslan com 20 litros de agua e imediatamente jogo na boca do poço

      • Olá, Roberto. Bem-vindo ao blog. Eu acho maravilhoso esse processo de as pessoas virem ao blog para trazer sua própria experiência. No seu caso particular, uma experiência enriquecedora para nós. Observe que, em nossas experiências de eliminação da bomba dosadora, iniciamos colocando 200 ml do produto por mês. Depois, decidimos aumentar a frequência e reduzir a quantidade, que passou a 50 ml por semana. Só que não registramos o efeito cumulativo produzido pela pancada inicial dos 200 ml, o que você brilhantemente identificou agora. Vamos adotar sua rotina em nossas orientações básicas para casos similares. Muito obrigado pela disposição de vir aqui e dividir essa importante informação.
        Um forte abraço.
        Abreu

    • Olá, Claus. Normalmente aqui no blog orientamos as pessoas a fazerem o exame da água antes de fazer qualquer investimento, pois a há risco de perder dinheiro. Parece que esse foi o seu caso. A análise da água fatalmente irá mostrar que, além do ferro, algum outro metal pode estar diluído em excesso nela. Manganês, por exemplo. Então, a maneira correta de enfrentar o seu problema é tirar a mão do bolso e aguardar o resultado da análise que você mandou fazer.Outra coisa: a análise deve ser feita ANTES do tratamento, para que você saiba qual a quantidade excessiva do ferro ou qualquer outro mineral na água original. Como você tratou o ferro e depois tirou a amostra, provavelmente o teor de ferro aparecerá baixo. Não se engane com isso: o teor é alto. Por outro lado, o outro elemento que esteja com teor excessivo vai aparecer com mais facilidade. Diante do resultado e identificado o material que está produzindo esse efeito, além do ferro, teremos que procurar uma solução específica para ele. Aguardamos o seu retorno com o resultado, OK?
      Um grande abraço.
      Abreu

      • Olá abreu !! espero que tenha tido um otimo carnaval com sua familia.
        Concordo com tudo que voce falou , mas na agonia de ver o problema resovido acabamos trocando mesmo os pés pelas maos.e fiz o exame da áqua depois de ter colocado o pholsan e os resultados foram os seguintes:
        -parametros microbiologicos:
        procedimentos métodos unid lim de quantificação resul vmp
        coliformes totais/smeww 22ªed2012 9221-E2 /nmp/1.0 npm/100ml / 1,0 / ausencia-reprov
        coliformes termotolerantes/ ” ” ” ” ” /nmp/1.0 npm/100ml /ausencia/ausencia -aprova

        Parâmetros fisico-quimicos
        cloretos /smeww 22ªed2012.4500ci-g /mg/l/1,0 mg/litro /2,640/ 250 -aprova
        cor aparente /smeww 22ªed2012,210B / 1UH / 6,0 / 15 -aprova
        dureza total /USEPA 3015 A,SMEWW2340B/mg/l/1,0mg/litro / 32,5/ 500 -aprova
        ferro total /USEPA 3015 A,SMEWW3120B/mg/l/ 0,01mg/litro /0,030/ 0,30 -aprova
        nitrogênio nitrato/SMARTCHEN-(1-naphthyll) /mg/l/ 0,01 mg/litro /0,196/ 10 -aprova
        ph em água / smeww 22ªed2012.4500h+ /sem unidade/0 a 14 /6,0 / 6,0 a 9,5 -aprova
        turbidez /smeww 22ª ed 2012,2130b /NUT / 0,05 NUT/24,6/ 5,00 -reprova

        Agora o que acha que deveria fazer ? retirar uma amostra sem Pholsan? tocar meu filtro porque ele ainda esta deixando passar moleculas de ferro que mesmo em número reduzido ainda fazem um estrago gigastesco na agua ?
        Amigo conto com sua ajuda e desta fez vou seguir as recomendações sem precipitar-me
        Grande abraço

  35. Oi,estava passando e vi esse bolg;levada pela necessidade de ter uma agua limpoinha e cristalina.Eu não entendo nada de poços artesianos,por isso e por outras que aqui peço ajuda.Tenho um poço de 80 m.de profundidade tinha a agua boa mas foi construida uma barragem aqui perto e desgraçou a agua do poço pois ele fica bem proximo pra não dizer dentro da agua represada .A água de enxurrada é puro barro e é essa agua que sai do meu poço artesiano agora Não sei o q fazer só sei q preciso de ajuda pra limpar essa agua o que me indicam?obg desde já.

    • Olá, Ana Nara. Bem-vinda ao blog. Não vou pedir para que você fique calma, porque se eu estivesse no seu lugar, estaria nervoso. É um problema de difícil E vence quem está em cima. A água da represa é suja, a água do seu poco é limpa. Resultado: a água da represa sujará a água do seu poço, até que ela deixe de ser suja. E ela será sempre suja, porque recebe água suja do rio que a abastece. Há uma possibilidade? Sim: revestir seu poço até lá embaixo, onde vocẽ pega água limpa. Quanto custa? Acho que o revestimento de 80 metros hoje poderia custar cerca de R$ 8.000,00. Daria certo? Só fazendo. Garantia? Nenhuma. É assim a vida por aqui, Ana. Incertezas, decisões, erros e acertos. E algumas alegrias. Volte, se precisar.
      Um grande abraço.
      Abreu

  36. Caro Abreu,
    Seria possível você nos passar o modelo do filtro que você utiliza, é que andei pesquisando e vim que há uma infinidade de opções no mercado, e como sua experiência tem sido positiva, pensei em adquirir o mesmo modelo e a mesma marca, afinal, em time que está ganhando, mexer para que!
    Abraço.

    • Olá, Honofre. O filtro é o Filtro Central Residencial de 1.000 litros por hora RE.1000. No momento, o Mundo dos Filtros não o tem em estoque. Mas na própria Filtrali, a fabricante, você deve encontrá-lo. Quanto ao prazo de validade do produto, o primeiro que comprei em 2009, venceu em 2011 e, como a embalagem era de 30 litros, foi utilizado até agosto de 2015 sem qualquer alteração na funcionalidade. Então, fique esperto aí: como outros produtos, os fabricantes são muito preocupados em evitar a venda de produtos sem eficácia em função do tempo. Às vezes, até preocupados demais. Este parece ser o caso presente. Não jogue fora o produto depois de vencido, mas apenas quando verificar que sua eficácia diminui, o que não constatei nem depois de 4 anos de vencido! Para sua informação, o exército americano estoca MEDICAMENTOS com até 7 anos de vencidos e com eficácia total comprovada.
      Um abração.
      Abreu

      • Valeu Abreu,
        Vou dar uma pesquisada aqui no filtro, e entendi as considerações sobre a validade do produto.
        Abraço
        Honofre

  37. Caro Abreu,
    Recebi o Phoslan essa semana e queria confirmação sobre a data de validade do produto com você. Entendi que a validade desse produto era de três anos, mas o que recebi veio com validade de apenas um ano, é isso mesmo?
    Abraço.

    • Olá, Gustavo. Bem-vindo ao blog. Você pode adquirir o produto diretamente no site do fabricante: http://www.systemmud.com.br. Não se esqueça de pedir a menor embalagem possível. A primeira que eu comprei era de 30 litros e a última, de 5 litros. Eles entregam por transportadora rodoviária e a entrega é bastante rápida.
      Um grande abraço.
      Abreu

  38. Boa noite! Meu caro Abreu, estou aguardando o resultado do teste que o Gilberto Carvalho postou em 24/11/2015, quando mesmo relatou que fez a experiência adicionando o ácido arcóbico na água para eliminar o ferro e manganês. Será que funciona mesmo?

    Um abraço.

  39. Olá…. Tenho um poço artesiano, mas junta muita sujeira na minha caixa d’agua. Parece lodo com barro, já entupiu o chuveiro muitas vezes. Fica manchado o vaso também. Ainda não fiz análise da água, o que me sugere a fazer primeiro?

  40. Caro Abreu, quando você diz que devo calcular meu consumo mensal, veja se seria isso: meu consumo diário é cerca de 1000 litros, o que daria 30.000 litros mensais. Neste caso devo começar com 30 ml de Phoslan (três seringas de 10ml). Pergunta: Devo aplicar os 30ml ao final de cada mês ou dividir a quantidade mensal nas quatro semanas, aplicando 7,5ml ao final de cada semana? Aguardo sua dica, porque confesso que fiquei na dúvida da periodicidade de ministração do produto. Grande abraço.

    • Olá, Honofre. Inicialmente fiz a experiência com aplicação mensal. Posteriormente, entretanto, achei mais eficaz fazê-la semanalmente. Sugiro que você faça a aplicação semanal dos 7,5 ml – você terá condições de acompanhar melhor os resultados e fazer correções se necessário.
      Um abração.
      Abreu

  41. Bom dia Abreu !!

    Venho acompanhado a saga do poço de agua com ferro , e também estou na mesma condição , gastei uma fortuna com o poço e agora preciso corrigir os niveis de minerais da água , já fiz o pedido do Pholsan , mas fiquei com uma dúvida , e peço desculpa se ela for repetida , mas terei que comprar um filtro para colocar entre o poço e minha caixa taça de 15000 litros , ou posso simplesmente calcular a vazão e colocar o pholsan no poço com uma mangueira de nivel com um peso?
    Muito obrigado e parabens pelo blog

    • Olá, Claus. Bem-vindo ao blog. Nesse conjunto de experiências que temos acumulado aqui, uma verdade sobressai: cada poço é uma história e uma solução. Mas, de modo geral, o uso do produto encapsula as moléculas, mas elas têm de ser descartadas. Não podem ser encaminhadas para a caixa e consumidas, porque são ferro puro. E quem faz esse descarte é o filtro: ele segura as partículas encapsuladas e, na retrolavagem, joga-as fora. O cálculo do consumo tanto serve para quantificar o produto a ser aplicado, quando para definir o tamanho (e o preço) do filtro. Quanto à ideia da mangueira, como já disse antes, acho uma possibilidade inteligente. Espero que funcione.
      Um grande abraço.
      Abreu

      • Boa noite Abreu !!!

        Muito obrigado pela resposta , mas lá vou eu explorar voces mais um pouco
        Enquanto espero ansiosamente o Pholsan chegar de BH e agora que sei que terei que comprar o filtro para reter as moleculas, surgiu outra dúvida,Meu poço tem uma vazão de 3.750 litros por hora a Empresa Pentair tem um filtro especifico para poço artesiano por R$ 522,00 e no Wall Mart tem um filro de piscina da marca Veico (nunca ouvi falar ) para uma vazão de 34000 ou 4.20 m cubicos /hora por R$ 348,00 . Esse de piscina também serve ou seria uma economia que ficaria mais caro depois? ou nem um dos dois irá servir? Help

        • Bom dia Abreu !!

          Esta de volta? te envei uma pergunta sobre filtros , mas acabei comprando o da Pantair alta vazão , agora tenho outra dúvida , depois da aplicação de Pholsan em quanto tempo ele reage com a agua , tenho que esperar? ou posso imediatamente bombear a agua para o filtro? Muito obrigado amigo

          • Olá, Claus. Eu respondi seu comentário, embora avisando que o filtro que nós indicamos está em falta no Mundo dos Filtros. Quanto ao produto, o efeito é imediato, quase como se fosse uma correntes elétrica. Não se esqueça de esvaziar toda a tubulação e a caixa antes de iniciar o tratamento.
            Um forte abraço.
            Abreu

  42. Itiro…Eu sou da regiao de Sarapui-sp….fica entre sorocaba e itapetininga…Tenho um poco semi com 70mts de prof…
    Aqui na minha regiao as terras sao super arenosas ou entao areiosas…..Hora que ligo a minha bomba..uns 15 minutos sai limpo depois comeca a sair com muita areia suja esperar+15 min…para sair limpo novamente., se ficar 1semana sem funcionar agua sai bastante areia…tem que ficar 2horas ligada direto para sair limpo novamente, no caso de epoca chuvosa as fica pior….Eu medi deu 45 mts de agua…essa areia esta me encomodando eu uso muito para pulverizar meu pomar…..tenho que deixar num tanque de 4000 litros e repousar uns 2dias..para que a areia se assente no fundo do tanque….para retirar posteriormente….para nao entupir o filtro da bomba jacto…Sera que tem uma solucao pra acabar com as areia na agua?

    • Olá, Auro. Bem-vindo ao blog. Lamentavelmente, desconheço qualquer situação parecida com a sua. Nunca apareceu por aqui nada nem perto de se parecer com isso. Poderíamos formular algumas hipóteses de trabalho, construir algumas ideias a respeito. Mas seria intelectualmente desonesto com você se alimentássemos alguma esperança de que aqui, neste blog, no conjunto de experiências aqui depositado, estaria a resposta para suas angústias. Não, Auro. Não temos. Lamento. Mas conte conosco se quiser trocar ideias: afinal, você detém a maior experiência sobre o problema. Volte tantas vezes quantas achar conveniente, nós estaremos aqui e discutiremos com você tudo o que você quiser debater.
      Um grande abraço.
      Abreu

    • Caro Abreu, peço licença para perguntar ao Auro Itiro, se ele já pensou em captar a água mais acima do ponto em que a bomba está localizada no poço, suspendendo-a de dois em dois metros até encontrar o ponto de água limpa. Penso que por ser formada de elementos relativamente pesados, é possível que essa areia não consiga se manter suspensa em zonas mais elevadas do poço e quem sabe ele encontre um ponto que não lhe prejudique a carga de água que necessita captar diariamente.

  43. Abreu, realmente ,, até hoje não fiz analise da água, pois o lugar mais próximo fica 200 km distancia.
    e o valor da analise fica em torno de R$120,00. Tenho que fazer esta viagem pra levar pessoalmente.
    Deixa assim que eu conseguir , me ajeitar … levo e faço esta analise.. .. e te conto o resultado.

    Pedro

    Agora ,,, realmente já fiz teste comigo mesmo … deixei de tomar desta água as aftas voltaram um monte, e comecei a usar as aftas sumiram…. não sei se a água cura ou é coincidência ,,,tem uns 15 dias meu vizinho sofreu um acidente de carro … teve vários machucado no corpo … e ele tem buscado água la em casa e me disse que esta sendo muito bom, ele esta usando no banho e esta bebendo dela.

  44. Bom dia, a todos

    Abreu, descobri uma coisa no meu poço ,,, minha agua sai clara e com o passar do tempo fica amarelada …
    Agora q eu descobri ,, que a agua tem um poder grande de curar … cicatrizar machucados, AFTAS ,,, FRIEIRAS … MACHUCADO NO CORPO..Eu tinha muita aftas na boca e comecei regularmente usar a agua. Tem muito tempo que ñ tenho aftas ,, e eu cair de moto e ralei meus braços e pernas ,, e comecei a usar mais frequentes a agua ,,,RAPIDINHO … AS FERIDAS SUMIRAM … estou muito contente .. com a minha agua ….. PEDRO

    • Olá, Pedro. Bem-vindo de volta. Então, você acha que descobriu uma fonte de água curativa? Parabéns, mas você continua me devendo a análise da água, para que você tenha segurança. Afinal, a água pode curar aftas ao mesmo tempo em que, por excesso de ferro, eleve os níveis de ferritina, o que traz uma série de complicações para a saúde. Não se esqueça do pessoal do Césio-137 de Goiânia: eles achavam que era um negócio muito bom. E não era. Fico no aguardo, está bem?
      Um abração.
      Abreu

  45. Bom dia Abreu!
    Gostaria de saber como vc joga o phoslan diretamente no poço? se antes adiciona em agua para que não fique grudado nas paredes internas ou é através de sistema canalizado. dsde já agradeço

    • Olá, Roberto. Bem-vindo ao blog.Sua pergunta é muito interessante, porque, quando comecei a experiência, calculei aproximadamente 200 ml do produto por mês aplicados de uma vez, também mensalmente, jogados diretamente na boca do poço. Em função da quantidade, não me preocupei com o aspecto que agora você levanta. Posteriormente, dividi a quantidade em 50 ml semanais – e continuei jogando tudo na boca do poço. Teoricamente, eu deveria estar desperdiçando o produto. Mas como a experiência deu certo e não tive mais problema com a água suja, a explicação pode estar no fato de que o produto não é tão volátil assim, até porque é bastante denso. Então, possivelmente grande parte da dosagem deve ficar grudada nas paredes internas, como você suspeita. Mas na hora em que a bomba é acionada e a água alcança essas paredes, o produto age sobre todo o poço e a coisa funciona. Não pretendo diluir em água: a ação química desse produto é semelhante a uma corrente elétrica, percorrendo em segundos grandes quantidades de água e eu não sei qual seria o efeito se eu provocasse essa reação inicialmente apenas numa pequena quantidade de água para depois tentar repetí-la no grande volume. Mas gostei muito da sua ideia de canalizá-lo. Usarei uma mangueira de diâmetro mínimo (de soro), com 21 metros (profundidade estática) e aplicar o produto na mangueira com um êmbolo (seringa). Acho que vai dar certo e me proporcionar uma substancial redução no consumo do produto. Darei notícias.
      Um grande abraço.
      Abreu

      • Obrigado pela resposta Abreu. Levantei tal questionamento pelo fato da agua do meu poço encontrar-se a 30 metros de profundidade. Imaginei que jogando o produto diretamente no poço não iria chegar ate a agua. Entao decidi por adicionar 50ml em 20 litros dagua e jogar. Porem aço isso há umas quatro semanas mas o resultado ainda não é satisfatório. O que esta acontecendo é que a cada semanda a agua muda de cor. Ultimamente esta verde rss. Já foi foi cor de lama e amarela. Acredito que deve ser a dose do produto que ainda não foi ajustada ou é devido a mistura que estava fazendo com antecedência. Outro fato que também deve ser a causa é porque eu tiro a agua do poço com um compressor e isso faz com que a agua tenha contato com oxigengio no fundo do poço. Essa semana vou jogar o phoslan sem misturar com agua. Vou pegar um vasilhame de 200ml e adicionar 50ml de phoslan. No fundo desse desse vasilhame vou amarrar um peso de aproximadamente 500g. Vou amarar o vasilhame em uma corda e descer o mesmo ate o fundo do poço. La embaixo o produto devera misturar com a agua. No meu caso eu posso fazer isso porque os tubos que são ligados ao compressor são fáceis de serem removidos. Em dez minutos é possível fazer isso tudo. O resultado vou contar aki. Ate…

        • Roberto, você não está jogando grana fora não? Você fez a análise dessa água? Essa multifariedade colorimétrica (gostou?), ou seja, essa variação de cores da água podem estar a exigir mais (ou menos) do que o produto Phoslan. Pense nisso.
          Um abraço 2015 modelo 2016.
          Abreu

          • Bom dia Abreu. Fiz analise sim. ph 6,23; condutividade 550; cloretos 189 mg/l; dureza total 102 mg/l. Esse foi o resultado da analise físico química. Exigir do laboratório que me passasse a informação de quais minerais exitem na agua e sua quantidade vez que me garantiram isso antes. Precisava dessa informação para a correta dosagem de aplicação de produto químico. Mas até agora nada. Disseram que o foto sei la uq ta quebrado. Na analise microbiológica deu 4,6 nmp de coliformes totais em 100ml. O químico informou que poderia ter sido contaminação na coleta. Todavia estou esperando a ação do phoslan se estabilizar para depois fazer outra analise. Infelizmente até encontar a solução temos que arriscar gastando um pouco de dinheiro. Certamente o custo será bem reduzido se compartilharmos essas experiências, conforme esta sendo feito por vc. Se não fosse esse blog eu iria esta passando por todas as etapas que vc passou. Por isso agradeço mto.

  46. Bom dia,
    Construí um poço semi artesiano de mais ou menos 25 metros, que deu bastante água, mas estou com um sério problema, pois quando ligamos a bomba (submersa), a água sai limpa por pouco tempo, depois sai suja, com uma aparência de cor de argila/areia, por mais ou menos 5 minutos, e depois sai novamente limpa. A água da caixa fica com a cor esbranquiçada e a caixa com deposito de uma areia gosmenta no fundo. Todas as vezes que ligamos a bomba o relatado se repete. Poderiam me dar alguma orientação, desde já agradeço.

    • Olá, Eduardo. Bem-vindo ao blog. Esses poços de menor profundidade normalmente recolhem água do lençol freático, ou seja, água acumulada no subsolo, proveniente das chuvas ou outras fontes, como rios e lagos. Ela se acumula nos espaços existentes entre pedras, de tamanhos maiores ou menores, que formam o solo. Então, quando se perfura um poço nessa profundidade, é natural que a bomba traga parte do solo que compõe o lençol freático. A diferença entre esses poços e os artesianos é que os primeiros param quando “topam” com a camada de rocha e os artesianos perfuram a rocha e vão buscar água muito mais profunda e não a do lençol freático. Voltando ao seu caso, dificilmente você vai escapar da filtragem da sua água. Estou supondo que o fundo do seu poço está dentro de uma camada de argila, talvez com alguma matéria orgânica. Às vezes uma colher de argila clara numa caixa de 5.000 litros é capaz de esbranquiçar toda a água. O depósito da areia gosmenta no fundo também pode ser decorrente do mesmo problema. Essa argila costuma ser diluída pela água e assentar no fundo do poço. Quando a bomba começa a trabalhar, esse pó, que está assentado, começa a se agitar e a bomba o suga até acabar com o pequeno estoque formado no período de repouso. Esgotado o estoque, a água, aparentemente limpa, sobe para a caixa, onde a argila começa de novo a se decantar, dessa vez no fundo da caixa. Enquanto isso, no fundo do poço, a água está diluindo a argila e iniciando um novo ciclo. Há diversas possibilidades em se tratando de filtros. Todas envolvem alguma despesa. E se depois de instalado seu filtro a água continuar com cor esbranquiçada? E se esse esbranquiçamento for devido a microorganismos e matéria orgânica em decomposição, e não apenas pela argila branca? O seu filtro não vai resolver o problema totalmente, mas apenas de forma parcial. Então, temos de repetir a receita, Eduardo: conheça primeiro com que você está lidando. Faça a análise química, física e biológica de sua água. Só depois disso meta a mão no bolso para fazer qualquer investimento corretivo nele. De posse do resultado do exame, volte aqui para trocarmos ideias. Se tiver dificuldades para fazer o exame, retorne também: vamos tentar ajudar você. E eu adianto: com certeza passam por aqui pessoas com problemas MMMUUUUITTO mais díficeis de resolver do que o seu. E elas não desistem, não! Você não vai desistir, vai?
      Um forte abraço.
      Abreu

      • Bom dia Abreu. Primeiramente queria agradecer a sua atenção e disponibilidade para nos ajudar, na solução de problemas com os nossos poços. Certamente não vou desisitir, providenciarei a análise da água, e volto a incomodá-lo, para orientar-me sobre os resultados. Um abraço.
        Eduardo

  47. Olá,

    Boa tarde,

    Tenho poço artesiano residencial e a água, que era para ser pura, também contém ferrugem, mesmo caso de vários aqui no blog…
    Quando lavo roupas claras, brancas, elas ficam com manchas amareladas e tenho que passar suco de limão para tirar a ferrugem… A água para beber não posso deixar em jarra aberta, pois fica com cheiro de podre e um gosto horrível, mas em jarra fechada ela não apresenta gosto e cheiro, mas a jarra fica marrom com o tempo. Estou pesquisando um purificador de água (para beber) e pelo que encontrei na internet, os da marca IBBL são os melhores… Fora o chuveiro e torneiras que tenho que estar toda hora limpando, pois a sujeira obstrui a passagem da água… A caixa d’água também é “preta” por dentro… O poço é para ter 60 mts… Se pudesse me dar alguma orientação, ficaria muito agradecida..

    Att. Ana Paula

    • Olá, Ana Paula. Bem-vinda ao blog e a esse vale de lágrimas que é o CDPAAS-Clube dos Donos de Poço Artesiano de Água Suja. Brincadeiras à parte, o que você já deve ter lido no blog e nos comentários e debates mostra que esse problema não acontece só com você. Há milhares de pessoas que sonharam com água abundante, cristalina, incolor, insípida e inodora e se vêem a braços com uma substância aparentemente líquida, de cor estranha e cheiro forte. Mas como você deve ter visto também, aqui nós não aceitamos desistir e lutamos há anos para buscar soluções e evitar dissabores. E uma das regras básicas dessa luta, Ana Paula, é que nós acreditamos fortemente que conhecer o problema é metade da solução. Pelo que percebemos, você têm uma pequena noção do seu problema (por exemplo, a jarra fechada reduz o contato com o oxigênio e, por consequência, reduz a oxidação, ou “enferrujamento” da água – o que nos leva a concluir que há mesmo ferro em excesso). O purificador de água deverá ser o último passo, porque a água deve estar livre do ferro para ser purificada. Caso contrário, você vai ter água biologicamente pura, sem bactérias, micróbios, coliformes, etc, mas marrom, ou, pelo menos, aparentemente cristalina (como a água da jarra fechada) mas com excesso de ferro, o que vai elevar os níveis de ferritina da família e trazer uma série de problemas de saúde. Assim, vamos te fazer uma recomendação que está repetida ao longo de todo o blog: antes de gastar dinheiro com qualquer coisa (filtros, bombas, produtos químicos, revestimentos), faça o exame físico, químico e biológico de sua água. Esse exame não pode custar mais do R$ 200,00 ou R$ 300,00, o resultado sai rapidinho e você não precisa dizer de onde vem a água ou qual o seu objetivo. Veja se a sua cidade tem laboratório. Se não, veja em cidades vizinhas. Mas não deixe de fazer ou vai jogar dinheiro fora. De posse do resultado do exame, retorne aqui e vamos escolher a melhor solução para resolver o seu problema, OK? Se tiver dificuldades grandes para fazer o exame, retorne aqui também e vamos achar juntos um meio de clarear essa água, tá?
      Um grande abraço.
      Abreu

  48. Olá, instalei um poço nesta semana, dia 08/12, e a pessoa responsável pela instalação informou que, após perfurar 30 metros encontrou uma pedra, a qual não era possível continuar a perfuração com o mesmo equipamento. Porém, que já poderia parar de perfurar naquela dimensão, pois a água, naquele ponto, já era abundante e, após verificar amostras de solo, havia possibilidade de ser uma água de boa qualidade. Durante a perfuração, ocorreu uma intercorrência: havia buracos na percurso que estavam fazendo com que a água injetada não retornasse (provavelmente de cupim, formigas, ou goiamum – espécie de caranguejo muito comum na região – meu terreno é próximo à praia e fica no Espírito santo). Para resolver esse problema, eles injetaram muita argila e fécula de aveia junto à água da perfuração. Ocorre que, após terminarem o serviço, com instalação da bomba, a empresa informou que a água encontrada tinha um cheiro de “rio”, mas que, a princípio, bastava usar um clorador para que o cheiro desaparecesse. Achamos estranho, mas falamos que podiam encomendar o clorador. Porém, enquanto o clorador não chegava, fizemos um teste esse final de semana, enchemos a caixa d’água e colocamos uma tampinha de água sanitária. A água imediatamente passou de transparente para amarela e pesada. Ficamos muito impressionados. Pesquisamos na internet e vimos que existem várias pessoas que reclamam disso após perfurar o poço (e agora lendo seu blog, quantifiquei ainda mais isso). Que seria devido a excesso de ferro e manganês na água. Ligamos também para a empresa responsável pela perfuração, que nos falou que, provavelmente, a água teria ferro bactéria e que, neste caso, teríamos de fazer análise da água. E que, caso se confirme, será necessário não usar o clorador e sim um produto chamado Phoslan. Pelo nome do produto, fizemos outras pesquisas na internet e achamos esse blog. Dito isso, enumero minhas dúvidas, torcendo para que o senhor possa nos dar uma luz , antes de fazermos mais investimentos e evitarmos mais frustrações (afinal, como o senhor e todos os outros desse blog, ao perfurar o poço nos enchemos de esperança e sonhos de um banho em água pura e cristalina e um cabelo livre de cloro rsrsrs): Quais minhas dúvidas: – é possível que o material injetado quando da perfuração do poço tenha contaminado o lençol freático?; é possível que o material injetado quando da perfuração do poço tenha contaminado tão somente os primeiros dias/meses de vazão e que posteriormente saia água limpa do poço?; – a análise clínica feita tão próximo a data de perfuração do poço poderá dar resultados que, posteriormente, sejam modificados (após intenso uso)? – terei que fazer a análise e ela constatando o que já imaginamos conter a água (muito ferro) será um laudo definitivo e sempre precisarei utilizar um sistema de purificação/limpeza? – terei que fazer uma análise agora e, se for constatado o excesso de ferro, deverei utilizar o dosador e o Phoslan e, depois de um tempo, fazer uma nova análise para ver se a concentração de metal, antes do dosador, continua a mesma? – caso seja ferro bactéria, será identificado na análise? – Se for identificado ferro bactéria e excesso de ferro e manganês, deverei utilizar o produto Phoslan e o Con Bact Extra ou só o Phoslan bastará? – Será que o produto Phoslan deixa a água livre de manganês tb? – Li que o manganês acima do permitido faz mal à saúde ou às plantas, vc tem conhecimento? – O produto químico do Phoslan, ainda que seja própria para alimentação, traz algum inconveniente (para a pele, cabelo, roupas, utensílios, tubulações)? Li no seu blog que ainda terei que utilizar o filtro, pois o ferro é encapsulado e não eliminado. O filtro retira o ferro e o manganês? A àgua fica como se fosse água mineral? Muitas perguntas, né? è que o susto de ter um poço com problema me pegou de surpresa… Tentei fazê-las após ler todo seu texto e comentários (a maioria, ao menos) e fiz as que ainda permaneceram. Caso não possa responder minhas perguntas, vou compreender… já aprendi muito lendo e tb já me acalmei bastante sabendo que ter um poço de água suja, não é algo pessoal…

  49. Prezado Edimar,

    Tenho acompanhado sua saga e gostaria de contribuir com uma experiência que fiz e creio poder ajudar a todos os companheiros de “poço sujo”.
    Inicialmente falarei sobre as características do meu sistema:
    Tenho um poço (artesiano ou semi artesiano???? francamente não sei a diferença) de 4 polegadas (100 mm) de diâmetro por 30 metros de comprimento, cuja água bombeada numa vazão de 1 m³ por hora (ajustada) sai com aspecto turvo e com partículas suspensas que decantam com o tempo, mas mantem a coloração amarelada.
    Tenho um reservatório de 1000L e meu consumo médio diário é de 600L.
    Após muitas horas e dias drenando o poço (recomendado pela empresa que furou), percebi que a água não clareava, resolvi então testar minha água num laboratório que apresentou elevado índice de ferro (22 mg/L) e manganês (0,53 mg/L).
    Utilizei a água por algum tempo para regar o jardim apenas, pois era tão escura que manchava as pedras da minha calçada e do meu jardim.
    Após noites de sono perdidas em pesquisas na internet e conversas com pessoas que têm poço resolvi tentar algo antes de condenar o poço.
    Li muita coisa sobre como separar o ferro da água de maneira mais simples e adotei o seguinte esquema:
    Oxidação do ferro com aeração e cloração, decantação com tempo de espera e finalmente filtração.
    Comprei uma caixa d’água de 500 litros para o teste, pois se conseguisse tratar 500L, conseguiria tratar 4000L também. Montei um sistema de aeração usando tubos de PVC furados no interior da caixa e um “venturi caseiro” para arrastar o ar junto com a água para o interior da caixa, já o cloro, após ler muito, utilizou 2,5 mg/L de água a ser tratada. Enchi a caixa, dosei o cloro e aguardei o tempo de decantação.
    No outro dia, verifiquei que a água tinha clareado (no visual ficou mais transparente que a da companhia de abastecimento da minha cidade) e o ferro tinha se depositado no fundo da caixa d’água (visualmente a caixa ficou amarronzada no fundo).
    Conclui que parece ser viável tratar minha água, ainda não resolvi qual o filtro utilizar, mas pelo que tenho pesquisado creio que um de carvão ativado vai resolver.
    Alguns detalhes construtivos deverão ser levados em conta, pois haverá necessidade de manutenção do reservatório, visto que há acúmulo de ferro no fundo que terá que ser drenado (descartado), para isso penso em construir um reservatório com fundo cônico e instalar o pescador da bomba sempre no ponto mais alto referente à linha de drenagem, isso evitaria captar água com ferrugem do fundo do reservatório para minha caixa d’água de consumo.
    Pretendo tratar a água num reservatório de 4000L de maneira dosarei o cloro uma vez por semana, para garantir meu consumo diário.
    Agora o passo mais difícil é convencer minha esposa a tocar o projeto, já que meu espaço é limitado para construção do reservatório e a estética irá comprometer o meu jardim (esse será o próximo round).
    Gostaria de deixar uma dica pra você sobre a bomba dosadora.
    Os equipamentos eletroeletrônicos são muito sensíveis às variações da tensão da rede elétrica, tanto para mais ou para menos, motores elétricos de compressores de geladeira e ar condicionado, por exemplo, sofrem com tensões baixas e podem até queimar.
    Para minimizar estes riscos e no caso específico das suas bombas dosadoras (muito caras), existem relés monitores de tensão que desligam o equipamento quando ocorre a variação da tensão da rede, são conhecidos como relés monitores de tensão, cuja faixa pode ser ajustada e qualquer valor acima ou abaixo da tensão de ajuste ele desliga o equipamento, efetuando sua proteção.
    Também existem os protetores de surto (DPS) que devem ser instalados na entrada de energia da sua casa (padrão), estes dispositivos bloqueiam as tensões elevadas, mais comuns em descargas atmosféricas e ou aberturas repentinas de chaves nas redes de energia elétrica e protegem toda a sua instalação.
    Creio que você poderia ter economizado algumas bombas com estes cuidados, se desejar informações mais detalhadas posso te passar as especificações desses dispositivos.
    Bom, se conseguir convencer minha esposa a tratar a água farei a montagem do sistema e postarei minhas conclusões finais, bem como com a análise da água tratada e o tipo de filtro que usei.
    Achei bem e econômico simples o método, quanto ao produto Phoslan dosado diretamente no poço (a sua solução), penso em fazer um teste aqui no meu e evitar o embate com a minha esposa.
    Um abraço a todos.
    Fico a disposição.

  50. ola eu sou mais uma sofredora com pocos artesianos , a procura de solucoes encontrei seu blog , encontrei esperanca , moro em minas com minha mae , e nosso unico problema e a agua , bem ha uns 5 anos fizemos um poco artesiano sai no cano uma agua cristalina , mais quando enche um cocho , agua a horta , e puro ferrugem , desistimos desse poco , mais recentemente resolvemos furar outro poco que para nossa tristeza agua com ferrugem , sai muita agua sai limpa horas depois de a caixa cheia ela amarela toda , mais dessa seja estou procurando ajuda , pois estamos sem agua , e quando le seu depoimento mim enche de esperancas quando le no final que voce encontrou a solucao Então, pergunto: – Qual foi a solução o que voce joga nessa agua , espero ansiosamente uma respostasua , e que Deus te abencoe , em cada momento de sua vida . um muito obrigada desde ja . sirlei andrade

    • Olá, Sirlei. Bem-vinda ao blog. Antes de qualquer coisa, puxa a cadeira pra gente ter uma prosa. Você está vindo de algumas experiências com poço que deixam qualquer um maluco e a tentação é sair buscando uma solução rápida e milagrosa. Não é bem assim. A solução que achamos aqui na roça para esse problema – exatamente como descrito por você – pode não servir para seu poço. Vou explicar. O que tenho aqui é um poço artesiano mesmo, com 150 metros de profundidade, com diâmetro de 150 mm e vazão de 21.000 litros por hora. Como é o seu poço? É artesiano ou é caipira? Qual a largura da boca? Em outras palavras, para ajudar você, vamos precisar de algumas informações, senão você corre o risco de sair comprando e fazendo coisas que custam caro e podem não ter o resultado pretendido. Como você deve ter visto em nossos textos, a primeira e mais importante providência é fazer a análise da água. Onde você está aí em Minas? Tem condições de fazer essa análise? Qual o preço que vão cobrar de você? Não pague mais do que R$ 250 ou R$ 300,00. De posse do resultado, confirmada a existência de excesso de ferro – como no meu caso -, temos a solução simples. Se não for isso, temos outras soluções para ajudar você. Mas primeiro retorne e diga para nós as características do seu poço e da possibilidade de fazer o exame da água aí em sua cidade, está bem? Aguardamos seu retorno.
      Um grande abraço.
      Abreu

      • ola o poco foi feito por essas pessoas que fazem nessas cidades do interior , tem 14 metros e meio o cano que ta nele e de 250 , ,bem aqui nao tem lugar de fazer analise , foi assim furou o poco , ficamos esperando limpar a agua , e saia agua com uma nata por cima , mas porem clara , depois de umas duas horas esta toda laranjada , e quando lavo minha mao nela , sinto ate colando onde ela escorre esta tudo laranjado no pasto .

        • Oi, Sirlei. Não tenho boas notícias para você. Os poços “caipiras”, ou cisternas, como a gente chama no Norte de Minas, têm tendência de apresentar contaminação biológica (matéria orgânica em decomposição, proximidade de fossas, chiqueiros, etc.). Essas situações são complicadas, mas dá para aproveitar a água, mediante filtragem, fervura, aplicação de cloro e outras soluções. Mas, como você mora em Minas Gerais, se estiver nas imediações de alguma província mineral, como o chamado quadrilátero ferrífero e o seu poço tiver sido escavado literalmente sobre um veio de minério de ferro, não há solução economicamente viável para aproveitamento dessa água. Como você não tem condições de fazer a análise da água, informe para nós pelo menos se o poço é cavado no barro ou na rocha, se o terreno é preto ou vermelho e se os seus vizinhos que têm poço têm o mesmo problema. Ficamos aguardando sua resposta, está bem?
          Um abração
          Abreu

          • ola voce mim perguntou que tipo de terra tem ao redor onde foi feito poco , e um barro escuro , por cima , quando afunda um metro e o barro branco …

  51. Ola, sou totalmente inexperiente no assunto, estou reativando um poço que estava inativo ha seis anos aqui em casa, no primeiro momento a água está bem escura, mas acredito que isso se deve ao tempo parado (pretendo essa semana retirar toda a água e lava-lo), porém o que ta me preocupando é que a água tem baixado de nível conforme usada e ao que parece não está renovando a água…o que pode estar acontecendo?

  52. Prezado Abreu,

    Bom Dia,

    Tempos atras, obtive uma grande informação através deste blog, cujo problema era oxidação do ferro, de água do poço. A água sai cristalina após cloração na piscina a mesma amarelava (pior que cerveja), isto quando não ficava preta.
    Bem, para tentar resolver o problema, adquirir o ortopolifosfato, Achei que teria resolvido meu problema, até que necessitei fazer uma super cloração da piscina, pronto la vem o problema todo de novo amarelou tudo inclusive a piscina que e de fibra.
    Solução jogar toda água fora, e com uma boa escova la vou eu limpar tudo, depois de varias horas esfregando, estava quase azul de novo.
    Começando tudo do zero, enchi novamente e dobrei a quantidade do ortopolifosfato, infelizmente não resolveu o problema.
    Então depois de varias tentativas, ainda que não tenha sido feita a analise da água para determinar os níveis de ferro e manganês, resolvi o meu problema, depois de vários estudos, adicionando a esta água o acido ascórbico.
    Como estou em fase de teste, não determinei ainda a quantidade ideal deste produto.
    Voltarei a relatar assim que concluir esta nova etapa
    Um forte abraço Abreu, espero estar desta forma colaborando com a saga de todos os visitantes.

    • Olá, Gilberto. Bem-vindo ao blog e muito obrigado por trazer para nós o relato de sua experiência. Vamos aguardar o resultado dos seus testes, mas já temos uma missão: mergulhar nesse ortopolifosfato e distribuir a informação. Afinal, com certeza há um monte de pessoas por aí com o mesmo problema seu e possivelmente a sua solução servirá para elas.
      Um grande abraço e rápido retorno.
      Abreu

    • Gilberto boa noite !!!
      Deu certo sua experiência com esse aciso na piscina de fibra?
      estou com o mesmo problema
      Obrigado

      • Prezado Claus Roberto,

        Desculpe a todos, pois fique re relatar os resultados obtidos com meus testes e por esquecimento e por ter solucionado meu problema acabei afastando do blog, que por sinal muito bem administrado pelo nosso caro Abreu.
        Voltando ao assunto do ortopolifosfato, não tenho usado mais, pois o meu uso e para consumo usual da residência e uma vez que esta água que vai pra caixa não passa por nenhum processo de oxidação química (cloro), acaba por não apresentar maiores problemas de coloração,
        Como disse anteriormente, não efetuei nenhuma analise físico-química da água, mas por experiencia tenho notado um certo volume de ferro e dureza total, pois tenho que limpar meu chuveiro constantemente. vejo que pelo teor de ferro o ortopolifosfato não resolveu meu problema, mas ajudou bastante para evitar incrustações (alto teor de cálcio).
        Quanto ao problema da piscina de fibra, continuo com o problema quando oxido a água (adicionando cloro), mesmo que na dosagem recomendada para piscina (3ppm). Como sei que esta água vai amarelar e teoricamente manchar a piscina, então faço uma cloração de choque, adicionando um volume maior de cloro(10 gramas por metro cubico de água), para que desta forma ocorra uma oxidação total, adiciono também um auxiliar de filtração (GENFLOC), deixo decantar de um dia para outro e faço a aspiração da parte decantada, eliminando desta forma uma boa parte do problema. Ainda assim a água permanece com um tom amarelado, então começo a filtrar (filtro comum de areia), após umas 3 horas de filtração já esta praticamente cristalina.
        Como a fibra acaba ficando um pouco amarelada, aí sim, entro com o Ácido Ascórbico(Vitamina C), que dependendo da tonalidade desta, adiciono o volume de 4 (quatro) gramas por metro cubico. Parece milagre foi embora todo a coloração, inclusive as que estavam incrustadas na fibra.
        Evidentemente que cada caso e especifico, mas com testes em menor escala dar para cada um determinar o volume necessário, tipo encha uma garrafa pet adicione o cloro para oxidar depois adicione uma pitada de acido ascórbico para ver o resultado.
        Não sou químico nem algo do gênero, porem tenho certeza de que o ferro não é eliminado e sim tornando-o na forma insolúvel (fe2).
        Se fosse possível, adicionaria um vídeo da reação, quando adiciono o ácido. me passe um teu e-mail que talvez consiga lhes enviar o video.
        Espero ter ajudado, pricipalmente aos que sofrem com o mesmo problema em piscinas.
        Abraços a todos e uma Feliz Pascoa!!!!

    • Boa noite Gilberto !!

      Deu certo a experiencia com o acido ascorbico na agua da sua oiscina de fibra? tenho o mesmo problema
      Obrigado

  53. Prezados. Eu agradeço muito as dicas que com certeza irão me ajudar muito aqui no meu Sítio.
    Existem muitas coisas na Internet a maioria com objetivo de lucro, mas nossa sorte é que sempre existirão boas almas que gostam de ajudar o próximo.
    O objetivo deste comentário é que descobri tardiamente a forma de se economizar energia elétrica com a bomba e que posso até dar dicas de como fazê-lo.
    Tenho até fotos que comprovam tal fato, mas infelizmente não consigo aqui expô-las! Aguardo uma forma de ajudar.
    Abraço

    • Olá, Paulo. Bem-vindo ao blog e muito obrigado por suas palavras, que são muito estimulantes para nós. Fiquei curioso com essa história de economizar energia com a bomba. Claro que queremos saber, mesmo sem fotos. Pode fazer o texto do tamanho que você achar necessário para dividir com todos nós a informação. Publique aqui nos comentários. Se for ocaso, depois eu dou um novo formato e publico no corpo do blog, para dar mais facilidade de acesso, OK? Eu também descobri recentemente uma importante economia envolvendo o filtro (os fabricantes não vão gostar) e vou publicar em breve. Quem sabe a gente não publica juntos? Fico no aguardo.
      Um forte abraço.
      Abreu

  54. Bom dia, Abreu. Primeiramente gostaria de parabenizá-lo pelo blog, quando me deparei com ele há uma semana atrás, me senti na sua propriedade, a qualidade do texto é impressionante, impossível começar à ler e não terminar…
    Moro em Guarulhos-SP, meu bairro fica bem afastado do centro da cidade, em uma região onde antigamente existiam muitas hortas, comprei um terreno há alguns anos nessa região e de brinde veio um poço, o qual só descobri ao iniciar a construção da minha casa, eu e minha esposa ficamos muito felizes com esse “brinde”, o poço tinha aproximadamente uns 6 mts de profundidade e uma água cristalina e sem cheiro ou gosto algum, sim experimentei a água, sei que não deveria sem antes fazer uma análise, resolvemos chamar um “especialista” para realizar o esgotamento e limpeza do poço… Após o serviço de limpeza veio a sugestão de aprofundar mais o bendito poço, como se tratava de um “especialista” resolvi seguir seu conselho, hoje o poço está com 12 mts de profundidade sendo uns 11 mts de coluna d’água. Iniciamos a obra da casa justamente pelo bendito poço, contra piso, instalação de bomba e filtros, encanamento já planejando utilizar a água para lavanderia, banheiros e jardim, utilizamos a água durante toda a obra, não fiz os cálculos de vazão do poço, mas ao ligar a bomba em menos de 30 minutos a caixa de 1.000 litros estava derramando, e ela está instalada na terceira laje da casa (+/- 10 mts).
    Casa enfim pronta, quanta alegria, água abundante, não precisaria ficar preocupado com o rodízio do abastecimento que existe há mais de 10 anos na minha região, quando em menos de uma semana começa o pesadelo, chegava do trabalho e minha esposa já estava com a manifestação armada em casa, “meu cabelo tá duro!”, “olha o uniforme das crianças tá amarelando!”.
    Quando abri a tampa do poço havia se formado uma espécie de nata na flor d’água, formavam-se umas bolhas e umas manchas como se fossem óleo na água, o cheiro de ferrugem é muito claro na água. Resolvi chamar o “especialista”, que disse que cal virgem resolveria o problema, não resolveu!, e o dito-cujo agora nem atende minhas ligações. Desde então venho pesquisando na internet e fazendo testes, testes… um fala pra usar o cal virgem e depois colocar sulfato de alumínio, minha esposa até água benta jogou dentro do poço!, resumindo nada deu certo!
    Até quem num belo dia me deparo com esse BLOG, e imaginei ter achado a solução para o meu problema, mas ao ler os comentários vi que a solução encontrada com o produto PHOSLAN, não resolve o problema dos “poços caipiras”, é assim que são chamados esses poços com manilhas de +/- 1 mt de diâmetro na minha região…
    Há algum tempo vc disse que faria uns testes respondendo ao comentário de uma leitora chamada FLORA, a minha pergunta é conseguiu resultados positivos com PHOSLAN em poços não artesianos?
    Abcs

    Fabiano Martins

    minha até água benta jogou dentro do poço

    • Olá, Fabiano. Bem-vindo ao blog e muito obrigado por suas palavras. Elas dão a maior força para nós. Quanto ao problema da Flora – que é o mesmo seu – lamento dizer que, naquela oportunidade, fiz uma confusão enorme com dois e-mail (Flora e Max) e troquei as respostas. O Max, bem-humorado, voltou e encaminhamos a solução dele. Outro dia mesmo ele este por aqui. Mas a Flora deve ter achado que eu estava pirando, com aquela resposta “nada a ver” e não retornou mais. Com isso, eu me esqueci de fazer a experiência no meu poço “caipira”, como você chama. Mas vou fazer agora. Entretanto – preste atenção: minha primeira providência vai ser fazer o exame químico, físico e biológico do poço velho. Só com o resultado na mão, comprovando o excesso de ferro, é que vou fazer a experiência, que consistirá de retirar a água, tamponar o fundo do poço com um disco de plástico bolha ou isopor do mesmo diâmetro dele (que flutuará à medida que o poço volte a se encher), com espaço no centro para passar o tubo e o fio da bomba, de tal modo que o contato da superfície da água com o ar seja mínima. Só então vou aplicar o produto, na proporção da quantidade de água que o poço conterá. Daí farei a retirada e aguardarei as 24 horas para observar se haverá oxidação ou não. Os resultados serão publicados aqui no blog.
      Recomendo que você também faça a análise da água. Pode ser que não seja excesso de ferro ou manganês (difícil não ser, por sua descrição) ou pode ocorrer um outro tipo de contaminação que, mesmo com a água cristalina após a aplicação do produto, ainda assim ela continue imprópria para o consumo humano.
      Um grande abraço.
      Abreu

      • Abreu, obrigado pela resposta…
        Vou fazer o teste da água, assim que estiver com os resultados em mãos respondo aqui;

        • Abreu, bom dia
          Volto aqui quase 20 dias depois para lhe passar os resultados da análise da água do meu poço, paguei R$ 300,00 pela análise e pelo que percebi o teor de ferro e manganês na minha água é bem baixo, na própria conclusão do relatório de ensaio veio a seguinte mensagem:
          Comparando-se os resultados obtidos para a amostra com os valores máximo permitidos pela portaria MS nº 2914 de 12/12/2011 (Federal) podemos observar que, os parâmetros satisfazem os limites permitidos.
          Os resultados analíticos da água do meu poço seguem abaixo:
          Ferro – 0,048 (Portaria 2914 – VMP – 0,3)
          Manganês – 0,032 (Portaria 2914 – VMP – 0,1)
          PH – 6,16 (Portaria 2914 – VMP – 6,0 à 9,5)
          Confesso que fiquei surpreso com o resultado, pois o cheiro de ferro (ferrugem) na água é perceptível por todos de casa, o amarelado na roupa, nos furinhos dos chuveiros está lá…
          Nesse meio tempo em que aguardava os resultados do laboratório continuei minhas pesquisas e testes, e pesquisando na internet encontrei uma matéria do Globo Rural que tratava do assunto, mas novamente se tratava de poço artesiano e não o “poço caipira” como o meu, mas lendo os comentários encontrei um que indicava o uso de um produto utilizado para limpeza de piscinas, o nome é Solução agua de poço da HTH, renomada fabricante de produtos para tratamento de piscinas, resolvi arriscar e fazer um teste, e não é que deu certo, água do poço cristalina e sem cheiro algum, fiz a aplicação do produto conforme instruções da embalagem direto no poço no dia 12/11/15 e até agora a água permanece límpida…
          Abcs e se houver alguma novidade o meu “bendito” poço voltarei aqui para compartilhar minhas experiências…

          • Olá, Fabiano. Muito obrigado por retornar com o relato de sua experiências. Imagine quantas pessoas por esse país não estão passando exatamente pelo mesmo problema e tentam aplicar as soluções “que deram certo em outro caso”, sem terem certeza se o caso é o mesmo? Nessa situação, ficou clara a importância de fazer-se a análise da água e dar o tiro certo, sem jogar dinheiro fora. Depois, se você me permitir, vou fazer um post sobre sua experiência e a solução que você encontrou, para que outros possam futuramente usar a trilha que você abriu.
            Um forte abraço.
            Abreu

  55. Bom dia, Abreu. tambem sou de brasilia, cavei um poço de 152m e estou com o mesmo problema de ferrugem na agua e gostaria de comprar os phoslan, onde eu encontro por aqui?

    Abraço.

    • Olá, André. Bem-vindo ao blog. Lamentavelmente, o Phoslan não é encontrado aqui, André. A única forma é comprar diretamente do fabricante, que, efetuado o pagamento, entrega em sua casa em 3 ou 4 dias. Você pode fazer a compra pelo site da empresa: http://www.systemmud.com.br. E não esqueça de pedir a embalagem menor, de 5 litros. Com essa profundidade e a ferrugem na água – condições idênticas às minhas -, você não está aqui por perto, não? Estou aqui por volta do trevo para São João da Aliança, no km 33 da BR 020.
      Um abração.
      Abreu

      • Oi Abreu, estou um pouco longe, estou na beira do corumba IV proximo ao engenho das lajes na br 060. Vou entrar em contato com a empresa que voce me indicou. um detalhe, meu poço tem a mesma profundidade do seu porem a vasão é bem menos apenas 3 mil litros por hora.
        Um abraço, espero ter o mesmo sucesso, porque o decepção viu!!

        • Olá, André. Essa vazão de 3.000 litros é a vazão do poço ou da bomba? São coisas diferentes: meu poço tem uma vazão de 21.000 litros por hora, minha bomba tem vazão de 7.000 litros por hora, mas eu a regulei para uma vazão de apenas 2.700 – que é mais do que suficiente para minhas necessidades.
          Abreu

  56. Só por curiosidade.
    a conexão entre o tubo que saia da bomba dosadora e entrava no tuvo principal era uma “T” ou um “Y”?
    se foi um “T” dificulta a entrada do produto na linha. Se é um “Y” o fluxo de água praticamente arrasta o produto proveniente da bamba dosadora.

    • Olá, Francklin. Bem-vindo ao blog. A conexão era em “T”. Até porque o tubo flexível que sai da bomba tem um terminal especial para se encaixar em um furo que você deve fazer nno tubo da água. Até admito sua tese de que o fluxo da água, na conexão em Y, ajudaria a levar o produto, principalmente se se tratasse de uma diferença de nível pequena. A questão é que a coluna d’água entre a bomba dosadora e o alto da caixa é de 9 metros e a bomba do poço exerce uma pressão enorme para chegar lá no alto. Assim, a tendência é essa pressão, na base da caixa, buscar o caminho mais fácil e forçar o refluxo do produto para a bomba dosadora. Como aquela bomba tem um regulador de pressão para saída do produto, basta achar a pressão de equilíbrio e depois aumentá-la um pouco mais e o produto passa a vencer a pressão da água, na dosagem adequada. Foi interessante sua reflexão – embora a minha última bomba dosadora ainda se encontra fechada na caixa, porque a solução que descobrimos – 50 ml diretamente no poço, semanalmente – está funcionando de forma magnífica.
      Um grande abraço.
      Abreu

  57. Olá Abreu,

    Acabamos de perfurar um poço que possui 90m de profundidade, nivel estático de 27 metros e nivel dinâmico de 36m, o poço está revestido até 62m e a boma encontra-se a 60m de profundidade. Bom de 1.0 HP;

    Ao finalizar a perfuração e antes de instalar a caixa d’agua, a empresa que cavou o poço disse que tinha que fazer a limpeza do mesmo e que era para deixar a boma ligada até a água clarear, passaram – se 100h de bomba ligada e realizando a “limpeza’, PORÉM a agua não ficou totalmente cristalina, ficou com um tom avermelhada bem fraquinho, mas não totalmente cristalina. A empresa do poço só dizia que era normal, que ia limpar… acontesse que apos 100h ligadas a bomba queimou, a empresa trocou a bomba, instalou a caixa d’agua e interligou com o poço.

    Está acontecendo o seguinte:
    Quando a bomba esta desligada e a água em repouso…. quando ligamos jorra água límpida e cristalina, porém a alegria dura pouco, em menos de 5 min de agua jorrando ela volta a avermelhar…. e vai aumentando o tom do vermelho e depois vai clareando até um tom de vermelho bem claro…

    Dúvidas: Esse processo de deixar a bomba ligada limpando o poço é norma durar esse tanto de horas, praticamente 5 dias e ainda não limpar novamente?

    Por que depois de repouso a água sai límpida e depois fica avermelhada? seria sujeira ainda no poço, a altura da bomba está incorreta?

    agradeço seu retorno,

    Giovanni

    • Olá, Giovanni. Bem-vindo ao blog. Gostaríamos muito de saber em que região você perfurou o seu poço: Litoral? Montanha? Sudeste? Nordeste? É que estamos montando uma espécie de mapa da água suja do Brasil, tentando entender onde que esse problema se concentra. Porque – você deve ter percebido – o problema é o mesmo em 90% dos casos. O seu caso é especial porque nunca se registrou por aqui a situação de a bomba ser ligada até queimar, por quase cinco dias. Este caso significa basicamente o seguinte: imaginemos que o poço tenha, digamos, 100 mm de diâmetro e que sua bomba, com 1CV e a 60 metros de profundidade, esteja jogando cerca de 2000 litros por hora. O seu poço (90 metros por 10 cm de diâmetro) conteria aproximadamente 10 metros cúbicos de água. Como sua bomba funcionou 100 horas e teria bombeado cerca de 200 metros cúbicos, significa que você teria renovado 20 vezes o conteúdo do poço – e água continuou suja! Então, é o caso clássico que todos nós vivenciamos aqui no blog. Para cada 7 pessoas que visitam este post (Poço Artesiano de Água Suja) em nosso site (www.expressaodaliberdade.com.br), 1 entra em contato através do comentário. Você é o 548 companheiro de infortúnio que traz sua história, através do comentário (veja abaixo nossa estatística instantânea aqui do blog):
      SÍTIOS E SOLUÇÕES : Poço artesiano de água suja
      548 Ver Post
      E eu te asseguro que pelo menos 500 casos são iguais ao seu – e ao meu! A história é a mesma, os preços são parecidos, os contratos são muito bem feitos e inatacáveis do ponto de vista do direito do consumidor e o resultado é praticamente idêntico. Assim como os que precederam você, Giovanni, vamos fazer o mesmo pedido: faça a análise química, física e biológica de sua água. Vou dizer por quê: temos muitos caminhos para solucionar seu problema. E alguns custam muito dinheiro. O exame da água vai evitar que você jogue muito dinheiro fora junto com a água suja. Para continuarmos a prosa e conseguirmos que você passe a ter, como nós aqui na roça, água limpa por um preço módico, você precisa voltar aqui com as seguintes informações: a) há poços na sua vizinhança e como eles funcionam? b) onde o seu poço (e você) se localizam geograficamente? c) qual a vazão da sua bomba? Isso é importante para montarmos o quebra-cabeça. Ah, e isso enquanto a gente espera o resultado da análise da água, OK?
      Um grande abraço.
      Abreu

      • Bom dia Abreu,

        O poço foi perfurado em Teresina – PI, região Nordeste, existe outro poço em torno de 100 metros no sitio vizinho e tem água limpa, outro a cerca de 500 metros foi perfurado na mesma data que o nosso e ficou limpando por 2 dias e agora a água já está límpida. A vazão da bomba é de 4.000 litros/h;

        Vou tentar realizar analise da água e posto os resultados.

        • Veja, Giovanni: a partir da situação do poço vizinho furado junto com o de vocês, o exame da água pode trazer para você exatamente aquilo que seria o instrumento fundamental para a solução definitiva – PACIÊNCIA. Imagine se a análise demonstrar que os níveis químicos de sua água – particularmente os teores e ferro e manganês – estão dentro da normalidade? Isso significará que depois de mais algum tempo de funcionamento a água poderá se normalizar e ficar cristalina, sem que você gaste um real! Já se indicar esses metais em excesso, aí não dependerá de tempo, mas de determinação, coragem e um pouco de grana. O exame deve custar em torno de R$ 200,00. Se cobrarem mais do que isso, volte aqui que temos outras ideias.
          Um abração.
          Abreu

  58. estou com o mesmo problema de que sai do poco limpa logo em seguida vai mudando de cor em contato com cloro fica marron na hora

    • Olá, Rosival. Bem-vindo ao blog. Este é um aspecto que está registrado em nosso post “Poço Artesiano de Água Suja”, publicado em nosso site http://www.expressaodaliberdade.com.br. E sempre nos esquecemos de chamar a atenção dos nossos companheiros para ele: uma das evidências mais claras do excesso de ferro na água é seu imediato amarelecimento em contato com o cloro (água sanitária). É mais uma razão para se fazer a análise da água, antes de jogar dinheiro fora com outras soluções que não resolvem o problema.
      Um grande abraço.
      Abreu

  59. Ola, Abreu moro no parana em uma area de varjea tenho um poço semi artesiano de 100 metros, com vazão de 30.000 litros hora e uma bomba de 1 cv e meio com vazão de 8.000 litros hora.Tenho o mesmo problema de varias pessoas de seu blog, a agua sai limpa do poço mas com cheiro de ferrugem , com tempo na caixa ela fica amarelada ,macha roupas ,louças, sanitarios, é um horror, não consigo beber essa agua tenho que trazer agua de outros lugares para beber.Li em uma de suas postagem que resolveu seu problema com um filtro e um produto que coloca no poço.Gostaria de mais informações sobre o filtro e esse produto.Aguardo uma resposta

    • Olá, Jociane. Bem-vinda ao blog. Realmente é típico de 80% das cerca de 2900 pessoas que, em média, frequentam nosso site (www.expessaodaliberdade.com.br), onde se encontra esse post (Poço Artesiano de Água Suja). Aliás, neste post há registrados 554 comentários – todos respondidos por nós, com orientação e possível solução para cada caso. Esses comentários estão colocados logo em sequência ao final do post. Se você percorrer esses comentários e nossas respostas, verá que há dezenas, talvez centenas de casos absolutamente idênticos ao seu, o que significa que nossa decisão de escrever o post e tentar ajudar as pessoas foi correta, uma vez elas não encontram respostas para o seu problema em outros lugares. Essa característica de a água sair limpa e depois amarelar foi exatamente o nosso problema. Mas, até descobrirmos isso, foi uma luta. Você deve ter lido no post. A partir desse sintoma, poderemos deduzir que sua água têm um índice de ferro acima das especificações do Ministério da Saúde. Normalmente, MUITO ACIMA. Mas, antes de gastar dinheiro com a solução, você deve providenciar a análise física, química e biológica da água. Os laboratórios devem cobrar não mais que R$ 200,00 pelo exame. Se lhe cobrarem mais que isso, volte aqui que nós a orientaremos como fazer para não ser explorada (já houve casos aqui – estão nos comentários – de laboratórios chegarem a cobrar R$ 3.000,00, o que não é um absurdo: é um assalto!). Se o exame confirmar nossa hipótese, a solução resumidamente é a seguinte:
      a) adquirir o produto chamado Phoslan, produzido pela empresa Systemmud (www.systemmud.com.br), em embalagem de 5 litros, que deverá lhe custar aproximadamente R$ 300,00, dependendo do seu fornecedor. Essa quantidade vai servir para aproximadamente 2 ou 3 anos de uso, no seu caso;
      b) adquirir uma bomba dosadora MLX produzida pela Sidrasul (www.sidrasul.com.br. A respeito disso, temos uma solução alternativa no próprio post Sítios e Soluções: Poço Artesiano de Água Suja): trata-se de um processo que dispensa essa bomba, mas não é para qualquer poço. Dê uma lida no final do post, onde publicamos um trecho chamado “Conclusão da Experiência” e veja se pode ser o seu caso;
      c) adquirir um filtro central de 1.000 ou 2.000 litros (a depender do seu consumo diário). Esse filtro também tem uma série de “pulos do gato” que constam do post e que poderemos repassar para você, após o resultado da análise da água.
      Se tudo for como estamos imaginando, ao fim de nossa troca de ideias, você deverá ter seu poço fornecendo água limpa, no volume adequado, por muitos anos. Então, ficamos aguardando o seu retorno, com o resultado da análise da água.
      Um grande abraço.
      Abreu

      • Obrigada pela atenção, vou me informar como posso encaminhar essa analise da agua, é que moro em uma cidade pequena no interior, vai ser mais dificil mas eu vou conseguir.Até mais abraços

  60. Boa tarde, Abreu…. Obrigado por retornar .. Eu moro sul de minas … sou primeiro a furar poço semi artesiano , o poço esta quase 17 metros de profundidade, foi perfurado proximo ao brejo ,,, Agua sai clara e com o passar do tempo fica amarelada, e depois fica tipo uma camada de ferrugens por cima da agua., mas ja sai com cheiro de ferrugens ,,, as roupas , as louçss sanitarios fica tudo amarelado., Dentro do poço tem um cano de 110 mmm, , com uma bomba palito 220 Watts, sai um cano de 3/4 cheio de agua, a bomba manda esta agua por uma distancia de 150 metros até chegar na caixa de 500 litros … eu não fiz a medição de agua … leva aproximadamente 10 minutos pra encher uma caixa de 500 litros.

    Obrigado

    Pedro

    • Olá, Pedro. Já temos algumas informações importantes. Seu poço está próximo ao brejo, sua vazão é de aproximadamente 3.000 litros por hora e água sai limpa, depois fica enferrujada. Isso significa que você tem um excelente poço (o meu, para alcançar essa vazão, tem 150 metros de profundidade – e com a mesma água suja e enferrujada!). E que sua água provavelmente tem um altíssimo teor de ferro. E que você vai precisar de um filtro, qualquer que seja o problema. Então, Pedro, mais duas perguntas: você está disposto ou tem condições de comprar um filtro para essa vazão toda? Um filtro central para 1.000 litros (que é o que você precisará) deve estar custando uns R$ 2.000,00. Se não tiver, teremos de pensar em construir um. Em segundo lugar, providencie a análise da água. O exame deve custar não mais do que R$ 200,00. Se passar disso, fale com a gente que nós resolvemos. Terceiro: dê uma olhada no brejo. A água junto às margens tem cor de ferrugem e a tal nata marrom?
      Fico aguardando você.
      Um abração.
      Abreu

      • Bom dia,

        Realmente, água do brejo também tem cor de ferrugem, e gosto também.

        Vou providenciar, analise da água.

        Obrigado

        Pedro.

        Obs.: Vou fazer analise da água, em um laboratório da cidade.

  61. bom dia, Abreu … por favor me ajuda, tem um poço semi artesiano, aproximadamente 20 metros … a agua esta saindo suja,,, amarelada e cheiro ruim .. as roupas , o vaso e o lavatorio fica com a cor amarelada … o que eu posso fazer pra melhorar a cor e o gosto …

    POR FAVOR ME AJUDE….

    PEDRO

    • Olá, Pedro. Bem-vindo ao blog. Até encontrar a gente aqui, você deveria estar achando que era o único ser humano com esse problema, não? Então, Pedro: bem-vindo ao mundo real: somos milhares de pessoas na sua situação e nossa única alternativa é trocar ideias e experiências. Conte conosco para isso, mas ajude-nos a ajudar você. Precisamos saber algumas coisas que são importantes para buscar uma solução. Onde você e seu poço estão? Qual o estado, qual a região? É beira-mar, é interior? O que acontece com os poços dos seus vizinhos? Também estão do mesmo jeito? Seu poço é semi-artesiano mesmo ou é uma cisterna?
      As paredes são revestidas? A água é bombeada ou retirada no balde? Qual a quantidade de água retirada diariamente (vazão) do seu poço? A água já sai suja do poço ou sai limpa e suja depois? Por favor, Pedro, retorne com essas respostas para que nós possamos começar a montar o quebra-cabeças e ajudá-lo a sair dessa. Conte com a gente!
      Um abração.
      Abreu

  62. Bom dia, Abreu. Agradeço imensamente o retorno. Li toda sua saga e a saga dos colegas sim, e infelizmente sem o teste da água não sei com o que estamos lidando. Imaginei ser problema somente de barro, por isso resolvi te encaminhar minha história, mas pelo jeito a situação é um pouco pior do que eu imaginava.
    Realmente foi um desespero para a empresa e para nós, pois a mesma até ofereceu devolver o nosso dinheiro quando teve que começar outro poço. Como nossa obra já está mais que atrasada por problemas financeiros e com a ameaça da empresa em desistir, decidimos aceitar o que tínhamos, pois temos pressa em mudar.
    Nós tivemos um grande problema pra conseguir uma empresa pra fazer a perfuração, primeiro porque estamos na época da seca que é quando todo mundo resolve perfurar poços, aumenta a demanda e os profissionais fazem tudo “nas coxas”, segundo porque estamos em final de obra e o dinheiro já está bem curto.
    Não sei se alguma empresa aqui na região possui essa broca de diamante, pois a impressão que se tem é que a grande maioria é empresa de “fundo de quintal”, mas vou pesquisar pra ver se encontro.
    Conversamos com nossos vizinhos e os poços deles também são nessa faixa de profundidade, 26, 31, 30 metros.
    Já falei para o meu esposo para fazermos o teste da água para podermos saber com o que estamos lidando de fato.
    Vou seguir suas dicas com certeza. E espero imensamente que tenhamos sucesso. Ao final venho dividir as lutas e vitórias aqui.

    Mais uma vez, obrigada. E parabéns pelo blog.

    Atenciosamente, Nathalya Barbeto

  63. Olá, Abreu.
    Sou de Porto Velho – Rondônia e 90% da minha cidade não possui distribuição de água por rede pública, forçando nossos habitantes aos mais variados tipos de meios para obtenção de água. Nossa saga pelo poço artesiano começou a um mês e meio aproximadamente. A empresa que realizou a perfuração nos contou que pegou pedra a 5 metros com uma profundidade de 4 metros, depois, pegou pedra novamente a 18 metros com 40 cm de profundidade e finalmente aos 30 metros mais pedra, sendo essa a responsável por quebrar a broca e devido a isso, deixou fragmentos presos na rocha o que impossibilitou a continuação da perfuração. Tiveram que entupir esse buraco e começar do lado outro poço. Quando, novamente, chegaram aos 30 metros, tentaram romper a rocha (pois contratamos perfuração até 42 metros), mas não conseguiram. Como tínhamos uma vazão razoável à essa profundidade optamos por parar. Foi iniciado o processo de limpeza por ar comprimido durante uma semana. A empresa instalou a bomba e nos avisou que o poço estava pronto, a partir daí mais decepção. Como a casa ainda está em obras só viemos a ligar a bomba para usar a água passado uma semana, aproximadamente, da conclusão do poço. E aí, surpresa, água barrenta!!! Começamos a fazer um processo de ligar a bomba e deixar esvaziar o poço, desligar, esperar encher e ligar novamente, mas nada da água limpar. Ficamos preocupados de estragarmos a bomba nesse processo e pedimos para a empresa comparecer novamente para concluir essa bendita lavagem com o compressor. Deixaram o compressor novamente lá e iniciamos o processo. A água clareou um pouco; a empresa retirou o compressor e instalou novamente a bomba alegando que com essa turbidez a bomba consegue limpar sem problemas. Nossa água não ficou limpa ainda, ela tem picos de água turva clara que de longe parece limpa e jatos de barro no meio do processo. Eles instalaram a bomba a 2 metros do fundo. Meu esposo, pesquisando pela internet, achou um site falando sobre argila coloidal e os relatos se parecem muito com o nosso. Diz que essa argila é muito fina, semelhante a areia, e não fica retida no processo de filtragem do poço, disseram para utilizar um coagulador, dessa forma as partículas se aglomeram e são retidas no filtro, mas só teríamos como jogar dentro do poço, pois a lateral foi lacrada, e estou preocupada de entupir a bomba. Pensamos em fazer uma cisterna e jogarmos o coagulante na água dela para filtramos antes de jogarmos para a caixa d’água. Ufaa… enfim, você teria alguma dica que poderia nos ajudar? Atenciosamente, Nathalya Barbeto

    • Olá, Nathalya. Bem-vinda ao blog. Com a quebra da broca (de diamante?) no primeiro poço, eu imagino o entusiasmo, o otimismo e a alegria da empresa quando perfurou o segundo. Se você tiver lido nossa história ( e deve ter lido), verá que nessa aventura de perfurar poço, até 30 metros você faz com amadores. Profissionais mesmo começam a partir dos 30 metros. No meu caso aqui na roça, até 30 metros conseguimos uma vazão de 500 litros por hora. Então, topamos com a tal rocha-mãe pelos próximos 120 metros, quando, a 150 metros de profundidade, jorrou água a 21.000 litros por hora – água suja. No seu caso, a empresa praticamente constrangeu você a se contentar com uma vazão modesta, porque não tinha tecnologia para enfrentar a rocha-mãe. O resultado – você disse – é água suja também, só que em menor volume. Sua bomba está colocada a 28 metros de profundidade, no poço de 30 metros. Agora, imagine Nathalya: o fundo do poço não está na rocha, mas no barro. E toda a matéria em suspensão na água, nos momentos de repouso, tende a se depositar no fundo. E cada vez que a bomba funcionar, ela vai revolucionar a água e o barro do fundo do poço e bombear essa mesma água suja para a superfície!
      Há três caminhos à sua disposição para resolver o problema:
      Primeiro: contratar uma empresa que tenha tecnologia para perfurar a rocha (broca de diamante industrial) e completar a perfuração até os seus planejados 42 metros ou um pouco mais e revestir o poço com tubo de aço carbono ou PVC até chegar à rocha-mãe (30 metros). Isso significa gastar um pouquinho mais de dinheiro.
      Segunda: antes de gastar esse dinheiro a mais, você deve tentar afastar a bomba do tumulto do fundo do poço onde ela está instalada. Isso significa uma operação simples: puxar a bomba (e o tubo que vem dela) para cima. ATENÇÃO: essa operação é delicada, porque você precisa saber os níveis estático e dinãmico do seu poço, o que a empresa que perfurou deve ter fornecido. O nível estático é aquele onde a superfície da água no poço se encontra quando em repouso. Digamos, a 2 metros da superfície. Quando a bomba funciona, o nível cai, digamos, para 15 metros da superfície – esse é o nível dinâmico. Então, para que a bomba funcione sempre submersa, é claro que você NUNCA deverá elevá-la acima do nível dinâmico, por exemplo, a 10 metros da superfície, porque ela funcionará “a seco” e você terá de se acertar com o seu eletricista para consertar a bomba queimada. Se o afastamento da bomba do fundo do poço for possível (em função do nível dinâmico) e conseguirmos diminuir o “assanhamento” do barro do fundo, a água limpa poderá se estabilizar e o problema estará resolvido.
      Terceira: Se a água continuar suja ou se o nível dinâmico ficar muito perto do fundo do poço, impedindo a elevação da bomba, então vamos ter de conversar sobre essa tal argila coloidal que o seu esposo descobriu. Esse negócio de coloidal é a mistura de substâncias em diferentes estados da matéria (líquido, sólido e gasoso). Nessa sua região, Nathalya (tenho a honra de ter trabalhado no Amazonas (BB) e de conhecer Porto Velho), o tipo de coloidal já é velho conhecido dos geólogos: é mistura de sólido e líquido, particularmente de água e metais, especificamente de hidróxido de ferro (ferrugem) e às vezes de alumínio. Aí, Nathalya, você vai cair na situação em que se encontram cerca de 95% das pessoas que procuram este blog, ou seja, a mesma situação do meu poço aqui na minha roça, para a qual a solução está exaustivamente exposta neste post e nas centenas de comentários e respostas. Neste caso, nossa recomendação é a mesma que damos para todos os que têm poço-artesiano-de-água-suja-decorrente-de-excesso-de-ferro-na-água: análise química, física e biológica da água, para definir o nível oxidação (ferrugem) e o tipo, quantidade e forma de aplicação do produto corretor (que alguns chamam de coagulante, quelante ou complexante). Parece complexo, não?
      Pois não é. Tudo é simples, barato (não pague mais do 300 reais para fazer a análise. Se quiserem “tirar o seu couro”, volte aqui e resolveremos isso para você). Só parta para a primeira hipótese (a mais cara) depois de testarmos as mais baratas. Estamos de acordo?
      Aguardamos notícias suas. Mas temos certeza de que vamos ajudá-la a resolver o problema.
      Um grande abraço e breve retorno.
      Abreu

  64. olá também tenho um poço na minha chácara com 52 mt bom de agua mais esta so o barro, mais sujo so quando estava furando preciso de uma solução por favor quem puder me ajudar, desde ja agradeço ha uso uma bomba de 1cv que joga +- 4000/hr

    • Olá, Carlos. Bem-vindo ao blog. Sua água já sai suja do poço ou sai limpa e algum tempo depois fica amarela? Isso é muito importante para podermos ajudar você. Seria importante também sabermos há quanto tempo você furou o poço e em que região do Brasil você está. Ficamos no aguardo de suas informações.
      Um grande abraço.
      Abreu

  65. Após infinitas buscas para um problema que ninguém até então conseguiu solucionar, eis que vejo nesta página uma luz no fim do “poço”! Estou um tanto desesperançosa com um poço que mandei construir em minha propriedade. Tratava-se de der uma piscina pequena para aliviar o calor amazônico (Parintins) e após alguns anos consegui construir a tão sonhada piscina, porém os problemas até então invisíveis começaram.
    Antes só usávamos o poço em atividades domésticas de final de semana, não havia necessidade de consumir muita água e…parecia tudo certo com o poço. Porém ao planejar o primeiro banho de piscina veio a decepção: a água estava totalmente amarela escura que não havia possibilidade de ver o fundo da piscina.
    Aí iniciou-se um verdadeiro calvário em busca de solução. Após chamar a empresa que construi e depois outra e mais outra as respostas foram a mesma: não sei o que há, o poço não tem problema técnico nenhum, já fizemos nosso trabalho; não há o que fazer!
    Agora com a possibilidade de ser um problema parecido com os relatos acima que em muito se assemelham com o que estamos vivendo,percebo que pode haver solução. Gostaria de ficar em contato para pedir ajuda ou tirar dúvidas… Um forte abraço e espero que possas continuar ajudando as pessoas!

    angelaf.uea@gmail.com

    • Olá, Ângela. Bem-vinda ao blog e ao “muro das lamentações”. Curioso: em todos os casos, é a mesma coisa – as empresas não assumem contratualmente qualquer responsabilidade e, portanto, as “vítimas” não conseguem sequer processá-las. E temos de buscar nossos próprios caminhos e soluções. Vou fazer algumas perguntas, para ver como a gente pode ajudar você, OK? Qual a profundidade do poço? Antes vocês consumiam a água nos fins de semana sem notar que ela era amarela – ou ela NÃO era amarela antes da construção da piscina? Parece simples, mas não é! Sua propriedade fica na ilha de Tupinambarana propriamente dita? Sabe que os solos aí, embora parecidos, não são iguais. Podemos ter solos e subsolos diferentes, a depender de se você estiver localizada às margens do Amazonas (águas barrentas). Já para os lados da Francesa ou Macurani e suas águas escuras, a leitura pode ser diferente. Isso sem falarmos na região do Campo Grande e da Cristina, nas imediações do aeroporto, composta de grandes areais e suas águas cor de Coca-Cola, da cor das águas do Uaicurapá. De qualquer modo, retorne com essas informações iniciais. Será um grande prazer compartilhar com você o seu problema e ajudá-la a construir uma solução.
      Um grande abraço.
      Abreu

  66. a agua do meu poço quando fica muito tempo em um recepiente forma uma gordura na superficie, faz quatro meses q furei o poço de 120 mts vazão de 400 lts hora mas só agora instalei a bomba. gostaria de uma ajuda para saber o q e isso

    • Olá, Rodrigo. Bem-vindo ao blog. Você diz que a gordura se forma na superfície “quando a água fica muito tempo em um recipiente”. Acho que você está achando que é gordura – mas não é. Se fosse gordura, eu diria para você: “Rodrigo, é petróleo”. Brincadeira. É que a presença excessiva de ferro e manganês acaba fazendo aparecer na flor d’água uma espécie de nata. Mas a cor é importante, Rodrigo. De que cor é essa nata de gordura? Azulada, cor de chumbo, cor de ferrugem ou tudo junto e misturado? Dependendo do que você responder, teremos algumas possibilidades para entender e solucionar o problema. Conte com a gente para ajudar você. Vamos quebrar a cabeça juntos, certo?
      Um abraço.
      Abreu

      • Prezado Abreu, primeiramente obrigado pela atenção e pelo incentivo.
        Já efetuei 3 (três) analises de minha água. A primeira logo após a instalação da bomba para avaliação inicial e as outras para acompanhamento de algumas investidas minhas. Deixei a bomba ligada por 20h e por ultimo 80h direto para ver se havia alguma mudança do quadro apresentado na primeira análise.
        Resultados das analises de alguns parâmetros:
        Condutibilidade Elétrica: 1ª analise 19,09; 2ª análise 15,85 e na terceira análise: 12,55 (microonms/cm)
        Dureza Total: 1ª analise 9.800; 2ª análise 6.994 e na terceira análise: 5.507 (mg CaCO3/litro)
        Ferro Total: 1ª analise 6,59; 2ª análise 5;33 e na terceira análise: 2,0 (com aeração) (mg Fe/L)
        Como não houve recarga hídrica do lençol, pois estamos com três anos seguido de estação sem chuvas, acredito que no futuro melhore um pouco mais. No nosso caso a contaminação orgânica é quase nula.
        Prezado, só com um sistema simples (que estou melhorando) de aeração na saída do poço já consegui bons resultados para Dureza, Ferro e Manganês. Estou construindo dois tanques menores, próximos ao poço, para manejo(aeração/decantação) e depois transferência para o tanque de 50.000L. Estou pensando em montar um sistema sequencial de filtros que vi na internet, para retirada dos precipitados após a oxidação e decantação nos dois tanque iniciais.
        O meu grande problema é essa condutibilidade altíssima.
        Até agora a única solução apresentada para mim é a aquisição de um sistema de dessalinização por osmose reversa. Já fiz algumas cotações mais os preços estão nas alturas.
        Estou estudando para ver se eu consigo montar um. O sistema em si não parece muito complicado para montar, o problema é custo dos equipamentos que exige muita grana. Já encontrei alguns usados mas estavam muito deteriorados.
        Estamos na luta.

        Saudações.

        MOREIRA

        • Olá, Moreira. Você não me respondeu se provou ou não provou a sua água. O nosso corpo é um dos mais perfeitos laboratórios para fazer esses exames: os olhos percebem a turbidez, o nariz percebe o cheiro que não devia existir e a boca identifica imediatamente se a água presta ou não presta. Por outro, na questão que mais preocupa você (“altíssima condutibilidade”), acho que eu estou falando sânscrito e você está falando grego clássico. Esses seus números de condutibilidade para mim estão quase no nível da água destilada. Para você ter ideia, os rios de água doce apresentam valores entre 0 e 800 mS/cm. E sua água está entre 12 e 19. Tem algo muito errado aí. Melhor reveremos isso. Que tal?
          Abreu

          • Abreu, me desculpe, cometi um erro ao transcrever o resultado para uma planilha que fiz.
            Não era vírgula, era ponto. Portanto:
            Condutibilidade Elétrica: 1ª analise 19.090; 2ª análise 15.850 e na terceira análise: 12.557 (microonms/cm).
            Máximo aceitável pela maioria das culturas agrícolas: 2.000 mS/cm. Portanto mais de 6 vezes a quantidade aceitável.

            OBS: Provei da água poucas vezes, não é realmente muito salgada.

            Att
            Moreira

  67. oi boa noite , furamos um poço ja faz uns 4 meses , instalamos a bomba faz uns 15 dias estou notando que quando a agua fica parada forma uma nata na superficie do recepiente parece uma gordura. gasto uns 700 lts por dia
    gostaria de uma ajuda parasaber o q pode ser isso

  68. Olá, Abreu.

    Primeiramente, parabéns! Muito bom saber que ainda existem seres humanos como você, que se alegram em ajudar o próximo, que compartilham conhecimento sem interesses. Parabéns!
    Pois bem, vamos ao meu caso. Furei um poço numa propriedade que adquiri no sertão de Pernambuco, mais precisamente na cidade de Afranio/PE. O poço tem profundidade de 60 mts. Até por volta dos 54 metros não tinha dado agua alguma, só areia. Só a partir daí até os 60 jorrou uma quantidade razoável de agua. Sinto q poderia ter furado mais, pq quando parou, saía agua e tava perfurando uma rocha, mas me aconselharam a não seguir mais adiante pq poderia encontrar novamente areia e perder a agua q tinha e etc. Como eu nao sabia e nao sei nada sobre poços, resolvi parar com um sentimento de frustração pq a agua era pouca. Enfim, essa semana quando foram medir a vazão, constataram que o poço só tem capacidade para 300l/h, o q me deixou muito triste. Então, o que vc me aconselha, será q seria possivel aumentar essa vazão perfurando mais uma ou duas dezenas de metros? Ou então, o que eu poderia fazer pra aumentar essa vazão? algum uso de bomba especifica, algum modo? Finalizando, informo que água é excelente. Todos ficaram impressionados com a qualidade, transparente, limpa, sem sal, entretanto pouca.
    Grato deste já.

    • Olá, Jorge. Bem-vindo ao blog. Muito obrigado por suas palavras de estímulo: elas nos fazem um bem enorme. Como você deve ter visto no nosso post “Poço Artesiano de Água Suja”, a decisão de continuar perfurando ou parar é uma das mais difíceis de serem tomadas, porque ninguém nos garante que gastando mais dinheiro, teremos água de qualidade na quantidade adequada. Aliás, esse foi o espírito do post quando o criamos: após perfurado o poço e não atendidas nossas expectativas, não temos a quem recorrer ou processar. Resta-nos então a busca do ombro amigo dos companheiros de batalha, a troca de informações e a busca de soluções não imaginadas pelas empresas do ramo. No seu caso, Alex, eu estranhei muito essa estória de perfurar a rocha e depois encontrar areia de novo. Isso é relativamente comum no litoral e em poços com muito menor profundidade. Não sei qual a altitude de Afrânio(PE), mas tudo indica que você está num planalto, aí nas proximidades da Chapada do Araripe. Eu calcularia algo em torno de 600-700 metros acima do nível do mar. Em princípio, seria região de terreno cristalino, com uma camada de solo sedimentar (barro,lama, areia) superficial, em torno de 30 metros. Vencida essa camada, a meu ver você estaria diante da rocha-mãe, após cuja perfuração você chegaria aos grandes mananciais subterrâneos. Aí, a ideia de encontrar areia de novo, após a rocha-mãe, me parece imprópria. Mas, vamos respeitar a cultura e conhecimento locais. Quem levantou essa hipótese foi o pessoal que perfurou o poço ou foi algum palpiteiro? Afinal, as empresas que perfuram 10, 20 ou 50 poços numa região acabam acumulando um conhecimento muito bom sobre o comportamento dos poços e do terreno em que operam. Acho que não foi o pessoal da empresa: esses estão sempre prontos a perfurar mais, sempre, mais fundo, até chegar ao Japão ou ao fundo da sua conta bancária. É natural. Mas vamos fazer uma construção positiva, Jorge. Você ficou triste porque o poço só produz 300 litros de água por hora. A pergunta: você consome 300 litros de água por hora? 7.200 litros por dia? Isso é MUITA água, Jorge. A não ser que seja um empreendimento comercial ou industrial, é um volume muito interessante. Para você ter uma ideia, se essa água toda viesse da Compesa (Companhia de Águas de Pernambuco), você teria uma conta de água respeitável. Mas vamos adiante. Quem fez a medição de sua vazão? Foi a companhia que perfurou? Geralmente eles fazem uma medição inicial, injetando ar na base do poço e definindo o seu nível estático e dinâmico, o que é importante para futuro registro (quando começar a guerra mundial pela água). E aí, faltam informações. O poço está funcionando? Você já colocou uma bomba lá? Ou o poço jorra sem bomba? Vamos admitir que você já colocou uma bomba e está retirando essa água – graças a Deus de altíssima qualidade, o que não acontece aqui comigo. Nesse caso, faça você mesmo a medida da vazão do seu poço, para sabermos do que estamos falando. Como eu descrevi no post “Post Artesiano de Agua Suja”, aqui na roça nós encontramos água a 32 metros de profundidade (500 litros/h). E perfurei mais mais 118 metros para alcançar a vazão de 21.000 litros por hora…de água suja! E até os 140 metros, a vazão eram os mesmos 500 litros por hora que eu conseguira com 32 metros! Então, Jorge, vamos nessa. Meça a vazão ( se não souber – o que é muito simples), retorne que nós o orientaremos. Constatado que são 300 l/hora, faça uma análise objetiva a respeito de você ter ou não o olho maior do que a barriga. E se, efetivamente, 300 l/h forem insuficientes para suas necessidades, aí vamos discutir a melhor hipótese de aumentar a vazão sem quebrar o dono do poço, OK?
      Foi uma alegria discutir isso tudo com você. Conte com a gente.
      Um abração.
      Abreu

      • Muito Obrigado pela atenção, colega.
        Então, vamos aos questionamentos. Em relação a decisão de parar a perfuração do poço, foi tomada depois do conselho do senhor que marca poços lá na região e marcou o meu. Segundo ele, não tinha mais agua, inclusive o mesmo já tava bem frustrado e tinha mandado parar nos 50m, quando tinha dado zero de agua. Eu que mandei furar mais 10m e encontrei agua dos 54 a 60. (rsrs) . Eu queria ir mais além, entretanto acatei o conselho dele, achando que o poço daria uns 700l/h, o que seria muito interessante pra mim. Mas enfim… O poço não está funcionando, não jorra água sem bomba. Ainda não foi instalado nada. Estou morando 500 km do local (quero me aproximar logo logo), mas meu pai tá lá acompanhado de perto. Quem mediu a vazão foi um tio que tem anos de experiência na área de poços, inclusive instala bombas e etc. O que eu queria saber é se existe algum modo de maximizar essa vazão. Eu gostaria de entender, de acompanhar, qual bomba é a melhor para se utilizar, submersa, injetora ? de 0,5 cv? O caro amigo falou q eu poderia ter uma vazão de 7200 lt/ diários, talvez seja suficiente, mas temos q considerar que nesse caso o motor iria trabalhar o dia inteiro pra conseguir essa vazão: 24h x300l/h. Nesse caso, trabalhando o dia inteiro, a conta de energia não ficaria muito cara? são essas minhas indagações e preocupações, ainda mais pq nao estou lá perto, só arcando com as despesas. Queria saber ainda, considerando a hipotese de ficar muito cara a energia no caso do motor funcionar o dia inteiro, se existe algum modo automatizado pra bomba trabalhar somente 12 horas por dia (para e volta), com uma vazão diária igual ou até mesmo superior aos 7200l referenciados, para economizar energia.
        Enfim, muito obrigado mesmo pela atenção.
        O ideal mesmo pra mim seria uma vazão de 10mil lit/diarios, pois pretendo fazer uma pequena área irrigada, além de um lugar agradável pra morar no futuro, mas 7500lt/diarios já daria pra fazer muita coisa. Queria muito que esse poço desse certo. Poderia até tentar furar outro poço, mas num futuro bem distante… rsrs
        Vlw, abraço!

        • Olá, Jorge. Que bom que você voltou: assim a gente vai poder um pouco mais, juntos. Uma coisa muito interessante a se fazer nesses casos é não inventar a roda, ou seja, admitir que alguém já passou por esse problema antes. Assim, verifique quem tem poço artesiano pela redondeza (normalmente a empresa que perfura tem a lista – eu mesmo visitei diversos indicados pela empresa que furou o meu poço). Aí você terá uma boa indicação. Se houver um vizinho que perfurou 80 metros e está nadando em milhares de litros por hora, você terá um bom indicativo para continuar perfurando. Entretanto, se todos os poços, entre 70 e 300 metros de sua região não produzem mais do que 300/1000 litros por hora, fique na sua e administre seus 300 litrinhos com sabedoria e humildade. Visite o site da Compesa e busque as informações sobre os poços abertos pela companhia aí na sua região (elas abrem poços, sim, principalmente se a água do subsolo é boa como a sua). Também você terá uma boa ideia de por onde é que a banda toca. Claro que se as informações que você recolher forem boas, você saberá tomar as decisões necessárias. Agora, se forem ruins, então o problema é conosco. Digamos que as notícias sejam ruins e, em sua região, perfurar 60 metros ou 300 metros não altera a vazão. Então, você terá de otimizar sua água. Vamos lá. Quando terminou a perfuração e foi medida a vazão, a empresa deve ter-lhe entregue um documento, com as características do poço. Entre essas características (profundidade, diâmetro, vazão, etc), há duas que são interessantes: o nível estático e o dinâmico. A primeira dessas variáveis – nível estático – é aquele nível onde a água se encontra quando em repouso. Normalmente, fica bastante próximo da boca do poço. Como sua vazão é de 300 litros, digamos que você coloque uma bomba que esteja regulada para bombear os mesmos 300 litros. Quando essa bomba estiver funcionando, o nível da água baixará – claro. Mas não secará o poço. Em alguma profundidade, com a bomba funcionando, a água não descerá mais. Esse ponto é chamado nível dinâmico. Como você deve perceber, A BOMBA NÃO PODE FICAR ACIMA DO NÍVEL DINÂMICO! E se você não tiver recebido documento nenhum? Aí, vamos ter de descobrir por tentativa e erro. O nível estático é simples: basta amarrar um peso na ponta de uma corda e descer pela boca abaixo, depois de o poço haver ficado pelo menos 24 horas quietinho. Digamos que ele esteja a dois ou três metros da superfície. Não se esqueça de que a água está armazenada no próprio poço, como se fosse um tubo de 60 metros de profundidade. Essa água acumulada é o que o poço conseguiu produzir em 24 horas. Pegue uma bomba submersa barata (bomba sapo) e instale-a a cerca de 30 metros da boca do poço. Se o nível estático estiver a 5 metros da boca e a bomba a 30 metros da mesma boca, você terá 25 metros de água acima da bomba, certo. Quantos litros de água tem aí, acima da bomba? Boa pergunta! Vamos voltar ao ensino fundamental e calcular o volume do cilindro (Pi x r²x h). Como você não disse qual o diâmetro do poço, vamos supor que seja de 20 cm. Se o diâmetro é de 20 o raio é de 10 cm. Como queremos saber o volume em metros e não em centímetros, vamos transformar esses 10 cm em 0,1 metro. Então, a fórmula ficaria assim: 3,1416 x 0,1 x 0,1 = cerca de 30 litros por metro. Como são 25 metros, você teria 750 litros de água acima do nível da bomba. Você está acompanhando, Jorge? Quando você ligar a bomba, trate de calcular imediatamente a vazão – da bomba, não do poço. Como se faz isso? Use um recipiente de 60 litros e o cronômetro do seu celular. Ligue a bomba e o cronômetro. Se a bomba levar um minuto (60 segundos) para encher o recipiente, você tem 60 litros por minuto. O resto é fácil. Mas o seu poço tem vazão de 300 litros por hora ou seja, 5 litros por minuto. Então, a sua bomba deveria encher o recipiente de 60 litros em 12 minutos, ou seja, 5 litros por minuto. E como se faz isso? Escolhendo uma bomba-sapo mais fraquinha ou afundando ela mais e mais no poço: quando mais funda ela estiver, menor a vazão. É isso que chamo de tentativa e erro, entendeu? A última bomba-sapo que comprei custou cerca de R$ 100,00 e me trouxe água do riacho para a caixa dágua, o que dá cerca de 20 metros.
          Acho que vou parar por aqui, para ver se você absorveu tudo isso. O detalhe é o seguinte: definido o nível dinâmico, fica definida também a profundidade mínima onde a bomba vai ficar. A ideia é deixar a bomba funcionando permanentemente, sem que o poço seque. Achado esse ponto, então vamos administrá-lo. Sua bomba não precisará funcionar continuamente. Existe um mecanismo que permite a você encher inicialmente um grande depósito (digamos uma caixa de 20.000 litros) e, a cada vez que o nível desse depósito caia – por exemplo – um metro e meio, a bomba é automaticamente ligada até completar o nível, quando então ela se desliga. Esse mecanismo custa cerca de R$ 80,00.
          Daqui a pouco eu volto,se você afirmar que entendeu tudo.
          Abreu

          • Bom dia Abreu, saudações.
            Primeiramente gostaria de parabeniza-lo pelo trabalho e pela paciência harmoniosa com que trata àqueles que aqui procuram por ajuda. São poucas as pessoas, assim como você, que tem o dom de partilhar experiências de vida e conhecimentos adquiridos com perseverança e sobretudo com muita paciência.
            Prezado, levei algumas horas, mas li todas as mensagens de seu blog, sem saltar nenhuma. Também faço parte do grupo de “sofredores” com poços artesianos e muitas informações aqui de alguma forma me ajudarão muito.

            Abreu, perfurei um poço em uma pequena propriedade que possuo no interior do Estado do Ceará. Região seca e de cristalino aflorante; mas foi onde nasci e onde pretendo, com muito trabalho e um pouco de sorte, mudar um pouco a realidade do lugar.
            Para a surpresa de todos e a felicidade geral da nação o poço apresentou uma vazão excelente em comparação aos que foram perfurados aqui na região.
            Segue dados do poço: Profundidade: 60 metros; Nível estático: 4 metros. Nível dinâmico: 21 metros e Vazão: 13.000 litros por hora.

            Tudo ótimo para meus projetos: instalação de bomba com capacidade de sucção de 10.000 l/h, construção de tanque de 50.000 litros, caixa dágua de 10.000 litros para abastecer casa, estábulo etc. (OBS: tudo executado)

            Contudo os passos seguintes são de muito sofrimento:
            Análise de água completa, resultado: Microbiológica: excelente. Físico-química: horrível: ferro – manganês – dureza total: todos altíssimos; mas o mais grave: condutibilidade: também altíssima.
            Resultado geral do laudo: Água imprópria para consumo humano, animal e irrigação (principal objetivo).

            Começa então minha saga: pesquisa, pesquisa, pesquisa.

            Foi assim que cheguei até aqui.

            E vai ai minha primeira indagação: em suas pesquisas você por acaso encontrou algum trabalho sobre dessalinização de água de poço artesiano. Ou algum outro produto, assim como phoslan, que segurasse (complexasse) as moléculas de sal (sódio) da água.
            Pois, no momento, a solução mais barata apresentada para mim custa apenas R$ 32.000,00 (Trinta e dois mil reais).

            Desde já, parabenizo mais uma vez pelo sucesso de seu excelente trabalho e agradeço a atenção a mim dispensada.

            Meu lema de vida: PERSISTIR SEMPRE, DESISTIR JAMAIS.

            Att.

            MOREIRA

          • Olá, Moreira. Bem-vindo ao blog. Obrigado por suas palavras: elas são a nossa remuneração mais valiosa! E eu me sinto muito bem pago ao ler comentários como o seu. Bem, como você disse que já leu tudo o que está no blog, deve ter percebido que o que aqui se colocam são vivências, experiências, vitórias, derrotas, desperdícios e parcimônias, alegrias e tristezas. Já conhecimento acadêmico titulado em geologia, física molecular, hidráulica, etc. passou longe daqui. Mas tem dado certo. O seu caso é emblemático: você está com a mão a alguns milímetros da taça de campeão. Não é brincadeira conseguir-se, na região mencionada, tal volume de vazão de água praticamente sem contaminação orgânica. Em compensação, você fala de altíssimos níveis de ferro, manganês e condutibilidade. Conclui perguntando sobre alternativas para dessalinização. E arremata com o espetacular orçamento de R$ 32.000,00 para resolver o problema. Quanto ao ferro e manganês, já temos experiência de sobra para tourear esses caras. Já a condutibilidade… Moreira, vou lhe fazer uma pergunta aparentemente idiota: a sua água é salina porque você a provou pessoalmente ou porque o teste de condutibilidade elétrica assim a definiu? Já vimos que ela praticamente não tem contaminação por matéria orgânica, então você pode provar sem risco de morrer (propriedades organolépticas: doce na ponta da língua, salgado no meio e amargo no tronco, quase na garganta). Por que eu pergunto isso? Porque análise de água por teste de condutibilidade é igual à densitometria óssea para os seres humanos. Os aparelhos de medição da densidade dos ossos para identificar osteoporose, por exemplo, são produzidos e calibrados para o hemisfério norte, em países de altas latitudes, com baixa incidência solar, que é responsável pela produção de vitamina D pela pele humana, que por sua vez é responsável pela fixação de cálcio nos ossos. Aí você aplica nesse Brasilzão equatorial, com esse solão aí do Nordeste – imagine a distorção das leituras. No caso dos testes de condutibilidade, leva-se em conta que a água destilada pura (protóxido de hidrogênio=H2O) é péssima condutora de eletricidade. E, à medida que essa água pura, destilada, que cai das nuvens, se mistura com diversos gases existentes na atmosfera e sais minerais existentes no solo, a condutibilidade elétrica vai aumentando até chegar ao máximo, que é a água do mar. Assim, os aparelhos que medem a condutibilidade – e apenas ela – tendem a uma conclusão automática: quanto maior a condutibilidade, maior a concentração de sais na água. Não digo que eles estejam errados. Mas há alguns detalhes que podem perturbar esses resultados, a partir da calibração dos aparelhos utilizados. Por exemplo: a presença de contaminação orgânica na água, particularmente gorduras, ácidos graxos, álcoois, etc., reduzem violentamente a condutibilidade. Assim, uma amostra de água altamente salina, mas extremamente contaminada por matéria orgânica em decomposição, pode apresentar baixíssima condutibilidade. Como a sua água está a quase zero de contaminação orgânica, a leitura da salinidade por condutibilidade elétrica pode ter sido exponencializada. Então, repito minha pergunta: Moreira, você degustou, provou, bebeu a água do seu poço? E no exame de laboratório, o que aparece em termos de condutibilidade elétrica? Quantos micro Siemens? A lista vai de menos de 15 para água destilada até 500.000 para a água do mar. Onde você está nessa escala?
            Bom, você já deu provas de que é um guerreiro. Persistir sempre, desistir jamais. Isso é parecido com o que esse blogueiro adota para a vida. Certa vez, vi uma placa no túnel de um estádio de futebol do interior, onde se lia: “Não desista: ainda falta um segundo”! E eu tenho levado isso a ferro e fogo por toda a minha vida, em todos os seus aspectos. E não me arrependo. Aguardo suas respostas, para continuarmos a conversa. E tem conversa. Como eu disse antes, você está com a mão a alguns milímetros da taça de campeão. Não desista: ainda falta um segundo!
            Um grande abraço.
            Abreu

          • Muito Obrigado pela atenção, meu amigo. Eu entendi sim! Os poços aqui perto não costumam dar mais que mil litros não. Então vou tentar administrar os meus 300 mesmo, com o pé no chão, como você aconselhou. Se for o caso, no futuro perfuro outro pra ter outra fonte de água. Em relação as explicações sobre bombas, vazão, nível dinâmico e estático, muito obrigado mais uma vez. Você já ajudou muito, já tenho um norte a seguir aqui, vou tentar por em prática. No futuro venho lhe falar como foi minha experiencia. Obrigado!!

          • Muito Obrigado pela atenção, meu amigo. Eu entendi sim! Os poços aqui perto não costumam dar mais que mil litros não. Então vou tentar administrar os meus 300 mesmo, com o pé no chão, como você aconselhou. Se for o caso, no futuro perfuro outro pra ter outra fonte de água. Em relação as explicações sobre bombas, vazão, nível dinâmico e estático, muito obrigado mais uma vez. Você já ajudou muito! no caso, qual bomba vc me aconselha a usar ?

          • Jorge, para essa vazão, procure a bomba mais barata e com a menor potência possível. Uma boa velha dica: que bomba os seus vizinhos estão usando para vazões tão baixas? Quanto ao problema que te preocupa – baixa vazão e excessivo tempo de bomba ligada x conta de luz -, uma hora que você voltar com mais tempo, poderemos discutir as possibilidades de uma bomba de 12 volts, alimentada por uma ou duas placas fotovoltaicas, ou seja: a custo zero.
            Estamos aqui, Jorge. Para ajudar você a pensar!
            Um abração.
            Abreu

    • Olá, Diogo. Bem-vindo ao blog. Duvido muito que essa água vá melhorar. Esses poços rasos – cisternas – têm uma característica: eles mostram logo a cara. Se a água vai ser cristalina, pura e fresca, assim ela se apresenta. Caso contrário, possivelmente estão situados em solo rico em matéria orgânica, onde a presença de coloração escura, cheiro de decomposição e sabor adocicado impedem sua potabilidade, isto é, é água imprópria para o consumo. Claro que você deve ter paciência e tentar ver se, com o tempo, a coisa muda. Mas acho interessante que você ou aprofunde o poço, para buscar um veio mais puro e mais limpo, ou então parta para a filtragem e tratamento da água. Do que você decidir, volte aqui e nós tentaremos dar uma ajuda para você.
      Um forte abraço.
      Abreu

  69. Minha cisterna tem 23 metros, sendo 8m de água ,tem mais de 20 anos. Mas, agora, de uma duas semanas pra cá ,a água está diminuindo, não tem força para chegar à caixa ,que está em mais de 6m de altura. O q, está acontecendo? A cisterna está suja?, ela precisa ser limpa, precisa ser aprofundada? Aguardo respostas, dicas, sugestões. obrigada, Angela

    • Olá, Angela. Bem-vinda ao blog. Imagino que a água chegue à caixa, cerca de 18 metros acima, impelida por uma bomba. Em princípio, se a água não consegue chegar à caixa, o problema pode ser da bomba. De qualquer modo, se a redução do nível da água na cisterna é um fato e isso não tem nada a ver com a elevação dela até à caixa, esse é um problema que só se resolve com o aprofundamento do poço. Antes, entretanto, você deve tentar limpar o fundo: se ele for pedregoso, sujeira acumulada pode eventualmente obstruir os canais que perrmeiam a rocha e alimentam o poço. Mas se o fundo for de barro, você não vai escapar do aprofundamento. As cisternas baixam o nível por diversas razões. No seu caso, com o mesmo nível há 20 anos, possivelmente a culpa não será sua, mas de toda a natureza em seu redor, que se vinga dos seres humanos que não cessam de desmatar. Você não disse onde mora. Independentemente de desmatamentos localizados, o país inteiro está mostrando uma das secas mais rigorosas dos últimos 100 anos. Isso pode explicar o que está acontecendo com sua cisterna. E a solução realmente vai ser o aprofundamento dela. Dê notícias.
      Um grande abraço.
      Abreu

  70. socorro…
    vamos la. perfurei um posso em minha propriedade a uns 6 meses que tem vazão de 4000 L/H, e a água sai com uma areia vermelha e grossa. Não é barro é uma arreia mesmo, que vai imediatamente para o fundo do reservatório onde se acumula.
    Quando faço limpeza na caixa de água da quase pra tirar de pá.
    Existe um filtro para isso???
    E o segundo problema é o ferro!!!
    A água desse posso não e usada para beber e sim para outras coisas como banho, descarga de privadas, lavar roupas etc. As roupas e os vasos sanitários ficam manchados, mas é na piscina que o bicho pega.
    Quando coloco o cloro a água fica verde em menos de 1h, no dia seguinte esta marrom.
    Já usei produtos destinados a piscina para remover o ferro e nada.
    Por cima da agua fica um gordura com muitas bolhas pequenas, (nojentos pacas).
    Já sequei a piscina 2 vezes para refazer o processo de colocar as químicas e nada, e pra completar é uma piscina de 90,000,00litros, ou seja um dia pra esvaziar e 3 dias pra encher.
    OQUE EU FAÇO???
    A areia quase que não incomoda tanto, já que o cano de drenaguem da caixa esta uns 40cm acima do fundo então quase que não vem areia para as torneiras.
    mas o ferro sim esse eu tenho que resolver, ou vou perder o posso!
    Desde já grato pela atenção de vocês.

    • Olá, Júlio. Bem-vindo ao blog. Esse é um dos casos mais graves que já apareceram por aqui, tanto pelos sintomas (essa nojenta nata de bolhas a que você se refere), quanto pelo tamanho (piscina de 90.000 litros). A areia realmente não deve incomodar, porque um filtro adequado resolve o problema. Agora, essa reação química que deixa tudo marrom, principalmente quando você tenta combater com produtos clorados (tratamento para piscinas), revela uma lambança de elementos químicos liderados pelo ferro – mas seguramente não é só ele. Aí deve haver um bocado de manganês, além do ferro. Enfim, Júlio, o tratamento de piscina (cloro) é para matar bactérias, ou seja, para evitar a contaminação biológica, orgânica. E o que você tem em mãos (independentemente de a água estar ou não contaminada biologicamente) é um problema de química inorgânica, ou seja, dos elementos que compõem as rochas onde a água está depositada lá no fundo do seu poço. E aí voltamos ao caso típico daqui do blog: saber qual é o problema já é metade da solução. E você não sabe qual é o seu problema. E só há uma forma de saber: é fazendo a análise da água. Não sei qual a dificuldade, mas as pessoas não gostam de fazer análises da água. A maior parte teme que, ao fazer a análise, o governo descubra que o seu poço não é regular ou coisa parecida. Ora, esse negócio de regularização de poço artesiano é relativamente recente e varia de estado para estado. Normalmente, a companhia de águas e esgotos é que persegue os poços clandestinos, porque são seus concorrentes. Então, se um companheiro de infortúnio do poço artesiano de água suja vem aqui ao blog e recebe a orientação de fazer a análise da água, já pensa que vai ter de pedir a análise…à companhia de águas e esgotos de sua cidade ou do seu estado, a qual prontamente mandará lacrar o poço! Não é bem assim. Primeiro, qualquer poço pode ser cadastrado e regularizado rapidamente pela internet, junto à Secretaria de Recursos Hidricos ou Agência Estadual de Águas – e não junto à companhia de águas. Segundo, o poço será regularizado, mas com a água classificada como “imprópria para consumo”, o que não interessará à companhia de águas. Terceiro, mesmo sem regularizar seu poço, você pode mandar fazer a análise da água em um laboratório particular, sem qualquer ligação com a companhia de águas ou com o próprio governo municipal ou estadual. Não há nenhum crime ou contravenção nisso. Esses laboratórios estão cobrando cerca de R$ 200,00 para fazer a análise física, química e biológica da sua água. Há uns que cobram R$ 2.000,00 ou mais, mas é porque querem explorar o medo do proprietário de ser enquadrado pelo governo. Então, não tem mistério: você está precisando desesperadamente de saber qual o seu problema e essa resposta só virá pela análise da água. Com o resultado na mão, você vai parar de jogar dinheiro fora. Não gosto de indicar empresas, mas se você tiver dificuldades de encontrar, retorne. Citaremos algumas aqui em Brasília, que poderão receber sua amostra de água por SEDEX e fornecer o resultado por e-mail. Mas isso deve haver também por aí onde você mora. É só procurar. Com o resultado na mão, Júlio, aí sim é possível desenvolver uma estratégia para resolver o problema, aos menores custos possíveis.
      Um forte abraço.
      Abreu

  71. Prezado Abreu: Se apenas uma parte da população brasileira tivesse sua iniciativa este país mto diferente. Mas vamos ao que me trouxe aqui: em Fevereiro deste ano contratei uma “empresa” para perfuração de um poço semi-artesiano, desses com compressor, de 1/2hp, que vc conhece. Porém, ainda ñ estou jogando essa água para a caixa pq ainda esta saindo mta areia e ñ mandei analisá-la. Aparente/e a água é boa pois qdo criança tínhamos dois poços nesse mmo local. Gostaria de saber se há solução para esse problema. Moro em SP – Capital, região da Penha. Grato. E mais uma vez o parabenizo. Abraço.

    • Olá, Vanderlei. Bem-vindo ao blog e obrigado por suas palavras: são uma força enorme para nós. Claro que a gente precisaria de um pouco mais de detalhes sobre o seu poço. Qual a profundidade? Qual a vazão? Independentemente desses dados, uma recomendação se impõe: faça a análise da água. A natureza mudou muito desde quando éramos crianças. O desequilíbrio ecológico, a contaminação do solo, do ar e da água hoje são uma realidade inescondível. Aqui mesmo no blog você tropeça com poços artesianos com contaminação nuclear! O sistema hídrico da grande São Paulo hoje é um desafio, tanto do ponto de vista da quantidade quanto da qualidade da água. Então, previna-se. Quanto à presença de areia – se for apenas a velha e boa areia -, nada que um bom filtro não resolva. Mas deixe correr o sistema por pelo menos mais um mês. Normalmente, com esse período de uso e espera, nos poços novos o problema ser resolve. Caso persista o problema, você vai precisar de filtrar essa água. Dependendo da vazão e da pressão por ser um filtro de passagem (R$ 50,00), uma solução artesanal (caixa, areia, brita, carvão= R$ 200,00

    • Olá, Vanderlei. Bem-vindo ao blog e obrigado por suas palavras: elas são uma força enorme para nós. Claro que precisaríamos de mais detalhes sobre o seu poço (vazão, profundidade, etc). Independentemente desses dados, faça a análise. As águas atuais não têm a mesma qualidade das águas da nossa infância, principalmente aí, na Grande São Paulo. Aqui mesmo no blog temos casos de contaminação biológica, por metais pesados e até contaminação nuclear! Quanto à areia – se for apenas a boa e velha areia -, primeiro é preciso paciência. Talvez um ou dois meses de observação e teremos certeza de que a coisa é passageira ou permanente. Se for permanente, você não escapará de um filtro que, a depender da profundidade e da vazão, poderá custar R$ 50,00, R$ 200,00 ou R$ 2.000,00. Pode ser um filtro de passagem (50), uma solução artesanal (200) ou um filtro central para grandes vazões (2000). Vamos acompanhar você – se você retornar com novas informações.
      Um grande abraço.
      Abreu

    • RESPOSTA AO COMENTÁRIO DE DANIEL LUIZ

      Anexos: anexo1.jpg (1 MB); anexo2.jpg (146 KB); fluxograma.bmp (150 KB);

      Bom dia professor Abreu.

      Li todos os comentários sobre ferrugem, os produtos utilizados, etc. Porém todos são relacionados a poços.
      Estou com um grande problema em minha propriedade.
      Primeiro vamos aos dados:
      Tenho um nascente que produz 10.000 litros de agua por dia.
      Ela nasce em uma área de preservação e escorre por um canal (uns 20 metros) até chegar em uma caixa onde faço a estocagem desta agua.
      Esta caixa onde armazeno a agua é ligada a um filtro feito por uma caixa dagua de 250l tendo em seu interior brita, carvão, manta geotextil e areia.
      A agua passa pela areia, depois pelo carvão e por ultimo a brita no fundo da caixa.
      A saída do filtro é ligada então a um ultimo reservatório de 5000L onde a agua é bombeada até a casa.

      Agora vamos as fatos:

      Veja (anexo1) como está ficando a agua na caixa que faço a estocagem da minha nascente. (terrível).
      Acho que a ferrugem ou barro é tanta que o filtro está entupindo em poucas horas (forma-se uma membrana fina sobre a areia que impede que a agua desça para ser filtrada) fazendo transbordar e com isso interrompendo o enchimento do reservatório de 5000L.
      Como poderia resolver este serio problema que esta interrompendo meu abastecimento, já que antes do filtro entupir a agua sai bastante limpa? (anexo2).
      Será que o uso de algum produto eliminaria isso?
      Anexei um fluxograma para ajudar.

      Muito obrigado e parabéns.

      Olá, Daniel. Bem-vindo ao blog. Em primeiro lugar, não conseguimos descobrir como você chegou até nós. Normalmente, os “angustiados” possuidores de poços com problema buscam no Google. água suja, poço sujo, poço de água suja, etc. e acabam caindo aqui. No seu caso, o comentário não apareceu no blog, mas no meu e-mail particular. Como o WordPress, o programa que administra o blog, está se comportando de forma estranha ultimamente, particularmente no que diz respeito às estatísticas de frequência, tivemos de fazer uma mágica para trazer você para cá.

      • Olá, Daniel. Bem-vindo ao blog. Aliás, não é bem assim: nós não conseguimos compreender como foi que você chegou ao blog. Como você informou, já leu tudo o que postamos sobre esse assunto, mas o seu comentário chegou apenas ao e-mail e não à área específica de comentários do blog. Por isso tivemos de improvisar essa transposição do e-mail para cá, como forma de podermos responder e permitir que outros acompanhem.
        Mas, vamos ao que interessa, Daniel. Passamos uma parte da tarde analisando e discutindo o seu caso. Juntamo-nos minha esposa e eu, ambos com longa vivência nessas questões de roça, e meu filho mais velho, farmacêutico, bioquímico, professor universitário, oficial do exército, doutorando em Ciências Genômicas, mas – o mais importante: criado aqui na roça, acompanhando todas as dores de cabeça e alegrias que só se encontram no campo, resolvendo os problemas dos 13 cães, das 5 vaquinhas Jersey, das galinhas, do riacho, da matinha e … do poço artesiano de água suja e da NOSSA NASCENTE!
        Pois bem, Daniel. Dessas conversas na varanda, ao som dos tucanos e japus, chegamos a algumas conclusões. A primeira delas é que faltou uma informação importante: qual a diferença de nível entre a nascente e a primeira caixa de captação?
        Isso é crítico para os desdobramentos de nossas análises, que geraram o seguinte diagnóstico:
        a) O seu filtro funciona muito bem para nascentes de baixa vazão (digamos entre 500 e 1.000 litros por dia) de água minimamente suja;
        b) Sua nascente tem uma vazão de 10.000 litros diários e uma sujeira respeitável;
        c) Então, temos um equívoco de dimensionamento inicial aí.
        O processo de acumulação de sujeira no filtro, impermeabilizando o fundo do tanque e bloqueando o fluxo é absolutamente previsível. Se a água fosse “minimamente suja”, talvez fosse o caso de substituir o conjunto filtrante a cada um ou dois anos. Sob o regime atual, a substituição deveria ser feira a cada dois dias!
        Ora, isso muda o patamar da discussão, Daniel. Significa que você precisa de um sistema de filtragem que permita a retrolavagem, e não a substituição do filtro.
        A seguir, discutimos a sujeira. Que raça de sujeira é essa¿ O pau comeu aqui. As hipóteses são duas: excesso de ferro e contaminação biológica, proliferação de algas e fungos. Pela aparência do anexo 1, o excesso de ferro não teria muita procedência. O processo de oxidação da água pelo ferro, normalmente ocorre de forma homogênea, ou seja, a água toda do reservatório fica amarela.
        Diante da imagem do anexo 1, tivemos a suspeita de que a contaminação pudesse ser biológica, uma vez que, ao contrário da oxidação, ali se formam grumos, blocos de material marrom, isolados, enquanto o resto da água está limpo. Eu acho que há ferro ali; meu filho defende que é proliferação de algas e fungos, minha mulher defende uma mistura dos dois.
        Meu filho propõe a instalação de uma caixa luminosa de raios ultravioleta na entrada da primeira caixa. Os raios UV matariam as algas. Eu argumento que a distância entre a nascente e a primeira caixa (20 metros) não comportaria espaço nem tempo para tanta contaminação biológica, uma vez que, pressupostamente, a água sai limpa da nascente.
        Para nós, é impossível que a água, ao percorrer 20 metros, sofra um processo tão violento de contaminação, DENTRO DO TUBO, sem a presença de luz. A luz é fundamental para a proliferação de vegetais (algas, bactérias, fungos etc).
        Conclusão: vamos tentar sugerir a solução do seu caso com propostas a partir das mais baratas até chegar às mais caras. Se aqueles grumos marrons são vegetais e não minerais, vamos experimentar o uso de um chloro dispenser, que é aquele negócio que fica boiando nas piscinas das casas das pessoas ricas. É uma peça plástica, que custa R$ 40,00, e contém cloro que vai sendo administrado aos poucos, ao longo do mês. Esse cloro mata as células vegetais (algas, etc), impedindo que elas se reproduzam e criem aqueles grumos marrons da primeira foto.
        A ideia é que os “cadáveres” vegetais, em muito menor número, vão se precipitar e pousar no fundo da caixa. Se isso acontecer, o tempo de colapso do filtro, que o impermeabiliza pelo excesso de sujeira, aumente muito, talvez para 6 ou 8 meses. Mas lá na frente, a verdade se impõe: como limpar o filtro¿
        Temos algumas propostas, Daniel. Mas, vamos parar por aqui e esperar que você retorne com a informação crítica, ou seja, a diferença de nível entre a nascente e a primeira caixa. De repente você não volta mais e a gente fica falando sozinho, não é?
        Um grande abraço.
        Abreu

  72. Olá meus queridos!

    Meu primeiro post foi 15/10/2013 . E lá se vão 1 ano e meio de poço na terrinha Macapá/Ap.

    Meu consumo no meu poço de 30metros é pouco. No máximo Mil litros dia .

    Ainda recebo um pouquinho de areia bemmmmmmmmm fininha. Agora testei pegar a água do poço, passar por um filtro comum (pra tirar qalquer tipo de sedimento) . Percebo que a água tem um certo “gosto” , coisa que a água mineral que consumimos não tem.

    Existe algum produto/filtro para eliminar esse “gosto” da água ? O exame da água deu apta pra consumo na época. Acho que vou refazer o exame.

    Existe algum produto para limpeza do poço “semi artesiano” de 30 metros ? O pessoal que consultei aqui só faz meter compressor e tirar excesso de lama.

    Abraços meu amigo Abreu, a pessoa mais prestativa que conheço.

    • Olá, Cléber. Bem-vindo de volta e muito obrigado por suas palavras de conforto e estímulo para nós. Refaça o exame, sim: água com sabor, ou seja, não insípida, não pode ser própria para consumo. Ou a sua água é potável, ou o exame anterior está errado. Quanto às alternativas ao uso do compressor para poços de 30 metros, temos diversas sugestões. Só que todas são “lusitanas”, pouco inteligentes, ineficientes, caras, trabalhosas e…é melhor ficar com o compressor.
      Um grande abraço e não se perca de nós!
      Abreu

  73. Perfuramos o nosso poço ha um ano e ao ler seu relato me identifiquei nele, vou mandar fazer uma análise da água so para confirmar o teor mas o poço a água tem alto teor de ferro,o gosto é de “ferro”, é fato depois que li suas experiências, durante a semana quando a água é usada e bombeada mais vezes ela fica limpida (mais), no domingo menos lida a água fica no reservatório mais tempo, parada e na segunda feira as torneiras estão com água mais amarelada, ao colocar em recipiente aparece um lodo, o cara que perfurou falou que é ferro e agora vamos em busca de solução.
    Que caminho devo seguir? Não consegui visualizar o post do Leonardo Grim que vc cita para o Kiko.
    Aguardo retornoSou mais uma nesse clube,

  74. Sou mais uma nesse clube, perfuramos o nosso poço ha um ano e ao ler seu relato me identifiquei nele, vou mandar fazer uma análise da água so para confirmar o teor mas o poço a água tem alto teor de ferro,o gosto é de “ferro”, é fato depois que li suas experiências, durante a semana quando a água é usada e bombeada mais vezes ela fica limpida (mais), no domingo menos lida a água fica no reservatório mais tempo, parada e na segunda feira as torneiras estão com água mais amarelada, ao colocar em recipiente aparece um lodo, o cara que perfurou falou que é ferro e agora vamos em busca de solução.
    Que caminho devo seguir? Não consegui visualizar o post do Leonardo Grim que vc cita para o Kiko.
    Aguardo retorno

    • Olá, Betânia. Bem-vinda ao blog. Aparentemente, o seu caso é o caso clássico discutido aqui no blog e a solução, trazida por nossas experiências coletivas, indica o uso do Phoslan. Esse produto é fornecido pela Systemmud (“www.systemmud.com.br), mas alguns outros fornecedores têm-se apresentado aqui no blog com preços mais acessíveis ou com quantidades menores. Nós não privilegiamos nenhum e aplaudimos que as empresas venham aqui nos ajudar com seus produtos. No caso do Leonardo Grim, ao fazer uma rápida vistoria pelo blog, também não consegui localizar a mensagem dele. Mas transcrevo abaixo a segunda via (quando vocês entram no blog e postam um comentário, eu, como moderador, recebo uma cópia imediatamente via e-mail). É essa cópia que colo a seguir (depois vou ver o que aconteceu com o original):
      “Novo comentário em “SÍTIOS E SOLUÇÕES : Poço artesiano de água suja”
      Autor: Leonardo Grimm (IP: 177.3.157.220 , 177.3.157.220)
      Email: contato@filtrat.com.br
      URL:
      Whois: http://whois.arin.net/rest/ip/177.3.157.220
      Comentários: Abreu, tudo ok!
      Aqui no Sul, tem algumas empresas que trabalham com tratamentos, porém usam de má fé para enganar clientes.
      Como falei, o Phoslan não retira o ferro, ele apenas não o deixa oxidar. Hoje chegou o meu aparelho de análise de ferro. Irei fazer mais testes.
      Recentemente importei dos EUA uma resina muito boa para tirar o ferro, porém, custo muito elevado..

      Para todos que estão com problemas de ferro e manganes… só tem um jeito mesmo:

      – Opção A: Utilização da água para consumo: Somente com filtro especial ou via decantação
      – Opção B: Utilização da água para não consumo: Phoslan é ótimo!

      A partir de semana que vem já terei em maos o Phoslan para vender a partir de 2 litros. fica mais fácil para o pessoal poder fazer testes! Quem queria comprar contato@filtrat.com.br

      Lembro que também tenho filtros e material ( carvão, zeólitos, areia, quartzo, etc) para venda! Cotar não custa nada =))

      Abraços a todos!

      Vocẽ pode ver todos os comentários para este post em:
      http://www.expressaodaliberdade.com.br/?p=12#comments

      É isso, Betânia. Qualquer dificuldade, retorne. Teremos o maior prazer em ajudar você.
      Um forte abraço.
      Abreu

  75. olá abreu o phoslan é um produto a base de ortopolifosfato e sei que aqui no sul a quimisa vende a embalagem menor a 450 reais que é de 30 kg mas se vc descobrir quem vende o produto base que é o ortopolifosfato acho que o preço cai bastante abços

    • Kiko, o Leonardo Grimm, em postagem aqui no blog de 12.2.2015, levanta alternativas nesse sentido, com valores muito mais acessíveis. Você consegue ver o comentário dele?
      Abreu

  76. BOM DIA..ABREU E SENHORES.SOU DE CAMPINAS SP.TRABALHO C/ POÇO CAIPIRA E SEMI- ARTESIANOS.GOSTEI MUITO DO BLOG DOS COMENTÁRIOS DE TODOS E PRINCIPALMENTE DA SUA DISPOSIÇÃO EM AJUDAR A TODOS. NA VERDADE MUITAS PESSOAS NÃO SE INFORMA ANTES DE CONTRATAR UM PROFISSIONAL.E PRECISO SABER ANTES QUAL A NECESSIDADE DE CADA UM P/ QUE REALMENTE ELE OU ELA IRA UTILIZAR A AGUÁ.A QUANTIA CERTA PRA CADA CASO.DEIXO AQUI MEU EMAIL PRA AJUDAR PESSOAS DA REGIÃO DE CAMPINAS WEGO155@BOL.COM.BR UM ABRAÇO A TODOS

    • Olá, Welber. Bem-vindo ao blog. Como temos reiteradas vezes registrado aqui, esse blog não tem qualquer relação preferencial com fornecedores. A nossa relação preferencial é com as pessoas que nos procuram em busca de solução para suas angústias hídricas. E quaisquer empresas que se disponham a oferecer soluções para os diversos problemas que por aqui surgem são bem vindas.
      Um grande abraço.
      Abreu

  77. Bom dia, gostaria de saber de existe algum problema em revestir caixas d’água de alvenaria com piso cerâmico, pois pensando em higiêne fizemos esse procedimento e uma pessoa disse que não pode, mas não sabe porque.

    Me ajude, por favor!

    • Olá, Norma. Bem-vinda ao blog. Relaxe, Norma. Em todos esses anos de sofrimento, que procuramos registrar aqui no blog, nunca vimos sequer falar dessa hipótese. O mundo está cheio de piscinas revestidas com piso cerâmico e não há nenhum estudo científico mostrando que esse revestimento seja tóxico ou nocivo à saúde humana. Até me dispus a fazer algumas pesquisas a respeito da eventual toxicidade do rejunte utilizado. Imaginei que algum produto chinês, contendo chumbo ou outros metais pesados, pudesse estar disponível no mercado. Não encontrei registro disso. Diante de tudo isso, e presente que sua fonte de informação apenas “disse que não pode, mas não sabe porque”, prefiro ficar com a experiência real que vivenciamos aqui no blog e repetir para você:-“RELAXA, NORMA, E VÁ EM FRENTE”.
      Um grande abraço.
      Abreu

      • Bom dia, estou impressionada com a eficiência de vocês em responder cada dúvida. Graças a Deus! Muito obrigada, pela a ajuda, Abreu!
        Deus os abençoe hoje e sempre!
        Solange Verçosa

        • O que dá sentido para nós é tentar ajudar, Solange. Às vezes, a gente consegue. Outras vezes, não. Mas o empenho é o mesmo.
          Um abração e obrigado pelas palavras de força e carinho.
          Abreu

  78. Senhores ótima oportunidade de esclerecimento no Blogger. Gostaria se alguém teve alguma experiência sobre dureza total acima de 200, sendo que a norma regulamentado ra e de 500, mas acima de 150 ela é muito dura. Comprei o Phoslan para colocar direto no poço cerca de 50 ml, reciclar dentro do poço ums 30 minutos, colocar um filtro plizado de alta vazão e um de carvão ativado de alta vazão e um purificador de agua dentro da residência. Me informaram que o Phoslan ajuda na dureza total. Se alguém tiver alguma experiência gostaria de compartilhar. Poços em média de 3000 l/h. Não contém ferro.
    Obrigado.

    Fabricio Pessoa

  79. Obrigado por compartilhar sua experiência.

    O meu caso é que moro em uma região praiana de terreno arenoso onde exitem muitos poços ( não sei identificar o tipo, a cada 10 poços 9 não passa dos 29 mts feitos com cano de pvc num processo manual)
    As roupas por aqui ficam amareladas e os vasos com aquela marca marrom alem do cheiro ruim e sal na água.
    mesmos os poços com maior profundidade escavados por profissionais tem essas características.

    Vou usar sua experiência e adquirir um filtro central e 02 bombas dosadora acionando um sistema estabilizador de tensão, acredito que terei de acrescentar cloro e um filtro de carvão.

    Imagino que essa configuração seja aceitável me corrija se eu estiver errado:

    01 bomba dosadora p/ Phoslan
    01 bomba dosadora p/ Cloro
    01 estabilizador de tensão ( para as bombas dosadoras )
    01 filtro central de areia
    01 filtro de carvão para reter o cloro

    Não sei quando devo adicionar o cloro, antes ou depois do filtro de areia?
    Também não sei as devidas quantidades que devo usar de cada produto para um consumo diário de 1000 litros.

  80. Boa noite!
    Alguém do RJ poderia me indicar um laboratório que faça a análise de água de poço artesiano cobrando um preço justo ? Não tenho a menor ideia de preço e referencia de laboratório.
    Alguém fez a análise recentemente?
    Abraço,
    Sueli

  81. Boa noite a todos!
    Meu poço semi- artesiano tem treze metros. A agua sai cristalina, mas passadas algumas horas, fica enferrujada, chegando a criar uma nata por cima. Mancha louças e tudo mais que for lavado. Apliquei Phoslan direto no poço ( meio copo plástico de café) e a água ficou limpinha por 24 horas (separei uma pequena amostra para observar) . Depois, foi enferrujando de novo. Será que a quantidade foi de mais ou de menos? Devo jogar a produto no poço e só ligar a bomba no dia seguinte ou imediatamente depois? Alguém viveu algo semelhante e pode relatar?
    Abraço a todos.

    • Olá, Christal. Nossas experiências aqui na roça mostraram uma certa quantidade do produto PARA NOSSAS CONDIÇÕES, ou seja, um poço de 150 metros, que apresentava um teor de ferro de 3,6 mg por litro de água. Acho que o seu poço, até pela pequena profundidade, pode estar apresentando uma concentração altíssima de ferro, muitas vezes maior do que a minha e até de outros elementos, como manganês. Então, não adianta simplesmente aumentar a dosagem do produto. É absolutamente indispensável fazer a análise da água, para sabermos com que estamos lidando, OK? Aguardo notícias.
      Um abraço.
      Abreu

  82. Boa tarde meu nobre Abreu!
    Gostaria de uma orientação pela sua experiência e competência fazendo as seguintes perguntas:
    Após aplicar o produto phoslan direto no poço, preciso aguardar algum tempo de reação para ligar a bomba e começar retirar a água ou pode ser de imediato? Posso diluir água no produto antes de injetá-lo no poço?

    • Olá, Newton. O efeito desse produto é igual ao de uma corrente elétrica. Rápidamente a reação química percorre todo o fluxo da água e produz o efeito desejado. Então, não há grande intervalo entre a aplicação e o bombeamento. A diluição pode ser feita, embora dispensável. Eu, particularmente, não diluo.
      Um abraço.
      Abreu

  83. Boa tarde Abreu!

    Em primeiro lugar, muito obrigado pelo seu tempo e experiencia.

    Vamos aos detalhes:
    Profundidade: 40 m – 8″ no aluvião
    Vazão durante a limpeza 1180 L/H
    Ajusta para 700 L/H depois de pronto
    Bomba 0.5 cv a 38 mts
    Nível estático 10 mts
    Nível dinâmico 28 mts

    Até o terceiro dias saindo água turva com areia fininha; Turva da cor de barro.
    Depois parou de sair areia clareou.

    Quarto dia, água cristalina por tempo indeterminado.
    Mas toda vez que desliga e religa ela segue a seguinte sequência:

    Teste a tarde 18:00 HS:
    Cristalina por 3 minutos, cor de barro por 30 segundos, e vai clareando até ficar cristalina o que pode levar de 30 minutos a 1 hora depois não suja mais.

    Teste pela manhã 6:00 HS:
    Cristalina por 3 minutos, turva muito pouco, não chega a ter cor de barro, limpa cristalina com mais 3 minutos e não suja mais.

    Durante a perfuração foi encontrado um sumidouro a 5 metros prontamente isolado com um cano de PVC de 25 cm por 7 mts, mas voltou a sumir a água no final quando o poço estava sendo alargado.
    Foram gastos 50 sacos de pedrisco ao redor do cano, e um dentro, depois da limpeza por compressor.
    O poço foi perfurado com 41 mts, mas o cano travou em 40 mts e foi cortado.

    Segundo a empresa devo retirar água por 3 semanas que ela vai limpar, o vizinho fez um a menos de 150 metros do meu e a água limpou em 3 dias, diferenças não teve sumidouro de água, o cano desceu a 41 mts e bateu no fundo, 20 sacos de Pedrisco do lado de fora e um pouco de brita dentro do cano.

    Muito obrigado.

    • Olá, Clifford. Bem-vindo ao blog. A partir de nossa experiência pessoal com o problema do poço artesiano de água suja, mais as experiências trazidas para cá por milhares de companheiros na mesma agonia, concluímos por aqui que você é quase um privilegiado! Isso porque, passadas as golfadas iniciais de água suja, sua água fica limpa “e não suja mais”, como você próprio diz. Isso significa que possivelmente temos um problema físico, e não químico ou biológico. Trocando em miúdos, provavelmente você tem um problema com o pó do fundo do poço, que a bomba revoluciona quando é ligada. Você deve ter um pouco de pó em suspensão na água. Com a bomba em repouso, esse pó volta a se depositar no fundo do poço, deixando a água que ainda se encontra no tubo (entre a bomba e a boca do poço) limpinha. Quando você religa a bomba, a primeira água que sai é cristalina (a que está no tubo). Como a bomba revoluciona a água do fundo e levanta o pó, no segundo momento a água que sai é suja, até acabar o estoque de pó assentado durante o tempo de repouso, o que leva três minutos. Depois, ela volta a ficar limpa e “não suja mais”. Vamos a algumas conclusões, Clifford. Se estivermos certos, a sua água tem um percentual mínimo de pó, em suspensão, que nos períodos de repouso, se deposita no fundo do poço. O que significa que, quando a bomba está funcionando há algum tempo, esse pó continua na água e será bombeado junto com ela para fora do poço. Só que o teor de pó é tão pequeno que a água aparentemente é cristalina. Também se estivermos corretos, deve haver um pequeno depósito de pó no fundo de sua caixa. Se tudo isso estiver correto, você tem algumas soluções simples e baratas. A primeira seria relaxar e deixar a coisa funcionar normalmente e estabelecer uma rotina de limpeza regular do fundo da caixa. A vantagem é a simplicidade e o custo quase de graça. A desvantagem é que cada vez que a caixa encher, a água que cai nela pode revolucionar o pó depositado no fundo e manda-lo pela tubulação para as torneiras da casa. A segunda é fazer o que fiz por aqui, numa das primeiras tentativas de resolver O MEU PROBLEMA – que não é o seu: cortar o tubo de subida entre a boca do poço e a base da caixa e colocar ali um “T”, controlado por um registro. Cada vez que for ligar a bomba, abra o registro e descarte, pelo “T”, os primeiros 3 ou 4 minutos de fluxo, até que a água fique cristalina, então feche o registro e a água passará a subir para a caixa sem levar junto aqueles três minutos de sujeira. A vantagem é que o custo é mínimo (um “T” e um registro) e que praticamente 90% do pó em suspensão na água não subirão para a caixa. A desvantagem é que um pouquinho do pó (aproximadamente 10%) irá para a caixa e se depositará no fundo dela, com os problemas semelhantes aos da primeira alternativa. A terceira alternativa é aplicar um filtro central entre a boca do poço e a caixa. A vantagem é que se trata de uma solução definitiva: a água que sobe para a caixa não levará pó consigo. A desvantagem é o custo: para sua vazão (740 litros por hora) o filtro central deverá custar cerca de R$ 1.000,00, mais a troca semestral ou anual da carga, que deverá custar uns R$ 300,00. Esta é nossa teoria para seu caso. O que nós estamos oferecendo é nossa experiência, que deverá ser somada à sua, ou seja, você deverá meter a mão na massa – como já fez – e checar com seus próprios olhos nossas premissas: por exemplo, dissemos que provavelmente o pó se acumula enquanto a bomba está desligada POR ALGUM TEMPO. Assim, desligue e a bomba e ligue-a, por exemplo, 2 minutos depois. Como não terá havido tempo para o pó se depositar no fundo, a água deverá subir aparentemente cristalina, sem os 3 minutos de sujeira. Também cheque o fundo da caixa para ver se nossa premissa de depósito de pó lá está correta. Feita sua parte e confirmada a teoria, tome sua decisão entre as três sugeridas. E dê notícias para nós.
      Um grande abraço.
      Abreu

  84. fiz um poço semi artesiano de mais ou menos 9 metros, a agua é cristalina, mas tem um cheiro muito forte, como se fosse de lodo, e tabem tem um pouco de ferro eu acho. O que devo fazer para tirar esse mal odor?

    • Olá, Flávio. Bem-vindo ao blog. Poços com essa pequena profundidade têm alta probabilidade de contaminação biológica, ou seja, matéria orgânica provinda de fossas sépticas ou vegetais em decomposição. Acho difícil haver ferro, porque sua água é cristalina. Acho que você vai ter de clorar, Flávio. Talvez algumas gotinhas de água sanitária na água possam resolver o problema. Faça a experiência fora do poço, primeiro com pequenas quantidades de água. Analise o efeito depois de uma ou duas horas. Se o cheiro desaparecer, é preciso continuar com a experiência para descobrir qual a quantidade adequada para o volume de água consumida diariamente. Independentemente disso, acho que essa água, depois de tratada, deveria ser filtrada. Talvez com um simples filtro de passagem. Mas o melhor mesmo seria que você fizesse a análise física, química e biológica da água. Aí você poderia tomar providências exatas para corrigir o problema sem jogar dinheiro fora em tentativas. Por exemplo, se não for contaminação por coliformes fecais, mas a água for sulfurosa, pode apresentar cheiro de enxofre (cheiro de pum) e o cloro não vai resolver nada, entendeu? Reflita, discuta em casa e, se for o caso, retorne: teremos o maior prazer em acompanhar o seu caso.
      Um grande abraço.
      Abreu

  85. Abreu, boa noite

    Tenho um poço semi-artesiano desativado há 3 anos. Possui 30m com 20 de água. Joga a 180 m com subida de 15 m. Tinha bomba injetora que foi roubada. Gostaria de reativá-lo e penso em colocar uma bomba-sapo, porém me informaram que ela provoca erosão na laterais do poço pela trepidação danificando o poço. É verdade? Exite uma nova bomba anauger tipo cilíndrica seria indicado?

    Grta pela atenção

    • Olá, Lizete. Bem-vinda ao blog. Os poços artesianos são construídos basicamente perfurando a camada de terreno sedimentar (barro, areia) até encontrar a rocha. A parte que atravessa o barro normalmente é revestida com aço-carbono ou PVC. Ao penetrar na rocha, não há necessidade de revestimento, porque a própria rocha faz esse trabalho. Assim, teoricamente, não vejo como a bomba-sapo provocar erosão por revolucionamento da água, seja no PVC, seja na parede de rocha. Os problemas são de outra ordem. Qual o diâmetro do poço? A bomba-sapo consegue descer pelo poço? A essa profundidade, a bomba-sapo conseguiria jogar a água na caixa, com vazão suficiente para atender à demanda do seu consumo diário? Se conseguir, como é que fica sua conta de luz? Bombas de poço artesiano normalmente são trifásicas, de baixo consumo, enquanto as bombas-sapo são monofásicas. Não conheço as bombas Auger cilíndricas, só as sapo. As cilíndricas devem ser para poços tubulares e, por conseguinte, trifásicas. Mas isso é só uma especulação. Realmente, desconheço o produto.
      Bem, Lizete, acho que não te ajudei muito. Mas, se o seu poço realmente for artesiano, se tiver revestimento até a rocha e a bomba couber no tubo do poço, faça a experiência com ela. São bombas baratas e muito eficientes para levar água a alturas médias. Eu já consegui tirar água do meu riacho e levá-la a 20 metros de altura com uma Auger dessas. Pode funcionar. Dê notícias para nós, OK?
      Um grande abraço.
      Abreu

  86. Olá! Fazendo uma pesquisa sobre filtro caseiro, me deparei com seu blog e li toda a sua saga, que teve um final feliz!
    Que bom que vc tem paciência! rsrsrs desejo tudo de bom a vcs!!!

    • Olá, Almiro. Bem-vindo ao blog. Você não sabe como um cafuné digital como esse nos faz bem e dá força pra gente. Muito obrigado!
      Um grande abraço.
      Abreu

  87. Utilidade pública seu blog! Talvez vocês possam me ajudar. Estou querendo fazer extração de água via poço artesiano 24/dia por energia solar, por energia de hidrelétrica não seria viável, vide custo abusivo que pagamos pelo produto. As minhas dúvidas são: Seria viável uma bomba funcionar 24 h/dia extraindo 6000 litros/h? O poço tem 30 metros de profundidade. Notei que você tem algum conhecimento sobre hidráulica e elétrica, seria viável um sistema de energia solar suporta a potência de uma bomba dessar funcionando 24h dia? Uma bomba desse porte consome uma quantidade absurda de energia, a qual não tenho noção. Desde já agradeço!

    • Olá, Tiago. Bem-vindo ao blog. Obrigado pelo “conhecimento sobre hidráulica e elétrica”, mas o que temos por aqui é experiência vivenciada pelo lado mais difícil, ou seja, tentando resolver problemas cuja solução não está disponível no mercado. Aqui mesmo no blog “www.expressaodaliberdade.com.br”, há um outro post, intitulado “Luz no Sítio”(http://www.expressaodaliberdade.com.br/?p=15), que trata da nossa luta para trazer energia alternativa para a roça, numa época em que a energia elétrica da concessionária não estava disponível. E naquela época tivemos de mergulhar fundo da questão da energia solar, a qual acabou transformando-se na nossa grande solução naquele tempo – e que continua instalada até hoje e funciona normalmente quando falha a energia da concessionária (o que, aliás, é muito comum). E desse mergulho, Tiago, saímos com a visão muito clara de que a energia solar ainda é muito limitada, ou melhor, nossa tecnologia de aproveitamento da energia solar é muito limitada. A última leitura que fizemos no mercado dava conta da disponibilidade de uma bomba, acionada por energia solar, com tensão de 12 volts, de corrente contínua, capaz de, funcionando durante o período diário de insolação, bombear alguma coisa em torno de 3000 litros de um poço-cisterna de 12 metros. Isso está muito longe do que você pretende (6.000 litros por hora). Como seu poço tem trinta metros, para conseguir a vazão de que você necessita, teria de ser trifásica, sob pena de a conta de luz ser bastante significativa. Assim, ficam algumas perguntas. Você precisa mesmo de 6.000 litros de água por hora, ou seja, 84.000 litros por dia? É consumo familiar ou comercial? Para cada situação, teríamos uma discussão e uma sugestão.
      Aguardamos seu retorno.
      Um grande abraço.
      Abreu

  88. Minha nossa!
    Voces são persistentes na procura pela solução.
    E mais que isso, muito dedicados por descrever, passo-a-passo a solução encontrada.

    Já tentaram construir uma fórmula matemática, com os parâmetros do poço, vazão da água, quantidade do produto, etc., que computasse a dosagem do produto a ser jogada no poço?
    Se ainda não, talvez eu pudesse ajudar.

    Abraços

    Alcy2k

    • Olá, Alcy. Bem-vindo ao blog. Acredito que essa ideia seria interessante, porque as variáveis controláveis estão disponíveis. Isso tratando de poços artesianos de água suja, que são o objeto desse blog. Temos aqui diversas pessoas com problemas com poços semi-artesianos e até poços superficiais. Mas acho que, dentro do escopo do blog, é possível matematizar. Como as incógnitas já estão definidas, a equação poderá ser montada e e eu adoraria ver isso.
      Um grande abraço.
      Abreu

  89. Posso colocar Phoslan na caixa dágua?
    Gostaria de saber se o ferro sai da água ou não.
    Existe uma contradição em relação a essa informação.

    obrigada

    gisela

    • Olá, Gisela. Não, não e não. Não coloque o produto na caixa d’água. O processo é colocar o produto na água, passar pelo filtro e aí ir para a caixa. Está no post direitinho, OK?
      Abreu

  90. Meu nobre Abreu, estou preocupadíssimo com o relato do nosso colega Leonardo Grimm, quando ele diz no seu blog que “O Phoslan não retira o ferro da água. Ou seja, se ao sair do poço ele tem 3ppm de ferro, após adicionar o phoslan continuará com 3ppm. Isso verifiquei em testes aqui e o próprio representante da SystemMud me informou isso. Se caso você não utiliza a água para beber (consumo humano) sem problema, Caso você utiliza para beber, não se engane, ele não retira o ferro. Só não o deixa oxidar”.
    Fico na dúvida, uma vez que você fez a experiência e comprovou o contrário. Aguardamos seu parecer.
    Um abraço!

    • Também gostaria de saber como ocorreu isso. Pois, em testes realizado aqui no laboratório da empresa o ferro continuou… Para sanar minhas duvidas, liguei para a SystemMud e me informaram o mesmo.

      Gostaria de saber se a coleta de água foi feita logo após o poço… ou foi feita após uma cisterna por exemplo. A resposta que seria plausivel do motivo do ferro “desaparecer” são 2.

      Ou o ferro decantou na caixa de água (cisterna)
      Ou ele foi retirado pelo filtro.

      Caso ele tenha sido retirado pelo filtro, o mesmo teria que ter carvão, pois o quartzo não o retira.

      No aguardo de uma resposta do Abreu =)

      Abraços

      • Olá, Leonardo. Respondi hoje à indagação do Newton dizendo que me enquadrava na sua terceira hipótese, mas era na segunda. Ah, vou fazer o pedido para aquela embalagem de 5 litros, OK?
        Abreu

    • Olá, Newton. Tudo certo: eu estou na terceira hipótese levantada pelo Leonardo. As moléculas de ferro envelopadas são retidas pelo filtro – que é o filtro Central de 2.000 litros do Mundo dos Filtros – cuja carga contém carvão ativado. Recortei e colei abaixo um trecho do post “Poço Artesiano de Água Suja”, que publicamos em 30.10.2014:
      “Então, decidimos nós mesmos tentar resolver o problema. A saga desta família em torno desse objetivo está nos posts que antecedem a este. Foram seis anos de tentativas e erros, até chegarmos à solução aparentemente final e definitiva, ou seja:

      a) descobrimos que a sujeira (lama) poderia ser filtrada antes de ser mandada para o reservatório água absolutamente cristalina;

      b) descobrimos que o reservatório cheio de água cristalina, passadas 24 horas, fica cheia de uma substância que nada se assemelhava a água: um líquido marrom, denso, com uma nata oleosa e com cheiro forte;

      c) descobrimos que estávamos lidando com um altíssimo teor de Ferro na água, que, ao entrar em contato com o ar dentro do reservatório, reagia e se transformava em óxido de ferro (ferrugem);

      d) descobrimos que havia um produto químico que era capaz de encapsular as moléculas de ferro antes de elas entrarem em contato com o ar, impedindo a oxidação;

      e) descobrimos que essas moléculas poderiam ser retidas pelo filtro;

      f) descobrimos, portanto, que o produto deveria ser aplicado ANTES da filtragem;

      g) descobrimos que a aplicação do produto dependia de uma bomba dosadora, bastante eficiente, com um preço um tanto salgado, mas que é extremamente sensível a variações de voltagem. Como queda e pico de voltagem na área rural são parte de nossa rotina, em 04 (quatro) anos perdi 5 (cinco) bombas, porque não há assistência técnica para as bombas usadas por pessoas físicas;

      h) descobrimos que estávamos diante de mais um desanimador problema, para o qual não contávamos com ninguém… exceto com a multidão de sofredores como nós, que descobriram o blog e passaram a participar ativamente das discussões feitas aqui;”
      Como se vê, Newton, a experiência foi acompanhada das análises da água na boca do poço (antes da aplicação do produto) e nas torneiras da casa, repetindo-se regularmente o resultado de 3,6 mg para a primeira e 0,1 mg para o segundo. A última análise foi feita em dezembro/2014, com resultado semelhante.
      Um grande abraço.
      Abreu

      • Muito bem esclarecido meu caro Abreu, você é muito importante neste contexto. Contamos sempre com você.
        Obrigado!
        Um abraço.

      • Abreu, tudo ok!
        Aqui no Sul, tem algumas empresas que trabalham com tratamentos, porém usam de má fé para enganar clientes.
        Como falei, o Phoslan não retira o ferro, ele apenas não o deixa oxidar. Hoje chegou o meu aparelho de análise de ferro. Irei fazer mais testes.
        Recentemente importei dos EUA uma resina muito boa para tirar o ferro, porém, custo muito elevado..

        Para todos que estão com problemas de ferro e manganes… só tem um jeito mesmo:

        – Opção A: Utilização da água para consumo: Somente com filtro especial ou via decantação
        – Opção B: Utilização da água para não consumo: Phoslan é ótimo!

        A partir de semana que vem já terei em maos o Phoslan para vender a partir de 2 litros. fica mais fácil para o pessoal poder fazer testes! Quem queria comprar contato@filtrat.com.br

        Lembro que também tenho filtros e material ( carvão, zeólitos, areia, quartzo, etc) para venda! Cotar não custa nada =))

        Abraços a todos!

          • Ola, Kiko. Bem-vindo ao blog. Desculpe o atraso, mas aqui na roça deu um apagão de internet desde o dia 8.5.2015. Você consegue o produto na Systemmud (www.systemmud.com.br), OK?
            Abração.
            Abreu
            P.S.: Anexo abaixo outra possiblidade:
            Leonardo Grimm
            contato@filtrat.com.br
            189.72.126.23
            Enviado em 10/02/2015 as 10:57 | Em resposta a Christal.
            Boa Tarde

            Conforme citei para o Abreu, consegui a um preço menor e com quantidade menor também. Caso queira me mande um e-mail contato@filtrat.com.br

            30 litros – R$ 539,00
            10 litros – R$ 210,00
            5 litros – R$ 108,00
            2 litros – R$ 49,90

  91. Abreu, estou com alguns problemas no poço caipira que cavei. Com as secas aqui em são paulo o poço parou de dar 1,5 metros de e passou a dar apenas 20cm.
    Escavamos mais o poço porém não conseguimos baixar mais que 70 cm (ele tinha 11 metros) pois abaixo do saibro amarelo (é o que o posseiro diz que havia no fundo do poço antes) existem 3 veias dágua e uma areia muito fina. É impossível cavar pois o poço enche de agua muito rápido.
    Por conta deste rebaixo ter sido feito depois, os aneis já molhados grudaram no poço, assim não conseguimos descer mais manilhas.
    Resultado, após uma semana do rebaixo o poço voltou a altura inicial pois a força das veis dágua encheram o fundo de areia e a água nova tem um forte cheiro de enxofre, além de formar uma espécie de nata na superfície.
    Qual sua opinião?

    Outra coisa, parabéns não só pelo blog mais pelo tom de voz do seu texto. É extremamente divertido ler algo que poderia ser infinitamente entediante. Você criou um Thriller Rural!

    • Olá, Danilo. Bem-vindo ao blog e muito obrigado por suas palavras, que são um grande estímulo para nós. Quanto ao problema propriamente dito, acho que estamos lidando com um poço contaminado. A análise da água deverá apresentar a presença de coliformes e nitritos, indicadores de matéria orgânica em decomposição, evidenciada pelo cheiro de enxofre. Se for isso mesmo, você terá de tratar e filtrar essa água antes do uso. Faça a análise e, se quiser, retorne por aqui. Teremos o maior prazer de continuar a discussão com você.
      Forte abraço.
      Abreu

  92. Boa noite, Abreu!
    Primeiramente agradeço por disponibilizar essas informações, pois estou passando por um problema muito semelhante e a água do meu poço artesiano sai clara (cristalina), mas passadas algumas horas, fica amarelada com alto teor de ferro.
    Gostaria de saber onde você conseguiu comprar o tal PHOSLAN, pois já enviei vários e-mails ao fabricante sem qualquer retorno. Você saberia me dizer onde posso comprar este produto? Moro no Rio, mas poderia pagar o envio, se fosse o caso.
    A frustração de não poder usufruir da água é imensa!
    Um abraço.

    • Boa Tarde

      Conforme citei para o Abreu, consegui a um preço menor e com quantidade menor também. Caso queira me mande um e-mail contato@filtrat.com.br

      30 litros – R$ 539,00
      10 litros – R$ 210,00
      5 litros – R$ 108,00
      2 litros – R$ 49,90

    • Olá, Chistal. Bem-vinda ao blog. Leia os comentários do Leonardo aqui mesmo no blog: ele tem algumas respostas muito interessantes para suas preocupações.
      Um grande abraço e retorne sempre.
      Abreu

  93. Abreu, boa tarde. Comprei o phoslan, e fiz alguns testes de bancada aqui na empresa e também visite a SystemMud para saber mais sobre o produto. Vamos ao que descobri…

    1- O Phoslan não retira o ferro da água. Ou seja, se ao sair do poço ele tem 3ppm de ferro, após adicionar o phoslan continuará com 3ppm. Isso verifiquei em testes aqui e o próprio representante da SystemMud me informou isso. Se caso você não utiliza a água para beber (consumo humano) sem problema, Caso você utiliza para beber, não se engane, ele não retira o ferro. Só não o deixa oxidar.
    Mas, para quem não usa para beber, é a melhor opção e mais barata também
    2- Para retirar o ferro da água, não há milagres. Tem-se mesmo que usar a decantação, floculação, etc…

    Abreu, consegui o Phoslan a um preço bem mais em conta. Caso vocês queiram comprar, consigo segundo a tabela abaixo:

    30 litros – R$ 539,00
    10 litros – R$ 210,00
    5 litros – R$ 108,00
    2 litros – R$ 49,90

    Ao resto do pessoal que está com dúvidas a filtros ou produtos, caso queiram temos toda a linha de filtros, produtos internos, carvão ativado, bombas dosadoras… etc

    http://www.filtrat.com.br

    Abraços

    • Boa noite, Leonardo Grimm!
      Tenho interesse em comprar o produto e já enviei um e-mail para vocês. E queria só saber: a água fica cristalina mesmo após a aplicação?
      Parece uma pergunta redundante, se fosse outro o contexto, mas andamos exaustos depois de tantas tentativas.
      Abraços.

    • Desculpa a ignorância é que tá dando um nó aqui.

      Com ajuda do produto e depois que passar pelo filtro central esse ferro ficaria retido já q??

      • Olá, Magno. Bem-vindo ao blog. A ideia é essa: o Phoslan encapsula as moléculas de ferro, impedindo-as de entrarem em contato com o ar e reagirem quimicamente (enferrujar) e o filtro central retém essas partículas encapsuladas, que serão descartadas na retrolavagem, sem subirem para a caixa. Mas há algo contraditório no seu projeto. O primeiro é que você está gastando uma grana negra, sem haver feito a análise da água. Isso pode significar gastar dinheiro e não resolver o problema. Uma bomba dosadora de Phoslan, estabilizada, encapsulará as moléculas de ferro. E se o problema não for ferro? Por outro lado, o cloro é para eliminar contaminação orgânica. E há isso aí? Então, antes de meter a mão no bolso para valer, sugerimos que você faça a análise da água para depois tomar as decisões relacionadas ao seu projeto, OK?
        Um grande abraço.
        Abreu

  94. Olá Abreu… antes de mais nada já gostaria de lhe agradecer por toda ajuda, passada, presente e futura.
    Após vários problemas na entrega (já relatei acima) finalmente recebi o produto.
    Bom retro-lavei o filtro que anteriormente eu usava com cloro e botei para funcionar com o phoslan.
    vou descrever abaixo alguns cenários que já testei e você vê se consegue me ajudar.

    1. Quantidade altíssima de phoslan na agua: A agua sai imediatamente enferrujada.
    2. Quantidade média de phoslan: A agua sai transparente na hora, mas após algumas horas a agua amarela (bem menos do que sem tratamento algum, mais ainda amarela suficiente para ser “inutil” para banho e etc.)
    3. agora a agua da caixa está ficando turva.

    Você acha que no cenário 1 o phoslan pode estar “despregando” o ferro antigo no interior do filtro??
    acho que não vou ter outro jeito se não abrir o filtro todo e fazer uma lavagem interna.

    Com relação a troca de carga, você está comprando o seu carvão ativo aonde? como eu disse quem me vendeu o filtro disse que não precisaria trocar nunca… e não possui isso para vender separadamente.

    • Boa Tarde Jorge

      Possuo uma empresa de Filtros Central e Tratamentos de Água.

      Sobre o carvão, quem lhe falou isso, falou besteira. O carvão faz-se necessário trocar sim. Geralmente 1 vez ao ano. Isso porque ele absorve sujeira e os produtos químicos. Já o quartzo (ou areia) não se faz necessário. Somente quando o mesmo estiver muito saturado de sujeira. Ai sim recomenda-se a troca dele. Por isso motivo a retrolavagem do filtro é tão importante!

  95. Caro Abreu,
    Vou relatar as minhas experiências com o produto Phoslan,deixando claro que esta solução é particular e pode não ser adequada a outras situações.

    Minha demanda é pequena, por ser uma casa de veraneio, não chega a mil litros diários, mas como estou em uma região que falta água justamente no verão,(máfia dos carros pipa),aí a demanda cresce, então, resolvi usar meu poço que é abundante, nesses dias de seca.No resto do ano a Cia de fornecimento de água é razoável.

    Tenho uma caixa de mil litros onde faço meus experimentos, consegui o melhor resultado com 2ml de Phoslan, 1ml foi muito pouco.

    Meu estilo McGeiver projetou a seguinte geringonça em substituição à bomba dosadora:
    Um equipo de soro fisiológico completo,com dosador, e no lugar da embalagem do soro adapta-se uma garrafa PET pequena com suspiro, onde vai o produto,isto é ligado a uma agulha hipodermica de grosso calibre espetada em um pedaço de mangueira (pena não poder colocar fotos).

    Como a pressão da bomba é muito grande (4200 L/H) é necessário criar uma zona de baixa pressão para que o produto não seja impelido de volta a garrafa, isso é feito aumentando o diâmetro da mangueira onde está a agulha do soro, por exemplo, se a mangueira é de 3/4″ passa para 1″1/2 até a queda na caixa, assim cria-se uma
    depressão no circuito que suga o produto da garrafa.É lógico que isto só funciona neste caso, em qua a caixa está no nível do solo, com níveis elevados não tem como diminuir a pressão.Para melhor aproveitamento, a mangueira de saída, deve estar mergulhada na água para diminuir o contato com o oxigênio do ar.

    Acredito que com bombas auto aspirantes, o Phoslan não faz o efeito de encapsulamento, pois elas misturam muito ar com a agua e aí o ferro já virou oxido de ferro.

    Contei quantas gotas tem 2ml do produto, enchi uma seringa graduada com 2ml e contei quantas gotas caem,foram 87 gotas no total.

    Se eu sei que a bomba enche 1000 litros em 14 minutos, é só dividir 14 por 87 gotas para saber com que frequência tenho que calibrar o dosador, são 16 segundos entre gotas.

    Quando a caixa está cheia, acrescento cloro e envio para cisterna, passando por um filtro feito por mim,um tubo de 150mm com 1,20 de comprimento, com camadas de areia de filtro de piscina, carvão e elementos filtrantes (lã de poliéster). Para elevar a água até o filtro(a caixa está no chão), uso uma bomba de máquina de lavar roupa
    adaptada.(que pena não postar fotos).

    Interessante é que forma uma precipitação esbranquiçada no fundo da caixa e não amarelada como esperava que acontecesse.

    Só gastei na compra da areia e do carvão, o resto foi tudo reaproveitado de sucata.

    É possível automatizar todo o processo, usando boias de contato para desligar e ligar a bomba, e solenoides de entrada de água de maquina de lavar roupa para interromper o fluxo do Phoslan e liberar a água para a cisterna, mas isso é outro projeto, se eu decidir dispensar o fornecimento da “Aguas de Juturnaíba”( este é o nome da Cia de abastecimento)

    Um abraço,
    Valdemir.

    • Olá, Valdemir. Cara, você tem exatamente o espírito que a gente busca aqui pelo blog, ou seja, pessoas que experimentam, testam, criam e improvisam na busca de soluções que não se encontram nas prateleiras do supermercado. E digo isso porque o que nos levou a criar o post “Poço Artesiano de Água Suja” foi exatamente a constatação de que não conseguimos encontrar no mercado nem solução pronta, nem ajuda, nem consultoria, nem mesmo uma dica para nos tirar do drama que era gastar quase R$ 50.000,00 em dinheiro de hoje para ter um poço inútil.
      Claro que essas suas experiências e soluções passam a incorporar o conjunto de conhecimento coletivo disponível aqui, principalmente para os que têm o mesmo problema e contam com caixa d’água ao nível da boca do poço.
      Finalmente, detectamos uma certa preocupação sua com fotografias. Se for da parte do material fotografado(marcas, patentes, essas coisas), tudo bem. Já se sua preocupação for com o blog, sem problemas. Publicamos quaisquer fotos que contribuam para o entendimento da matéria e para ajudar outros visitantes que tenham problemas nessa área.
      Um abraço, muito obrigado por sua colaboração e parabéns pela disposição de botar a mão na massa.
      Abreu

      • Bom dia Abreu, obrigado pelas palavras sempre gentis.
        As fotos seriam para ilustrar o processo, nada de direitos de imagens.
        Preciso melhorar meu filtro, a agua fica um pouquinho amarelada, talvez tenha que comprar um filtro comercial mesmo, acho que areia que estou usando está grossa, (granulação 12/20).
        Aquela gosma amarela que se forma em algumas horas, sumiu por completo.
        Tens alguma experiência com filtros caseiros?

        Um abraço,
        Valdemir.

  96. Boa Tarde Abreu

    Lí o seu post e achei interessante. Vivendo e aprendendo..
    Trabalhamos com filtros central de água e tratamentos. Não irei colocar o nome da empresa, pois não sei se propaganda aqui é permitida.. hehehe
    Sempre tratei a água com produtos químicos (floculação, decantação, correção de pH, etc) Sempre funcionou bem. Ouvi falar do Phoslan, porém, nunca “ouvi” falar bem dele. Dizem que ele somente “mascara” o ferro. Ou seja, você vai ingerir ele.
    Porém, após ler sobre o seu caso, tenho algumas dúvidas e sugestões a passar:

    1- Você fez análise da água após a adição do produto e o mesmo não apareceu certo? Quanto que deu o teor antes e depois?
    2- Você falou que a bomba dosadora é ruim. É, concordo. Já passei por muitas bombas dosadoras, e todas dão problema. A única que encontrei que é ótima é uma importada da Itália. Extremamente precisa e não ocorre problemas como outras. O preço dela é acessível. Vendo ela por R$ 1.050,00.
    3- Certa vez comprei o Phoslan, a um preço extremamente mais baixo que o que você paga. Caso queira, posso fazer uma cotação para você!

    Obrigado pelo post. Ajuda pessoas como eu que trabalho com isso, e até mesmo pessoas que querem melhorar a água.

    Abraços

    • Olá, Leonardo. Bem-vindo ao blog. Primeiro, vamos responder às dúvidas “numeradas”:
      1) Sim, fiz e faço a análise periódica de controle. Os números são 3,6 mg/litro na água bruta e 0,1 mg/litro após a aplicação do produto, abaixo, portanto, do limite estabelecido pelo Ministério da Saúde (0,3 mg/litro);
      2) Não é que as bombas sejam ruins: é que elas são sensíveis e, dada a variação de tensão na área rural, que é o meu caso (os 220 volts nominais às vezes chegam a 245 e às vezes a 180 volts), a bomba queima e a concessionária local só paga após longo processo judicial. Estou com quatro bombas queimadas aguardando a justiça e uma novinha que não tenho coragem de instalar.
      3) Tenho comprado o produto Phoslan de um fornecedor que encontrei no começo de minha via sacra e tenho mantido a relação porque é o único que conheço. Duas coisas me incomodam: o preço e a embalagem, de 30 litros, quando o consumo de pessoas como eu é muito menor do que isso.
      Agora, vamos aos demais aspectos. Quando nós produzimos a primeira publicação deste post “Poço Artesiano de Água Suja”, a ideia foi buscar soluções que as empresas do ramo não estavam preparadas ou dispostas a oferecer para o problema da água suja e abundante. Com o tempo, descobrimos que o problema não era só nosso. Para você ter ideia, as visitas a este blog foram de 3.867 pessoas nos últimos 30 dias e temos aqui registrados 466 comentários representando basicamente pedidos de ajuda técnica. Ou seja, são cidadãos comuns, com um problema praticamente insolúvel e que, através da troca de experiências e de testes sucessivos, na base da tentativa e erro, conseguiram construir pelo menos uma saída que funciona. Pode não ser a melhor, a mais inteligente ou a mais barata, mas funciona.
      Quanto à questão comercial, fique à vontade: a sua é a primeira empresa que dá as caras por aqui. Como este blog não tem qualquer interesse comercial, econômico ou financeiro, tantas empresas quantas queiram se fazer presentes e propor soluções e oferecer seus produtos que possibilitem a solução desse e de outros problemas, serão bem-vindas, inclusive a sua.
      Estou pretendendo buscar apoio de uma universidade para o estudo de alguns aspectos técnicos, pois têm surgido por aqui alguns problemas que ultrapassam em muito nossa experiência pessoal. Hoje mesmo apareceu por aqui um sofredor, como nós, que abriu um poço de 150 metros (imagine o custo!), que secou em 40 minutos.
      Em síntese, Leonardo, esteja à vontade. Principalmente se for portador de boas soluções para essa comunidade sofrida dos donos de poço artesiano de água suja.
      Um grande abraço.
      Abreu

      • Abreu, sinceramente você está de parabéns pela idéia e pela dedicação em responder a todos.
        Como falei, trabalho com filtro e tratamentos e pode acreditar, 90% dos poços tem problema com ferro/manganês e alumínio.
        Tenho aparelhagens para fazer medições e também um laboratório parceiro que faz as análises para mim. Conforme lí suas explicações, estou surpreendido pelo teor de ferro baixar assim.
        O que irei fazer é o seguinte. Tenho águas aqui de clientes com ferro, outras com alumínio, outras com tudo junto hehehehe…
        Irei pegar essas águas e fazer testes separados com o phoslan.
        Após esses testes irei postar aqui os resultados. Caso queira conhecer nosso trabalho e produtos: http://www.FILTRAT.com.br
        Irei também ir atras do Phoslan a preço menor, para poder oferecer a vocês. Segunda já irei perguntar ao meu distribuidor se ele ainda trabalha. Como como grandes quantidades de cloro e sulfato, consigo a preços mais baixos o phoslan.

        Obrigado pela atenção

        Leonardo
        http://www.FILTRAT.com.br

        • Valeu, Leonardo. Ficamos no seu aguardo, lembrando que o que buscamos prioritariamente é produto mais barato e embalagens menores. Bombonas de 30 litros ninguém merece!
          Abreu

  97. Bom dia, Abreu

    Fiz um poço artesiano de 150 metros há 2 dias, e me colocaram uma bomba de potência alta, disseram que a vazão é de 2000 a 2100 l/h, mais testamos a bomba e em menos de 40 minutos a água acabou. Significa que posso estar sem água para consumo da casa. A água esta um pouco suja(resíduos), mas disse que é normal, até limpar totalmente, é verdade?

    • Olá, Helenice. Bem-vinda ao blog. Estou achando muito estranho um poço de 150 metros ter secado em 40 minutos. Se o poço secou e a bomba continuou funcionando a seco, provavelmente a bomba queimou. Prefiro pensar ao contrário: acho que a bomba queimou ANTES e deixou de puxar a água, que ainda está lá. Isso porque, sendo a vazão de 2.000 e tendo a bomba funcionado 40 minutos, significa que só havia 1.400 litros no poço? Muito pouco! Você sabe a que profundidade está a bomba? Digamos que ela esteja a 40 metros. Então, faça o seguinte: pegue um rolo de barbante bem longo (50 ou 100 metros), ponha um peso na ponta e faça-o descer pela boca do poço até encontrar a água. Retire o barbante e veja a que profundidade está a água, pela marca de umidade no barbante. Se a água estiver acima da bomba, digamos a 20 metros de profundidade, tente ligar a bomba. Ela deverá ela deverá funcionar. Se não funcionar, ela está queimada. Se ao medir a profundidade com o barbante você constatar que a água está abaixo da bomba, aí temos realmente um problema com o poço.
      Faça essas medidas e, se quiser, retorne aqui. Teremos o maior prazer em ajudá-la.
      Um grande abraço.
      Abreu

    • Boa Tarde,
      Obrigada pela sua atenção meu caro Abreu, respondendo a sua pergunta, a bomba não queimou, esta em funcionamento, ela esta à 148 metros de profundidade, esta funcionando bem, mais o poço esta me dando 550lt;h, me garantiram que seria de 1250l/h, muito pouco, mais dá pro consumo da residência, só que estamos achando que a água esta com um gosto de alumínio(pode acontecer???), o que fazer para tirarmos nossas duvidas? Esta água pode vir a secar com o passar dos dias? Foi perfurado 44m de terra e o restante na rocha(segundo informações do perfurador). Atenciosamente.

      • Helenice, providencie a análise da água. Claro que a capacidade do poço já está definida, mas a qualidade da água é uma dúvida. Esses 550 litros por hora significam cerca de 12000 litros por dia, o que é MUITA ÁGUA. Então, a quantidade já está resolvida. A qualidade vai vir da análise, OK?
        Aguardo seu retorno, com um grande abraço.
        Abreu

        • Olá Abreu, esqueci de comentar, a água quando fervida, escurece as panelas.
          Ainda não fiz a análise, mais já estou providenciando a msm. Assim que tiver o resultado entro em contato. Abs.

  98. ATENÇÃO!!! Fiquem de olhos abertos com a System Mud, vendedora do produto pholsan indicado aqui neste Blog.
    Comprei o produto com eles Tambor de 30 Litros + Frete = 819,00 Reais pagos a vista por transferência bancaria.
    Acontece que o prazo que me deram de entrega do produto era dia 29/01 (quinta feira), hoje já é dia 04/02 (quarta feira) e ainda não recebi o meu produto.
    Já entrei em contato varias vezes com o pessoal da transportadora TRANSOLIVEIRA, que me atendeu sempre muito mau e eles não me dão nenhuma garantia que minha mercadoria será entregue, a resposta é sempre de que o produto está no caminhão para ser entregue. acontece, que esta situação já se alonga por 3 dias e a desculpa é sempre de que não deu tempo para entregar… Acredito que se minha mercadoria está tanto tempo atrasada ela deveria ser a 1º da rota a ser entregue, e pelo que eu vejo estou sendo sempre o ultimo…

    O pessoal da System Mud parece que trabalhou direito enviando o produto no prazo, o problema é a transportadora que eles trabalham. Quando forem comprar o seu produto perguntem sempre qual a transportadora que efetuara a entrega, e FUJAM da TRANSOLIVEIRA.

  99. tenho um poço artesiano no meu lote,a agua é clara ,mas qdo é depositada em algum recipiente ,vemos que ela contem ferrugem,sou de cel fabriciano minas gerais,gostaria de saber qual a melhor soluçao para tirar ferrugem da agua.

    • Olá, Sebastião. Bem-vindo ao blog. Esse seu problema é exatamente o centro de nossas discussões e soluções propostas. As respostas estão no post http://www.expressaodaliberdade.com.br/?p=12. Estou percebendo que grande parte dos nossos visitantes não conseguem acessar o texto principal do post, mas apenas os comentários. Vamos corrigir isso. Mas adiantamos para você que tudo isso que você está passando nós por aqui já passamos, também até encontrarmos a solução que está lá descrita.
      Resumindo, você deve fazer a análise da água para comprovar o efetivo excesso de ferro (dada sua região, em que Drummond falava que as pessoas tinham 50% de ferro nas veias, não é difícil que a análise confirme o excesso de ferro no poço). A análise é relativamente barata (entre 150 e 200 reais) e evitará que você jogue dinheiro fora na tentativa de solucionar o problema. A nossa proposta, fruto da nossa experiência e do nosso sofrimento, é quelação e filtragem. Isso significa a aplicação de um produto na água, vendido por uma empresa daí de Belo Horizonte. No trajeto entre o poço e a caixa d’água, o produto é aplicado e depois a água tem de passar por um filtro. O resultado é água limpa, sem amarelar depois.
      Dê uma olhada lá no post que indicamos e volte para trocar ideias conosco se ainda tiver dúvidas.
      Um grande abraço.
      Abreuu

  100. Eu perfurei um poço de nove metros de profundidade e a água é muito salobra, como e o que devo fazer para que a água deixe o estado atual para que fique sem cheiro ou quem sabe em até água potável.
    O plano que eu tenho é o seguinte: Poço e através de uma bomba puxa – se a água e antes da caixa-água coloca-se dois filtros com elementos filtrantes lavável. Optei por uma marca de minha confiança.E vou adaptar da seguinte forma:O cano que vem da bomba ao aproximar da caixa 01- cola-se 01 T e em cada lado do T cola-se 30 cm de cano e em cada lado desse cano cola-se um JOELHO / cola e rosca.
    Depois enrosca os 02- filtros um em cada lado 02- É o mesmo processo só que agora é do filtro indo para a caixa d’água. E dependendo a cada 15 d d faço a limpeza dos filtros .

  101. Olá Abreu, desculpa incomodar novamente, mas como fiz uma pergunta no meio de uma resposta acho que talvez vc não tenha visto.
    Se puder responder eu agradeço.
    “Você falou que troca a carga do seu filtro, você troca a areia e o carvão? o cara que me vendeu o filtro disse que o carvão não precisaria ser trocado nunca… (achei meio estranho) mas já pesquisei várias e várias vezes e nunca achei o carvão para repor no filtro (apenas quantidades pequenas para aquário, ao custo da bagatela de 10 a 20 reais 100 gramas).”

    • Olá, Jorge Luiz. Quando trocamos a carga do filtro, trocamos integralmente: os diversos elementos elementos filtrantes (areia de diversas níveis de granulação) e o carvão ativado. A carga total custa por volta de R$ 600,00 e deverá ser feita a cada 90 dias. Estou fazendo uma experiência nessa área: depois eu conto. Mas sem essa de 90 dias que eu contei aí em cima. Aguarde!
      Abração.
      Abreu

  102. Olá, Abreu.
    Parabéns pelo seu blog. Estava procurando orientação sobre água de poço artesiano e quando encontrei seu relato, suas respostas às perguntas, me senti mais aliviada. Fizemos o nosso há duas semanas, imaginei que algo na caixa d,água provocasse alguma alteração mas não sabia o quê. A água está assim como você descreve. Sai limpinha do cano que vai para caixa, mas logo depois fica um pouco amarelada, tenho o mesmo problema na máquina de lavar roupa, o que me deixou mais enlouquecida de ver as roupas brancas todas amareladas e as louças do banheiro também ficando com manchas amarelas. Nós não conseguíamos entender o que poderia estar acontecendo. Imaginei que algo na caixa d,água provocasse a alteração já que sai limpinha do cano. Lendo seu blog fiquei mais aliviada sabendo que posso ter a solução. Amanhã mesmo, vamos procurar saber onde podemos fazer a análise da água já que em minha cidade não tem como fazer. Assim que tiver o resultado da análise retornarei e gostaria muito que você nos orientasse, já que somos marinheiros de primeira viagem em poço, rsrsrs… O nosso está com 18 metros de profundidade.

  103. Bom dia! Adorei seu blog. Moro em São Gonçalo no Rio de Janeiro e estou com o seguinte problema: tenho um poço de manilha com aproximadamente 35 metros (sim, é muito fundo!). Moro em um local alto, em cima de um morro. Este poço me dá mt pouca vazão e acabo gastando rios de dinheiro com caminhões pipa; estou querendo furar um poço artesiano para ver se consigo mais água. Você acha que é possivel furar um poço artesiano dentro desse meu poço atual?
    Obrigada pela ajuda,
    Christine

  104. Caro Abreu, estou viajando, por isso não iniciei os testes com o meu poço, o Phoslan já chegou lá em casa, retorno só no inicio de fevereiro.

  105. Olá, não sei nem por onde começar, então vou contar minha pequena história: aluguei uma casa e a água é de poço. Nos foi informado que não dava pra consumir, mas dava pro resto todo. O dono da casa colocou um filtro ridículo e disse que ia ajudar na qualidade da água, e que a gente deveria colocar toda semana direto na caixa d’água um pouco de cloro que ficava tudo certo. Fomos enganados. Não dá pra tomar banho, lavar roupa, lavar louça…
    entramos em contato com ele pra saber os dados do poço, ele só sabe que tem 6 metros. Nada mais. Disse que foi a própria empresa que construiu a casa quem furou o poço, ele não teve nenhum gasto. Não tem cisterna pra tratar a água fora do poço, e a caixa d’água é de apenas 1000 litros. Gostaria de saber se é muito caro chamar uma empresa pra me dar as informações que precisamos pra o correto tratamento. E gostaria de saber de você o que você acha que devemos fazer, tendo em vista que a casa não é nossa e não pretendemos ficar por muito tempo (esperamos ficar apenas até o término do contrato de 30 meses). E parabéns pelo blog. Obrigada.
    Alice.

    • Olá, Maria Alice. Bem-vinda ao blog. Realmente, não dá para investir muito em um imóvel de aluguel, a não ser que o proprietário permita descontar os gastos no próprio aluguel. Vamos recomendar o que normalmente orientamos aqui: faça o exame da água. É simples, é rápido e é barato. Aqui em Brasília, faço meus exames regularmente ao custo de R$ 160,00. No Rio de Janeiro, o preço mais barato registrado aqui foi de R$ 270,00, mas está caro. E para fazer o exame, não há necessidade de dizer de onde a amostra de água foi retirada: eles apenas exigem que você use o vasilhame esterilizado deles ou então que você garanta que você esterilizou o seu. Normalmente, a amostra é de um litro ou dois de água. O exame evita uma série de bobagens. Por exemplo, se a análise mostrar que seu poço não tem contaminação biológica (nitritos, coliformes, etc.), para que usar o cloro? Se o ferro estiver dentro dos limites legais, porque usar o quelante? E se o exame disser que sua água é potável? Bem, você se queixa de que não dá para tomar banho, lavar roupa etc. Mas o que é que acontece? A água tem cor estranha, mau cheiro ou qualquer coisa assim? Retorne com essas informações, que teremos o maior prazer em ajudar você.
      Um grande abraço.
      Abreu

      • É verdade, esqueci de dizer o principal. Hehehehehe
        A minha água é exatamente como você relatou a sua, ferruginosa e com uma camada de gordura por cima. É extremamente amarela, cheiro forte de ferro.
        Beijos e obrigada pela atenção.
        Alice.

  106. Prezado Abreu,

    Parabéns pelo blog e pelos relatos.

    Eu sou um neófito nesta questão de poço artesiano. Tenho uma chácara em Indaiatuba-SP, e até o ano passado utilizava um poço caipira, que deixou de funcionar em Setembro. Aguardei a chuva até o final do ano, e como ela não veio em dezembro resolvemos furar um poço tubular.

    O poço tem as seguintes características:

    profundidade total: 236m
    nível estático: 108m
    nível dinâmico: ainda não medido
    vazão determinada no momento da perfuração: 2500l/h

    A camada de sedimento foi de 30m, devidamente encamisada com tubo de 150mm, e o restante da perfuração foi na pedra. As primeiras fraturas apareceram a 180m de profundidade.

    Como você pode imaginar, o investimento na confecção do poço já estourou o nosso orçamento, pois imaginávamos que encontraríamos água a menos de 100m de profundidade. Neste momento ainda estamos discutindo o orçamento da bomba, e é neste detalhe que peço a sua opinião.

    A proposta da empresa é instalar a bomba a 180m, utilizando cano galvanizado e uma camisa de “bidim” ao redor da bomba para evitar a passagem de partículas sólidas pela bomba. Todo o conjunto foi orçado em R$ 27.000.

    A minha demanda é de 2000l/dia, e eu tenho me questionado se realmente preciso da bomba a 180m, uma vez que o nível dinâmico não foi estabelecido.

    As minhas perguntas são:

    – é confiável a utilização de tubos de pvc na instalação de bombas desta profundidade ? A Tigre me informou que os edutores da linha Geotigre podem ser instalados até 300m, e um outro fornecedor garantiu 260m para o conjunto com a bomba especificada (Ebara 4BPS3-27). Mas a empresa que perfurou o poço disse que não utiliza tubos de PVC em poços desta profundidade e insiste na utilização de tubos galvanizados.

    – você já ouviu falar nesta camisa de bidim que é colocada ao redor da bomba ? No orçamento estão cobrando R$ 1.300 por este acessório, mas o bidim pode ser encontrado por R$ 5,00 o m2.

    Meu receio é a vida útil do tubo galvanizado, uma vez que é comum na nossa região excesso de ferro na água – mas isso só vou poder determinar depois que tiver o bombeamento instalado.

    Uma outra idéia seria instalar a bomba a uma profundidade menor com uma vazão de 1000l/h, mas receio que sem a determinação do nível dinâmico isso possa ser arriscado.

    Agradeço antecipadamente sua opinião e comentários.

    Ronald

    • Olá, Ronald. Bem-vindo ao blog. Agora nós nos defrontamos com um problema realmente grande. Veja que há pouco, no comentário anterior, conversávamos com o Arapuã sobre um poço de 7 m de profundidade. E você nos apresenta um monstro de 236 metros. O nosso caso pessoal está no meio: 150 metros. Mas, achamos que podemos trocar experiências. Temos aí algumas estranhezas. A primeira é o nível estático de 108 metros. Ainda não tínhamos contato com um caso desses: significa que, em condições normais de repouso, a superfície da água está a 108 metros de profundidade. É muita coisa. São 108 metros de profundidade sem nada de água. É isso mesmo? A segunda é a fratura a 180 metros. Como foi detectada essa fratura? A empresa tinha tecnologia de filmagem? Gostaria de saber o tamanho da fratura. A terceira é a determinação de colocar a bomba em cima da primeira fratura (180 metros). A quarta é essa bomba de R$ 27.000,00, a 180 metros, sem se saber o nível dinâmico. Ora, Ronald, compre uma bomba usada por R$ 800,00 e teste a 120 metros. Com o seu ridículo consumo de 2.000 por dia, aposto que ela vai dar conta. E se queimar por falta d’água (nível dinâmico abaixo dela), pague R$ 200,00 para recuperá-la e tente de novo a 130 metros. Que história é essa de R$ 27.000,00?
      Além disso, essa conversa de tubo galvanizado. Pelo amor de Deus: meu poço de 150 metros usa tubo de PVC (33mm) há 7 anos, sem problemas. E essa manta de bidim, se a bomba estiver na fratura, vai se entupir rapidamente de pó e – aí sim – pode forçar a bomba.
      Finalmente, lembramos a você que vender bidim de R$ 5,00 a R$ 1.300,00 pode não ser um bom negócio…PARA VOCÊ!
      Ronald, como diria o Paulinho da Viola, “faça como o velho marinheiro, que durante o nevoeiro, leva o barco devagar”.
      Só coloque dinheiro no projeto depois de identificar o nível dinâmico. Queime bombas baratas para chegar lá. Você não vai se arrepender.
      Um grande abraço de quem vive arrastando correntes nesse inferno do “Poço Artesiano de Água Suja”.
      Abreu

      • Prezado Abreu,

        Muito obrigado pelos seus comentários e sugestões.

        Com relação às suas perguntas:

        – nível estático de 108m. É isso mesmo – depois de perfurado e alguns dias descansando eu fiz a medição.

        – a empresa não fez a filmagem das fraturas. A detecção foi feita no “olhometro” mesmo, conforme a quantidade de água que saia do poço durante a perfuração. A primeira medida a 180m indicava uma vazão de 1500l/h, e chgou a 3000l/h nos 236m. Alguns vizinhos tem poços semelhantes e outros tem poços bem mais rasos. Há um poço a 100m de distância do meu com 40m de profundidade, e vazão de mais de 3000l/h.

        – a decisão de colocar a bomba a 180m foi da empresa mesmo. Eu também estranhei esta decisão sem fazerem a medição do nível dinâmico. A primeira fratura na realidade foi reportada a 186m.

        Mas o meu pensamento coincide com o seu. Eu mesmo vou comprar o material, fazer uma pequena torre para suportar uma talha elétrica e instalar esta bomba ao redor dos 130m. Vamos ver o que dá.

        Aqui na minha região só encontrei tubos edutores de 40 e 50mm. Não sei onde encontrar estes de 33. A Tigre me garantiu qus posso usar o tubo de 40mm deles até 300m.

        Vou informar o meu progresso na medida dos acontecimentos.

        Abraços e sucesso.

        Ronald

      • Prezado Abreu,

        Por acaso descobri que temos outro hobby em comum, além das pesquisas em poços artesianos: apesar de pouco ativo nos últimos anos, sou radioamador desde 1972 – PY2FUS.

        73’s

        Ronald

        • Que legal, Ronald. Eu fui batizado em 1978, muito depois de você, nessa que muitos consideram a mais antiga rede social. Continuo QAP/QRV, com o veterano FT101E fixo e um ICOM II portátil, em 40 e 20 metros.
          Um grande 73 de PT2ERA!
          Abreu

          • Prezado Abreu,

            Tenho pesquisado a internet e encontrei muito pouca informação de qualidade sobre assuntos relacionados aos usuários de poços artesianos. Há alguns sites para perfuradores e alguma informação técnica espalhada, mas poucos lugares onde os usuários possam trocar informações. Este post do seu blog é uma das raras exceções.
            Com o objetivo de suprir esta lacuna, estou criando um forum para troca de experiências sobre o assunto, e desde já espero contar com a sua inestimável colaboração.
            O site, ainda em fase de alimentação das informações básicas é o http://www.forumpocoartesiano.com.br
            Se puder peço que se registre, reveja a estrutura dos fóruns e faça as suas críticas e sugestões.
            Gostaria desde já convidá-lo a moderar o fórum sobre “qualidade das águas”…
            73’s
            Ronald

  107. Caro Abreu, mais uma vez agradeço pela imensa ajuda que nos tem dado, vou passar a análise feita aqui no RJ pelo CPRM, como você mesmo indicou, a análise completa sai na base de R$ 270,00. O meu poço é artesiano, como aproximadamente 7 metros, fica bem próximo a Lagoa de Saquarema – RJ, lagoa de água salobra. Vamos ao resultado:
    Aspecto Natural: turvo / Odor a quente – detectado / Odor a frio – detectado / cor aparente – 22,9 u Hazen
    Cor real – 19,6 u Hazen / Turbidez 0,02 u T / Sólidos em suspensão – menor que 5 mg/L
    Aspecto após a fervura – turvo / pH – 7,07 / Condutividade a 25º C – 1273 uS/cm
    Pressão osmótica – 0,04 mm Hg a 25º / abaixamento crioscópico – 0,04 ºC
    Resíduo de evaporação a 110 ºC, calculado – 644,30 mg/L
    Resíduo de evaporação a 180 ºC, calculado – 614,80 mg/L
    Dureza total em CaCO3 – 176,00 mg/L / Dureza permanente em CaCO3 – 176,00 mg/L
    Dureza temporária em CaCO3 – 0,00 mg/L / Oxigênio consumido meio ácido 5,90 mg/L meio alcalino 7,70 mg/L
    Bicarbonato estequiométrico 144,38 mg/L / Bicarbonato titulado – 170,13 mg/L / Carbonato 0,00 mg/L
    Nitrito 5,890 mg/L / Nitrato 2,39 mg/L / Sulfato – 51,76 mg/L / Fluoreto 0,07 mg/L / Brometo – 0,71 mg/L
    Cloreto – 250,46 mg/L / Fosfato < 0,12 mg/L / Aluminio 0,050 mg/L / Arsênio – < 0,002 mg/L / Bário – 0,011 mg/L
    Berílio – < 0,002 mg/L / Boro – 0,221 mg/L / Cádmio – < 0,002 mg/L / Cálcio – 29,514 mg/L / Chumbo – < 0,002 mg/L
    Cobalto – < 0,005 mg/L / Cobre – 0,117 mg/L / Cromo – < 0,005 mg/L / Estanho – < 0,010 mg/L
    Estrôncio – 0,266 mg/L / Ferro Total – 0,029 mg/L / Lítio – 0,007 mg/L / Magnésio – 24,234 mg/L
    Manganês – 0,017 mg/L / Molibdênio < 0,005 mg/L / Níquel – < 0,005 mg/L / Potássio – 15,455 mg/L
    Selênio – < 0,005 mg/L / Silício – 5,192 mg/L / Sódio – 157,310 mg/L / Titânio – < 0,005 mg/L
    Vanádio – < 0,005 mg/L / Zinco – 0,103 mg/L
    Composição Química Provável
    Cloreto de Potássio ………………26,563 mg/L
    Cloreto de Sódio………………….392,065 mg/L
    Bicarbonato de Calcio…………….30,387 mg/L
    Bicarbonato de Magnésio……….145,699 mg/L
    Sulfato de Estrôncio………………..0,515 mg/L
    Sulfato de Cálcio……………………72,975 mg/L
    Fosfato de Estrôncio……………….0,043 mg/L
    Fosfato de Bário…………………….0,018 mg/L
    Brometo de Sódio…………………..0,914 mg/L
    Fluoreto de Magnésio………………0,102 mg/L
    Fluoreto de Potássio……………….0,023 mg/L
    Nitrato de Potássio…………………3,897 mg/L
    Borato de Cálcio…………………….1,624 mg/L

    Conclusão:
    1. Os resultados obtidos para os parâmetros determinados, na amostra enviada, estão fora dos padrões de potabilidade definidos pelas legislação em vigor……….., por apresentar nitrito acima do valor máximo permitido. A água apresentou odor a frio e a quente não característico, cor acima do valor máximo permitido e aspecto turvo devido a interferência da cor.
    2. Quanto a sua mineralização, trata-se de água de resíduo alto, podendo vir a ser classificada como " água mineral alcalino terrosa", desde que os resultados sejam confirmados através de análise química exigida pelo DNPM, …..

    mais uma vez, muito obrigado pela atenção.

    • Olá, Arapuã. Parabéns por haver conseguido a análise de sua água por um preço minimamente civilizado e com uma abrangência muito maior do que o que eu chamaria de “nossas necessidades”. Está claro que esse tipo de exame está voltado para quem explora fontes de água mineral. O que importa para o nosso caso estudado aqui no blog é o teor de ferro e a contaminação por matéria orgânica. Como já deixamos claro aqui, não somos engenheiros, nem geólogos, nem químicos. Somos apenas leigos, sofrendo um problema para o qual não encontramos solução e que fomos construindo, por tentativas e erros, um caminho para aqueles que se encontram na mesma situação, ou seja, Poço Artesiano de Água Suja. No seu caso, o teor de ferro é ridículo: é menos de um décimo do máximo estabelecido pelo Ministério da Saúde. Então, esse não é o seu problema e o Phoslan também não é solução. A água apresentou odor, tanto fria, quando em ebulição, e o alto teor de nitritos denuncia a presença de matéria orgânica em decomposição. Isso pode significar que o poço está dentro de uma camada de sedimentos (vegetais e animais em deterioração, ou húmus) ou então está próximo a canais de esgoto ou fossas sépticas. Assim, Arapuã, não achamos que você deva investir dinheiro em Phoslan, bombas dosadoras e filtros caros. Seria jogar dinheiro fora. A nossa conclusão tosca é de que o seu poço se comporta como se tivesse sido perfurado em um local onde, antigamente, havia um mangue. A única forma de fugir disso (além do tratamento biológico da água, claro), é aprofundar o poço até encontrar a rocha-mãe, penetrar na rocha e buscar o grande rio que passa lá embaixo. E isso significa muito, muito dinheiro.
      São nossas primeiras impressões sobre o resultado do exame. Volte para discutir suas dúvidas conosco: será um prazer ajudar e aprender com você.
      Um grande abraço.
      Abreu

      • Olá Abreu, o tratamento biológico fica muito caro ? você saberia me dizer onde posso conseguir ?

        grato, forte abraço

        • Olá, Arapuã. O tratamento biológico básico é à base de cloro, exatamente o que é feito em piscinas. No nosso caso, primeiro é preciso retirar o ferro com o uso do Phoslan. Depois, clorar. Se clorar antes de tirar o ferro, acelera a oxidação e a água ficará amarela imediatamente.
          Abração
          Abreu

  108. Olá, bom sou mais um com o mesmo problema… possuo um poço com +- 12Mts Vazão excelente de mais de 2.000 L/H… e faço o tratamento com filtro de carvão ativo, bomba dosadora e cloro, como você já sabe minha agua ainda fica um pouco amarelada, mais fica 90% melhor do que se não fosse tratada de forma alguma. estou encomendando o produto Phoslan, mas de anti mão já sei que tudo vai dar certo pois existe um produto no mercado chamado Genquest inibidor de manchas e incrustações que é vendido em qualquer loja com produtos para tratamento de piscina. Acredito que este produto possua a mesma química do Phoslan só que diluído, teste este produto ele faz exatamente o que vocês falam que o phoslan faz, só que preciso de uma quantidade bem maior do produto, o que acaba tornando MUITO caro o tratamento já que o mesmo custa 25,00 Reais o Litro (aparentemente o mesmo valor do Phoslan) só que enquanto vocês falam em 1 ML de Phoslan para 1.000 litros, o Genquest fala em 15ML para a mesma quantidade de agua e no meu caso ainda é pouco, Minha água (não fiz analise) mas acredito que seja a pior do Blog todo, ela fica Marrom bem escuro (se não for tratada) e na caixa d’agua acaba parecendo uma grande sopa de feijão marrom.
    Bom, como moro em um condomínio com 110 lotes e por enquanto eu sou o único morador, mas já prevendo o problema futuro com meus vizinhos, gostaria de saber qual o filtro que você está usando, ele é de Carvão, Areia?? a ideia seria montar uma mini estação de tratamento para o condomínio inteiro e gostaria de mais informações para eu poder dimensionar o tamanho do filtro de forma que não precise ficar fazendo retro lavagem varias vezes ao dia, mas que a agua fique potável (pensando em termos de quantidade de ferro).
    Pela ajuda, obrigado.

    • Já estava quase terminando a resposta ao seu comentário, Jorge Luiz, quando apertei uma tecla errada e perdi tudo. Dado o avançado da hora, amanhã retornarei.Desculpe.
      Um abração.
      Abreu

      • OI Abreu, meu caso não é único. Moro em uma região com abundância de agua, qualquer poço com 7 metros já da agua de sobra para atender uma residência, no entanto todo o meu bairro possuem este problema com aguas “enferrujadas” devem ser mais de 20 mil pessoas convivendo com este problema já a alguns anos.
        A concessionaria de abastecimento de agua (CEDAE do Rio de Janeiro), não alcança a maioria dos condomínios, e quando o faz não presta um serviço de qualidade. Com todo este calor dos últimos dias, o meu bairro Vargem Grande, os bairros vizinhos Barra da Tijuca e Recreio (bairros nobres de altíssimo padrão) estão já a semana sem receber agua (apesar da mídia não divulgar).
        Existem oportunistas no meu bairro vendendo sistemas de filtro que chegam a custar 15 mil reais para atender uma única residência com até 5 moradores. E a impressão que tenho de todos eles, é que são aventureiros e nem sabe muito o que estão fazendo. Um mesmo uma vez veio instalar o sistema de filtro aqui em casa, montou a válvula reguladora de pressão (para que a bomba de 1cv não estourasse o filtro) errada e pressão ficou tão baixa que eu acho que não jogava 100 litros por hora, ai você imagina eu consumindo 2 mil a 3 mil dia…
        Todos os outros são também geralmente a mesma solução, bomba dosadora + cloro + filtro e no final agua levemente amarelada (ninguém dá garantia de agua cristalina). Ou ainda criar uma cisterna de agua, encher colocar produtos para decantar e após a decantação enviar a agua para a caixa…
        Acabei optando pelo sistema de filtro de carvão ativo + dosadora + cloro, acontece que para eu ter a agua em condições aceitáveis devo fazer a retro lavagem do filtro 4 a 5 vezes por dia, isso se tornou um peso em minha vida, Hora eu tenho que ir dormir mais tarde para poder acabar de encher a caixa d’agua hora eu tenho que sair para trabalhar mais tarde porque se eu não encher a caixa d’agua antes de sair a casa ficará sem agua durante o dia.
        Enfim é um grande problema, que várias pessoas aqui do meu bairro enfrentam todos os dias e ainda sem uma solução pratica e relativamente barata.
        Acredito que com o Phoslan (baseado nos meus testes com o genquest) irá atender minhas necessidades retro lavando o filtro 1 vez ao dia. Não preciso ter uma agua potável, mas cristalina, sem ser dura e sem me dar trabalho de ficar retro lavando o filtro a cada 30 minutos já estará ótimo.
        Em Abril estarei recebendo visita de parente distantes que vão ficar aqui em casa 1 semana, serão 6 pessoas, fora eu minha esposa e meu filho. Se já está difícil manter a caixa d’agua cheia para 3 pessoas, imagina quando essa galera estiver aqui… já estou perdendo noites de sono toda vez que penso nisso.
        Voltando a solução do condomínio, eu acredito que aqui vá ter cedae um dia, o “dono” do condomínio está tentando colocar mas a burocracia + corrupção está dificultando bastante as coisas.
        Existe um construtor aqui que está construindo 10 casas que já estão em fase final de acabamento e ele já vendeu 3 e precisa entregar as casa com agua, ele também está me ajudando a buscar alternativas para a água, já que também é interesse dele. Por isso eu tive essa ideia da mini estação de tratamento talvez até como uma solução provisória até o dia que a cedae chegar. Pelo que eu vi os custos com o pholsan são baixos, e gastar uns 3 a 4 mil reais em filtros para que ele atenda a demanda destas 10 casas também não vai ser um problema para ele.
        Aqui em casa eu possuo 2 filtros, 1 de carvão e areia e outro apenas carvão (http://www.nautilus.ind.br/Produtos/produto/148-fap-350), assim que o Pholsan chegar eu vou fazer os testes e depois lhe digo como ficou a agua.
        Você falou que troca a carga do seu filtro, você troca a areia e o carvão? o cara que me vendeu o filtro disse que o carvão não precisaria ser trocado nunca… (achei meio estranho) mas já pesquisei várias e várias vezes e nunca achei o carvão para repor no filtro (apenas quantidades pequenas para aquário, ao custo da bagatela de 10 a 20 reais 100 gramas).
        Bom, vou ficando por aqui, quando eu tiver mais novidades eu volto. o Phoslan eu já encomendei, acredito que até 4º dia 28 próximo o mesmo já tenha chegado.

      • A tinha esquecido de mencionar, o meu poço possui 12 metros e não 7. A vazão foi testada com uma bomba auto aspirante de 1 cavalo ligada em tubo de 25mm. eu enchi um tambor de 200 litros que eu tinha aqui na época da construção da casa. não lembro mais quantos minutos levou para encher esses 200 litros e dar a vazão de +- 2mil l/h, mas lembro que deixei a bomba ligada por mais de 5 horas seguidas sem secar o poço. Como a vazão era mais do que o suficiente para minhas necessidades eu me dei por satisfeito, mas acho que se tivesse colocado um cano mais grosso a vazão seria ainda melhor (mas também talvez o poço secasse).

    • Olá, Jorge Luiz. Bem-vindo ao blog. Lamentavelmente, a solução ideal para o seu caso, que seria um poço artesiano e uma estação de tratamento coletivos não deve ser possível, porque, provavelmente, vocês têm acesso à água da empresa de águas e esgotos do seu Estado. Quando isso acontece, não há possibilidade de regularizar o poço que viesse a ser aberto, uma vez que a lei protege os interesses da companhia de águas. Por outro lado, gostei desse seu poço: com 7 metros, produz uma vazão de 2000 litros por hora! Será que você não está confundindo a vazão da bomba com a do poço¿ Um poço com vazão de 2.000 litros por hora significa que, se a bomba ficar ligada 24 horas, o poço fornecerá 48.000 litros de água SEM SECAR! Acho muito para um poço de 7 metros.
      Por outro lado, nossa experiência nos mostrou que, tratar com cloro água com alto teor de ferro acelera e potencializa a oxidação e a água fica amarela quase imediatamente. Assim, se sua água está com excesso de ferro e você trata com cloro, não há como evitar que ela amareleça e suje as roupas.
      Então, é preciso separar os processos: primeiro, retirar o ferro (com o Phoslan ou com o Genquest). Em segundo, filtrar a água, de modo que você possa isolar as moléculas de ferro e descarta-las, na retrolavagem. Em terceiro, se a água estiver contaminada com material orgânico (coliformes fecais ou totais), tratar com cloro.
      O filtro que usamos para “segurar” as partículas de ferro isolados pelo produto é o filtro central do Mundo dos Filtros, para 2.000 litros por hora, com elemento filtrante de areia (diversos níveis de grão) e carvão ativado. A carga é trocada periodicamente, em função do consumo (o nosso é, em média, de 200.000 litros por mês) e, também no nosso caso, a retrolavagem é diária, porque o consumo diário é de cerca de 7.000 litros.
      São nossos primeiros comentários sobre o seu caso, Jorge Luiz. Acho que temos muito a conversar. Volte por aqui.
      Um abraço.
      Abreu

  109. Meu nobre Abreu, estou curioso e ao mesmo ansioso para ver as respostas solicitadas pelo colega Valdemir, uma vez que estou em dúvidas quanto ao procedimento para injetar o produto Phoslan direto no poço.

    Vamos aguardar!

    Um abraço!

    • Olá, Newton e Valdemir. Não há mistério: nossas experiências indicaram que, mesmo que o produto fique nas paredes do poço, o seu resultado sobre o fluxo da água e o resultado é fundamentalmente o mesmo. Como eu já disse antes, ele funciona como uma corrente elétrica ou uma gota microscópica de hormônio na corrente sanguínea: bateu na água, espalha-se em segundos por grandes quantidades do líquido, fazendo o seu trabalho.
      Experimentem para ver.
      Um grande abraço.
      Abreu

  110. Ola. Também estou com o problema do ferro e de muita areia. Encontrei o produto que citou em uma distribuidora em SP. Mas só vendem o galão de 30 kg. Isso custa 750,00.
    Por favor. Se puder informar se é possível comprar em menor quantidade, lhe serei muito grata. Deus abençoe.

    • Olá, Daniela. Bem-vinda ao blog. Os nossos colegas Valdemir e Gilberto, em seus comentários do dia 15.01.2015 abaixo, informam que conseguiram comprar o produto em embalagem de 5 litros junto à Systemmud. Você poderia tentar o mesmo caminho. Ou cinco litros ainda são muita coisa para você? Aguardo notícias suas.
      Um grande abraço.
      Abreu

  111. Caro Abreu,
    Enquanto espero chegar o produto, que foi prometido para segunda feira, 19, fiz os cálculos do meu poço e características principais.

    O poço tem 22 m de profundidade encamisado com tubo de PVC Tigre de 150mm.
    Foi perfurado até chegar a um barro cinza,chamado por aqui de tabatinga.

    O nivel estático está a 6m do topo com um volume que calculei em 282 Litros
    aproximadamente.(3,1416*0,005625*16)= 0,282744 metros cúbicos

    A bomba está a 18 metros de profundidade do topo.
    É uma bomba submersa Dancor SPP 3.2-SSR-07 0,5 CV com vazão de 4,5 metros cúbicos/H
    O tubo de descarga é de 1″1/4.

    O nível dinâmico, não sei, os 3 sensores de nível estão instalados conforme recomendação do manual e sua respectiva caixa de controle,já ficou 6 horas ligada e não desligou por falta de nível.

    Perguntas:
    Como faço para diminuir a vazão pela metade para que possa usar um filtro com vazão menor.
    Pensei em colocar uma derivação na saída e jogar metade da água em um outro poço que tem perto,está funcional, mas inativo (tem 100mm de diâmetro).

    Filtro de piscina serve nesse tipo de instalação?

    Como instilar pequenas quantidade de Phoslan na boca do poço sem que fiquem nas paredes do poço ou no tubo de descarga.
    Devo dissolver em água e jogar no poço?
    Instalo uma mangueira de pequeno diâmetro até o nível superior, e instilo o produto por ela?

    Vou fazer os teste primeiramente em uma caixa de 1000 L que tenho aqui de reserva
    quando estiver OK, vou limpar a cisterna e jogar a agua diretamente nela que tem 12.000L.

    Obrigado e parabéns pela dedicação que vc dá à todos os participantes do blog.

    Um abraço, Valdemir

  112. Prezado Sr. Abreu,

    Estou com o mesmo problema relatado por todos. A água do poço quando sai e totalmente cristalina, apesar de apresentar um leve odor caracteristico de ferrugem. Acontece que uso esta agua para alimentação de uma piscina e a mesma escurece (Marrom) após a cloração. Será que o Phoslan resolve este problema. Outro detalhe estou com dificuldade de encontrar este produto, encontrei em minha região com empresa que trabalham com poço artesiano o seguinte produto: ECONOX. será que a composição e a mesma do Phoslan.

    Aguardo comentarios.

    Atenciosamente,

    Gilberto Carvalho

    • Olá, Gilberto. Bem-vindo ao blog. Sim, o Phoslan utilizado antes da filtragem, impede a oxidação e, por conseguinte, a coloração amarela da água na piscina. Quanto ao Econox, não conheço o produto, mas não é difícil confrontar as duas fórmulas e verificar a similitude. Por fim, se você quiser fazer uma experiência, posso lhe mandar uma amostra do Phoslan. Claro, desde que você não esteja morando na Nova Zelândia e o Sedex vá me cobrar 10 milhões de euros pela encomenda!
      Grande abraço.
      Abreu

      • Prezado Abreu,
        Bom Dia,

        Ainda bem que este mundo ainda exista pessoas como você, sempre prestimoso a ajudar. Agradeço imensamente a sua oferta em ceder-me o produto. Conseguir ontem um contato com a System Mud (BH), que por sinal fui muito bem atendido, onde adquirir o volume de 5 litros. Vou inicialmente fazer testes em volumes pequenos, afim de determinar qual melhor dosagem usar, isto para que não haja desperdício de produto, pois minha bomba tem capacidade para 12000 litros hora. Após os teste vou injetar diretamente no cavalete do poço. Como o meu uso e para irrigação do pomar e serventia da casa, esta água inicialmente e armazenada em uma caixa com 45m³. Assim que tiver estes testes, voltarei com as informações para o blog, que sirva de dados para todos que estão com o mesmo problema.
        Que Deus lhes abençoe.
        Att.
        Gilberto Carvalho.

        • Legal: tanto você como o Valdemir descobriram a embalagem de 5 litros. Luz no fim do túnel: o industrial está começando a enxergar os pequenos, ou seja, nós!
          Grande abraço.
          Abreu

  113. Olá Abreu, Feliz ano novo! Espero que sua saúde esteja restabelecida. Vamos ao meu problema, que esta um pouco diferente da primeira vez que entrei em contato. Mudei recentemente para Arniqueiras e no lote ja havia um poço manilhado (+/- 09 metros). Fiz um analise e o resultado foi a presença de coliformes fecais e totais. Mandei fazer uma limpeza no poço(seguindo orientação do químico) mas não refiz o teste e não uso a água. Neste meio tempo perfurei um mini poço (36 metros) tubular. Os técnicos disseram que tudo que poderia ocorrer, ocorreu, (4 metros de argila, dezenas de metros de quartizita e um areal). o resultado é que saia uma agua barrenta que com o tempo (7 dias) começou a clarear. Hoje liguei a bomba e fiz as seguintes medições: 20 segundos para encher um balde de 18 litros e água límpida por 8 minutos e 40 segundos, depois água com cor de argila/areia.
    No período água límpida, provei e senti pequenos grãos de areia, igual pasta dental de dentista e um gosto de água de filtro de barro.
    Com o passar do tempo, parece que o poço não se sustenta e a vazão cai muito, fica só um pouquinho de água saindo pela mangueira. a informação do técnico é que os filtros laterais dos canos(cortes/furos) estão entupidos e a bomba fica puxando água sempre do fundo do poço, sem a renovação pelos lados, onde esta a brita.

    Ainda não levei essa agua para analisar, mas farei isso nesta semana. Gostaria de saber suas impressões.

    Em tempo, seu sitio é na região do DF?

    Obrigado.

    • Olá, Marcos. Meu sítio fica entre Planaltina(DF) e Formosa, ainda no DF. Você está com uma vazão inicial de cerca de 3.000 litros por hora, o que muito bom. Não se preocupe com a areia – os filtros resolvem. A queda de produção é natural: o poço tem apenas 36 metros de profundidade, o que pode significar um reservatório estático de 3 mil litros. Quando sua bomba “chupa” toda essa água, precisamos calcular quanto tempo o poço leva para recompor esse reservatório.
      Aguardamos informações quentíssimas sobre a análise de sua água, OK?
      Um grande abraço.
      Abreu

  114. Caro, Abreu. Só você mesmo para nos ajudar nesta árdua batalha com os nosso poços.
    Respondendo suas perguntas:
    a) meu poço é “artesiano”. Ele tem 12 metros de profundidade. Recebe uma “camisa” com um tubo de 40mm e no centro um tubo de 3/4″ ligado a bomba.
    b) Uso uma bomba dosadora do sistema antigo. A bomba é uma Injetronic com capacidade máxima de 1,5l/h e mínima de 45ml/h.
    c)Uso um filtro central com capacidade para 1500l/h. Minha bomba tem uma vazão de 1200h/l e hoje meu consumo é de 1000l/dia. Meu poço tem 2,32 mg/l de ferro.

    – A vendedora mandou usar 4,66 gramas do Phoslan para tratar 1000 litros e diluir 32,62 gramas em 500ml de água para 7 dias de uso.

    – A bomba d’água fica ligada em média 45 minutos por dia. E a bomba dosadora injeta uns 100ml por dia.

    – Usava uma sistema que injetava cloro para oxidar e um filtro central com zeólita para reter o ferro. Mas este sistema se mostrou ineficaz pois sempre passa sujeira.
    Então uso o filtro central e o Phoslan.

    Este é o meu cenário atual. Já pensei que poderia ser o filtro que contaminava a água, mas mesmo não passando pelo filtro, a água fica vermelha. Achei que ao diluir o Phoslan perde um pouco da eficiência. Mas minha bomba não tem a capacidade mínima para usar o Phoslan sem diluir. Você lembra quando usava bomba dosadora o quanto diluia o Phoslan?

    Pois bem meu amigo, esta é minha sina.

    Desde já agradeço a boa vontade em ajudar e desejo um feliz 2015.

    • Caro Júlio César, obrigado por retornar e refrescar minha memória.Demorei um pouco porque fui recuperar minhas anotações e requentá-las, para buscar uma forma de ajuda-lo. Uma informação preliminar: não diluo o produto, que é aplicado puro. Minha primeira leitura é de que o nó do seu problema é a bomba dosadora. Veja o meu caso: consumo diário de 7.000 l, vazão da bomba de 6.000 l por hora – depois reduzida para 3.000, para diminuir a pressão sobre o filtro e melhorar as condições de filtragem -, 3.6 mg por litro de ferro. A minha bomba dosadora pode produzir até 120 movimentos por minuto, cada movimento entregando 0,14 ml do produto. Isso significaria quase mil litros do produto por hora, o que está muito acima de minhas necessidades reais. Minhas experiências me conduziram a apenas 1 movimento a cada 2 minutos, ou seja, pouco mais de 3 ml de Phoslan por hora, compatíveis com a vazão da bomba, reduzida de 6 para 3 mil litros por hora. Sua bomba, entretanto, entrega no mínimo 45 ml por hora. E você precisaria de no máximo 1 ml por hora, uma vez que sua vazão é por volta de 1000 litros por hora e o consumo diário é de apenas 1.000 litros. Aí, fui examinar a questão da diluição e compreendi da seguinte forma: como você precisa de aproximadamente 1 ml do produto por hora e sua bomba entrega 45 ml, a diluição significaria 44 ml de água mais um ml do produto por hora, na velocidade mínima da bomba. Algo me parece desarrazoado nessa proposta. Não sei o que é, mas me incomoda.
      Vamos para outro ângulo. E se você repetisse aí a minha experiência sem bomba. Em números grosseiros, você tem um poço de 40 mm de diâmetro, 20 mm de raio e 12 metros de profundidade. Isso significa que, em repouso, você tem em seu poço um volume de água de cerca de 1.500 litros de água ( pi x r2 x 12 metros). Digamos que tenhamos de descontar o nível estático exagerado (o poço não fica cheio até à boca em repouso) e também o espaço ocupado pelo tubo que vai até a bomba, ficaríamos com algo em torno de 1 m3 de água todos os dias, o que equivale a 1.000 litros, o que se parece com seu consumo e com a vazão de sua bomba. Nessas condições, Júlio, eu começaria minha experiência dando uma paulada do produto (por exemplo, 30 ml) diretamente na boca do poço, e daí, diariamente, acrescentaria 1 ml, aumentando ou diminuindo até achar a dose correta.
      É o que me ocorre sugerir para ajudar você. E volto a dizer: estamos muito ansiosos com essas experiências suas, porque, temos certeza, há toda uma legião de observadores (“atrás do toco”) com problemas similares.
      Dê notícias e um ano de 2015 cheio de água cristalina!
      Um forte abraço.
      Abreu

  115. Caro, Abreu.

    Como Passou o natal? Espero que tenha sido ótimo! Gostaria mais uma vez da sua ajuda. Comprei o Phoslan, mas estou com uma certa dificuldade de encontrar a dosagem ideal. Como meu poço tem 2,32 mg/l de ferro, a vendedora da Sidrasul me instruiu do seguinte modo: usar 4,66 gramas do Phoslan para tratar 1000 litros. Meu consumo hoje é de 1000 litros/dia. Minha bomba fica em média ligada 45 min para encher uma caixa de 1000 litros.Fui informado que poderia diluir o Phoslan na água para facilitar a dosagem, deveria em cada 500 ml de água diluir 32,62 gramas de Phoslan para 7 dias de uso. Pelas contas deveria usar 72 ml para cada dia (45 minutos de uso da bomba), mas na prática esta dosagem tem se mostra insuficiente, mesmo injetando mais de 72 ml para cada 1000 litros,pois após algumas horas a água fica vermelha. Estou entrando na fase de começar a aumentar a quantidade injetada pela bomba até conseguir um valor que mantenha a água limpa. Mas como para cada fracasso é um bom tempo gasto para limpar a caixa, gostaria de saber como você fazia para diluir o Phoslan quando ainda usava a bomba injetora. Teria encontrado uma proporção da diluição água x Phoslan? Desde já agradeço sua atenção.

    Abraço e feliz 2015.

    Júlio César

    • Olá, Júlio César. Espero que o seu Natal tenha sido feliz como foi o meu! Sinceramente, eu não consigo me lembrar das suas condições técnicas e o sistema que gerencia o meu blog não ajuda muito a recuperar nosso último contato. Estou achando tudo muito despropositado. A minha impressão é de que você vai acabar bebendo Phoslan, em vez de beber água. O seu consumo é muito pequeno. Pela minha experiência – com bomba ou sem bomba -, você não precisaria mais de que 1 ml do produto por dia (30 ml por mês) para resolver o problema. Mas para ajudar você mais eficazmente, eu necessito que você me resgate a memória. Assim, diga-me: a) o seu poço é artesiano ou cisterna? b) Se artesiano, quantos metros de profundidade? c) se for cisterna, qual a profundidade, qual o diâmetro da boca e qual a altura da água, em relação ao fundo do poço, quando em repouso? d) você usa uma bomba dosadora? e) você usa um filtro? é central? de quantos litros? Parece burocrático, mas não é. Estou apenas achando que você pode estar jogando dinheiro pela janela e acho que há algo muito errado no que você está fazendo aí. Para você ter ideia, meu consumo é da ordem de 200 mil litros por mês, isto é, cerca de 7000 litros por dia e uso em média 7 ml do produto por dia – sem bomba e com a água límpida. Dá para retornar com esses dados, Júlio? Vamos resolver esse negócio, OK?
      Feliz 2015 com muita água cristalina e limpa por aí.
      Abreu

  116. Caro Abreu, após sua indicação consegui fazer a análise de minha água aqui no RJ, no LAMIN, fiz uma análise química, como são vários os itens vou apenas citar a conclusão: a água está fora dos padrões de potabilidade por apresentar NITRITO acima do valor máximo permitido, a água apresentou odor a frio e a quente não característico, cor acima do valor máximo permitido e aspecto turvo devido a interferência da cor, quanto a sua mineralização foi classificada como água mineral alcalino terrosa. Abreu, eu tenho como tratá-la ? desde já agradeço sua sempre ajuda e boas festas.

    • Olá, Arapuã. Que presente de Natal, hein!!! Dada a conjunção de fatores negativos, é preciso fazer um cálculo da relação custo x benefício. O seu poço é artesiano ou comum, tipo cisterna? Se for artesiano (e caro), teremos de tentar salvar o investimento tratando a água. Meu filho vai chegar aqui na roça para o Natal e eu submeterei a análise a ele, particularmente quanto aos nitritos. Está fazendo doutorado na área e vai ter algo a dizer para nós. A presença de cheiro remete à possibilidade de contaminação biológica, orgânica, o que é corrigível. A alcalinidade (pH muito alto) é corrigível. Ficamos sem saber o teor de ferro. Ele pode ser responsável pela cor acima do valor máximo.
      Enfim, Arapuã, digitalize o exame e mande para nós, juntamente com as informações físicas do seu poço. Pode ser que você as tenha mencionado em seu primeiro comentário, mas o sistema operacional do blog não é muito bom nisso e não tenho como recuperar.
      Ah, posso saber quanto você pagou pelo exame? Tem gente aí no Rio carregando na mão nesses preços.
      Vamos meter a mão na massa e resolver isso!
      Um grande abraço.
      Abreu

    • Complementando a resposta, Arapuã, meu filho informa que a presença de NITRITO é indicador de contaminação por matéria orgânica em decomposição, ou seja, confirma-se nossa suspeita inicial. E confirmou também que a presença de nitritos pode ser corrigida, mediante tratamento adequado. Então, ficamos aguardando que você nos mande uma cópia do exame.
      Abração.
      Abreu

  117. Olá
    Tenho um poço artesiano desde de 2011 e desde de sempre a água é barrenta, porém o problema agora é outro e acredito que seja maior…esse mês a bomba submessa queimou e quando formos tirar de dentro do poço, sentimos um cheiro muito forte de óleo diesel…em contato com um profissional ele nos informou que esse óleo é da bomba e que pode ter vazado quando a bomba queimou….e informou que é normal isso acontecer e que não faz mal pra saúde….esse profissional fez a limpeza a três dias atrás, porém a água continua com um cheiro de combustível. O que eu faço…ainda tem jeito de continuar com esse poço?

    • Olá, Rosiane. Bem-vinda ao blog. Caso curioso. Vamos procurar ajudar você. Amanhã eu volto para conversar com mais vagar. Agora aqui está muito cheio de perus, Papai Noel e essas coisas.[
      Um abração.
      Abreu

    • Olá, Rosiane. Bem-vinda ao blog. A contaminação do poço pelo óleo lubrificante da bomba é algo muito provável e relativamente corriqueiro, mas é claro que faz mal à saúde. O nosso corpo não foi desenhado para consumir óleo lubrificante ou óleo diesel. Entretanto, quando ocorrem tais vazamentos, o óleo – que não é grande quantidade – tende a ficar flutuando na superfície, o que torna relativamente fácil sua retirada. Assim, se o técnico fez a limpeza e drenou a água contaminada – principalmente para retirar o óleo que eventualmente ficou aderido à parede do poço -, em poucos dias ele terá de se normalizar e a água voltar a ser potável. Se ainda persistir o cheiro, faça mais algumas drenagens, bombeando a água do poço e jogando-a fora. Se depois de repetir essas tentativas nada mudar, então volte aqui. Talvez tenhamos notícias não muito boas para você. Mas preferimos acreditar que tudo vai dar certo, OK?
      Boas festas e um grande abraço.
      Abreu

  118. Olá,Abreu, temos noticias novas sobre minha água, fiz um teste na empresa que cuida da agua do nosso condomínio onde moro no Rio, o poço que me refiro fica na minha casa de praia em Saquarema.
    o teste deu: 8,23 Fe ,1,00 Mn. Ph 5,9 .

    Um abraço, Valdemir

      • Caro Abreu, espero que tenha entrado no ano bem de saúde.
        Não consigo encontrar o produto em quantidades pequenas, só bombonas de 20 e 30 litros, vc teria uma indicação onde encontrar em quantidades menores?
        Meu caso, se não recordas, transcrevo a seguir:

        “Em primeiro lugar parabéns pelos seu ensinamentos, pessoas iguais a você são raras de se encontrar e compartilhar erros e acertos..
        Estava procurando alguma solução para utilizar a agua do meu poço que é do tipo semiartesiano, e encontrei o seu blog.
        Uso para regar jardim pois tem cor de chá (fraco), mas não tem cheiro forte, e antes de ter agua “de rua” , usava normalmente, para descarga de vasos sanitários e banho (com passeatas de cabelo duro) até cozinhar o povo daqui usa.
        A propriedade fica localizada em Saquarema na região dos lago do Rio de Janeiro, acontece que quando chega o verão, a população quadruplica e não há agua para todos, isso é cronico por aqui.

        Quais soluções me indicaria para usar esta água, que tipo de filtro devo comprar, e este produto, Phoslan, onde encontro para comprar, vi um produto da HTH, Solução agua de poço (tratamento de piscinas), saberia me informar se é similar?

        O poço tem 20 m de profundidade com tubo de 150 mm.
        A bomba é submersa Dancor SPP com capacidade de 4.000 L/H, e está a 15m de profundidade.
        Agradeço desde já.
        Um grande abraço, Valdemir.”
        ————————————————————-
        Olá,Abreu, temos noticias novas sobre minha água, fiz um teste na empresa que cuida da agua do nosso condomínio onde moro no Rio, o poço que me refiro fica na minha casa de praia em Saquarema.
        o teste deu: 8,23 Fe ,1,00 Mn. Ph 5,9 .

        Um abraço, Valdemir”

        • Oi, Valdemir. Eu posso lhe mandar uma amostra do produto para experimentarmos. Essas bombonas de 20 litros ninguém merece. Acho que vou entrar em contato com a empresa: todas as 800 pessoas que acompanham o blog são pequenos proprietários com baixo consumo e o produto, aparentemente, está embalado para grandes empresas de tratamento de água das cidades. Eu tenho disponibilidade do produto porque, mesmo comprando a bombona de 20 litros, não consegui consumir nem a metade em dois anos. E tenho interesse em sua experiência.
          Um grande abraço.
          Abreu

          • Olá Abreu, obrigado pela oferta, antes de ver a sua resposta eu consegui comprar em embalagem de 5LT da empresa SYSTEM MUD IND COM LTD. ao preço de 27,48 o litro.
            O prazo de entrega é de 48 horas, vamos aguardar e seguir com os testes.
            Tenho uma curiosidade, como consegue colocar pequenas quantidades dentro de um poço tão profundo como o seu.

            Um abraço, Valdemir.

          • Você chegou junto com o Gilberto: ambos acharam a embalagem de 5 litros, para alegria de nós, pequenos. Quanto à sua dúvida, é preciso lembrar que esse produto funciona como uma corrente elétrica ou como uma partícula mínima de hormônio da corrente sanguínea: imediatamente grandes extensões de líquido sofrem sua influência. Como o poço, com a bomba desligada, funciona como um enorme reservatório, umas gotinhas ali, jogadas diretamente da boca, impactam quimicamente 10 ou 15.000 litros de água em segundos! É isso que fazemos por aqui.
            Um abração.
            Abreu

  119. Boa noite! Li o relato de sua saga e confesso que a similiaridade com a situação que vivo hoje é incrível!
    Principalmente em relação aos protestos pelos cabelos duros,manchas nos vasos sanitários e roupas que entram brancas na máquina de lavar e saem marrom . Moro em Rio das Ostras, interior do Rio e no bairro não existe água encanada e distribuída pela cia de água e esgoto! Utilizo um poço de 18m de profundidade e com características similares ao seu poço!
    Hoje possuo um sistema de filtragem onde eu cloro a água forçando a oxidação e depois por sistema de retenção de particulas de 15 micras! No início ajudou, mas hoje o problema está agravado e resolvi buscar uma ajuda mais aprofundada no assunto! As informações do blog são excelentes e gostaria de, se possível obter sua ajuda neste caso. O resultado da análise da água, ficou com os seguintes valores:
    -pH 5, 6
    -ferro 0, 6

    Teria como montar um sistema baseado nestes valores?
    Você me passaria uma idéia do custo envolvido para aquisição do sistema? Muito obrigado pela ajuda!

    Marcel Neves

    • Olá, Marcel. Bem-vindo ao blog. Curiosamente, a minha primeira percepção de que o problema poderia ser ferro foi exatamente quando o técnico que trocou a carga do filtro também lavou a caixa…com água sanitária(cloro). Quando terminamos de encher a caixa, com água novinha, a água estava totalmente marrom. Temos aqui dois caminhos diferentes. No primeiro, você clora a água, forçando a oxidação e depois filtra-a. No segundo, eu impeço a oxidação, envolvendo a molécula de ferro com o produto e depois filtro. No meu caso, se o filtro não for tão eficiente e deixar passar alguma molécula, como ela está quelada, ou seja, “blindada” contra a oxidação, a água não vai amarelar. No seu caso, se o filtro deixar passar alguma coisa, é água enferrujada na roupa branca e no vaso sanitário. Acho que você deveria utilizar a própria estrutura que você tem hoje e experimentar substituir o cloro pelo quelante. Acho que vai dar certo. Para isso, você terá que medir qual o seu consumo e aplicar, digamos semanalmente, o valor equivalente a 1 mg do quelante por mil litros de água a serem consumidos na semana seguinte. Esse é um número obtido empiricamente para as minhas circunstâncias. Para as suas poderá variar um pouco, cabendo a você fazer o ajuste fino. Uma coisa já adianto: não misture as duas sistemáticas, pois são simetricamente inversas, ou seja, não vá clorar e quelar que não dará certo. As contas: se você tiver um consumo semanal de 7.000 litros, coloque diretamente no poço 7 mg do produto., não se esquecendo de primeiro esvaziar toda a água anteriormente existente na caixa e no restante do sistema. O produto que uso é comercializado pela Systemmud (www.systemmud.com.br) e você deverá necessitar de quantidades muito pequenas. Talvez você só o encontre em grandes volumes. Se não encontrar, retorne por aqui que eu posso ceder um pouquinho para sua experiência. Para você ter ideia, meu consumo mensal é da ordem de 200 mil litros. O produto que comprei em 2008, num recipiente de 20 litros, até hoje ainda não chegou à metade. Por fim, realço que o seu teor de ferro, apesar de estar no dobro do máximo determinado pelo Ministério da Saúde, é muito inferior à maior parte dos casos que aparecem por aqui. Assim, acredito que sua necessidade do produto será ainda menor do que 1 mg/1.000 litros.
      Mãos à obra!
      Um grande abraço.
      Abreu

      • Abreu muito obrigado pela resposta! !
        Como o meu sistema de filtração é no estilo gambiarra, vou aproveitar e trocar por um sistema mais eficiente e que demande pouca manutenção! Vou entrar em contato com a loja que você indicou e aquisitar o filtro central!

  120. Valeu meu caro Abreu, farei as experiências e tão logo obtenha os resultados, te mando notícias.
    Mais uma vez muito obrigado.
    Newton.

  121. Boa tarde meu caro Abreu,
    Inicialmente gostaria de agradecer-lhe pela orientação quanto à utilização do produto phoslam conforme a sua experiência e acredito que deva funcionar. Sem querer explorar a sua costumeira boa vontade para conosco, gostaria que me enviasse qual a medida do produto que devo colocar dentro do poço e a periodicidade. Envio-lhe a análise do meu poço para que possa fazer o cálculo: 8,35mg/l de ferro, 0,96mg/l de manganês e coliformes totais presentes, vazão= 1.000l/h.
    Mais uma vez ficaria muito agradecido pela sua costumeira atenção.
    Um abraço,
    Newton. Timóteo-MG.

    • Oi, Newton. Nossas experiências por aqui indicaram a substituição da bomba pela colocação do produto diretamente dentro do poço, na proporção de 1 ml(um mililitro) por mil litros de água consumidos por mês. Então, é importante você calcular qual o seu consumo (a vazão – de 1.000 litros/h no seu caso – não resolve. Para isso, eu uso três hidrômetros: um, geral, que é obrigatório, outro que mede o consumo da casa-sede e outro que mede o consumo do resto do sítio. Compro esses hidrômetros a cerca de R$ 60,00 cada – vale a pena. Independentemente de hidrômetro, você pode fazer uma avaliação: desligue a boia automática e veja em quanto tempo a caixa fica totalmente vazia. Se, por exemplo, sua caixa for de 1.000 litros e levar 12 horas para ficar pela metade, você já sabe que consome 500 litros a cada doze horas, mil litros por dia, 30 mil litros por mês. Aplique então, por exemplo, 7 ou 8 ml do produto a cada semana e observe.
      Quanto à concentração de ferro, na nossa experiência esta não se mostrou relevante para a dosagem. Já constatei teores de ferro de 10 a 15 vezes o máximo estipulado pelo MS e, com a aplicação na forma mencionada, o teor caiu sistematicamente para 0,1, ou seja, 1/3 do máximo. Assim, apesar do seu altíssimo teor (8,35 é quase 30 vezes o limite) acredito que a aplicação vai reduzi-lo aos mesmos 0,1 que consegui aqui.
      Agora: é preciso persistência, paciência e, acima de tudo, observação. Anotar, verificar o resultado, recomeçar, comparar, chorar de vez em quando também é bom.
      Esses coliformes totais aí nunca me preocuparam. O problema crítico são os coliformes fecais.
      Retorne com notícias, de preferência boas.
      Um grande abraço.
      Abreu

  122. Boa noite Abreu, andei sondando aqui no Rio, laboratórios para analisar a agua do poço, fiquei surpreendido pelos preços praticados.
    Análise completa segundo normas do Min da Saúde, R$ 2,700,00
    Analise bacteriana e de metais R$ 700,00.

    Acho muito caro, mesmo assim vou continuar procurando um laboratório mais em conta.
    Poderia me fornecer o endereço onde vende o Phoslan? veriquei na net e só vendem bombona de 30L.
    Eu tenho certeza que meu poço é ferruginoso.
    Um abraço, Valdemir.

    • Eh, Valdemir. O pessoal está com a mão dentro do seu bolso aí! Aqui em Brasília, que é uma das cidades mais caras do mundo, eu faço o exame em laboratórios credenciados pela ADASA, que é a correspondente distrital da ANA, obedecendo às exigências técnicas do Ministério da Saúde. E, dependendo do laboratório, varia entre R$ 150,00 e 180,00, E compreende a análise física, química e biológica, tudo de acordo com as exigências da ANA e da ADASA. Então, aguenta mão aí. Eu vou conversar com os laboratórios daqui. De repente compensa você mandar para eles a amostra (aproximadamente meio litro da água) pelo Correio e eles lhe mandam o resultado por e-mail, que é como eu recebo. A propósito, não compre o produto ainda. Sua necessidade será tão pequena que, se brincar, eu lhe mando um pouco pelo correio. Tenho interesse na sua experiência. Mas primeiro precisamos do exame. Eu já havia percebido alguma coisa errada nessa questão. Achei que fosse porque as pessoas dificilmente regularizam seus poços artesianos junto ao órgão competente e, com receio de serem flagradas, não fazem os exames. Por outro lado, os laboratórios, sabendo dessa situação, metem a faca, em vez de orientarem as pessoas. Primeiro: laboratório nenhum tem o direito de exigir saber de onde vem a água. Têm de se limitar a examinar, fornecer o resultado e receber o seu pagamento. Segundo: a regularização de um poço é extremamente simples, é feita pela internet, não existe pagamento de nenhuma taxa. O único problema é que eles podem pedir para instalar um hidrômetro só para controlar o consumo para efeitos estatísticos – não há cobrança de conta ou qualquer coisa parecida. Agora R$ 2.700,00, pelo amor de Deus! Então, aguarde aí. Ou aliás, continue procurando: pode ser que você tenha caído nos caras que examinam as águas do Leblon ou da Barra da Tijuca!!! Enquanto isso, eu farei o contato com os laboratórios daqui e porei você em contato com eles. Acho que você vai pagar uns R$ 40,00 de correio, mais uns R$ 160,00 do exame e receber o resultado pela internet. Acho que vale a pena.
      Um abraço.

      • Obrigado mestre Abreu, estou entrando em contato com o pessoal que faz análise da agua do condomínio onde moro no Rio, talvez consiga alguma coisa mais em conta.
        Um abraço, valdemir.

      • Olá, Daniela. Bem-vinda de volta. Que bom que você achou o produto, mas você ainda não descreveu o seu problema, apenas disse que água tem ferro e areia. O seu poço é comum ou artesiano? Qual a profundidade? Você fez a análise da água? Qual o seu consumo diário? Sua água é amarela, suja as roupas e o vaso sanitário de marrom? A partir dessas informações é que nós poderíamos fazer umas estimativas e orientar o manuseio do produto. Aguardamos seu retorno, OK?
        Um abração.
        Abreu

  123. Obrigado Abreu pelo pronto retorno, vou fazer uma análise da agua, quando fiz este poço há 7 anos atrás, foi feita uma análise só para verificar se estava contaminada e foi dada como boa.
    O consumo não é muito, no alto verão estimo e 1.000 L/dia. a família não é grande.,
    Tenho uma cisterna de 15.000 L, primeiro completo a cisterna, jogo uma pastilha de cloro de 10.000 L, então a agua é bombeada para as caixas controladas por boias automáticas.
    Esta coloração de água é muito comum nesta região, alguns poços tem cor de coca cola de tão escura que é, os locais atribuem à certas raízes de plantas, como o cajueiro por exemplo, perto do meu poço não tem cajueiro, mas dá para sentir o gosto de ferro ao provar desta agua.

    O lado negativo do uso vc já conhece, não se pode lavar roupa na máquina pois fica toda manchada, os vasos sanitários ficam manchados, a própria caixa d’água fica com uma espécie de lodo grudado nas partes internas.

    Enfim, vamos à luta,
    Um abraço,Valdemir.

  124. Em primeiro lugar parabéns pelos seu ensinamentos, pessoas iguais a você são raras de se encontrar e compartilhar erros e acertos..
    Estava procurando alguma solução para utilizar a agua do meu poço que é do tipo semiartesiano, e encontrei o seu blog.
    Uso para regar jardim pois tem cor de chá (fraco), mas não tem cheiro forte, e antes de ter agua “de rua” , usava normalmente, para descarga de vasos sanitários e banho (com passeatas de cabelo duro) até cozinhar o povo daqui usa.
    A propriedade fica localizada em Saquarema na região dos lago do Rio de Janeiro, acontece que quando chega o verão, a população quadruplica e não há agua para todos, isso é cronico por aqui.

    Quais soluções me indicaria para usar esta água, que tipo de filtro devo comprar, e este produto, Phoslan, onde encontro para comprar, vi um produto da HTH, Solução agua de poço (tratamento de piscinas), saberia me informar se é similar?

    O poço tem 20 m de profundidade com tubo de 150 mm.
    A bomba é submersa Dancor SSP com capacidade de 4.000 L/H, e está a 15m de profundidade.
    Agradeço desde já.
    Um grande abraço, Valdemir.

    • Olá, Valdemir. Bem-vindo ao blog e obrigado por suas palavras carinhosas e estimulantes. Não creio que os produtos sejam similares. Os produtos para tratamento de piscina são normalmente voltados para o tratamento biológico da água (eliminação de bactérias, fluidos corporais, fungos, etc). Já o Phoslan é um quelante, ou seja, um produto cuja função é envolver a molécula de ferro existente na água, impedindo que ela entre em contato com o oxigênio do ar e oxide, ou seja, enferruje a água, dando-lhe a cor marrom-amarelada. Assim, como temos recomendado aqui no blog, é preferível você gastar uns R$ 150,00 e fazer a análise da água e usar o Phoslan se houver ferro em excesso, do que investir em bomba dosadora e filtro sem saber exatamente qual o problema. O teor tolerável de ferro na água é de 0,3 mg por litro, por determinação do Ministério da Saúde. Água amarela é resultado de índices 10, 20 ou 30 vezes esse teor. Aí o Phoslan é a solução. Se você descobrir que o teor de ferro do seu poço está abaixo do limite legal, teremos de buscar outra explicação e outra solução. Se estiver acima, retorne aqui para a gente calcular do produto você vai precisar usar. E não se esqueça de trazer o seu consumo diário de água desse poço: esse dado é crucial para o cálculo.
      É isso: paciência e persistência – vamos limpar esse poço!
      Um abração
      Abreu

  125. Dr. Poço,
    Tenho um poço de “chá” e antes de achar esse blog não sabia bem o que fazer.
    Agradeço as dicas e muitas informações técnicas precisas que aprendi. São muito valiosas essas informações.
    Grande abraço, Fernando.

    • Olá, Fernando. Bem-vindo ao blog. Adoramos o “Dr. Poço”, o “poço de chá” e suas carinhosas palavras. Manifestações como a sua são a nossa melhor remuneração.

      Um forte abraço.
      Abreu

  126. Abreu, boa tarde!
    Estou de volta! hehehe! Após alguns meses usando o filtro para retirar o ferro da água, tenho a infeliz notícia que ele não funcionou 100%, mesmo sendo muito cuidadoso na dosagem do hipoclorito, sempre passa sujeira(ferro). Em contato com a empresa que me vendeu, um técnico afirma que até a falta de chuva influencia no funcionamento do filtro, pois a lençol de água esta mais sujo. Isso sem contar qualquer variação no cloro. Porém eu não vejo esta mudança na água bruta, continua límpida ao sair do poço. Por isso, resolvi testar o Phoslan. Como minha água tem 2,32 mg/l, o engenheiro da Sidrasul indicou o uso de 12ml por dia para tratar 2000l. Comprei e gostaria de sua ajuda e experiência para a dosagem na bomba dosadora, pois achei pouco dosagem. Como você fazia a sua dosagem quando usava a bomba dosadora? Desde já agradeço. Forte abraço. Júlio César

    • Olá, Júlio César. Estranhíssimo. Comecei a responder seu comentário acima, dizendo exatamente que estava com uma sensação de “dejá vu”, ou seja, de já ter visto esse seu comentário e respondido a você. Admmiti que devo ter respondido, mas remetido para algum desvão da internet – menos para o este blog. De qualquer forma, iniciei a resposta como se fosse a primeira vez. Já terminando, algo aconteceu e meu texto desapareceu e o sistema retornou para o início, me pedindo username e senha do administrador. É mole? Então, vou fazer o seguinte: vou publicar esta parte que acabo de escrever e depois vou acrescentando, para não perder tudo de novo.
      Um abraço.
      Abreu
      Continuando. Não acho pouca a dosagem recomendada pelo engenheiro. Ao contrário, acho excessiva. Pelas nossas experiências com bomba e sem bomba nesses últimos sete anos, chegamos à dosagem ideal para o nosso poço, que é de 1 ml de Phoslan para 1.000 litros de água. E olhe que o teor de ferro do nosso poço é 3,1 mg/l!
      Como você vai usar a bomba dosadora, temos no corpo do blog uma aula que o dono da fábrica da bomba me deu e que me permitiu fazer a regulagem correta e evitando os erros mais comuns. O fundamental é o seguinte: a bomba não é regulada para determinada vazão, mas para determinado tempo.
      Assim, independentemente da quantidade de água que passa pela bomba em direção ao tubo, ela pulsará 2, 5, 10, 50 ou duzentas vezes por minuto, de acordo com a regulagem que você fizer. Então, esse é o jogo: no seu caso, se passam 2000 litros por hora pela bomba, ela deverá pulsar tantas vezes por hora quantas necessárias para totalizar 1 ml de Phoslan por hora.
      Outra variável a considerar é o seu consumo. O seu consumo determinará a quantidade de vezes em que a caixa esvaziará e a bomba será acionada (estou imaginando que você usa uma bóia automática). E também entra na conta o tamanho da sua caixa dágua (1000, 5000 ou 10000 litros).
      Como você vê, é uma discussão interessantíssima e cheia de detalhes.
      Mas você, nessa comunidade de sofredores, já é um privilegiado. Você já sabe que seu poço tem ferro em excesso e que isso amarela sua água límpida em 12 horas. E que o tratamento com Phoslan pode resolver o problema. A maioria do pessoal que procura o blog não tem nem noção sobre a razão por que os vasos sanitários ficam com aquelas listas marrons ou as roupas brancas ficam pardas.
      Então, pense um pouco e retorne para continuarmos a bater o papo. Eu te garanto que há muita gente com o mesmo problema e essas pessoas estão vendo o seu comentário e minha resposta e aprendendo com os dois.
      Um abraço. (Parece que consegui chegar ao final do texto!)
      Abreu

  127. companheiro vc acaba de me dar uma esperança minha água sai cristalina ,12h depois fica turva e ferrugem no fundo semelhante a sua no inicio . como faço p/ comprar esses produto e vc continua usando a bomba dosadora

    • Olá, Getúlio. Bem-vindo ao blog. Parece que o seu caso é o caso-padrão do blog. E a solução é também padrão. Postamos recentemente os resultados de nossas experiências durante o último ano sem uso da bomba dosadora. Você conseguiu ler?
      Um abração
      Abreu

  128. Boa noite Abreu,
    Fiz um poço de 12 metros no bairro Itararé em Vitória-ES, é um bairro aterrado a mais de 60 anos.
    Minha água esta sindo cristalina, porem passa alguns minutos, ela fica da cor de barro e com gosto de ferrugem.
    Existe algum procedimento para melhorar?

  129. Abreu,
    Resido em Santa Luzia/MG, onde perfurei uma cisterna com + ou – 17 metros de profundidade, mas tenho observado uma grande ocorrência de barro no fundo da mesma, o que acabou enterrando a bomba. Tal situação, obrigou a limpeza do fundo com a retirada de + ou – 1 m³ de barro. Deste modo, gostaria de saber se já teve conhecimento de como evitar a produção de barro no fundo de cisterna e se já teve, qual a solução encontrada.
    Em tempo: A água não está saindo barrenta.

  130. POÇO ARTESIANO EM SETE LAGOAS
    fiz um poço na roça com 64 mts e esta sujando a agua ao ponto de danificar a bomba submersa de 1cv marca EBARA,ja toquei um motor e um bombeador senddo que as particular abrasivas em suspensao corroem o corpo de noril da bomba destruindo o bombeador e ou travanddo o motor eletrico
    nao estou preocupado com agua amarelada pois tiroesta agua do poco e jogo numa caixa de 40000 lts e dai eu filtro pra uso domestico produzindo uma agua muito boa
    o problema a queimaçao de bomba!!!!!!
    estive em um expert que me informou que so vou conseguir tirar agua sem danos a bomba se usar o sistema de injeçao de ar comprimido
    mas como dimensionar o compressor??????
    o poco tem 64 mts,o niveld inamico e 18 mts,o teste de vazao deu 900ltshora,e superficie a percorrer e de 200 mts em cano azul de irrigaçao enterrado de 40mm com desnivel de 50mts do piso onde esta furo ate a caixa
    em suma,o sr sabe como calculo o tamanho do compressor
    passando em sete lagoas,pare por aqui pra passar um tempo conosco
    dar um giro aqui na serra do cipo ou espinhaço
    este site e a nossa familia http://www.setelagoashotel.com.br
    conto com sua ajuda
    jose carlos

  131. Senhores, faço umka pergunta. Fiz um poço artesiano em minha propriedade que chegou a 300 m, a empresa instalou uma bomba de 2 cv que está puxando 350 litros por hora (vazão maxima dinamica), até agora não deu problemas, mais a vazão minima seria 600 litros hora para a bomba trabalhar bem correto? TEM um registro na saída do poço que foi regulada para a vazão de 350 litros/h, Pergunto se não seria correto trocar a bomba para uma outro de menor vazão talves 1cv, ou isso não é correto por causa da profundida da bomba 280m?

  132. Abreu, boa tarde!
    Estou de volta! hehehe! Após alguns meses usando o filtro para retirar o ferro da água, tenho a infeliz notícia que ele não funcionou 100%, mesmo sendo muito cuidadoso na dosagem do hipoclorito, sempre passa sujeira(ferro). Em contato com a empresa que me vendeu, um técnico afirma que até a falta de chuva influencia no funcionamento do filtro, pois a lençol de água esta mais sujo. Isso sem contar qualquer variação no cloro. Porém eu não vejo esta mudança na água bruta, continua límpida ao sair do poço. Por isso, resolvi testar o Phoslan. Como minha água tem 2,32 mg/l, o engenheiro da Sidrasul indicou o uso de 12ml por dia para tratar 2000l. Comprei o Phoslan em pó, e gostaria de sua ajuda e experiência para a dosagem na bomba dosadora, pois achei pouco dosagem. Como você fazia a sua dosagem quando usava a bomba dosadora? Desde já agradeço. Forte abraço. Júlio César

  133. boa noite caro Sr.Abreu,li com muita curiosidade seus artigos e seu delicioso senso de humor narrando os fatos ajudam muito !!!!Moro no sul da Bahia e meu poço tb tem este problema…o senhor teria o site ou e-mails do vendedor do produto que está usando para a limpeza do poço!!!!Desde já agradeço a atençãoe voltarei para ler e acompanhar a su/nossa saga …..Em busca de uma água mais limpa!!!!!Abraço,Mirella.

    • Olá, Mirella. Bem-vinda ao blog e ao vale de lágrimas. Postei ontem, no próprio copo do post “Poço Artesiano de Água Suja”, no blog http://www.expressaodaliberdade.com.br, a conclusão das nossas experiências nos últimos 14 meses sobre a aplicação econômica do produto. De uma olhada lá, você vai gostar de saber. Bem o produto é o Phoslam, a empresa – de Belo Horizonte – é a SYSTEMMUD http://www.systemmud.com.br e o nosso contato lá é o Rafael rafael@systemmud.com.br. Os telefones são 31.3321.0806 e 31.9345.6694.
      Um forte abraço e volte sempre que precisar.
      Abreu

  134. Senhor. Boa noite.

    Tenho um poço raso, porém, a água está saindo turva.
    Li seu blog, está de parabéns,

    Favor enviar para o meu e-mail, o endereço da empresa SIDERSUL de Santa Catarina, pesquisei no Google e não encontrei o seu endereço e ou página na internet.

    Agradeço desde já sua atenção

    Um abraço

    Eder Tavares de Carvalho

    • Olá, Eder. Bem-vindo blog. Você não encontrou porque o nome da empresa é SIDRASUL, e não SIDERSUL. Possivelmente, eu devo ter escrito errado o nome em algum de nossos posts. O site dela é http://www.sidrasul.com.br e nosso contato por lá é o Neri (neri.junior@sidrasul.com.br). Os telefones são 47.2103.5001 e 47-9977.9343.
      Por outro lado, vou publicar hoje ou amanhã aqui no blog o resultado das minhas experiências no último ano. Pode ser interessantes para você verificar antes de comprar a bomba: você pode não precisar dela. Acho que o Neri não vai gostar muito do resultado das minhas experiências.
      Um grande abraço.
      Abreu

  135. bom dia, sr. Abreu! Como vão as coisas? Lendo seu blog e a historia do seu poço e seu excelente senso de humor… não tive não cair na risada… o senhor devia escrever um livro, vai vender igual “água”… ops… desculpa! kkkk… não dava pra deixar passa essa… kkkk… bom, sei que tu deves ser alguem super-ocupado, então, vou direto ao assunto, se puderes me auxiliar, ficarei eternamente grato. Trata-se do seguinte: Moro em Campos dos Goytacazes, interior do estado do RJ. Tenho minha casa própria, e no meu jardim abri um poço de uns 12 metros de profundidade e depois de passar pela areia branca, areia grossa, conchas… achamos uma agua clara! Subi no muro e gritei ao mundo: acertei na megasena d´água… e isso durou exatos 11 minutos, foi quando o “perfurador”, pegou um copo de vidro transparente e colocou agua nele, e uma hora depois, eu tava rico, era agua amarelo ouro, imaginei a Petrobras me telefonando… e eu posudo assinando contratos de licenças anuais faturando milhoes de dolares… e enquanto ia meu devaneio… o “perfurador” disse: sua água não serve pra quase nada.
    Foi um balde de agua fria, literalemente. Eu murchei igual a bola de soprar quando escapole das mãos e voa sem direção esvaziando… e ainda no topor da noticia… mal acreditando no vatícinio, perguntei: por que? E a resposta: o indice de ferro é alto.
    Recuperado do desalento, procedi a uma analise quimica e bacteriologica, resultado:
    – Analise bacteriologica – ausencia de cloriformes fecais.
    – Analise quimica – Ferro (Fe) – 10,79 (VMP: 0,30mg/L) e Manganes (Mn) – 0,13 (VMP: 0,10mg/L)

    Perguntei ao Engenheiro Quimico responsavel e ele me disse que um filtro especial de carvão ativado proprio para remoção de Ferro e Manganes, poderia resolver o caso, mas seria necessario, outra analise após a filtragem e observação da água no decorrer do tempo, com analises periodicas mensal ou bimestral, até alcançar um amostra constante de 6 meses a 1 ano. Depois disso a analise poderia ser a cada 3 meses ou 6 meses. O custo das analises é de 100,00 (ambas).
    Bom… estou na “luta” para encontrar o “danado” do filtro, liguei para 3M, e bla bla bla… e ia começar a ligar para outras empresas, já que as lojas do comercio local, não garangem nadica de nada quanto a capacidade de remoção de Ferro para os filtros que elas vendem.
    Na 3M tem um filtro removedor de Ferro, mas o setor técnico informou que não garante a remoção total do Ferro.
    Pergunta: o que fazer? Qual a sua dica, orientação, sugestão, qualquer coisa…
    Acontece que o rio paraíba do sul que abastece minha cidade está secando, esta com somente 4 metros de agua, dois metros abaixo do minimo em toda a sua historia, e São Paulo vai sugar o restinho que falta para secar, e a prefeitura de minha cidade, ainda não anunciou nenhuma alternativa, então, o cidadão tem que tomar sua propria alternativa: há 10 anos atras abri esse poço quando ocorreu a contaminação das aguas do rio paraíba do sul pelo afluente rio pomba de Cataguases – MG, o nosso amado Paraíba do Sul virou rio de petroleo. A agua era 100% preta. A prefeitura naquela epoca deixou a população à mingua, e a gente não tinha agua nem pra beber, foram dias e dias… disputando à tapa na fila de “perfuradores de poços rasos”, e chegou a minha vez e consegui fazer um aqui no meu jardim.
    Há 10 anos que meu poço dá agua com boa vazão, e uso para molhar as plantas.
    Agora, com essa ameaça de falta de agua, preciso tornar a agua do poço, uma água POTAVEL.
    Minha casa fica a 2 kilometros do Rio Paraiba do Sul. O terreno na minha região é de predominancia de alto teor de Ferro na agua. Por isso, nem tentei abrir outro poço, nas casas vizinhas, todos tem Ferro na água. Tem um poço numa casa ao lado, mas não é utilizado.
    Bom… eu preciso de sua ajuda e preciso de algo que funcione de verdade, quanto a valores (R$) estou disposto a comprar o equipamento que resolva isso, ou pelo menos se aproxime de uma boa solução.
    O tecnico da Fundação que analisou a água, disse-me que seria bom eu colocar uma bomba dosadora de cloro na saida do poço, entre o poço e o filtro de Carvão Ativado de Alta Qualidade (ou outro filtro especial de alta qualidade). E um outro filtro na entrada ou saída da caixa d´água que fica no andar de cima, a 7 metros de altura, sobre a laje do segundo andar de minha “casinha”.
    O que o senhor aconselha?
    Qual tipo de filtro? Qual marca de filtro? Qual sistema de filtragem? Como o poço é no jardim da frente da casa, e minha casa não tem quintal nos fundos, preciso adaptar o sistema de filtragem a um espaço de alguns metros quadrados, entende? Tenho sim, como enviar a agua do poço para a caixa d´água por meio de bombeamento.
    Quanto a sua pergunta no seu relato sobre qual foi a sua solução simples que voce encontrou, acho que para mim, ignorante no assunto, resta-me chutar: trocou de caixa dágua e colocou uma de pvc ou colocou uma bomba dosadora de cloro na entrada da caixa dágua ou sei lá o que, kkkk… realmente não sei de nada sobre isso… mas fiquei curioso, afinal de contas, vc é um especialista em perseverar, por isso, eu admiro voce! Nisso somos parecidos, eu sou brasileiro, eu não desisto nunca! Se precisar de mais informações, eu lhe envio. Abraço fraterno, Adriano.

    • Olá, Rangel (ou Adriano? Ou Adriano Rangel?). Bem-vindo ao blog e parabéns pelo bom humor. Esse é um importante estado de espírito para quem vive nessa luta desgastante contra os poços artesianos de água suja, como nós. Demorei a responder a você, porque decidi fazê-lo depois de publicar o novo post do blog, que sintetiza os problemas e soluções que encontramos ao longo dos últimos sete anos. Ali abordo especificamente a questão da bomba dosadora e sua substituição por uma alternativa sem custo (financeiro).
      Dê uma olhada lá. Pode ser interessante para você também. Está no blog “www.expressaodaliberdade.com.br”, “Poço artesiano de água suja”, “Conclusão da experiência”. Depois, volte para a gente discutir.
      Um grande abraço.
      Abreu

  136. Olá sr. Abreu. que saga a sua não? Espero que esteja tudo bem com a sua água. Eu descobrir o seu blog fazendo uma pesquisa para comprar um filtro para um poço artesiano que tem no meu terreno. Esse poço tem 30 anos, no começo a agua tinha um pouco de cheiro e gosto salobro, fica no recreio dos bandeirantes, mas foi melhorando com o tempo e hoje eu diria que está perfeita pra uso (nunca fiz analise laboratorial da água). O meu problema é que eu tive problema nos meus encanamentos que são de ferro e ficaram um pouco entupidos por conta do deposito de argila neles ao longo desse tempo. A minha água tem um pouco de argila, mas nada que manche roupa durante a lavagem, o meu azulejos do banheiro e o rejunte que são branco estão um pouco encardido e se eu puser tira ferrugem eles ficam limpos (mas não dá pra lavar banheiro com tira ferrugem, né? Bom, eu gostaria de saber do senhor qual o tipo de filtro que eu devo colocar pra filtrar essas impurezas, eu vi no mercado livre uns que dizem que filtram argila, que eu acho que é o meu caso, funcionam? Eu limpo as minhas caixas a cada ano e no fundo e lateral fica assentada uma certa quantidade de limo amarelado. O filtro reteria esse barro? Desculpe-me o texto longo, mas é que eu vou trocar os encanamentos e queria evitar esse problema de canos sujos no futuro.Desde já agradeço a sua atenção.

    • Olá, Verônica. Bem-vinda ao blog e desculpe o atraso, mas esse velho escrevinhador aqui estava lutando com problemas tão grandes que me faltaram quaisquer condições de uma presença mais constante e uma resposta mais pronta aos companheiros que nos procuram em busca de soluções.
      Veja, Verônica, que temos nesse post “Poço Artesiano de Água Suja”, que está dentro do blog “www.expressaodaliberdade.com.br”, no dia de hoje, 321 consultas e pedidos de ajuda de todo o país. (E olhe que um outro post “Rodovias Brasileiras:Brasília-Salvador”, neste mesmo site, está com 824 consultas e pedidos de orientação).
      Mas aqui estamos conversando sobre poços. Inicialmente, eram apenas poços artesianos que padecem de alguns problemas críticos que as empresas perfuradoras não conseguem resolver. Aí, nesse fluxo de demandas, acabamos descobrindo outra comunidade de sofredores, donos de poços-cisternas, de pequena profundidade, concentrados principalmente nos contrafortes da Serra do Mar, mais conhecidas como “baixadas”, ou seja, Baixada Fluminense, Baixada Santista, Baixada Catarinense, etc.
      São poços totalmente diferentes dos artesianos. Enquanto estes descem a 100, 150, 200 até 300 metros de profundidade, com diâmetro de 15 cm, os poços-cisternas, com cerca de um metro de diâmetro, geralmente não ultrapassam 20 metros, a exemplo do poço do Marcelo (que está aí na minha fila de respostas). O poço dele em Itaboraí, possivelmente nos contrafortes da Serra dos Órgãos, tem 4 metros de profundidade.
      Nos casos como o seu e do Marcelo, nossa preocupação aqui tem sido sempre de outra natureza. Quando a água sai do padrão (insípida, ou seja, sem sabor, inodora, ou seja, sem cheiro e incolor, ou seja, sem cor) nos poços profundos, imediatamente pensamos em reações físicas e químicas envolvendo minerais (ferro, enxofre e até urânio). Quando se trata de poços-cisternas, nossa preocupação vai para contaminação orgânica, ou seja, coliformes fecais e totais, restos minerais e animais em decomposição e outros fenômenos biológicos.
      E aí, Verônica, a análise da água – importantíssima nos poços profundos – torna-se imprescindível nos poços-cisternas, sob pena de você gastar dinheiro em soluções que não resolverão o problema.
      Temos dito e repetido aqui: a análise da água não é cara (acabei de receber o resultado de uma hoje, 14.10.2014, ao custo de 120,00 reais) e evita uma série de desperdícios de dinheiro.
      E, dependendo do elemento contaminante, não adianta filtrar.
      Então, vou lhe pedir um favor: faça um esforço e mande analisar sua água. Você não precisa identificar o poço de onde veio a amostra: é só entregar, pagar e receber o resultado. Aí, volte para discutir com gente.
      Ajude-nos a ajudar o pessoal dos poços-cisternas dos contrafortes da Serra do Mar, seja em Itaboraí, como o Marcelo, seja a você mesma, aí no Recreio dos Bandeirantes, seja o Abel lá em São Vicente, na Baixa Santista, seja o Hudson, lá entre o mar e a Serra do Rio do Rastro, em Santa Catarina.
      Aguardamos seu retorno com muita expectativa e vontade de ajudar.
      Um grande abraço.
      Abreu

  137. Abreu prazer cara, recentemente meu pai furou um poço em nossa residencia , na qual tem 32 metros , no inicio como muitos aqui relataram , a agua sai limpa porem com cheiro forte,os furadores de poço disseram que a agua tinha ferrugem , pagamos para fazer o exame da agua na qual o proprio resposavel disse que nem o mesmo a estação para filtração de agua não resolveria, saimos doido a procura de um senhor na qual vendia filtros aqui em minha cidade valor do filtro R$3,000, não tive a oportunidade de ver o filtro , mas segundo o meu ,pelos seus conhecimentos de logos tempos na area de ,eletrica,marcenaria,contrução civil,serralheiro,motorista e mais um tanto de coisas que ele sabe , me disse para procurar na net um projeto do filtro que ele fazeria ,o mais engracado que o filtro funciona mesmo, o senhor que vende os filtros a propria agua dele tem ferrugem, meu pai me disse que ele ,sai tanto ferrugem que chega a ficar grosso ,teria ideia do que estou falando ,sabe onde posso encontra um modelo de filtro para fazer,não e me gabando mas o meu pai e muito inteligente ,se tive ate faço a filmagem dos passo a passo aqui da contrução do filtro ,qual sua opnião,abraço

    • Olá, André Luiz. Bem-vindo ao blog e desculpe o atraso da resposta: eu estava lutando por uma causa nobre: minha própria sobrevivência e não encontrava tempo de retomar o contato com os companheiros que aparecem por aqui.
      Agora que estamos de volta, eu devo dizer que perdi o melhor da sua pergunta: qual foi mesmo o resultado da análise da água? Por que o cara disse que filtrar não resolveria? Por que você continua querendo filtrar?
      Aguardo ansioso seu retorno.
      Forte abraço.
      Abreu

  138. boa tarde, sofro com o mesmo problema, acabei de limpar minha caixa d’gua agora mesmo. meu poço tbem e artesiano e gasto em media 2 mil litros diariamente e minha agua e furruginosa mancha roupas e meu vaso. no meu caso não e sitio mais o problema e identico porem em em menor escala/litros. gostaria de saber o que faço pra resolver isso. ouvi dizer que ha um filtro caseiro que promete remover o ferrugem da agua mais duvidei um pouco e cabei lendo seu blog e me deixou com mais duvida ainda se ele seria eficaz. ja pensei em filtro biologico mais alem de não saber montar não estou certo de sua eficacia. poderia me ajudar a resolver essa questão.

    • Caro Eduardo. Bem-vindo ao blog e desculpe pelo atraso. Se você ainda estiver por aí, dê um alô. Tenho umas coisas para lhe dizer, bem como para todos os que estão na sua situação e aguardando há tempos uma revelação aqui do blog.
      Um grande abraço.
      Abreu

  139. Caro Abreu, tenho um problema quase igual. Ao ler sua história, pude sanar muitas dúvidas; porém, ainda tenho algumas questões que não consigo entender. Gostaria de entrar em contato para sanar mais algumas dúvidas. Voce poderia me retornar.

    • Olá, Jorge. Bem-vindo ao blog. Como você deve ter percebido, tive de afastar-me das atividades do blog por razões de força maior. Se pretender entrar em contato comigo, mande novo comentário, pela mesma via e eu lhe fornecerei meus canais de acesso fora do blog com objetivo de ajudá-lo.
      Um grande abraço.
      Abreu

  140. Abreu, bom dia, estou com um problema e gostaria de sua ajuda, fiz um poço semi artesiano e com 16 metros dá uma vazão de agua muito boa e a agua sai cristalina, porem com 04 a 05 horas ela começa a dar uma nata de ferrugem e fica um pouco amarelada, li no seu blog que tem jeito de colocar um filtro, gostaria de mais detalhes onde comprar este filtro, como e onde é o correto colocar, enfim mais informações, desde de já agradeço pelas orientações.

  141. Oi……….a saga de vocês foi muito tortuosa. Não sei se teria tanta disposição e coragem de seguir em frente como vocês assim o fizeram. Vocês deram tantos murros em ponta de faca, que, meu Deus, deu pena. Não podendo deixar de dizer que, quem lê o blog, acaba achando hilário e sarcástico a situação de vocês. Fiquei feliz quando cheguei ao final vendo a solução dada. ao problema, e que raios de problema esse. Boa sorte e que Deus os abençoe a não ter mais incômodo com esse ¨BENDITO¨poço.
    Carinhosamente

    Adilson – Cajuru-SP

    • Olá, Adilson. Muito obrigado por suas palavras. Você nem imagina o quanto esse tipo de manifestação nos dá força e estímulo. Realmente, foi uma saga, principalmente quando descobrimos que teríamos de achar os caminhos por nossa própria conta e com nossos próprios erros. Mas valeu a pena, especialmente por termos encontrado uma comunidade enorme vivenciando o mesmo problema, à qual tentamos fazer chegar a nossa modesta ajuda.
      Um grande abraço.
      Abreu

  142. Gostaria de informações sobre mina dágua em propriedade rural, como limpar e fazer um dreno, etc. Obrigado!

  143. Boa noite, meu caro Abreu, gostaria de saber se já tem a solução para dispensar ou substituir a bomba dosadora. Estou muito ancioso, pode me contactar através do e-mail: newtontim@bol.com.br.

    Um grande abraço.

    Newton.

    • Boa noite, meu caro Abreu, gostaria de saber se já tem a solução para dispensar ou substituir a bomba dosadora. Estou muito ancioso, pode me contactar através do e-mail: newtontim@bol.com.br.

      Um grande abraço.

      Newton.

      • Olá, Newton. Já concluímos os testes e já publicamos a solução no blog “wwww.expressaodaliberdade.com.br”, “Sítios e Soluções: Poço Artesiano de Água Suja”.. Por via das dúvidas, recortei e colei o texto aí embaixo.
        Um abração.
        Abreu

        POÇO ARTESIANO DE ÁGUA SUJA: Conclusão da experiência

        Quem acompanha nossa via sacra aqui pelo blog, conhece direitinho as dificuldades por que passamos desde que a água jorrou do nosso poço, em 2007. Era para ser um momento de felicidade, de libertação e de realização.

        Em poucos dias, contudo, nós nos vimos diante de uma realidade incontestável: o poço produzia 21.000 litros por hora de água…SUJA! E a enrolação da companhia que perfurou o poço e de todos os técnicos de dezenas de empresas que consultamos para resolver o problema era a mesma:

        – É assim mesmo. Depois de algum tempo, vai limpar.

        – Nossa responsabilidade é perfurar o poço. Se sair água, ou petróleo ou não sair nada não nos diz respeito.

        – O poço pode estar atravessando uma área lama em suspenso. Podemos filmá-lo e localizar essa área. Aí, revestiremos o poço naquele trecho com aço carbono. Vai ficar jóia. Vai custar 24 bilhões de EUROS!

        – Podemos tentar nova perfuração em outro local dentro da mesma propriedade. Mas não garantimos se o resultado não vai ser o mesmo.

        E foi assim, nessa orfandade técnica, que descobrimos que estávamos sós, absolutamente sós, com um problema que só ocorreria uma vez em um trilhão de poços artesianos que fossem perfurados.

        Então, decidimos nós mesmos tentar resolver o problema. A saga dessa família em torno desse objetivo está nos posts que antecedem a este. Foram seis anos de tentativas e erros, até chegarmos à solução aparentemente final e definitiva, ou seja:

        a) descobrimos que a sujeira (lama) poderia ser filtrada antes de ser mandada para a o reservatório água absolutamente cristalina;

        b) descobrimos que o reservatório cheio de água cristalina, passadas 24 horas, fica cheia de uma substância que nada se assemelhava a água: um líquido marrom, denso, com uma nata oleosa e com cheiro forte;

        c) descobrimos que estávamos lidando com um altíssimo teor de Ferro na água, que, ao entrar em contato com o ar dentro do reservatório, reagia e se transformava em óxido de ferro (ferrugem);

        d) descobrimos que havia um produto químico que era capaz de encapsular as moléculas de ferro antes de elas entrarem em contato com o ar, impedindo a oxidação;

        e) descobrimos que essas moléculas poderiam ser retidas pelo filtro;

        f) descobrimos, portanto, que o produto deveria ser aplicado ANTES da filtragem;

        g) descobrimos que a aplicação do produto dependia de uma bomba dosadora, bastante eficiente, com um preço um tanto salgado, mas que é extremamente sensível a variações de voltagem. Como queda e pico de voltagem na área rural são parte de nossa rotina, em 04 (quatro) anos perdi 5 (cinco) bombas, porque não há assistência técnica para as bombas usadas por pessoas físicas;

        h) descobrimos que estávamos diante de mais um desanimador problema, para o qual não contávamos com ninguém… exceto com a multidão de sofredores como nós, que descobriram o blog e passaram a participar ativamente das discussões feitas aqui;

        i) nós, que nos julgávamos sós, de repente nos vimos cercados de amigos que sofriam da mesma desventura. No dia de hoje, 30 de outubro de 2014, o post “Poço Artesiano de Água Suja” se “orgulha” de contar com 331 companheiros de infortúnio que nos visitam em busca de solução para seus problemas iguais ou parecidos;

        j) a força que esse grupo de brasileiros, oprimidos pelo mesmo problema, nos deu também nos levou a tentar buscar uma solução que barateasse os custos da solução que havíamos montado. E aí começaram nossas experiências, em agosto de 2013.

        Examinamos todos os componentes que integravam a solução que havíamos encontrado e não víamos muito o que reduzir em termos de custos. Mas as contínuas substituições da bomba dosadora, que atualmente deve estar custando uns R$ 800,00 com o frete e os impostos, começaram a nos agoniar. E nos debruçamos sobre ela, a bomba.

        Discutimos muito, com os vendedores, com engenheiros e, em determinado momento, chegamos a conversar diretamente com o dono da empresa, uma pessoa extremamente cortês, simpática e conhecedora do problema, que nos orientou em algumas situações críticas de regulagem da dosagem.

        Uma delas, nem os engenheiros da empresa conseguiram responder, mas o dono respondeu: para regular a dosagem da bomba, usávamos um recipiente com água, simulando o produto e na outra ponta observávamos a vazão. A bomba dosadora injeta no cano de água que vem do poço e que vai para o filtro, uma determinada quantidade do produto, que depende da quantidade de água que passa pelo tubo. Se ela demorar, grande quantidade de água não será tratada; se ela for muito rápida, o gasto do produto é muito maior do que o necessário e água que chega às torneiras, saturada do produto, acaba por “endurecer” o cabelo da gente, em razão do que as mulheres da casa, de vez em quando, convocam passeatas de protestos contra nós.

        Ocorre que regulávamos a bomba “laboratorialmente” e ficava tudo certo. Quando a instalávamos na situação de trabalho junto ao poço, as passeatas femininas imediatamente eram convocadas. Claro que havia excesso do produto.

        Depois de discutir com vendedores, técnicos e engenheiros da empresa, o dono é que nos deu a explicação: “Na experiência que o senhor faz, o senhor não leva em conta a pressão da água dentro do cano. Assim, quando a bomba dosadora tenta injetar na água a quantidade pré-estipulada, essa mesma água força a entrada para dentro da bomba dosadora, que não consegue entregar a quantidade necessária do produto”. Brilhante. Alteramos o sistema e conseguimos a dosagem na precisão exata, tanto do ponto de vista químico, quando do ponto de vista da grana.

        Mas a “queima” sucessiva das bombas (vejam que a culpa não é da bomba, mas da distribuidora local: levam em média 90 dias para dar o veredicto de que a falta de energia, bem como seu retorno num pico de voltagem, NÃO FOI RESPONSÁVEL PELA QUEIMA DA BOMBA!) não nos deixava em paz.

        Resolvemos então fazer um exercício matemático. Calculamos quanto do produto a bomba jogava no tubo a cada minuto. Calculamos quanta água passava no tubo a cada minuto. Calculamos quanta água consumíamos por dia. Calculamos quanto do produto estava presente nesse volume de água.

        Calculamos quanta água ficava no “reservatório” composto pelo próprio poço (150 m de profundidade x tubo de 6 polegadas”). Chegamos (via o cálculo da área do círculo do tubo) a um valor, ao qual acrescentamos uma estimativa do quanto do “rio subterrâneo” estava nas imediações da extremidade mais profunda do poço.

        Isso nos levou à conclusão de que, se jogássemos o produto, em certa quantidade, uma vez por mês, diretamente na boca do poço, poderíamos obter um resultado adequado, que se refletiria nos laudos de análise da água.

        Foram muitas tentativas. E muitas passeatas de protestos:

        – A água está amarela e manchando as roupas!

        – O cabelo da gente está duro!

        – A pele da gente está cinzenta!

        Isso durante 13 meses.

        – Muda a quantidade!

        – Vamos colocar a cada 15 dias, em vez de mensalmente!

        – Reduzir a quantidade do produto para X! Porque os cabelos estão duros!

        -Vamos aumentar a quantidade, porque a água está amarelando as panelas e as roupas!

        – Aumenta a quantidade e reduz a freqüência, porque os cabelos estão duros e água está amarela!

        Enfim, foram 13 meses de uma luta desgastante, frustrante, excitante, e, finalmente, triunfante.

        Com exatamente 50 ml de produto colocados a cada sexta-feira, os padrões se equilibraram, os cabelos não sofreram mais e a água permaneceu cristalina.

        Era a hora de repetir de novo a análise da água. BATATA: teor de ferro quase 1/10 do máximo exigido pelo Ministério da Saúde e pela OMS, zero de coliformes fecais, zero de coliformes totais, manganês, turbidez. Enfim, a conclusão do laudo: ÁGUA POTÁVEL!!!

        Resumo da ópera: a boa notícia – comunicamos a nossos parceiros de infortúnio que conseguimos chegar a um modelo que nos permite dispensar a bomba dosadora. A partir de agora, limitamo-nos a jogar 50 ml do produto pela boca do poço a cada semana, e temos água potável em nossas torneiras. Isso vem acontecendo desde maio/2014. Estamos em novembro, praticamente.

        A má notícia: a solução é customizada, e não prêt-à-porter. Isso significa que nós encontramos a solução para NOSSO POÇO. E indicamos o caminho para todos vocês que nos acompanham. Mas a solução proposta não é como uma lata de conserva da qual você puxa um anel e se serve. Cada um de vocês vai ter de fazer seus testes, seus cálculos e chegar à quantidade adequada que não amarele a água nem endureça o cabelo.

        É só uma questão de paciência. Ou de dinheiro. Se você tiver dinheiro e não tiver paciência, está resolvido: compre a bomba dosadora. Se você tiver paciência e não tiver dinheiro, ponha as mãos na massa e descubra a quantidade de que você precisa.

        Mas se você não tiver dinheiro e nem paciência, nós aqui do blog não temos dica para dar para você, o que muito nos constrange.

        Para os guerreiros que irão à luta, nossas cicatrizes, fruto das experiências fracassadas e vitoriosas, é a seguinte: comece analisando o seu consumo diário e pense na possibilidade de colocar no poço, para 1000 litros diários que você consumir, 1 mg do produto. E acompanhe os efeitos através do amarelo da água (se for pouco) ou da dureza dos cabelos das mulheres (se for muito). E acompanhe com análise da água. Vale a pena, de verdade!

        Edimar de Abreu – 30.10.2014

  144. Olá Abreu. Em primeiro lugar Parabéns pelo espaço criativo e Salvador, kkkkk!!!!!!
    Ao procurar um solução para meu problema, encontrei o seu blog. Então vamos lá.
    Sou do DF e irei Morar em (Arniqueira ) e a água usada pelos moradores do condomínio é de uma mina canalizada e dentro do lote há um “poço caipira” com +/- 10 mts. A água é jogada bruta na caixa. Ao mudar quera, além de filtrar, tratar a água devido a proximidade da superfície. Encontrei algumas propostas de centrais de tratamento e filtragem com retro lavagem e bomba dos adora automática. Os valores giram em torno de 3500,00 / 3800,00. Elas são entregues montadas, cabendo somente instalar. Quero ligar as duas opções de água, pois na seca a mina míngua e eu teria o poço como opção.

    Sabe se existem alguma opção dessa central aqui no DF? As que eu vi são de fora. No mundo dos filtros, só o filtro custa R$ 1600,00( 1.500litros).

    Um abraço.

    • Olá, Marcos. Até que enfim posso retornar para você. Quanto à sua decisão, eu ponderaria que, para um poço caipira de 10 metros de profundidade, ou seja, cerca de seis mil litros de volume de água depositados, o investimento financeiro está desproporcional. Por exemplo, se a análise da água indicasse contaminação por coliformes fecais, o tratamento seria imprescindível. Mas seria necessário usar uma bomba dosadora? Por outro lado, se não houver contaminação por coliformes, mas houver concentração excessiva de minerais indesejáveis, o tratamento não resolveria o problema. Para você ter ideia, a vazão máxima do meu poço é de 21.000 litros por hora. Atualmente, calibrei a vazão para minha necessidade, ou seja, cerca de 2.700 litros por ora. E mesmo assim não me conformo com os custos de um filtro com retrolavagem e bomba dosadora! Vou publicar daqui a pouco os resultados de minha pesquisa realizada desde agosto de 2013. E posso adiantar para você: desativei a bomba dosadora e o resultado da alternativa foi excelente.
      Ora, com o investimento previsto (cerca de R$ 5.000,00), para tratamento do poço caipira, acho possível que você consiga um poço semi-artesiano de uns 40 metros de profundidade. E não seria difícil que, a essa profundidade você já conseguisse uma vazão de 500 litros por hora de água limpa.
      Então, recomendo que você reveja sua estratégia. Primeiro, otimizar o uso do poço caipira. Como? Análise da água, para saber com o que você está lidando. Como sua vazão é pequena e a pressão também, pense num pequeno filtro de passagem. Por exemplo, eu recebo água de uma mina (meu plano “B”. O Plano “A” é o riacho, o Plano “C” é o poço artesiano. E ainda tenho um plano “D” – um…poço caipira de 116 metros. É que há anos eu me preparo para a guerra da água que agora chegou). Essa água da mina é acumulada numa caixa de PVC de 10.000 litros e chega, por gravidade às nossas torneiras, se os outros sistemas falharem, ou forem interrompidos para manutenção. E essa água é filtrada por um pequeno filtro de passagem, de celulose, desses que se colocam na entrada da máquina de lavar e cujo elemento filtrante eu substituo a cada seis meses. O elemento filtrante custa cerca de R$ 50,00 (cinquenta reais).
      Resolvido o problema da filtragem e diante da constatação de contaminação do poço, pense numa forma de tratamento mais modesto, por exemplo, como aquele que se faz nas piscinas mais simples. Afinal, um poço caipira é um reservatório de água, do qual você extrai, gradualmente, as quantidades necessárias ao seu consumo. Então, trate-o como um reservatório (ou uma piscina). É uma experiência barata e se der certo, você poderá pensar em guardar o dinheirinho, que iria gastar, para construir o seu futuro plano “C”, isto é, um poço de 40 metros (se a Caesb deixar, claro).
      Um forte abraço e dê notícias.
      Abreu

  145. Gente…. fiquei horas lendo este blog do início ao fim, muito esclarecedor, OBRIGADA!!!!!

    Moro em um sítio e tenho este mesmo problema, a água sai límpida, clarinha….depois de 3 horas começa a ficar marrom cor de ferro. Lí todos os post, só naõ encontrei a resposta para minha GRANDE dúvida:

    – O PHOSLAN vai eliminar de vez o ferro da água? Ou vai apenas “mascarar”? Ou seja, a água vai ficar clarinha e limpa, porém posso beber? Não vou ter ferretina alta no sangue depois disso?

    Aguardo sua resposta COM MUITA ANSIEDADE!!!!! Pois tenho 23 cães aqui no sítio e moro aqui já fazem 2 anos, meus cães bebem essa água e estão apresentando problemas com excesso de ferro no sangue, alguns já estão com problemas hepáticos e o Veterinário disse que é a água.

    • Olá, Branca. Bem-vinda ao blog. Pelo seu endereço de e-mail, imagino que deva ser criadora de schnauzers. Por aqui temos uma, de 09 anos, além dos outros 16 (cani corso, dogue alemão, labrador, buldogue inglês, shitzu, chihuahua e quatro SRD. Bom, quanto à água: como você deve ter percebido, a nossa proposta de solução passa pelo tratamento com Phoslan na saída do poço, em seguida passagem pelo filtro de 2.000 litros e enfim, a caixa. Nesse sistema, as moléculas queladas (envolvidas) pelo Phoslan são retidas pelo filtro, trazendo o teor de ferro da água da torneira para os níveis considerados normais. Veja que se não fizer o tratamento, as moléculas de ferro normais passam pelo filtro. Amanhã mesmo estarei enviando ao laboratório duas amostra da água (bruta, saída do poço e a água da caixa) para o exame anual de rotina. Quando saírem os resultados, provavelmente na sexta, publicarei aqui.
      Um grande abraço.
      Abreu

  146. Boa noite Abreu. Estava procurando respostas para problemas de poços quando encontrei o endereço de seu blog, e resolvi contatar. Estou com problemas em relação ao poço há alguns meses. Este poço foi feito na década de 80A. Usamos uma bomba submersa, 220v, de potência de 950, Vibragua. A bomba anterior de 850, devolvi para a loja com menos de 3 meses de uso, pois estava na garantia. Ela tinha umas manchas escorridas amareladas nos parafusos de vedação. No inicio puxava água muito bem e forte. Com algumas semanas, ficou fraca e não subia água na caixa. Troquei a bomba que estava na garantia, pela de 950 de potência. No início, forte e mandava bem a água. Agora, não manda mais que 20 minutos de água. Estive na loja onde comprei a bomba e comentei sobre o problema. Eles sugeriram que pode ser problemas com a água. A água aqui não mancha a roupa de amarelo, mas ao retirar um pouco de água diretamente da torneira do poço, ela não estava totalmente límpida, parecia ter um pouco de farinha branca. Medimos a quantidade de água do poço – mais de 2m de água. O poço tem aproximadamente 20 m de profundidade, tijolado. Estou me sentindo impotente, pois não encontro ninguém para solucionar o problema e continuo SEM água.

  147. Prezado Sr. Abreu, Parabéns por ajudar tantas pessoas com com problemas com água suja. moro no DF em tenho um poço de 35 m de profundidade, não deu para perfurar mais devido uma rocha. A vazão é boa, mas a água é barrenta. Cor de barro de fazer cerâmica – argila mesmo. Já gastei muito com limpeza, mudando de bomba e estou desanimado.Preciso de água somente para irrigação da jardinagem e piscina, só que com aquele tanto de sedimento entope os bicos. Algumas características do poço:
    – 30 metros profundidade
    – água ao 9 metros
    – bomba de 0,5 HP, com vazão de até 2000 l/h
    – Caixa de 10 000 l
    Poderia me ajudar? Não vi nenhum relato com água semelhante a nossa, não parece óxido de ferro.
    Um grande abraço.

    • Olá, Antônio Carlos. Bem-vindo ao blog. Primeiro, uma avaliação de natureza geral: o seu problema é o de todos nós, sim: chama-se “Poço artesiano de água suja”! Este é um gênero de problemas que tem várias espécies. No seu caso especificamente, duas coisas me chamaram a atenção:
      a) não imagino que rocha é essa que impediu o prosseguimento da perfuração. Aqui no DF, a média dos poços, pelo que temos percebido neste blog, começam a ser perfurados “pra valer” a partir dos 30 metros, onde se encontra a rocha-mãe. Por isso, os primeiros 30-35 metros são revestidos de tubos de aço-carbono ou PVC, porque essa profundidade ainda está em contato com camadas sedimentares, com muita matéria orgânica. A partir daí, a perfuratriz entra na rocha e vai buscar a água do “grande rio subterrâneo”. Então, nossa conclusão de leigos é de que não é sua rocha que dura: é a empresa perfuradora que é mole! As boas companhias de perfuração de poços têm brocas especiais, feitas de diamante industrial, que atravessam a maior parte das rochas do Planalto Central. Em seu lugar, eu pediria uma “segunda opinião”.
      b) como você está na camada sedimentar, antes da rocha-mãe, é natural que a água esteja cheia de argila e, possivelmente matéria orgânica (depende muito de onde é sua propriedade rural), principalmente se esses 30 metros não foram revestidos. Dessa forma, Antônio Carlos, precisaríamos de duas respostas suas para tentar ajudar a resolver seu problema:
      a) o seu poço é revestido? Se é, com quê?
      b) você fez muitos gastos com limpeza. Mas você já instalou um filtro central?
      Depois que você retornar, poderemos discutir as alternativas que você tem. Por enquanto, não precisa fazer a análise da água, OK?
      Um abração.
      Abreu

  148. Caro Abreu, aqui no RJ estão cobrando a análise completa +- R$ 900,00 e uma apenas para saber se é potável R$ 80,00, o que você acha ? na análise simplificada eles dizem que eu mesmo posso colher a água num frasco comum, desses de 5 l de água que vendem nas ruas, já na análise completa tenho duas empresas, uma diz que eu mesmo posso colher mas deverei usar os frascos dados por eles, pois contém substancias adequadas, esta empresa cobra R$ 700,00, já a outra empresa alega que só um técnico especializado pode fazer esta coleta, ela cobra R$ 980,00. Estou sem saber como devo proceder, por favor dê a sua opinião, desde já agradeço a atenção.

    • Hoje, um dia depois, estou retornando como prometido. Os laboratórios que me atendem aqui no Planalto Central (DF e GO) praticam preços na faixa de R$ 100,00, análise física, química e microbiológica da água.
      Verifiquei que grande número de laboratórios oficiais (Ceplac, Embrapa, Embasa e outros fazem a análise por preços nunca superiores a R$ 100,00.
      Por fim, você tem no Rio a CPRM, órgão do Ministério de Minas e Energia localizado na cidade do Rio, que faz a análise. Vou colar aqui embaixo uma página da CPRM que orienta o usuário a submeter a amostra. O preço é de R$ 118,72. Veja:

      PROCEDIMENTO PARA SOLICITAÇÃO E PAGAMENTO DE ANÁLISES
      QUÍMICAS EM ÁGUA.
      Para dar inicio ao processo de solicitação entre em contato com a
      secretaria do LAMIN por telefone ou e-mail, para verificar se o laboratório
      tem condições de executar os serviços requeridos:
      LAMIN – RJ
      Eugenio Sousa – eugenio.sousa@cprm.gov.br
      ou
      Andréa de Salles Cunha Cortez – andrea.cortez@cprm.gov.br

      Laboratório de Análises Minerais – LAMIN
      CPRM – Serviço Geológico do Brasil
      Av. Pasteur 404 – Urca – CEP: 22290-040
      tel. (21) –2546-0448.

      ou pelo LAMIN – SP:

      Marcia Pan – marcia.pan@cprm.gov.br

      Laboratório de Análises Minerais – LAMIN-SP
      CPRM – Serviço Geológico do Brasil
      Rua Costa, 55 – Cerqueira César – Cep: 01304-010
      Tel.: (11) 3775-5115

      OBSERVAÇAO IMPORTANTE: Se o contato não for feito as
      amostras não serão aceitas pelo LAMIN.
      PRAZOS
      O prazo de entrega dos resultados é de 30 (trinta) dias úteis.

      ENVIO DAS AMOSTRAS
      O cliente deverá preencher o formulário para entrada de amostras (FEAA)
      disponível na página da CPRM em http://www.cprm.gov.br. Este formulário
      pode ser também solicitado por fax ou e-mail.

      As amostras serão enviadas para o Laboratório em quantidade mínima de
      5 litros sem necessidade de conservação especial para esses parâmetros,
      seguindo as instruções da FEAA.

      Obs.: No caso de água importada enviar carta, contendo a relação das
      amostras, devidamente assinada pelo responsável autorizando a análise. CUSTOS:
      Análise Química para Potabilidade (Controle de Qualidade)
      P/ pessoa física – R$ 118,72
      P/ pessoa jurídica – R$ 129,94

      Análise Química Completa (Análise Prévia, Água Importada)
      P/ pessoa física – R$ 272,99
      P/pessoa jurídica – R$ 298,79

      PAGAMENTO DA ANÁLISE
      Os pagamentos poderão ser efetuados no ato da entrega das amostras ou
      através de boleto bancário, conforme instruções abaixo:

      1 – Entrar, no site do STN: (www.stn.fazenda.gov.br).
      2 – No menu principal, opção “Guia de Recolhimento da União”
      3 – Imprimir GRU Simples
      4 – Procedimento do preenchimento da GRU:
      – Unidade Favorecida:
      Código = 495001
      Gestão = 29208
      – Recolhimento:
      Código = 20009-3
      – Contribuinte:
      CNPJ/ CPF = XXXXXXXXX
      Nome do Contribuinte = XXXXXXXXXX
      Valor Principal = XXXXXXXXX
      Valor Total = XXXXXX
      5 – Pagar no Banco do Brasil, enviar cópia da G
      “.
      Então é isso: fique esperto.
      Um abração.
      Abreu

      Olá, Arapuã. Meu caro, há alguma coisa MMMMUUUIIITO errada com esses preços. Estou absolutamente estupefato. Fique quietinho aí, não se mexa. Amanhã eu vou dar uma olhada nesse mercado de laboratório de análises e ver se isso aí tem procedência e onde você poderá fazer sua análise a preços mais honestos.
      Aguarde.
      Abreu

    • Olá, César. Bem-vindo ao blog. Você pode explicar um pouco melhor qual o seu problema? Tudo bem: é poço artesiano de água suja, mas por que o filtro não resolve? Qual a profundidade do poço? Qual a cor da água? Gostaríamos de saber essas coisas para tentar ajudar você.
      Aguardamos seu retorno para discutirmos isso.
      Um abração.
      Abreu

  149. Olá Abreu, gostaria de parabenizá-lo pelo blog e participar desta enriquecedora discussão, tenho uma casa de veraneio na região dos lagos, Saquarema -RJ – a residência fica junto a Lagoa de Saquarema, possuo um poço artesiano com aproximadamente 7 metros, água cristalina, em pouca quantidade, quando coloco na piscina, aproximadamente 1.500 l, ela muda a tonalidade da água, ficando levemente marrom/verde, ainda não consegui avaliar, qdo retiro a água do poço ela apresenta um leve odor, passei a colocar cloro no encanamento, fiz através de registros uma espécie de clorador, reparei que o cheiro sumiu, estou tentando fazer a análise da água, assim que conseguir volto a postar minha experiência, talvez seja útil a algum amigo. Forte abraço.

    • Olá, Arapuã. Bem-vindo ao blog. Faça a análise: evita muita dor de cabeça e de bolso. Ficamos aguardando o seu retorno.
      Grande abraço.
      Abreu

  150. ola Abreu, parabéns pelo blog
    eu moro na serra da cantareira , são paulo
    minha casa fica no topo da serra, com o valor expressivo que o condomínio cobra a distribuição de água, resolvi fazer um poço.
    a perfuração contratada era para ate 150 metros…
    mas não saiu água, só consegui uma pequena vasão de água de até 1000 litros água por hora
    a empresa que perfurou fez a medição e que daria aprox 1.2 litros hora
    foi colocado uma bomba de 1000 litros hora
    e tambem tenho um alto indice de ferro na agua
    identicos problemas que voce teve eu estou tendo ja a 1 ano
    primeiras jarradas de agua quando liga o poço vem muito escura e com cheiro forte
    depois vai clareando
    colocamos um filtro que custou 4.000 reais
    igual voce no inicio.
    quando retrolavar e drenar a agua sai limpida. depois volta a ficar escura e com cheiro forte
    ja fiz 3 x analise de agua,
    quando foi colocado o filtro na saida do filtro a analise ficou tudo dentro do padrao.
    mas quando a agua descansa na caixa, ela forma uma ferrugem e uma camada tipo poeira nas paredes da caixa e no fundo
    fiz essa analise alto indice de ferro
    deixei em um recipiente a agua cristalina e apos 12 horas estava escura turva
    gostaria muito de sua ajuda como voce fez essa solucao
    pois e muito semelhante o problema que vc teve com sua agua e a que estou tendo aqui

    grande abraco

    efa23-xat@bol.com.br
    eder

    • Olá, Eder. Bem-vindo ao blog. De fato, o seu problema é muito parecido com o meu, com diferença da vazão: o meu poço, que também tem 150 metros, produz 21.000 l/h – de água suja! Descontadas essa diferença,o quadro me parece rigorosamente o mesmo. Se você olhar todos os meus posts, descobrirá que eu levei quase dois anos para entender que o problema era excesso de ferro – e você já chegou a essa conclusão rapidinho! Então, formalmente, a solução deverá ser a mesma, ou seja, um produto quelante, a ser adicionado, através de uma bomba dosadora, à água que sai do poço e, em seguida, um filtro central (no seu caso deveria ter custado cerca de R$ 1.000,00 e não R$ 4.000,00).Já testou o produto?
      Aguardo notícias.
      Abreu

  151. Tenho um problema parecido, só que minha água oxida depois de um tempo na piscina ela fica verde.

    Já vieram varias pessoas e técnicos aqui e nada ninguém resolveu .

    Poço 13 mnetros Rio de Janeiro

    • Olá, Felipe. Bem-vindo ao blog. Normalmente, quando a água oxida, ela fica marrom, que é a cor da ferrugem (óxido de ferro). Esse negócio de ficar verde, depois de um tempo na piscina, dever ser outra coisa. Tenho um conhecido que teve um problema de água verde na piscina, mas era a reação do rejunte dos azulejos com o cloro do tratamento da água. E ele solucionou o problema. Vou tentar entrar em contato com ele e, se conseguir, retorno diretamente para o seu e-mail, OK?
      Um abração.
      Abreu

      • Por dedução imagino que você furou uma cisterna de uns quatro ou cinco metros de profundidade e encontrou muita água boa, cristalina e pura, ou então desistiu da vida rural e assumiu a sua sina de um urbanóide convicto, e foi utilizar a água da sua concessionária na cidade.
        Um grande abraço.
        Robinson Gabriel

        • Olá, Robinson. Bem-vindo ao blog. Não é isso: meu poço tem 150 metros, a água é suja, e eu faço o tratamento como explicado no post, ou seja, quelação e posteriormente, filtragem. Uma curiosidade: coloquei um filtro de celulose lá na entrada de minha máquina de lavar no apartamento do Plano Piloto e fiquei impressionado com a sujeira da “água tratada” da nossa concessionária! Quanto a desistir da vida rural, sem chance: estou a 50 km do meu apartamento na SQN 115, por via duplicada sem pedágio. Lá eu tenho televisão, TV a cabo, telefone e internet. Aqui eu tenho televisão, internet, telefone, estação de radioamador e TV a cabo. Mas tenho também cinco vacas jersey, onze cães, quatro gatos, pomar com frutas de todo o Brasil (do pinhão do Sul ao taperebá do Amazonas, dendê da Bahia, umbu de Minas e pequi de Goiás), galinhas, tucanos, japus, bem-te-vis, garças, pombas verdadeiras, ar puro, silêncio, canários, garrinchinhas, rolinhas, araras, macacos, meio hectare de mata fechada e um riachinho que é uma lindeza. As vezes tem uma lua que me obriga a pegar no violão. Como mudar para o Plano Piloto?
          Um grande abraço.
          Abreu

    • Olá, Sandra. Bem-vinda ao blog. Traga o problema. Aqui há um monte de gente disposta a ajudar. O seu poço caipira é daqueles com um metro de boca, como faziam nossos avós? Pois eu vou lhe dizer uma coisa: eu tenho um desses. É minha reserva estratégica, para quando começar, um dia, a guerra da água. Só que a gente precisa saber um pouco mais. O que está errado com sua água? Tem cor feia, cheira mal, mancha as roupas, é salobra? Qual a profundidade do poço caipira? É revestido? Você tira água com a nora (roldana. sarilho) e balde ou usa uma bomba? De quanta água você precisa por dia? O seu poço produz toda a água de que você precisa? Seus vizinhos têm o mesmo problema que você tem?
      Vamos lá, coragem! Diga para nós o tamanho do problema.
      Um abraço.
      Abreu

  152. Após 6 meses de poço cavado, 3 filtros, risos, água chega quase limpinha na torneira.

    Meu problema no Amapá é areia extra mega super fina … mas capaz de deixar as roupas manchadas.

    Mas passando aqui apenas para dar um grande abraço no amigo Abreu e nos demais :)

    • Olá, Cleber. Você é um felizardo. O sorrisão da carinha aí em cima diz tudo. Realmente, você está fora deste vale de lágrimas da água suja. Mas sempre é confortador para nós recebermos a visita dos amigos que moram do reino dos poços de água limpa!
      Um forte abraço.
      Abreu

  153. boa tarde, gostaria de saber se colocando água de rua dentro do meu poço artesiano, ajudar a limpar os veio de um poço com 29 metros de profundidade, que está produzindo 1 litro de água por minuto, ou tem outro tipo de procedimento, para melhorar a vazão? obrigado, aguardo resposta. boa tarde, Fernando

    • Olá, Fernando. Bem-vindo ao blog. Geralmente, suspende-se a perfuração de poços artesianos quando a vazão atinge a quantidade desejada – talvez um pouquinho mais. Se você parou a perfuração quando a vazão está em 1 litro por hora, você deve ter tido razões fortes. Isso porque a vazão de 1 litro por hora é muito pequena, quase insignificante. Para você ter ideia, Fernando, quando abri meu poço, a vazão aos 32 metros foi de 500 litros por hora, julgada pequena e passível de contaminação, ou seja, não deveria ser água profunda, mas água de superfície, sujeita a contaminação por fossas, esgotos e matéria orgânica em decomposição. Mandei cavar mais e, nos próximos 120 metros, a vazão continuou em 500 litros, até explodir, aos 142 metros de profundidade, numa vazão de 21.000 litros por hora.
      Então, a não ser que você tenha fortes razões para não perfurar mais, nossa orientação é prosseguir na escavação. Isso porque, lamentavelmente, não vejo como melhorar o desempenho do seu poço. E, também infelizmente, não creio na solução via água de rua.
      Agora, vamos aos pontos positivos. A água que sai do poço é boa, limpa e sem cheiro? A região em que você está é de planície, planalto ou serra? Outros poços vizinhos dão água boa e com quantos metros de profundidade? Se todas as respostas forem positivas e as profundidades dos poços vizinhos estiverem entre 30 e 40 metros, acredito que, com cerca de mais R$ 1.000,00 de perfuração, você atinja uma vazão de 500 litros por segundo de água potável.
      Se quiser retornar com as respostas, adoraríamos.
      Um grande abraço.
      Abreu

  154. Boa noite prezado Abreu. Tenho um problema semelhante ao que vc teve. Minha água TB tem muito ferro, pelo Q pude observar, bem menos do que a sua. Resolvi parcialmente com filtros, mas eles saturam com 20! Dias. Gostaria de sua ajuda para resolvê-lo. Meu poço se localiza a cerca de 200 m da margem das águas represadas da barragem de Corumbá 3. Deu água a 66 m com vazäo de 7 mil l/h. Tem 24 m revestido com tubo de PVC de 6″. A bomba de um hp está instalada a48 m. Fiz duas análises da água. A primeira foi coletada diretamente da boca do poço em 11/3/13 e apresentou os seguintes parâmetros: odor: inodoro, sabor: insípido, aspecto: límpido, cor aparente: 2,00 uH; PH: 7,27; turbidez: 0,21 UT, cloro: o,0 mg/l, alcalinidade total: 129 mg/l, dureza: 73,47 mg/l; FERRO: 0,12 mg/l. A segunda anàlise deu-se em 22/5/13 e a água foi coletada na torneira da cozinha. Ou seja, depois de decantar na cx. Os parâmetros obtidos foram os mesmos com exceção do FERRO que foi de 0,94, três vezes maior do o aceitável, e turbidez de 2,03 mg / l . Como posso resolver esse problema do excesso de ferro? Fiquei curioso com a solução “TOSCA” que vc encontrou . Seria com aeração? Cordialmente edson

    • Olá, Edson. Bem-vindo ao blog. Como estamos próximos, talvez você pudesse me ajudar na minha experiência “tosca”, que já está completando um ano, mas ainda sem segurança para divulgá-la para todos aqui no blog. No momento, eu me encontro em Salvador, de onde devo retornar a Brasília no próximo fim-de-semana. Meu filho e minha nora trabalham na área de segurança pública aí por perto de você. Se você concordar, enviarei por eles material e instruções para você realizar a experiência e analisarmos os resultados. Pode ser?
      Um grande abraço.
      Abreu

        • Olá Abreu,
          Além de contribuir com a nova experiência, gostaria também de receber/conhecer detalhes da solução, digamos convencional. Abraços

          • Olá, Eduardo. Meu filho e minha nora estiveram aqui na roça hoje, concordaram em levar o material para você e foram embora. Quando eles já estavam longe, verifiquei que o material ficou aqui. Como eles só voltarão por aqui no fim da semana que vem (vão aproveitar o feriadão em Tiradentes-MG), vamos precisar de um pouco de paciência, OK?
            Grande abraço
            Abreu

  155. Quanto a dúvidas sobre pressão de bombas; se o filtro suportará ou não; outra possibilidade é mandar água do poço em uma caixa d´agua com pelo menos 10mt de altura no terreno; instalar o filtro na saída da caixa tendo excelente qualidade de água filtrado, pois será apenas por gravidade e não pressão; depois mandar a água filtrada para outra caixa em cima da residência.
    Podem dizer: ah, mas a primeira caixa d’agua ficará suja . . . Em compensação a água utilizada na residência será excelente.

    • Olá, Arnaldo. Bem-vindo ao blog. Obrigado pela colaboração trazida em seus comentários. A redução da pressão via duas caixas é uma solução, mas com um pouco mais de complexidade: quando colocarmos o filtro na saída da primeira caixa, a vazão será brutalmente reduzida, podendo necessitar talvez de uma segunda bomba. Mas é uma riquíssima discussão.
      A propósito, sua sugestão do filtro mais um dosador de cloro me despertou uma dúvida. É que em todos os casos da mesma espécie que passaram por aqui, a colocação de cloro, mesmo depois de filtrada a água, precipitava a oxidação e amarelava a água quase de imediato.
      Você pode nos ajudar a esclarecer isso? Da minha parte, falta-me fazer uma experiência: aplicar cloro na minha água final, o que ainda não fiz.
      Agradeceríamos seu retorno por aqui.
      Um grande abraço.
      Abreu

  156. Bom dia. Dependendo da quantidade de ferro que existente na água, Um filtro de entrada com quartzo, dolomita e feldspato + 1 dosador de cloro e um Filtro IRONEX resolve o problema.

  157. Caro senhor Abreu, parabéns pelo texto primoroso e pela perseverança que beirou às raias da loucura. Rssrss. Eu estou pensando em furar um poço artesiano para abastecer uma caixa d´água que servirá, exclusivamente, para a descarga do banheiro. Talvez, dependendo da qualidade da água, eu possa usá-la para lavar as roupas. Foi muito bom ler o seu relato, pois ele deu-me uma visão bem realista das possíveis dificuldades a serem encontradas. Não devemos ser pessimistas, mas também não devemos ser ingênuos.
    O camarada me falou que na região(Região dos Lagos-RJ) é comum achar água a 12 metros. Fiquei um pouco preocupado, pois acho que está muito próximo à superfície. Vou fazer mais estudos sobre as possibilidades.

    • Olá, André. Bem-vindo ao blog. É, já tive oportunidade de ver a perfuração de um desses poços na Região dos Lagos (Cabo Frio). Impressionou-me a perícia do profissional, utilizando um tubo de aço de duas polegadas, cuja extremidade fora chanfrada, transformando-se num circulo cortante. Essa extremidade havia sido comprimida, de modo a ficar um pouco menor de que o diâmetro original de duas polegadas. Com isso, ele introduziu uma esfera de aço de duas polegadas, reduzida a talvez 1 polegada e 7/8, no torno. Essa esfera descia pelo tubo a dentro e se agasalhava na parte estreitada do tubo, sem sair dele.
      Aí, o cara começou um movimento de cavar e jogar água. A água com terra recolhida pelo tubo forçava a esfera para cima e entrava no tubo, mas a esfera terminava por retornar. Resultado, a terra molhada ia se acumulando por cima da esfera, até chegar à outra extremidade do tubo, quando ele descarregava, virando o tubo ao contrário. Com quinze metros (emendando tubo em tubo), a água jorrou. A partir daí, ele revestiu o poço com tubo de pvc de 2 polegadas e mergulhou uma pequena bomba, que passou a levar a água para a caixa. Simples assim. Agora, quanto à pureza da água, há controvérsias.
      Procure um vizinho que tenha poço, peça um pouco da água e mande fazer a análise. Os sábios aprendem com os erros dos outros, não é?
      Um grande abraço e retorne quando concluir seus estudos adicionais.
      Abreu

  158. Olá Abreu
    Parabéns pela ´´luta“ e pelo blog. Sou iniciante nesse ramo de poço artesiano,moro em MG e ontem furei meu primeiro poço (talvez o último), água com aproximadamente 15 metros. O empreiteiro fez a limpeza com o compressor, e começou a sair água aparentemente clara, mas em contato prolongado, deixa a calçada cor de ferrugem, suponho que seja alto teor de ferro, vou fazer análise da água, mas já fiquei desapontado de cara, e agora assustado agora lendo sua luta com o poço artesiano. Outro fato é que depois da ´´limpeza“ do poço e retirada dos equipamentos escuta-se movimento de água pela boca do tubo, com se estivesse passando um riacho subterrâneo. Tenho outra fonte de água de boa qualidade, mas com fornecimento irregular, o uso do poço seria apenas um complemento.
    . Perguntas:
    1- Se confirmado alto teor de ferro, qual gasto necessário para o tratamento da água: filtro, bomba dosificadora, produtos químicos, etc. para eu avaliar se vale a pena continuar investindo no poço.
    2-Sobre o barulho no poço, alguma outra explicação a não ser a dada pelo empreiteiro (riacho subterrâneo), isso inviabiliza o uso do poço?
    3- Existe a possibilidade de com funcionamento inicial do poço a qualidade da água melhorar, já que existem poços próximos ao meu com boa qualidade da água.

    Aguardando ansiosamente por respostas

    Euzébio

    • Olá, Euzébio. Bem-vindo ao blog e desculpe-me pelo tempo transcorrido. Estive impossibilitado de dar assistência ao blog nos últimos 20 dias e só agora estou atualizando tudo. Adoraríamos saber o resultado do exame da água, que, nestas alturas, você já deverá ter em mãos. O barulho do poço – se o exame for OK – não traz nenhum problema (a alternativa seria rede água ou esgoto nas proximidades). Quanto aos custos, tratamento, etc, fique tranquilo: estamos em crise da água no mundo inteiro e também no Brasil. Assim, ainda que com algum custo, ter água limpa é um privilégio.
      Dadas as condições de sua vizinhança, entretanto, acho que você vai ter água limpa sem custos adicionais.
      Aguardamos seu retorno.
      Abreu

  159. Olá Abreu! Bom dia! Tudo bem? Você está de parabéns pelo blog, achei neste espaço a solução para meu problema. Gostaria se puder de me orientar um pouco mais. Meu caso é da água ferruginosa, onde ela sai perfeitamente límpida na torneira e depois de algumas horas ela amarela, ou se colocarmos algum tipo de sabão ou água sanitária na máquina, já era água limpa. Vi que você utiliza uma bomba dosadora e um produto, poderia por meio do meu e-mail me informar detalhadamente? Eu moro a 2 meses nesta casa que é em um loteamento novo, onde mandei perfurar um poço. Tenho no momento apenas um reservatório de 1000 litros no quintal e 1 caixa de 500 litros na casa. Me oriente por favor. Pode me contactar pelo e-mail sacastro@gmail.com.

    Beijos e ótimo dia.

    • Olá, Simone. Bem-vinda ao blog. Demorei tanto – por circunstâncias alheias à minha vontade – que preciso perguntar: você ainda está aí?
      Abreu

  160. boa noite amigo, gostaria de saber como voce resolveu esse problema de ferro no poço, pois tenho um poço com o mesmo problema.

    Grato.

    • Olá, Adonias. Bem-vindo ao blog. Primeiro, precisamos confirmar se o que você tem aí é um alto teor de ferro na água. Senão, podemos levar você a jogar dinheiro fora. Você já fez a análise da água? É simples, barato e rápido. E você não precisa dizer onde é o poço: é só levar a amostra da água no recipiente que eles fornecem.
      Retorne com o resultado, OK?
      Abreu

  161. Boa noite Abreu !!

    Primeiramente parabéns pelo blog , já me esclareceu e me assustou muito logo de cara.
    Minha História é parecida com a sua, pegava água do riachinho com uma Bomba e mandava para minha caixa taça de
    15.000 litros ,mas na época das chuvas voce sabe como é
    Acho que somos vizinhos de sítio , moro em Brasília e tenho um Sítio próximo a Alexânia _GO mais precisamente em Aparecida de Loyola Municipio de Corumbá de Goias.
    Juntei dinheiro para fazer o tão sonhado poço com tubos de PVC ( carissimos cada metro) , torci como louco para que ficasse raso e fcou 66mts para desespero do Empreiteiro. mas a agua sai Cristalina e depois fica amarela com gosto de ferrugem,pensei que fosse a caixa mandei reforma-la ( uma fortuna ) mas o problema vem do poço.
    Trouxe hoje um amostra da áqua pois tenho dois filhos pequenos de 02 anos e outro de 6 meses e fiquei com medo deles até tomarem banho nessa áqua,
    E preciso saber onde faço essa ánalise, quanto custa etc
    Será que tem como me ajudar.
    Obrigado, tudo de bom e felicidades sempre!!!
    claus
    Quero mandar uma amostra que troxe hoje para

    • Olá, Claus. Bem-vindo ao blog. É, aparentemente, sua história é idêntica à minha. E o caminho mais barato é a análise da água. Quando ao laboratório de análise, não sei se há um aí em sua cidade. Mas procure qualquer loja de produtos agropecuários, essas que vendem medicamentos e vacinas. Normalmente eles sabem onde os fazendeiros locais fazem a análise do solo (essa análise é fundamental para eles não desperdiçarem corretivos e fertilizantes). Esses laboratórios fazem também a análise da água.
      Volte cá com os resultados, está bem?
      Um grande abraço.
      Abreu

  162. Abreu,
    O seu relato foi muito bacana, vc trouxe a experiência prática da coisa e não a teoria que não resolve nada, então nota 10 pra vc!
    Mas agora já passou um tempão do desafio! Eu gostaria de saber qual foi a decisão que vc tomou, afinal qual é a boa notícia! Pq eu quero crer que diante do exposto vc acabou efetuando algo que provavelmente acabou com todo o problema, com muita simplicidade.
    Quero dizer que algo que me chamou muito a atenção no seu relato, foi quando vc descobriu que a água pura e cristalina em contato com o oxigênio, resultava no óxido de ferro na água.
    Como de fato, repito, vc tomou uma decisão, inúmeras coisas passam na cabeça da gente!
    Estou te escrevendo na tentativa de saber o que foi, pq o problema que eu tenho é uma água ligeiramente amarelada, com teor baixo de óxido de ferro, porém eu quero eliminar isto totalmente.
    Agradeço desde já!
    Flavio

    • Olá, Flávio. Bem-vindo ao blog. A solução que demos, Flávio, foi esta que está no post do blog, ou seja, aplicação do quelante Phoslan através de uma bomba dosadora e posterior filtragem da água, antes de mandar para a caixa. O que estamos devendo para nossos amigos aqui do blog é uma solução para eliminarmos a bomba dosadora – que é cara e queima com facilidade. Essa solução – simples – ainda não está pronta. Eu já estou há 9 meses sem utilizar a bomba novinha que comprei pela quarta vez. Mas estamos cautelosos em colocar no blog, porque outros poços, com características diferentes do meu, podem apresentar reação indesejável. Mas continuamos estudando e analisando as alternativas. Por ora, mantemos a orientação de uso da bomba dosadora.
      Um grande abraço.
      Abreu

  163. Caro Abreu,
    Antes de tudo gostaria de parabenizá-lo pela perseverança e principalmente por ter a iniciativa de compartilhar esta experiência, ajudando a quem precisa.
    Tenho um poço artesiano em Praia de Mauá , no município de Magé, Rio de Janeiro (área de baixada).
    O que vem acontecendo é exatamente o que você narrou, a água sai límpida, cristalina sem cheiro e gosto, porém depois de 12 (horas) a água fica com cor de barro (mas precisamente “enferrujada”), deixando seu rastro nos vasos, roupas e até na toalha quando nos enxugamos.
    Por isso, se possível, gostaria de ter informações mais detalhadas de como você conseguiu resolver este problema.
    O consumo de água não é grande, chegando nó máximo de 3000 a 5000 litros/dia em feriados. Tenho três caixas de 1000 litros, sendo uma usada como cisterna e as outras duas como distribuição (em cima da casa).
    Desde já, agradeço a atenção.
    Abraço.
    Marcelo Freitas

    • Olá, Marcelo. Bem-vindo ao blog. A sua situação é idêntica à do Flávio, que respondi hoje (veja aí em cima). De qualquer maneira, uma coisa você pode fazer de imediato: a análise da água, para confirmar que o problema é o excesso de ferro.
      Retorne com o resultado e vamos pensar juntos como resolver esse seu problema em definitivo, está bem?
      Um forte abraço.
      Abreu

  164. Abreu, boa noite!
    Tenho algumas novidades! Recebi um orçamento da empresa Via filtros para filtro central com RESINA DESFERRIZADORA ZF, vazão 2.000l/h, valor R$ 1890,00. No meu caso o PH da minha água é baixo, então preciso aumentar o Ph e clorar, ou seja 2 bombas dosadoras! O vendedor me informou e após algumas pesquisas na internet, para uma melhor ação do oxidante(cloro), o Ph da água precisa estar entre 6,8 e 7,2. O da minha água é 5. Um outro fato. Em contato com a empresa Sidrasul, para tirar algumas dúvidas sobre o Phoslan, um químico(que o vendedor informou ser o responsável pelo produto) me instruiu que o filtro deve ser posto ANTES do ponto de dosagem do Phoslan! Segundo ele, devo fazer a filtragem e retirar o excesso de ferro presente na água antes de aplicar o Phoslan. No meu caso para ficar dentro dos limites da potabilidade tenho que reduzir o teor de ferro e ajustar o Ph. E como tenho que primeiro fazer isto(ficar dentro dos limites da potabilidade) para depois aplicar o Phoslan, ele já não me parece muito interessante.
    Bem, é isso até agora. Estou aguardando outros orçamentos.
    Bom carnaval!
    Abraço
    Júlio César

    • Olá, Júlio César. Gostei desse filtro ZF. Vou estudá-lo mais profundamente. Quanto à posição do filtro, recomendada pela empresa, nossa experiência aqui caminha no sentido contrário. Se filtrarmos antes e quelarmos depois, as moléculas de ferro, mesmo encapsuladas pelo Phoslan, vão para a caixa e serão consumidas pelos usuários, o que pode gerar um aumento da ferritina do sangue. Nós decidimos injetar o produto, encapsular as moléculas, retê-las no filtro e, então, mandar a água para a caixa sem elas. Fizemos a análise do teor de ferro com amostras dos dois sistemas. O nosso põe água na caixa com teores muuuito abaixo dos limites máximos recomendados pelo Ministério da Saúde. Outra hipótese seria usarem-se dois filtros. Mas aí tem o dim-dim.
      Dê notícias quando receber os novos orçamentos, OK?
      Um abração.
      Abreu

  165. Abreu, boa noite!

    Saiu o resultado da análise da água. Segue alguns dados:
    Alcalinidade Total – 15 mg/L
    Cloro Residual Livre – 0,01 mg/L
    Cloreto – 24,60 mg/L
    Condutividade – 1.413 µs/cm2
    Cor – 34 uH
    Dureza Total -114,00 mg/L
    Ferro Total – 2,32 mg/L
    pH 5,00
    Odor – Não Objetavel
    Turbidez – 1,77 UT

    Já enviei os resultados para algumas empresas para cotar o valor do filtro. Também estou esperando respostas para o Phoslan e a bomba dosadora. Lendo os posts antigos e algumas empresas que comercializam os filtros indicam, usar o cloro para acelerar a oxidação. Você já fez este teste? A principio penso em usar o sistema que você usa: Bomba dosadora + Phoslan + Filtro, mas encontrei filtros específicos para filtrar o ferro, e os vendedores indicam o cloro para acelerar a oxidação e depois filtrar, ainda não perguntei sobre o uso do Phoslan nestes filtros. Como o cloro tem um custo bem inferior ao do Phoslan ficou a dúvida. Gostaria da sua opinião.

    • OOOOOOOpaaaa! Novidade no pedaço! É a primeira vez que vemos falar nessa hipótese, Júlio César. Essa ideia de clorar a água antes de filtrar, acelerando a oxidação é totalmente nova e criativa. Parece ser um sistema mais simples e, por conseguinte, mais barato, a depender do filtro de ferro. O cloro é mais barato do que o Phoslan. Se o filtro de ferro for mais barato do que o filtro que usamos, já era. Você pode verificar para nós qual o preço do filtro de ferro?
      Gente, quando falamos em clorar antes de filtrar, significa basicamente misturarmos água sanitária à água na boca do poço e antes do filtro de ferro. Como água sanitária é barata, a grande incógnita é o preço do filtro. Mas achamos que estamos diante de uma grande possibilidade de jogarmos nossa cruz no chão, a depender das respostas do Júlio César.
      Ansiosos, no aguardo, Júlio.
      Um grande abraço cloro-ferruginoso para você!
      Abreu

  166. Oriente-me por favor!
    Tenho um poço comum de aproximadamente 4 metros de profundidade, a água era branca,mas depois que colocamos manilhas a água ficou com cor ferrugem e mesmo depois de armazenada e decantada, encarde as roupas brancas. Queríamos furar um poço artesiano,mas fomos informados que o problema vai continuar com água de ferrugem.Se furarmos o poço e der mesmo água com ferrugem, o que podemos fazer? Ou existe uma forma de consertar a água do poço existente?

    • Olá, Marina. Bem-vinda ao blog. No seu caso, é importante ter presente o seguinte: poço raso é um coisa, poço artesiano é outra totalmente diferente. Os poços rasos tem contato direto com a camada do solo que é composta de matéria orgânica, ou seja, vegetais e animais EM DECOMPOSIÇÃO. Os poços artesianos tem contato permanente mais com elementos minerais, entre eles o ferro. Antes de você tentar o vestibular para os problemas de terríveis dos poços artesianos de água suja, vamos ver se a gente consegue ajudá-la a resolver os seus problemas atuais com seu poço de 4 metros. As questões básicas, Marina, são as mesmas, ou seja, “Que água é esta?”. Em qualquer das situações, essa resposta tem de ser dada antes que você saia por aí gastando seu dinheiro. Você disse que no início a água é branca. Branca ou cristalina, transparente? Vamos admitir que você quis dizer “cristalina”. Mesmo uma água cristalina pode ter perigos muito maiores do que encardir roupas: pode trazer micróbios capazes de comprometer a saúde da família. Assim, faça o exame de sua água. É infinitamente mais barato de que furar um poço artesiano. Dependendo de onde você esteja, pode ir de R$ 70,00 a R$ 120,00 e você não tem que dizer de onde a água veio, se o poço é seu, nada. Os caras vão emitir um pequeno laudo, dizendo se os minerais e a matéria orgânica da sua água estão dentro ou fora das especificações do Ministério da Saúde. Em síntese, vão dizer se a água é potável. Então, você vai mandar fazer a análise quimíca, física e biológica da água. Cada uma dessas respostas vai dar uma orientação para nós, entendeu? Por exemplo, se der uma elevada concentração de coliformes fecais (cocô), é melhor esquecer desse poço. Se não houver contaminação orgânica, mas alto teor de ferro, podemos tentar salvá-lo. Em outras palavras, não dá para botar Band-Aid em câncer, nem tratar resfriado com radioterapia. Primeiro o diagnóstico, depois o tratamento. Ficamos aqui, aguardando o seu retorno com o resultado da análise da água. Tudo bem?
      Grande abraço.
      Abreu

      • Sr Abreu, muito obrigada pela orientação, vou seguir cada passo para ver se posso um dia conseguir usar meu poço de 4 metros.A água no princípio era cristalina,mas nunca tivemos a idéia de bebe-la porque temos uma cisterna de 10 mil litros, nos acostumamos a comprar água. Mas espero ter a sorte de na primeira análise não apresenta coliformes fecais. Darei notícias. Mais uma vez, muito obrigada pela resposta.

  167. Abreu,

    Minha bomba é 1 1/4CV … Qual pressão eu deixo no registro?

    Geralmente deixo em 30MCA … Qual pressão eu teria uma maior vazão ? Qual o indicado?

    • Oi, Cleber. Eu não sei exatamente como é que você controla a pressão da bomba. O meu sistema aqui, como você deve saber, é constituído da bomba no fundo do poço, uma bomba dosadora da boca do poço, um filtro MF e a caixa-taça, de 12.000 litros. Já usei bomba de 2 CV no fundo do poço. O filtro não aguentava a pressão e deixava passar sujeira. Precisei, então, conciliar a pressão da bomba com a capacidade do filtro. O filtro, tem um manômetro que indica a pressão recebida e um manual que diz que ele não deve trabalhar com pressão superior a 4. Primeiro, troquei a bomba por uma de 1 CV. Aí eu descobri algo interessantíssimo: a bomba, independentemente da potência, não exerce uma pressão fixa e rígida. Ela, com aquela potência nominal, trabalha em diversos níveis de vazão, que podem ir de 600 a 5000. Veja bem: a mesma bomba de 1 CV, produzindo de 600 a 5000 litros por hora. Nossas experiências nos levaram a descobrir que tinha de haver uma situação em que a bomba trabalhasse confortável e o filtrotambém funcionasse na zona de conforto. Como não havia como alterar a capacidade do filtro e nem como ficar trocando de bomba, decidimos alterar a única varíavel que estava disponível: a profundidade da bomba. E foi o que fizemos. Hoje, nossa bomba está a 84 metros de profundidade, o que significa uma vazão de cerca de 2.300 litros por hora, e exercendo uma pressão de 2,2 sobre o filtro, que suporta pressões de até 4. Folga geral.
      O que queremos dizer, Cleber, é que essa pergunta deve ser respondida por você mesmo, com muita paciência, sucessivas experiências, diversas análises e uma obstinação a toda prova. Parece difícil? Não, é uma diversão. Até porque você é do ramo: gente, como nós,que se diverte com desafios dessa natureza.
      Um fraternal abraço – daqui do meio da folia do Carnaval da Barra em Salvador, onde me encontro.
      Abreu

  168. OLá, moro em Guatambú-SC, furamos um poço com 225m, começou a dar água usamos mais ou menos dois meses e secou o poço, a empresa começou a verificar o problema qdo foram retirar os canos(eles tinham colocado de pvc) quebrou e abomba caiu no fundo do poço. Foi colocado outra bomba começamos a usar e não deu mais que 200 l de água por dia. A empresa quebrou a bomba no fundo do poço e furou até perto dos 300m, e não deu mais água. É normal acontecer isso? o poço tinha algum reservatório e acabou? o que eu faço nessa situação?

    • Olá, Roberto. Bem-vindo ao blog. Lamentavelmente, Roberto, você está vivendo aquela tragédia que todos nós, aqui no blog, sabemos que é o pior dos problemas: o poço seco! Veja que o nome do nosso post é “Poço Artesiano de Água Suja”. Fora do título do post, existem os poços maravilhosos de água limpa e abundante, os poços de água limpa e de pouca vazão, os poços de água com gosto de querosene, os poços de água com cheiro de enxofre e, finalmente, os poços sem água. Esta é uma realidade dura, cruel: perfuração de um poço é um jogo, uma aposta. Você perdeu, Roberto. Com 300 metros de profundidade e com essa vazão, continuar perfurando é jogar dinheiro fora. Onde você está? É no planalto catarinense ou no litoral? Há poços artesianos nas proximidades da sua propriedade? Qual a profundidade deles? Você tem certeza de que a bomba que substituiu a bomba quebrada está funcionando bem? Não descarto a hipótese de água estar lá, a perfuração dos 75 metros adicionais não a tenha feito jorrar naturalmente e a bomba estar funcionando mal. Confira essas coisas, mas sem gastar muito dinheiro. Use um rolo de barbante de algodão com um peso na ponta e jogue-o no poço: você terá certeza se o poço está seco, ou não.
      Se houver água, significará que a bomba está funcionando mal ou não está funcionando. Aí, você saberá o que fazer. Se não houver água, voltamos ao ponto inicial: é um poço perdido.
      Ficamos aqui na sua torcida, Roberto!
      Abreu

  169. pelo amor de deus me diz como voce resolveu seu problema.

    meu poco esta com o mesmo problema a agua mancha as roupas e os sanitarios, nao sei o que faço.

    agradeço

    • Olá, Bruno. Bem-vindo ao blog. A solução que encontramos está descrita no blog, ou seja: 1) fazer a análise da água para confirmar a presença de ferro; 2) caso confirmada, adicionar um quelante na saída do poço, antes que a água tenha contato com o oxigênio, através de uma bomba dosadora; 3) instalar um filtro entre a boca do poço e o reservatório (caixa d’água). Isto resolveu nosso problema. O que estamos tentando agora é nos livrarmos da bomba dosadora, através de um caminho alternativo, uma vez que a bomba, a cada apagão, queima de forma irrecuperável. Assim, Bruno, nós lhe perguntamos em que ponto da escala você está. Já fez a análise da água? Já confirmou o ferro? Já instalou a bomba dosadora e o filtro? Não se desespere. Vamos tentar ajudar você, OK?
      Retorne!
      Forte abraço.
      Abreu

    • Bruno,

      Eu passei 5 meses com medo de ser ferro ou somente areia no meu poço.

      Paguei apenas 120 reais pela análise da água. Valeu muito a pena saber que apenas com filtro (no meu caso era somente areia que estava criando lama na caixa) eu poderia resolver o problema.

      O Abreu é o maior especialista que conheço e com uma presteza sem tamanho.

  170. Amigo Abreu.

    Qual filtro você me indica para 1.000L/hora com sistema de retrolavagem?

    Meu filtro em uma semana sujou bastante, bastante mesmo! Ficou uns 2 dedos de altura de areia/lama dentro do compartimento do filtro.

    Meu modelo é normal de filtragem acima de 25 micas em polipropileno.

    • Olá, Cleber. O filtro que recomendamos aqui é o chamado filtro central. A empresa que conhecemos e utilizamos – deve haver muitas outras – é o Mundo dos Filtros. Esses filtros têm uma série de camadas de cristais de sílica (areia), que vão da areia mais fina a camadas de cristais do tamanho de grãos de feijão, tudo permeado por carvão ativado, que nada mais é do que carvão vegetal feito a partir de sementes de frutas extremamente duras e com poder de reter as partículas mais tênues da sujeira.
      Com o tempo, as impurezas retidas (barro, matéria orgânica, metais, etc) começam a reduzir o fluxo da água através do filtro, o que pode vir a forçar a bomba ou começar a deixar passar a sujeira. É nesse momento que entra a retrolavagem. O filtro permite que a água entre pela saída, volte no sentido da entrada e seja descartada por um ramal lateral. A quantidade e a frequencia da retrolavagem dependerão do seu consumo de água. E o filtro deverá ser dimensionado não pela vazão da bomba, mas pela quantidade de água que você usa. Trocando em miúdos: se sua bomba tem uma vazão de 5.000 litros por hora ( o que equivale a 120.000 litros por dia) e você consome cerca de 3.000 litros de água por dia, seu filtro deve filtrar 3.000 litros por dia (cerca de 140 litros por hora) e não 120.000 litros por dia (5.000 litros por hora).
      Enfim, você pode errar na bomba (comprar uma bomba muito mais carae poderosa do que você precisa), mas você pode regulá-la para reduzir a vazão e ela trabalhará mais folgada e durará mais tempo. Agora, comprar um filtro maior do que você precisa é efetivamente jogar dinheiro fora. E o preço do filtro varia segundo a quantidade de água que ele é capaz de filtrar. E o preço da carga também
      Em suma, Cleber, compre um filtro de excelente marca, conhecida, do tamanho de sua necessidade, faça retrolavagem sempre que necessário e troque a carga sempre que a retrolavagem não restabeleça mais o desempenho do seu filtro. Repito: quanto maior o filtro, maior o preço, maior a carga e maior o custo.
      Finalmente: para quem não tem ferro na água, o filtro é um santo remédio!
      Um abração.
      Abreu

  171. Olá.

    Após meses participando do grupo e com minha água ainda arenosa, fiz meu teste. Realmente vale a pena. Paguei R$120 e olhem o resultado:

    Ferro total mg/l 0,008 (limite 0,3)
    Ausencia de coliformes
    STD mg/l 0,027 (Ilimite 1000)
    Turbidez 1,63 (limite 5)
    Ph 4,65 —> Esse deu abaixo (normal entre 6 e 9)

    Graças a Deus não é ferro meu problema e sim areia e barro bemmmmm fininho. Coloquei 1 filtro de vazão 1300L/hora na entrada da caixa dágua e outro filtro na tubulação que